Compartilhamento de práticas formativas em matemática escolar por professoras alfabetizadoras

Autores

  • Regina Célia Grando Universidade Federal de São Carlos
  • Adair Mendes Nacarato Universidade São Francisco

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646534

Palavras-chave:

Letramento matemático escolar. Formação de professores. Anos iniciais. Letramento do professor.

Resumo

O texto analisa práticas formativas num grupo de professoras alfabetizadoras, que fazem parte do projeto Observatório da Educação, intitulado “Estudos e pesquisas de práticas de letramento matemático escolar e de formação docente”, da Universidade São Francisco, Itatiba, SP, relativo ao período 2013-2014. O projeto tem por objetivo investigar, por meio de um trabalho colaborativo com professoras da educação básica, as práticas de letramentos matemáticos escolares, bem como as práticas de formação docente de professoras que ensinam matemática. Entende-se que as práticas das professoras, quando sistematizadas em forma de narrativa e compartilhadas no grupo de pesquisadores e em eventos científicos, possibilitam um letramento acadêmico de todos os envolvidos. Dessa forma, tomam-se como objeto de análise os momentos de compartilhamento das narrativas das professoras no grupo de pesquisadoras e em eventos científicos, entendendo-as como experiências formativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Célia Grando, Universidade Federal de São Carlos

Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Mestre e Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Unicamp. Atualmente é professora da Universidade Federal de São Carlos e desenvolve pesquisas na área de Educação Matemática, Formação de Professores e o Lúdico na Educação Matemática.

Adair Mendes Nacarato, Universidade São Francisco

Graduada em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1975), mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1994) e doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Atualmente é docente da Universidade São Francisco, campus de Itatiba, junto ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Permanente, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, formação de professores, prática pedagógica e narrativas (auto)biográficas. Atua em cursos de extensão voltados à formação docente e ao desenvolvimento curricular em matemática. Realizou estágio de pós-doutoramento junto ao PPGE da UFRN no campo dos estudos biográficos, sob supervisão da Profa. Dra. Maria da Conceição Passeggi. É membro da Comissão Permanente de Avaliação (CPA) da USF e editora da Revista Horizontes. É pesquisadora produtividade/CNPq, nível 2.

Referências

BAKHTIN, M. (Volochinov). (1997). Marxismo e filosofia da linguagem (M. Lahud & Y. F. Vieira, trad.). São Paulo: Hucitec.

COCHRAN-SMITH, M., & LYTLE, S. L. (1999). Relationships of knowledge and practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, 24, 249-305.

COORDENAÇÃO de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. (2012, 30 de outubro). Portaria no. 152. Regulamento do Programa Observatório da Educação. Diário Oficial da União, 31 de outubro de 2012. Seção 1, p. 43. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, Capes.

CRUZ, M. E. A. da. (2007, julho/novembro). O letramento acadêmico como prática social: novas abordagens. Gestão e Conhecimento, 4(1), 3-13.

DELORY-MOMBERGER, C. (2008). Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal: Ed. UFRN; São Paulo: Paulus.

JAWORSKI, B. (2009). Building and sustaining inquiry communities in mathematics teaching development. In K. Krainer & T. Wood (Eds.), Participants in mathematics teacher education: individuals, teams, communities and networks. The international handbook on mathematics teacher education (vol. 3, pp. 309-330). Rotterdam, The Nerthelands: Sense Publisher.

KLEIMAN, A. B. (1995). O que é letramento? In: A. B. Kleiman (Org.), Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita (pp. 15-61). Campinas: Mercado de Letras.

LARROSA, J. (2002). Literatura, experiência e formação. In: M. V. Costa, Caminhosinvestigativos: novos olhares na pesquisa em educação (pp. 133-160). Rio de Janeiro: DP&A.

LARROSA, J. (2004). Algumas notas sobre experiência e suas linguagens. In: R. L. L. Barbosa (Org.), Trajetórias e perspectivas da formação de educadores (pp. 19-34). São Paulo: Editora UNESP.

LÚCIO, C. C. B. (2015). Práticas de letramento matemático narradas por professoras que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação, Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

MIGUEL, A. (2005, janeiro/abril). História, filosofia e sociologia da educação matemática na formação do professor: um programa de pesquisa. Educação e Pesquisa, 31(1), 137-152.

NACARATO, A. M., & GRANDO, R. C. (2011). Formative processes: sharing learning experience in geometry. In: N. Berdnaz, D. Fiorentini, & R. Huang (Eds.), International approaches to professional development for mathematics teachers (pp. 128-136). Ottawa, Canada: University of Ottawa Press.

PASSOS, C. L. B., NACARATO A. M., FIORENTINI, D., MISKULIN, R. G. S., GRANDO, R. C., GAMA, R. P., ... , MELO, M. (2006). Desenvolvimento profissional do professor que ensina matemática: uma meta-análise de estudos brasileiros. Quadrante, 15 (1-2), 193-219.

PLACCO, V. M. N. S., & SOUZA, V. L. (Orgs.). (2006). Aprendizagem do adulto professor. São Paulo: Loyola.

RIBETTO, A. (2011, julho/dezembro). Pensar a formação de professores desde a experiência e desde o menor da formação. Reflexão e Ação, 19(2), 109-119.

ROJO, R. (2009). Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola.

ROSSO, A. J., TOZETTO, A. S., BRANDT, C. F., FREIRE, L. I. F., CERRI, L. F., LAROCCA, P., & CAMPOS, S. X. (2011). Letramento docente: leitura e escrita do mundo e da escola. Interacções, 17, 114-134.

SOUZA, D., ROSSI, E., & MARASSATO, I. (2014). Na proa das palavras e seus sentidos: a leitura negociada entre professoras e alunos nas aulas de matemática. Linha Mestra, 24, 887-888.

STREET, B. (2004). Los nuevos estudios de literacidad. In: V. ZAVALA, M. NIÑO-MURCIA, & P. Ames, Escritura y sociedad. Lima: Red para el Desarrollo de las Ciencias Sociales en el Perú.

Downloads

Publicado

2016-05-13

Como Citar

GRANDO, R. C.; NACARATO, A. M. Compartilhamento de práticas formativas em matemática escolar por professoras alfabetizadoras. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 141–156, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i45.8646534. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646534. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)