Ideologia e partidos políticos: um estudo sobre coligações em Santa Catarina

  • Yan de Souza Carreirão Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Coligações eleitorais. Partidos políticos. Ideologia. Política estadual

Resumo

O trabalho analisa os padrões ideológicos das coligações realizadas nas eleições para governador, deputado federal, deputado estadual e prefeito, no período 1986/2004, em Santa Catarina. O objetivo principal é o de verificar em que medida a ideologia constitui um obstáculo à realização de coligações “inconsistentes” e se há mudança nos padrões de coligação ao longo do período. A análise revela que no início da vigência do atual sistema partidário a proporção de coligações ideologicamente inconsistentes era pequena em relação ao conjunto das candidaturas lançadas. Ao longo do tempo o número deste tipo de coligação cresce, particularmente nas duas últimas eleições

 

Abstract

This article analyses the ideological patterns of coalitions performed at the elections for governor, federal representative, state representative and mayor, between 1986 and 2004, in Santa Catarina. The main goal is to verify to what extent ideology constitutes an obstacle to the making of “inconsistent” coalitions and if there are changes in the coalitions patterns, along the period at study. The analysis reveals that at the beginning of the operation of the current party system the proportion of ideologically inconsistent coalitions was small, in relation to the candidatures as a whole. As time passed by, however, the proportion of ideologically inconsistent coalitions increased substantially.

Key words: electoral coalitions, political parties, ideology, state politics

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yan de Souza Carreirão, Universidade Federal de Santa Catarina
Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina, Bacharelado em Ciências Sociais, mestrado em Sociologia Política (UFSC) e doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2000). Realizou estágio de pós-doutoramento junto ao Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo (2012/13). É Professor Associado da Universidade Federal de Santa Catarina, ocupando atualmente (2014-16) a coordenação do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política. É membro do Conselho Fiscal da ANPOCS (2014-16). Foi editor da revista Política & Sociedade (2009/2011), membro da Diretoria da ANPOCS (2006-08) e do Conselho Fiscal da ABCP (2004-08). Coordena a Área Temática "Eleições e Representação Política" da Associação Brasileira de Ciência Política.

Referências

AMES, B. Os entraves à democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003.

BOBBIO, N. Direita e esquerda. São Paulo: Ed. UNESP, 1995.

CARREIRÃO, Y. Identificação ideológica e voto para presidente. Opinião Pública, v. 8, n. 1, p. 54-79, maio 2002.

CASTAÑEDA, J. Utopia desarmada. São Paulo: Cia. das Letras, 1994.

FERNANDES, L. Muito barulho por nada? Dados, v. 38, n. 1, p. 107-143, 1995.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1999.

FIGUEIREDO, M. A lei de ferro da competição eleitoral: a aritmética eleitoral. Cadernos de Conjuntura, Rio de Janeiro, IUPERJ, n. 50, jul. 1994.

FREIRE, V. T. Urubus políticos e partidos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 set. 2005. Opinião, p. 2.

KINZO, M. D. O quadro partidário e a constituinte. In: LAMOUNIER, B. (org.) De Geisel a Collor: o balanço da transição. São Paulo: IDESP / Sumaré, 1990.

KINZO, M. D. Radiografia do quadro partidário brasileiro. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, 1993.

LIMA Jr., O. B. Partidos políticos brasileiros – 45 a 64. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

MAINWARING, S. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Porto Alegre/Rio de Janeiro: Mercado Aberto/Ed. FGV, 2001.

MELO, C. R. Retirando as cadeiras do lugar: migração partidária na Câmara dos Deputados (1985- 2002). Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

NICOLAU, J. M. Breves comentários sobre as eleições de 1994 e o quadro partidário. Cadernos de Conjuntura, Rio de Janeiro, IUPERJ, n. 50, julho 1994.

NICOLAU, J. M. Multipartidarismo e democracia. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996.

NOVAES, C. A. M. Dinâmica institucional da representação – individualismo e partidos na Câmara dos Deputados. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 38, p. 99-147, março 1994.

PANEBIANCO, A. Political parties: organization and power. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

REIS, F. W. Direita e esquerda e o eleitor brasileiro. In: REIS, F. W. Tempo presente: do MDB a FHC. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

RODRIGUES, L. M. Partidos, ideologia e composição social. São Paulo: Edusp, 2002.

SANTOS, W. G. Crise e castigo: partidos e generais na política brasileira. São Paulo: Vértice, 1987.

SCHMITT, R. Migração partidária e reeleição na Câmara dos Deputados. Novos Estudos Cebrap, n. 54, 1999.

SCHWARTZMAN, S. Vinte años de democracia representativa en Brasil. Revista Latino Americana de Ciência Política, v. 2, n. 1, 1971.

SINGER, A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro. São Paulo: Edusp, 2000.

SOARES, G. A. D. Alianças e coligações eleitorais: notas para uma teoria. Revista Brasileira de Estudos Políticos, n. 17, julho 1964.

SOUZA, M. C. C. Estado e partidos políticos no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1976.

TAVARES, J. A. G. Reforma política e retrocesso democrático. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1998.

Publicado
2015-10-22
Como Citar
Carreirão, Y. de S. (2015). Ideologia e partidos políticos: um estudo sobre coligações em Santa Catarina. Opinião Pública, 12(1), 136-163. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641223
Seção
Artigos