Associativismo e comportamento eleitoral na Eleição de 2002

Autores

  • Maria Teresa Miceli Kerbauy Universidade Estadual Paulista

Palavras-chave:

Estudo Eleitoral Brasileiro. Associativismo. Comportamento eleitoral. Participação política

Resumo

A autora analisa a participação eleitoral em 2002, relacionando-a às formas de participação associativa. A hipótese testada é de que o eleitor com vínculos associativos tem maior participação eleitoral. Nesse sentido, os resultados sugerem que para os eleitores ativos há um perfil associado à participação em greves e filiação sindical mas, quanto à sua filiação partidária, sugerem que há outros fatores intervenientes na relação. O artigo utiliza os dados do ESEB 2002

Abstract

The author analyses the electoral participation in the 2002 election in relation to the forms of associativism. The hypothesis is that the voter with more associative links is more willing to have electoral participation. The results suggest that the active voters are more participant in strikes and unions, but this active behavior is not related to party afiliation. The data come from the 2002 Brazilian Electoral Study.

Keywords: Brazilian Electoral Study; associativism; electoral behavior; political participation

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Teresa Miceli Kerbauy, Universidade Estadual Paulista

Possui Graduação em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara (1968), Mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1979), Doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1992) e Pós-Doutorado em Ciência Política pelo Instituto de Iberoamérica - Espanha (2011). 

Referências

ALMOND, G. e VERBA, S. The Civic Culture: Political Atitudes And Democracy. Five Nations. Boston, Little Brown and Company, 1963.

AVRITZER, Leonardo. Um desenho institucional para o novo associativismo. Lua Nova. Revista de Cultura Política, n. 39, p. 149-174, 1997.

BAQUERO, Marcelo e PRÁ, Jussara Reis. Matriz Histórico-Estrutural da Cultura Política no Rio Grande do Sul e Padrões de Participação Política. Cadernos de Ciência Política. Porto Alegre, UFRGS, n.3, 1995.

BOSCHI, Renato. A arte da associação. Rio de Janeiro: Vértice/IUPERJ, 1987.

CASTRO, Mônica Marta Machado de. O comportamento eleitoral no Brasil: diagnóstico e interpretações: teoria e sociedade. Belo Horizonte, n.1, p. 126-168, 1997.

DAHL, Robert. Polyarchy, Participacion and Oposition. New Haven: Yale University Press, 1971.

FERREIRA, Marcelo Costa. A participação política e os seus determinantes sócio-econômicos: as regiões metropolitanas brasileiras – 1988-1996. Opinião Pública. Campinas: Cesop, v. 5, n.2, p. 76- 86, junho, 1999a.

FERREIRA, Marcelo Costa. Associativismo e contato política nas regiões metropolitanas do Brasil - 1988-1996. Revista Brasileira de Ciências Sociais. ANPOCS, v. 14, n.41, p. 90-102, outubro, 1999b.

FERREIRA, Marcelo Costa. Participação e comportamento político no Estado de São Paulo, 1990. Opinião Pública. Campinas: Cesop, v. 6, n.2, p. 252-266, outubro, 2000.

FIGUEIREDO, Marcus. A decisão do voto. São Paulo: IDESP/Sumaré, 1991.

INGLEHART, Ronald. The Renaissance of Political Culture. American Political Sciense Review, v.22, n. 4, p. 1203-1229, 1988.

LAMOUNIER, B. e CARDOSO, F.H. Os partidos e as eleições no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

LAMOUNIER, Bolivar. Voto de Desconfiança em São Paulo: eleições e mudanças 1970-79. Rio de Janeiro Vozes, 1980.

LIMA Jr., Olavo. Brasil de Partidos, Eleições e Poder Legislativo. In: MICELI, Sérgio (Org.). O que ler na Ciência Social Brasileira. São Paulo: Sumaré, 1999.

MOISÉS, José Álvaro. Democratização e Cultura de Massas no Brasil. Lua Nova – Revista de Cultura e Política. São Paulo: CEDEC, n. 26, p. 5-51, 1992.

POLLOCK, Philip H. Organizations as Agents of Mobilization: How Does Group Activity Affect Political Participation?. American Journal of Political Science, v.26, n.3, p. 485, 1982.

REIS, Fábio W. (Org.). Os partidos e o regime, a lógica do processo eleitoral brasileiro. São Paulo: Símbolo, 1978.

RENNÓ, Lucio R. Teoria da Cultura Política. BIB. Rio de Janeiro, n. 45, 1º semestre, p. 71-92, 1998.

RENNÓ, Lucio R. Confiança interpessoal e comportamento político: microfundamentos da teoria do capital social na América Latina. Opinião Pública. Campinas: Cesop, v. 7, p. 33-59, maio, 2001.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Crise e castigo: partidos e generais na política brasileira. Rio de Janeiro: Vértice/IUPERJ, 1987.

SANTOS, Wanderley Guilherme. As razões da desordem. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

SIMÃO, Aziz. O voto operário em São Paulo. Revista Brasileira de Estudos Políticos, n. 1, p. 130- 141, 1956.

SOARES, Gláucio Ari Dillon. Sociedade e política no Brasil. São Paulo: Difel, 1973.

Downloads

Publicado

2015-10-19

Como Citar

Kerbauy, M. T. M. (2015). Associativismo e comportamento eleitoral na Eleição de 2002. Opinião Pública, 10(2), 254–267. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641151

Edição

Seção

Artigos