Banner Portal
Conservadorismo social: Opiniões e atitudes no contexto da eleição de 2002
PDF

Palavras-chave

Estudo Eleitoral Brasileiro. Conservadorismo. Comportamento eleitoral. Comportamento social

Como Citar

NISHIMURA, Katia Mika. Conservadorismo social: Opiniões e atitudes no contexto da eleição de 2002. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 339–367, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641154. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

A autora estuda as tendências do comportamento social dos brasileiros com base em posicionamentos sobre temas como o homossexualismo, o aborto, o papel da mulher e a hierarquia social e suas relações com variáveis demográficas, socioeconômicas e de comportamento político. Apesar de verificar a existência de um comportamento social conservador, os dados sugerem que este não se traduz, necessariamente, nas escolhas políticas dos indivíduos. O artigo utiliza os dados do ESEB 2002.

Abstract

The author studies the tendencies of the Brazilian electorate social behavior based on their positioning about homossexualism, abortion, feminism and social hierarchy aspects and she analyses their relationship with socioeconomic, demographic and political variables. The author finds conservative trends in the social behavior, that do not seem to influence their electoral choices. The data come from the 2002 Brazilian Electoral Study.

Keywords: Brazilian Electoral Study; conservantism; electoral behavior; social behavior 

PDF

Referências

ANTENORE, Armando. Pastor prega voto evangélico contra ‘raça gay’. Caderno Especial Folha de S. Paulo, p. 09, 29 de setembro de 2002.

BABBIE, Earl. Métodos de Pesquisas de Survey. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 1999.

BERABA, Marcelo. Influência da Universal preocupa Igreja Católica. Folha de S. Paulo, Caderno Especial 2, Eleições 2002, 28 de outubro de 2002.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Direitos humanos ou “privilégios de bandidos”? Novos Estudos Cebrap. São Paulo, (30), p. 162-174, julho, 1991.

DAGNINO, Evelina. Os movimentos sociais e a emergência de uma nova noção de cidadania. In: DAGNINO, Evelina (org.). Os anos 90: Política e Sociedade no Brasil. São Paulo, Brasiliense, 1994.

DA MATTA, Roberto. Sabe com quem está falando?. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6a . edição. Rio de Janeiro, Zahar, 1997.

DIMENSTEIN, Gilberto. Jardim dos gays. Folha de S. Paulo, p. C2, 10 de julho de 2002.

Folha de S. Paulo. 130 homossexuais foram mortos em 97, 27 de janeiro de 1998.

Folha de S. Paulo. Igreja: João Paulo II diz que homossexualismo é anomalia. Papa critica manifestação de homossexuais na capital italiana, 10 de julho de 2000.

Folha de S. Paulo. Geografia do preconceito, p. A4, 20 de maio de 2002.

Folha de S. Paulo. Não sou frango”, diz Garotinho, que é contrário à união civil de homossexuais, p. C4, 18 de maio de 2002.

Folha de S. Paulo. Garotinho diz que, eleito, veta união de homossexuais. p. A6, 07 de junho de 2002.

FRANCISCO, Luiz. Discriminação: Brasil lidera crime contra homossexual. Folha de S. Paulo, 04 de abril de 2000.

GAARDNER, Jostein. O Livro das Religiões. São Paulo: Companhia das Letras.

KAHN, Túlio. O ataque careca. Folha de S. Paulo, p. 1-3, 14 de fevereiro de 2000.

LEONEL, Vange. Vice Mulher. Revista da Folha, p. 41, 16 de junho de 2002.

LEONEL, Vange. O fruto da ignorância. Revista da Folha, p. 56, 20 de outubro de 2002.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Carismáticos e Pentecostais: Adesão Religiosa na Esfera Familiar. Campinas: Autores Associados; São Paulo: ANPOCS, 1996.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: Sociologia do Novo Pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Ed. Loyola, 1999.

MOTT, Luiz. Os presidenciáveis e os homossexuais. Folha de S. Paulo, Opinião, p. A3, 26 de setembro de 2002.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Representantes de Deus em Brasília: a Bancada Evangélica na Constituinte. Ciências Sociais Hoje, 1989.

PIERUCCI, Antônio Flavio. Apêndice. Em HELLERN, Victor; NOTAKER, Henry; 2000.

SALES, Teresa. Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, ano 9 (25), p. 26-37, junho, 1994.

A Opinião Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.