Banner Portal
A evolução do sistema partidário brasileiro: número de partidos e votação no plano subnacional 1982-2006
PDF

Palavras-chave

Sistema partidário. Eleições majoritárias e proporcionais. Partidos nominais. Número de partidos efetivos. Representação.

Como Citar

FERREIRA, Denise Paiva; BATISTA, Carlos Marcos; STABILE, Max. A evolução do sistema partidário brasileiro: número de partidos e votação no plano subnacional 1982-2006. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 432–453, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641306. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o processo de implementação e desenvolvimento do sistema partidário. Para tanto, analisamos a oferta partidária no Brasil, nas diferentes unidades da federação, no período 1982-2006. Para essa análise serão consideradas as seguintes variáveis: idade dos partidos, número de partidos efetivos e a evolução da votação recebida pelos partidos nas eleições para Câmara Federal, Senado e Governador e Assembléias Legislativas Estaduais. Desse modo, será possível uma análise mais abrangente e comparada do desenvolvimento do sistema partidário brasileiro.

 

Abstract:

The article analyzes the process of implementation and development of the Brazilian party system. In order to do so we analyze the electoral offer in the Brazilian federation from 1982-2006. The following variables will be considered: parties age, effective number of parties (ENP), and votes for Senate, Low Camber, State Governor and State Level Assembly. These procedures allow us to have a broad panorama of the Brazilian party system as well as of its development throughout almost three decades.

Keywords: party system; majoritarian and proportional elections; nominal parties; effective number of parties; representation.

PDF

Referências

BARDI, L. e MAIR, P.”The Parameters of Party Systems”. Party Politics, vol.14, nº2, 2008.

BOHN, S. e PAIVA, D. Política estadual e regional e volatilidade eleitoral no Brasil, Paper apresentado no Relatório Final de Pesquisa do Projeto “Bases Socioeconômicas da Volatilidade Eleitoral no Brasil”, Processo No. 401912/2004-3 Edital Nº. 032/2004, CNPq, 2006.

BOHN, S. e PAIVA, D. Sistema Partidário de Volatilidade Eleitoral no Brasil: um estudo sobre a dinâmica inter-regional. Trabalho apresentado no 31º Encontro Anual da ANPOCS, 2007.

BRAGA, M. S. S. O processo partidário- eleitoral brasileiro: padrões de competição política 1982-2002. São Paulo: Universidade de São Paulo, (tese de doutorado/Ciência Política.), São Paulo: Associação Editorial Humanitas/FAPESP, 2006.

CARREIRÃO, Y. de S. e KINZO, M. D. G. “Partidos políticos, preferência partidária e decisão eleitoral no Brasil (1989-2002)”. Dados, nº47, 2004.

FERREIRA, D. P. Oposição e Transição Democrática: a estratégia peemedebista. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da UFRGS, 1990.

FERREIRA, D. P. PFL X PMDB: Marchas e Contramarchas. Goiânia: Ed. Alternativa, 2002.

FLEISCHER, D. “Sistema Partidário Brasileiro: 1945-1997”. Política Comparada, vol.1, nº2, 1997.

KINZO, M. D. G. Oposição e Autoritarismo: gênese e trajetória do MDB (1966-1979). São Paulo: Vértice, 1988.

KINZO, M. D. G. Radiografia do Quadro Partidário Brasileiro. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, 1993.

KINZO, M. D. G. “Democratização Brasileira: um balanço do processo político desde a transição”. São Paulo em Perspectiva, vol.14, nº4, 2001.

KINZO, M. D. G. “Os Partidos no Eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil”.

Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.20, nº57, 2005.

KINZO, M. D. G. e BRAGA, M. S. S. Eleitores e Representação Partidária no Brasil. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2007.

KINZO, M. D. G. e SILVA, S. R. PMDB. São Paulo: Fundação Konrad-Adenauer-Stiftung, 1996.

KORNBLITH, M. Situación y Perspectivas de los Partidos en La Región Andina: caso Venezuela. In: Seminário Regional: Situación actual de los partidos en La Región Andina. Estocolmo: IDEA, 2004.

KRAUSE, S. e PAIVA, D. Perdas e Ganhos. Lideranças políticas brasileiras e instabilidade na representação dos partidos: lógica nacional X lógica estadual (1982-2001)”. In: PINTO, C. R. e SANTOS, A. M. (orgs). Partidos no Cone Sul: Novos Ângulos de Pesquisa. Rio de Janeiro: Fundação Konrad-Adenauer, 2002.

LAAKSO, M. e TAAGEPERA, R. “Effective Number of Parties: a measure with application to Western Europe”. Comparative Political Studies, vol.12, nº1, 1979.

LAMOUNIER, B. O "Brasil Autoritário" revisitado: o impacto das eleições sobre a abertura. In: STEPAN, A. (org.). Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

LAMOUNIER, B. De Geisel a Collor: o balanço da transição. São Paulo:Idesp/Sumaré, 1990.

LIMA JR., O. B. Partidos políticos brasileiros: a experiência federal e regional 1945-64. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

LIMA JR., O. B. (org.). O sistema partidário brasileiro: diversidades e tendências (1982-1994). Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1997.

LIMONGI, F. e FIGUEIREDO, A. “Partidos Políticos na Câmara dos Deputados”. Dados, vol.38, nº3, IUPERJ, 1995.

LIMONGI, F. e FIGUEIREDO, A. Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1999.

MAINWARING, S. Rethinking Party Systems in the Third Wave of Democratization: The Case of Brazil. Stanford: Stanford University Press, 1999.

MAINWARING, S. e SCULLY, T. Building Democratic Institutions: party systems in Latin America. Stanford: Stanford University Press, 1995.

MAINWARING, S. e TORCAL, M. Party System Institutionalization and party system theory after the Third Wave of Democratization. In: KATZ, R. & CROTTY, W. (eds.). Handbook of Political Parties. London: Sage Publications, 2006.

MAINWARING, S. e ZOCO, E. “Political sequences and the stabilization of interparty competition: electoral volatility in old and new democracies”. Party Politics, vol.13, nº2, 2006.

MELO, C. R. F. Retirando as Cadeiras do Lugar: Migração Partidária na Câmara dos Deputados (1985/2002). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

MENEGUELLO, R. Partidos e Governos No Brasil Contemporâneo (1985-1997). São Paulo: Paz e Terra, 1998.

NICOLAU, J. M. Multipartidarismo e Democracia: Um Estudo Sobre O Sistema Partidário Brasileiro (1985-94). Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996.

PAIVA, D. ,BRAGA. M. S. S. e PIMENTEL, J. “Eleitorado e Partidos Políticos no Brasil”. Opinião Pública, vol.13, nº2, 2007.

PEDERSEN, M. N. “On measuring party system change. A methodological critique and a suggestion”. Comparative Political Studies, vol.12, nº4, 1980.

PRZEWORSKI, A. “Institutionalization of voting patterns, or is it mobilization of the source of decay?”. American Political Science Review, vol.69, 1975.

RODRIGUES, L. M. Partidos, Ideologia e Composição Social. São Paulo: Edusp, 2002.

ROSE, R, e MACKIE, T. T. Do Parties Persist to Fail? The Big Trade-off Facing Organization. In: LAWSON, K. e MERKL, P. When Parties Fail: Emerging Alternative Organizations. Princeton: Princeton University Press, 1988.

SANTOS, F. (org). O poder legislativo nos estados: identidade e convergência. São Paulo: Ed. FGV, 2001.

SANTOS, F . “Brazilian Democracy and the Power of “Old” Theories of Party Competition”. Brazilian Political Science Review, vol.1, nº2, 2008.

SARTORI, G. Partidos e Sistemas Partidários. Brasília: Ed. UnB, 1982.

SCHMITT, R. Partidos Políticos no Brasil (1945-2000). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

SOARES, G. A. D. Sociedade e Política no Brasil. São Paulo: Difel, 1973.

SOARES, G. A. D . A Democracia Interrompida. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

STEPAN, A. (org.). Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

WARE, A. Political Parties and Party Systems. New York: Oxford University Press, 1996.

TSE:

A Opinião Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.