Banner Portal
A evolução do petismo (2002-2008)
PDF

Palavras-chave

Partido dos Trabalhadores. Identificação partidária. Ideologia política. Pragmatismo

Como Citar

SAMUELS, David. A evolução do petismo (2002-2008). Opinião Pública, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 302–318, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641291. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Com base no ESEB 2002 e no LAPOP 2007, o artigo analisa a evolução das bases do apoio de massa ao Partido dos Trabalhadores desde que Lula chegou ao poder em 2002. Historicamente, só o PT tem sido capaz de construir e manter uma ampla base de “identificados” com o partido entre os eleitores brasileiros. Mas, desde 2002, o PT tornou-se mais moderado e muito menos preocupado com os princípios ideológicos e partidários de seus anos iniciais e o artigo investiga o impacto da moderação da liderança do PT sobre os petistas. Os resultados sugerem que houve poucas mudanças nas bases do petismo: uma leve moderação e uma pequena mudança no perfil socioeconômico. Indicam também que o sentimento com relação à corrupção permanece sem importância como determinante do petismo

 

Abstract:

On the bases of ESEB 2002 and in LAPOP 2007, the article analyzes the evolution of the bases of the support of mass to the PT since Lula took office in 2002. Historically, only the PT has been able to build and maintain a fairly large base of partisan “identifiers” among Brazilian voters. But, since 2002, the PT became more moderate and far less concerned with ideology and with the principles the party laid out in its early years and the article investigates the impact of the moderation of the PT’s leadership on the “petistas”. The results suggest that it had few changes in the bases of “petismo”: a slight moderation and a small change in socioeconomic profile. They also indicate that the sentiment about corruption remains unimportant as a determinant of “petismo”.

Keywords: Partido dos Trabalhadores; partisan identification; political ideology; pragmatism.

PDF

Referências

CARREIRÃO, Y. S., KINZO, M. D’ALVA. “Os Partidos Políticos e a Decisão de Voto no Brasil.” Paper apresentado no Encontro da ABCP, Niterói, 2002.

Datafolha. Vários anos. Surveys da avaliação dos presidentes. Disponível em: .

HOCHSTETLER, K. “Civil Society in Lula’s Brazil.” Unpublished, Centre for Brazilian Studies, Oxford University, 2004.

HUNTER, W. “The Normalization of an Anomaly: The Workers’ Party in Brazil.” World Politics, vol.59, nº3, p.440-475, 2007.

KECK, M. The Workers’ Party and Democratization in Brazil. New Haven: Yale University Press, 1992.

KINZO, M. D’ALVA. “Os Partidos no Eleitorado: Percepções Públicas e Laços Partidários no Brasil.” Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.20, nº57, p.65-81, 2005.

MAINWARING, S., MENEGUELLO, R., POWER, T. Conservative Parties, Democracy, and Economic Reform in Contemporary Brazil. In: MIDDLEBROOK, K. (ed.). Conservative Parties, the Right, and Democracy in Latin America. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, p. 164-222, 2000.

REIS, F. W. (ed.). Os Partidos e o Regime. São Paulo: Símbolo, 1978.

SAMUELS, D. “From Socialism to Social Democracy? Party Organization and the Transformation of the Workers’ Party in Brazil.” Comparative Political Studies, vol.37, nº9, p.999-1024, 2004.

SAMUELS, D. “Sources of Mass Partisanship in Brazil.” Latin American Politics and Society, vol.48, nº2, p.1-27, Summer 2006.

SAMUELS, D. “Brazilian Democracy under Lula and the PT.” Forthcoming in: SHIFTER, M., and DOMINGUEZ, J. (eds.). Constructing Democratic Governance in Latin America (3rd edition). Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2008.

SOARES, G. “As Bases Ideológicas do Lacerdismo.” Revista Civilização Brasileira, vol.1, nº4, p.49-70, 1961.

VEIGA, L. “Os partidos brasileiros na perspectiva dos eleitores.” Opinião Pública, vol.13, nº2, p.340-65, 2007.

A Opinião Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.