Religiões e voto: a eleição presidencial de 1994

  • Antônio Flávio Pierucci Universidade de São Paulo
  • Reginaldo Prandi Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Religião. Eleições presidenciais. Participação religiosa. Participação política

Resumo

A filiação religiosa teria alguma influência sobre o voto? Para o Brasil de hoje, em que tantas são as alternativas religiosas, com diversas visões de mundo e diferentes noções de política, e tão intenso é o movimento de conversão e reconversão, esta questão ganha importância cada vez maior. Em 1994, no decorrer da campanha eleitoral para presidente da República, trabalhando em colaboração com institutos de pesquisa de opinião, foi possível incluir em alguns surveys de alcance nacional perguntas sobre filiação religiosa e participação em movimentos religiosos. É com esta espécie de informação, praticamente inédita entre nós, que buscamos responder à pergunta sobre a relação religião-voto.

 

Abstract

Does the religious affiliation have any influence over the vote? Today in Brazil, where there are many religious options, with many views of the world, different concerns on politics, and a very intensive movement towards conversion and reconversion, this question has much more importance. During the 1994 electoral campaign for the Presidency, the colaboration of public opinion research institutes had made possible to applying questions about the religious affiliation and the participation in religious movements in national quantitative surveys – with this kind of information, practically unknown within us, we seek to answer the question about the relationship between the religion and the vote.

Keywords: Religion, presidential election, religious participation, political participation

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Flávio Pierucci, Universidade de São Paulo
Curso de graduação em Filosofia pela PUC-SP (1973). Mestrado em Ciências Sociais pela PUC-SP (1977). Doutorado em Sociologia pela USP (1985). Livre Docência pela Universidade de São Paulo (2001). Desde 2005 é Professor Titular do Departamento de Sociologia da USP. Foi secretário executivo da ANPOCS, Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, por dois mandatos (1992-1996). Foi Secretário Geral da SBPC, Sociedade Brasileira para o Progresso Ciência (2001-2003). Especialista em Sociologia da Religião e Teoria Sociológica Alemã. Tem também experiência em Sociologia Urbana e Sociologia Política com foco em Comportamento Eleitoral. Foi pesquisador do CEBRAP (SP) por 17 anos (1971-1987), com participação nos mais diferentes projetos de pesquisa empírica e teórica. É pesquisador nível 1-A do CNPq (bolsista Pq).
Reginaldo Prandi, Universidade de São Paulo
Reginaldo Prandi, graduado em ciências sociais pela Fundação Santo André (1970), obteve pela Universidade de São Paulo o título de especialista em demografia (1971) e, na área de sociologia, os de mestre (1974), doutor (1977), livre-docente (1989) e professor titular (1993). Aposentado em 2005 como professor titular do Departamento de Sociologia da USP, é atualmente professor sênior do mesmo departamento e pesquisador 1A do CNPq. Foi um dos fundadores do Instituto Datafolha, órgão de pesquisa do jornal Folha de S. Paulo, participou do Comitê de Ciências Sociais do CNPq, coordenou o Comitê de Sociologia da Capes e foi membro do Comitê Acadêmico da Anpocs. É especialista em amostragem e análise quantitativa de dados. Trabalha na área de sociologia, com ênfase em sociologia da religião, atuando principalmente nos seguintes temas: religiões afro-brasileiras (candomblé e umbanda), catolicismo, espiritismo e pentecostalismo.

Referências

BERQUÓ, E.; ALENCASTRO, L. F. A emergência do voto negro. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 33, p. 77-88, jul. 1992.

CAMARGO, C. P. F. et al. Católicos, protestantes, espíritas. Petrópolis: Vozes, 1973.

MACHADO, M. D. C. Adesão religiosa e seus efeitos na esfera privada: um estudo comparativo dos carismáticos e pentecostais do Rio de Janeiro. Tese de doutorado em Sociologia. Rio de Janeiro: IUPERJ, 1994.

MARIANO, R. Neopentecostalismo: os pentecostais estão mudando. Dissertação de Mestrado. São Paulo, USP, 1995.

MARIANO, R.; PIERUCCI, A. F. O envolvimento dos pentecostais na eleição de Collor. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 34, p.92-106, Nov. 1992.

MENDONÇA, A. G. Um panorama do protestantismo atual. In: LANDIM, L. (org.). Sinais dos tempos: tradições religiosas no Brasil. Rio de Janeiro: ISER, 1989.

PIERUCCI, A. F. Representantes de Deus em Brasília: a bancada evangélica na Constituinte. Ciências Sociais Hoje, 1989. São Paulo: Vértice e ANPOCS, 1989.

PIERUCCI, A. F. Democracia, igreja e voto: o envolvimento dos padres de paróquia na eleição de 1982. Tese de doutorando em Sociologia, São Paulo, USP, 1984.

PRANDI, R. Os candomblés de São Paulo. São Paulo: Hucitec e Edusp, 1991.

PRANDI, R. Perto da magia, longe da política. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 34, p. 81-91, Nov. 1992.

SOUZA, B. M. A experiência da salvação: pentecostais em São Paulo. São Paulo: Duas Cidades, 1961.

SOUZA, N. R. A igreja católica progressista e a produção militante. Dissertação de mestrado em Sociologia, São Paulo, USP, 1993.

Publicado
2015-10-16
Como Citar
Pierucci, A. F., & Prandi, R. (2015). Religiões e voto: a eleição presidencial de 1994. Opinião Pública, 3(1), 32-63. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8640991
Seção
Artigos