Mídia e representação política feminina: hipóteses de pesquisa

Autores

  • Luis Felipe Miguel Instituto de Ciência Política Universidade de Brasília
  • Flávia Biroli Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Mídia. Gênero. Representação política. Campo político

Resumo

O artigo delineia as hipóteses centrais de uma ampla pesquisa empírica em andamento, que busca entender a confluência entre gênero, mídia e representação política. Trata-se de analisar a presença e atuação de mulheres no campo político e sua presença nos meios de comunicação de massa, no Brasil, buscando entender as relações que se estabelecem entre essas esferas no que diz respeito, especificamente, à representação política de mulheres. Em cada uma dessas esferas, existem mecanismos que restringem não só a presença de mulheres na política como também as formas que tal presença assume. Assim, o artigo procura avançar na discussão sobre de que maneira a permanência de estereótipos de gênero constrange tanto a ação política das mulheres quanto a visibilidade desta ação no noticiário jornalístico, num processo que se realimenta.

 

Abstract: The present article discusses central hypothesis that guide a large empirical research, still under development, about the intersections of gender, media and political representation. Analysing the presence and acting of women in the political field and their presence in the media, in Brazil, the study aims to understand the relationships between those spheres concerning the problems related to the representation of women in politics. In the field of politics and in the media, we can find mechanisms that limit not only the presence of women but also the configurations of that presence. Thus, the article discusses how the remaining of gender stereotypes limits women’s political action and its visibility in the news, in a process in which one of these terms feeds back the other.

Keywords: media; gender; political representation; political field

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Felipe Miguel, Instituto de Ciência Política Universidade de Brasília

Luis Felipe Miguel é professor titular do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, onde coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê) e edita a Revista Brasileira de Ciência Política. Trabalha principalmente nas áreas de teoria da democracia, representação política e gênero.

Flávia Biroli, Universidade de Brasília

Flávia Biroli (São José do Rio Preto, 1975) é doutora em história pela Univer­sidade Estadual de Campinas (Unicamp) e vice-diretora do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), onde também coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê). É pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e foi diretora da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs) (2010-2012). Edita, com Luis Felipe Miguel, a Revista Bra­sileira de Ciência Política.

Referências

ANDRADE, G. O. Presença da diferença: uma análise da atuação feminina no Congresso Nacional. Brasília. Dissertação de mestrado em Ciência Política. Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, 2008.

ARAÚJO, C. “Mulheres e representação política: a experiência das cotas no Brasil”. Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 6, nº 1, p. 71-90, 1998.

ARAÚJO, C. “As cotas por sexo para a competição legislativa: o caso brasileiro em comparação com experiências internacionais”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 44, nº 1, p. 155-94, 2001a.

ARAÚJO, C. “Potencialidades e limites da política de cotas no Brasil”. Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 9, nº 1, p. 231-52, 2001b.

BICKFORD, S. The dissonance of democracy: listening, conflict, and citizenship. Ithaca: Cornell University Press, 1996.

BIROLI, F. Gênero e política no noticiário das revistas semanais brasileiras. Paper apresentado no 32º Encontro Anual da Anpocs. Caxambu, 27 a 31 de outubro, 2008.

BIROLI, F. e MELLO, J. Gênero e representação política: limites e apostas na atuação das deputadas federais na 52ª Legislatura (2003-2006). Paper apresentado no VI Encontro da Rede Brasileira de Estudos e Pesquisas Feministas (REDEFEM). Belo Horizonte, 10 a 13 de junho, 2008.

BOURDIEU, P. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BOURDIEU, P. La domination masculine. Paris: Seuil, 1998.

BOURDIEU, P. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BRADEN, M. Women politicians and the media. Lexington: University of Kentucky Press, 1996.

CHODOROW, N. The reproduction of mothering. Berkeley: University of California Press, 1978.

DALCASTAGNÈ, R. “A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, nº 26, p. 13-71, 2005.

DELPHY, C. “Feminismo e recomposição da esquerda”. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 2, nº 1, p. 187-99, 1994.

DOLAN, K. “The impact of candidate sex on evaluations of candidates for the U.S. House of Representatives”. Social Science Quarterly, Houston, v. 85, nº 1, p. 206-17, 2004.

DRYZEK, J. Deliberative democracy and beyond: liberals, critics, contestations. Oxford: Oxford University Press, 2000.

ELSHTAIN, J. B. Public man, private woman: women in social and political thought. Priceton: Princeton University Press, 1981.

FEITOSA, F. Penetras no Clube do Bolinha: a carreira política de mulheres na Câmara dos Deputados. Brasília. Monografia de graduação em Ciência Política. Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, 2007.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

FOX, R. L. e Z. M. OXLEY. “Gender stereotyping in state executive elections: candidate selection and success”. The Journal of Politics, Nashville, v. 65, nº 3, p. 833-50, 2003.

GAMSON, W. A. e MEYER, D. S. Framing political opportunity. In: McADAM, D., J. D.

McCARTHY e M. N. ZALD (eds.). Comparative perspectives on social movements: political opportunities, mobilizing structures, and cultural framings. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

GILLIGAN, C. In a different voice: psychological theory and woman’s development. Cambridge (MA): Harvard University Press, 1982.

GOMES, W. Transformações da política na era dos meios de comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2004.

GORDON, A.; SHAFIE, D. M. e CRIGLER, A. J. “Is negative advertising effective for female candidates? An experiment in voters’ uses of gender sterotypes”. Press/Politics, Thousand Oaks, v. 8, nº 3, p. 35-53, 2003.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HELDMAN, C.; CARROLL, S. J. e OLSON, S. Gender differences in print media coverage of presidential candidates: Elizabeth Dole’s bid for Republican nomination. Paper apresentado no Encontro Anual da APSA. Washington, 31 de agosto a 3 de setembro, 2000.

HERRNSON, P. S.; LAY, J. C. e STOKES, A. K. “Women running ‘as women’: candidate gender, campaign issues, and voter targeting strategies”. The Journal of Politics, Nashville, v. 65, nº 1, p. 244-55, 2003.

KAHN, K. e GOLDENBERG, E. N.. “Women candidates in the news: an examination of gender differences in U.S. Senate campaign coverage”. Public Opinion Quarterly, Chicago, v. 55, nº 1, p. 180-99, 1991.

LEEPER, M. S. “The impact of prejudice on female candidates: an experimental look at voter inference”. American Politics Quarterly, Thousand Oaks, v. 19, nº 2, p. 248-61, 1991.

LIPPMANN, W. Public opinion. New York: Free Press, 1997.

MÁXIMO, H. A influência da mídia na decisão política: uma outra interface de poder. Brasília. Dissertação de mestrado em Ciência Política. Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, 2008.

MEYROWITZ, J. No sense of place: the impact of electronic media on social behavior. Oxford: Oxford University Press, 1985.

MIGUEL, L. F. “Política de interesses, política de desvelo: representação e ‘singularidade feminina’”. Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 9, nº 1, p.253-67, 2001.

MIGUEL, L. F. “Os meios de comunicação e a prática política”. Lua Nova, São Paulo, vol.6, nº 55, p.155-84, 2002.

MIGUEL, L. F. “Representação política em 3-D: elementos para uma teoria ampliada da representação política”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, nº 51, p.123-40, 2003.

MIGUEL, L. F. “Impasses da accountability: dilemas e alternativas da representação política”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, nº 25, p.165-78, 2005.

MIGUEL, L. F. “Political representation and gender in Brazil: the quotas for women and their impact”. Bulletin of Latin American Research, Liverpool, vol. 27, nº 2, p.197-214, 2008.

MIGUEL, L. F.; OHIRA, A.; FEITOSA, F. e CAMPOS, L. A. Falas femininas no Congresso: gênero e nichos discursos na Câmara dos Deputados. Paper apresentado no Seminário Internacional Fazendo Gênero 7. Florianópolis, 28 a 30 de agosto, 2006.

MIGUEL, L. F. e BIROLI, F. Gênero e política na mídia brasileira. Paper apresentado no II Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores de Comunicação e Política (COMPOLÍTICA). Belo Horizonte, 4 a 6 de dezembro, 2007.

MIGUEL, L. F. “Gênero e política no jornalismo brasileiro”. Revista Famecos, Porto Alegre, nº36, p.24-39, 2008.

MIGUEL, L. F. e FEITOSA, F. Representação política e gênero: uma análise a partir dos discursos na Câmara dos Deputados. Paper apresentado no 6º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP). Campinas, 29 de julho a 1º de agosto, 2008.

MOUFFE, C. Feminism, citizenship and radical democratic politics. In: BUTLER, J. e SCOTT, J. W. (eds.). Feminists theorize the political. London: Routledge, 1992.

OKIN, S. “Gênero, público e privado”. Estudos Feministas, Florianópolis, no prelo, 2008.

PHILLIPS, A. Must feminists give up on liberal democracy? In: HELD, D. (org.). Prospects for democracy: North, South, East, West. Stanford: Stanford University Press, 1993.

PHILLIPS, A. Which equalities matter? Cambridge: Polity, 1999.

PITKIN, H. F. The concept of representation. Berkeley: University of California Press, 1967.

RUDDICK, S. Maternal thinking: toward a politics of peace. Boston: Beacon Press, 1989.

SANTOS, J. M. Gênero, representação e instituições. Brasília. Dissertação de mestrado em Ciência Política. Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, 2007.

SMITH. E. R. A. N. e R. L. FOX. “The electoral fortunes of women candidates for Congress”. Political Research Quarterly, Sacramento, vol. 54, nº. 1, p. 205-21, 2001.

THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 1995.

WITT, L., PAGET, K. M. e MATTHEWS, G. Running as a woman. New York: The Free Press, 1994.

YOUNG, I. M. Justice and the politics of difference. Princeton: Princeton University Press, 1990.

YOUNG, I. M. Polity and group difference: a critique of the ideal of universal citizenship. In: PHILLIPS, A. (ed.). Feminism and politics. Oxford: Oxford University Press, 1998.

YOUNG, I. M. On female body experience. Oxford: Oxford University Press, 2005

Downloads

Publicado

2015-10-27

Como Citar

Miguel, L. F., & Biroli, F. (2015). Mídia e representação política feminina: hipóteses de pesquisa. Opinião Pública, 15(1), 55–81. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641320

Edição

Seção

Artigos