A judicialização da competição política: o TSE e as coligações eleitorais

Autores

  • Vitor Marchetti Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Rafael Cortez Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Judicialização da política. Coligações eleitorais. Poder judiciário. Verticalização

Resumo

Há uma extensa literatura que se debruça sobre os efeitos do poder judiciário no funcionamento dos sistemas políticos. Estaríamos assistindo à judicialização da política? O argumento apresentado é que o entendimento acerca da influência do direito na dinâmica dos sistemas políticos supõe uma noção mais ampla sobre o lócus e o momento em que ocorre sua interferência no funcionamento das democracias contemporâneas. A proposta é discutir a judicialização no que diz respeito à definição das regras da competição político-eleitoral. Para isso, analisaremos a decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) referente à verticalização das coligações. O argumento é que o TSE não apenas interpretou uma legislação, mas também estabeleceu um novo regulamento no lugar do poder legislativo. Nossa análise demonstra que a regulamentação das coligações eleitorais é fruto de interação estratégica entre o TSE e o poder legislativo.

 

Abstract :

There is an extensive literature to study the effects of the judiciary power on how political systems work. Is there a judicialization of politics? Our point is that the answer to that question is connected to theoretical questions about the ways to prove and where scholars should look in order to detect the effect of judiciary in democratic systems. In this work we analyze the judicialization of politics under the perspective of the definition of the rules of electoral competition. In order to prove our argument, this article studies how TSE (brazilian judiciary court) rules coalitions in Brazil’s political system, known as “verticalização” _the uniformity of party coalitions at state and federal levels. Our case study shows that TSE, in fact, not only interprets the law but, actually, establishes rules, taking the place of the legislative body _which, in turn, made another move. The analysis suggests that the question of judiciary of politics should be seen as an strategic interaction between the two powers.

Keywords: judicialization of politics; electoral coalition, Judiciary Power; “verticalização”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Marchetti, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Possui graduação em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2000), mestrado em Ciências Sociais: Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003) e doutorado em Ciências Sociais: Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2008). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do ABC. Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Estado e Governo, atuando principalmente nos seguintes temas: controle constitucional, poder judiciário, instituições democráticas e governança eleitoral. 

Referências

ARANTES, R. Ministério Público e Política no Brasil. São Paulo: Sumaré/Educ, 2002.

ARANTES, R. Constitucionalism, the Expansion of Justice and the Judicialization of Politics in Brazil. In: Sieder, R., Schjolden, L. e Angell, A. (orgs.). The Judicialization of Politics in Latin America. New York: Palgrave, 2005.

ARANTES, R. e KERCHE, F. “Judiciário e Democracia no Brasil”. Novos Estudos, v.54, 1999.

BACHRACH, P. e BARATZ, M. “Two Faces of Power”. American Political Science Review, v.56, nº 4, 1962.

BRAGA, M. S. O Processo Partidário-Eleitoral Brasileiro: Padrões de Competição Política (1982-2002). São Paulo, Humanitas/FAPESP, 2006.

CAREY, J. e SHUGART, M. “Incentives to Cultivate a Personal Vote: A Rank Order of Electoral Formula”. Electoral Studies, v.14, nº 4, 1995.

CARVALHO, E. “Em busca da Judicialização da Política no Brasil: Apontamentos para uma nova Abordagem”. Revista de Sociologia e Política, v.23, 2004.

CARVALHO, E. e OLIVEIRA, V. A judicialização da política no Brasil: Conceitos e Paradoxos. Um tema em aberto. Trabalho apresentado no 3º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política. Painel Temático “Instituições Políticas” Niterói, mimeo, 2002.

CARVALHO, V. Partidos e Eleições no Brasil: Razões e Efeitos da “Verticalização” das Coligações Eleitorais. Tese de mestrado em Ciências Sociais: Política, PUC-SP, São Paulo, 2006.

CASTRO, M. “O Supremo Tribunal Federal e a Judicialização da Política”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.12, nº 34, 1997.

CORTEZ, R. Eleições Majoritárias e Entrada Estratégica no sistema partidário-eleitoral brasileiro. Tese de doutorado em Ciência Política. USP, São Paulo, 2009.

COUTO, C. e ARANTES, R. “Constituição, Governo e Democracia no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v.21, nº 61, 2006.

DAHL, R. “The Concept of Power”. Behavioral Science, v.2, 1957.

DAHL, R. “A Critique of the Ruling-Elite model”. American Political Science Review, v.52, nº 2, 1958.

DAHL, R. Who Governs? Democracy and Power in an American City. New Haven: Yale University Press, 1961.

FEREJOHN, J. “Judicializing Politics, Politicizing Law”. Law and Contemporary Problems, v.65, nº 3, 2002.

FIGUEIREDO, A. e LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. Rio de Janeiro. FGV/Fapesp, 1999.

KOERNER, A. Direito e Modernização Periférica – Por uma Análise Sócio-Política do Pensamento Jurídico Constitucional Brasileiro Pós-1988. Trabalho apresentado ao Grupo de Trabalho Dilemas da Modernização Periférica, XXIX Encontro Anual da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais – Anpocs. Caxambu, Mimeo, 2005.

MANIN, B. The Principles of Representative Government. New York: Cambridge University Press, 1997.

MARCH, J. e OLSEN, J. “The New Institutionalism: Organizational Factors in Political Life”. American Political Science Review, v.78, nº 3, 1984.

MARCHETTI, V. “O Controle Constitucional da Atividade Legislativa do Executivo: Brasil e Argentina Comparados”. Revista Teoria & Sociedade: Revista dos Departamentos de Ciência Política e de Sociologia e Antropologia da UFMG. Belo Horizonte, v.12, nº 2, 2004.

MARCHETTI, V. Poder Judiciário e Competição Política no Brasil: uma análise das decisões do TSE e do STF sobre as regras eleitorais. Tese de doutorado em Ciências Sociais: Política. PUC-SP, São Paulo, 2008a.

MARCHETTI, V. “Governança Eleitoral: o modelo brasileiro de Justiça Eleitoral”. Dados, v.51, nº 4, 2008b.

MIGUEL, L. F. “Representação política em 3D: elementos para uma teoria ampliada da representação política”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.18, nº 51, 2003.

MILLS, W. The Power Elite. Oxford: Oxford University Press, 1956.

NICOLAU, J. Democracia e Multipartidarismo. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

OLIVEIRA, V. “Judiciário e Privatizações no Brasil: Existe uma Judicialização da Política?” Dados, v.48, nº 3, 2005.

RIKER, W. “Some Ambiguities in the Notion of Power”. American Political Science Review, v.58, nº 2, 1964.

SADEK, M. T. A Justiça Eleitoral e a Consolidação da Democracia no Brasil. São Paulo: Konrad Adenauer, 1995.

TATE, C. N. e VALLINDER, T. The Global Expansion of Judicial Power. New York: New York, University Press, 1995.

TATE, C. N. When the Courts Go Marching. In: TATE, C. N. e VALLINDER, T. The Global Expansion of Judicial Power. New York: New York University Press, 1995.

TAYLOR, M. “Veto and Voice in the Courts – Policy Implications of Institutional Design in the Brazilian Judiciary”. Comparative Politics, abril, 2006.

TAYLOR, M. Judicial Independence. Mimeo, 2007.

TAYLOR, M. “O Judiciário e as Políticas Públicas no Brasil”. Dados, v.50, nº 2, p.229-257, 2007a.

VALLINDER, T. Why the Expansion of Judicial Power?, In: TATE, C. N. e VALLINDER, T. The Global Expansion of Judicial Power. New York, New York University Press, 1995.

VIANNA, L. W. (et al). A Judicialização da Política e das Relações Sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

VIANNA, L. W. e BURGOS, M. “Entre Princípios e Regras: Cinco Estudos de Caso de Ação Civil Pública”. Dados, v.48, nº 4, 2006.

Downloads

Publicado

2015-10-27

Como Citar

MARCHETTI, V.; CORTEZ, R. A judicialização da competição política: o TSE e as coligações eleitorais. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 422–450, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641337. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos