Identidade, oposição e pragmatismo: O conteúdo estratégico da decisão eleitoral em 13 anos de eleições

Autores

  • Elizabeth Balbachevsky Universidade de São Paulo
  • Denilde Oliveira Holzhacker Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Estudo Eleitoral Brasileiro. Estratégia de voto. Eleição presidencial. Identidade política

Resumo

Com base em resultados de surveys realizados no contexto das quatro eleições presidenciais brasileiras de 1989, 1994, 1998 e 2002, bem como da eleição municipal de 1996), as autoras analisam o comportamento do eleitorado e propõem que este segue um padrão definido por uma dentre três estratégias possíveis: o voto como expressão de uma identidade com o candidato; como crença no potencial de oposição que o candidato representa ou como expressão da crença na sua capacidade administrativa. Ao longo do período, destaca-se a associação do voto dos eleitores que se orientam pela busca de uma identidade com o candidato e a candidatura Lula. O artigo é baseado nos resultados do Estudo Eleitoral Brasileiro.

 

Abstract

Based on survey results conducted in the Brazilian Presidential elections of 1989, 1994, 1998 and 2002, and the local election of São Paulo in 1996, the authors analyse the electoral behavior as a result of a strategy pattern made of three possible choices: the vote as an expression of identity with the candidate; as a belief in the candidate´s opposition capacity and as a belief in the candidate´s administrative capacity. The authors point out the link between the vote strategy as an expression of identity with the candidate Luís Inácio da Silva, Lula, in all the period. The article is based on the Brazilian Electoral Study results.

Keywords: Brazilian Electoral Study; voting strategy; presidential election; political identity

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizabeth Balbachevsky, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo, mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo, é livre docente pelo Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo e professora associada no mesmo Departamento. Desenvolve pesquisas na área de políticas de ciência, inovação e ensino superior, além de estudos na área de comportamento político.

Denilde Oliveira Holzhacker, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1996), mestrado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2001) e doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2006). Atualmente é professora assistente no curso de relações internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing, assistente de pesquisa - Núcleo de Pesquisa Em Relações Internacionais e pesquisadora no Centro de Estudos e Pesquisas sobre Diplomacia Corporativa (CEDIC). 

Referências

ALBUQUERQUE, J. A. G. Identidade, oposição e pragmatismo: uma teoria política do voto. Revista Lua Nova, p. 53-80, 1992.

ALBUQUERQUE, J. A. G.; BALBACHEVSKY, E. & HOLZHACKER, D. Os impactos da crise financeira sobre a opinião pública brasileira. Revista Brasileira de Comércio Exterior (RBCE), n. 58, ano XIII, 1999.

CAMPBELL, A.; CONVERSE, P. E.; MILLER, W. & STOKES, D. The American voter. New York: John Wiley, 1960.

DOWNS, A. An economic Theory of Democracy. New York: Harper & Row, 1957.

ENELOW, J & HINICH, M. The spatial theory of voting: an introduction. Cambridge MS: Cambridge University Press, 1984.

FIORINA, M. Retrospective voting in american national elections. New Haven: Yale University press, 1981.

LIPSET, S. M. O homem político. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1968.

MILLER, W. E. & SHANKS, J. M. The new american voter. Cambridge, MS and London: Harvard University Press, 1996.

NEWMAN, W. R. The paradox of mass politics. Cambridge, MS, London: Harvard University press, 1986.

TOURAINE, A. Sociologie de L’Action. Paris: Seuil, 1965.

Downloads

Publicado

2015-10-19

Como Citar

Balbachevsky, E., & Holzhacker, D. O. (2015). Identidade, oposição e pragmatismo: O conteúdo estratégico da decisão eleitoral em 13 anos de eleições. Opinião Pública, 10(2), 242–253. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641150

Edição

Seção

Artigos