Volatilidade eleitoral em eleições parlamentares, 1950 – 1978

  • Marcus Figueiredo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Volatilidade eleitoral. Eleições presidenciais. Partidos políticos

Resumo

Este artigo apresenta o uso do indicador Volatilidade Eleitoral de Pedersen no estudo do processo eleitoral brasileiro para o período entre 1950 e 1978. O autor analisa o movimento eleitoral global e nos Estados da federação por períodos eleitorais específicos e encontra um comportamento direcionado para os partidos políticos não-conservadores.

 

Abstract

This article uses the measure of the Electoral Volatility by Pedersen in the period between 1950 and 1978. The author analyses the electoral movement for the country and for each state of the federation and he finds a behavior oriented to non-conservative political parties. 

Keywords: electoral volatility, presidential election, political parties

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Figueiredo, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (1971), mestrado em Ciência Política pela Sociedade Brasileira de Instrução - SBI/IUPERJ (1975) e doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (1989). Atualmente é Pesquisador Sênior Nacional do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - IESP-UERJ; Coordenador do Laboratório de Pesquisas em Comunicação Política e Opinião Pública - DOXA, (IESP-UERJ); membro nomeado e Presidente do Conselho Superior do CESOP/UNICAMP. Menbro do Conselho de Redação da Brazlian Political Science Review. Principal área de atuação: Ciência Política, com ênfase em Teoria Política Contemporânea e Comportamento Político, atuando principalmente nos seguintes temas: democracias, sistemas partidários, eleições, campanha eleitoral, competição eleitoral, persuasão política e eleitoral

Referências

BARTOLINI, S.; MAIR, P. Identity, competition and electoral avaliability: the stabilization of european electorates, 1885 - 1985. Sage Publications, 1986.

CAMPELLO DE SOUZA, M. C. Estado e partidos políticos no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1976.

DAALDER, H.; MAIR, P. (ed.). Western european party systems: continuity and change. Sage Publications, 1984.

KINZO, M. D. G. Oposição e autoritarismo: gênese e trajetória do MDB. São Paulo: Vértice / IDESP, 1988.

LAMOUNIER, B. (org.). Voto de desconfiança. São Paulo: Editora Vozes, 1980.

LAVAREDA, A. A democracia nas urnas. Rio de Janeiro: Rio Fundo Editora / IUPERJ, 1991.

LIPSET, S. M.; ROKKAN, S. Party systems and voter alignments. New York: The Free Press, 1967.

MAINWARING, S.; SCULLY, T. R. A institucionalização dos sistemas partidários na América Latina. Revista DADOS, v. 37, n. 1, 1994.

PEDERSEN, M. N. Changing patterns of electoral volatility in european party systems, 1948 - 1977: explorations in explanation. In: DAALDER, H. Western european party systems: continuity and

change. Sage Publications, 1984.

PRZEWORSKI, A. Institutionalization of voting patterns, or is mobilization the source of decay?. The American Political Science Review, v. 49, n. 1, march 1975.

SOARES, G. A. D. O Previsível eleitor brasileiro. Ciência Hoje, v. 2, n. 9, 1983.

SOUZA, A.; LIMA JR., O.; FIGUEIREDO, M. Brizola y las elecciones de 1982 en Rio de Janeiro. Revista Mexicana de Sociologia, v. 69, n. 2, 1987.

Publicado
2015-10-16
Como Citar
Figueiredo, M. (2015). Volatilidade eleitoral em eleições parlamentares, 1950 – 1978. Opinião Pública, 3(3), 186-196. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641002
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)