Política de defesa no Brasil: considerações do ponto de vista das políticas públicas

Autores

  • Carlos Wellington Almeida Universidade de la Empresa

Palavras-chave:

Políticas públicas. Defesa. Forças armadas. Eficiência. Transparência

Resumo

Este artigo analisa a política de defesa do Brasil como uma política pública. Como metodologia, fez-se um benchmarking de conceitos e foram tratadas as informações obtidas de forma qualitativa, transpondo, da literatura das políticas públicas, os conhecimentos necessários à compreensão da defesa nacional como bem público provido pelo Estado. A ideia de integração de diferentes áreas do conhecimento domina a pesquisa e se vê refletida, também, nas conclusões relativas à necessidade de integração de diferentes setores da sociedade. Conclui-se que a busca e o entendimento da política de defesa como bem público requerem superar visões preconcebidas e analisar a defesa nacional com ferramentas das políticas públicas.

 

Abstract:

This article analyzes defense policy in Brazil as a public policy. Methodologically, a benchmarking of concepts was made and the information obtained was treated in a qualitative manner. Information and data needed to understanding national defense as a public good to be provided by the state were prospected from public policy bibliography. The notion of integrating different knowledge areas is present in the whole research permanently as well in the conclusions related to the need of integrating diverse branchs of the society. The search for and the understanding of defense policy public as a public good demand to overcome biased concepts and to analyze defense with the use of public policy tools.

Key words: public policy; defense; armed forces; efficiency; transparency

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Wellington Almeida, Universidade de la Empresa

Cursa o Doutorado em Administração na Universidad de la Empresa (UDE), de Montevidéu, Uruguai (2009). Possui mestrado em Ciência Política pela Universidade de Brasília (2000). É graduado em Ciências Navais pela Escola Naval (1991) e em Direito pela Universidade Federal de Rondônia (2007). Atualmente é pesquisador colaborador junto à instituição Seguridad Estratégica Regional en el 2000 (SER en el 2000). Ocupa o cargo de Auditor Federal de Controle Externo do Tribunal de Contas da União (TCU). Tem experiência nas áreas de Defesa Nacional, com ênfase em orçamentos de defesa e transparência na gestão da defesa; Direito do Controle Externo e Administração Pública. Atua principalmente nos seguintes temas: administração pública, controle externo, auditoria, defesa nacional e transparência na gestão pública.

Referências

AGUILAR, S. L. C. Políticas de defesa e orçamentos militares no Cone Sul. In: D’ARAÚJO, Maria Celina; SOARES, Samuel Alves; MATHIAS, Suzeley Kalil. (Org.). Defesa, Segurança Internacional e Forças Armadas: textos selecionados do Primeiro Encontro da Associação Brasileira de Estudos de Defesa. 1 ed. Campinas: Mercado de Letras, 2008, p. 101-121.

ALSINA JÚNIOR, J. P. S. A síntese imperfeita: articulação entre política externa e política de defesa na Era Cardoso (1995-2002). Dissertação de mestrado. Brasília: Universidade de Brasília (UnB), 2002.

BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). A política das políticas públicas: progresso social e econômico na América Latina. Relatório 2006 do BID e do David Rockfeller Center for Latin American Studies, Harvard University. Rio de Janeiro: Elsevier; Washington, DC: BID, 2007.

BRASIL. Ministério da Defesa. Estratégia Nacional de Defesa. Disponível em: <https://www.defesa.gov.br/eventos_temporarios/2009/estrategia/arquivos/estrat egia_defesa_nacional_portugues.pdf> Acesso em: [24 fev. 2010].

BRASIL. Política de Defesa Nacional. [Online] Aprovada pelo Decreto 5484, de 30.06.2005. Brasília: 2005. Disponível em: <https://www.defesa.gov.br/pdn/index.php?page=home>. Acesso em: [15 fev.2010].

BRASIL. Política de Defesa Nacional. [Online] Governo Fernando Henrique Cardoso. Coleção Documentos da Presidência da República. Brasília: Presidência da República. 1996. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/publi_04/colecao/DEFES.htm>. Acesso em: [15 fev. 2010].

BRANDÃO, M. P. Ciência, tecnologia, inovação e a defesa nacional. Parcerias estratégicas, [Online], Brasília, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), n. 20, p. 831-860, ISSN 1413-9375, 2005. Disponível em: <http://www.cgee.org.br/arquivos/p_20_2.pdf>. Acesso em: [18 jul. 2009].

BRIGAGÃO, C. Caixa-preta na defesa. O Globo, Rio de Janeiro, 03 set. 2007.

CANO, G. T. Os desafios do desenvolvimento humano da ONU, a partir do relatório do desenvolvimento humano 1990. Dissertação de mestrado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica (PUC), 2006.

CASTELAN, D. R. Segurança e defesa na década de 90: interpretações do Itamaraty e Forças Armadas. In: I SIMPÓSIO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS SAN TIAGO DANTAS (UNESP, UNICAMP, e PUC-SP) Nov 12-14, 2007. Disponível em: <http://www.santiagodantassp.locaweb.com.br/br/simp/artigos/castelan.pdf >. Acesso em: [18 jul. 2009].

CEPIK, M. A. C. Serviços de inteligência: agilidade e transparência como dilemas de institucionalização. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (IUPERJ), 2001.

FERNANDES, F. B. As relações civil-militares durante o governo Fernando Henrique Cardoso-1995/2002. Dissertação de mestrado. Brasília: Universidade de Brasília (UnB), 2006.

FLORES, M. C. Uma estratégia para o Brasil. In: CICLO DE DEBATES SOBRE A ATUALIZAÇÃO DO PENSAMENTO BRASILEIRO EM MATÉRIA DE DEFESA E SEGURANÇA. Brasília, Ministério da Defesa, 2003.

FREY, K. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), n. 21, p. 211-259, ISSN 0103-138, jun 2000.

FUCCILLE, L. A. Democracia e questão militar: a criação do Ministério da Defesa no Brasil. Tese de doutorado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 2006.

GARCES, A; SILVEIRA, J. P. Gestão pública orientada para resultados no Brasil. Revista do serviço público (RSP), Brasília, Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), nº 4, ISSN 0034-9240, p. 53-77, out-dez, 2002.

GARCIA, R. C. A reorganização do processo de planejamento do governo federal: o PPA 2000-2003. Texto para discussão, Brasília, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), nº 726, ISSN 1415-4765, maio, 2000.

GARCIA, R. C. Subsídios pra organizar avaliações da ação governamental. Texto para discussão, Brasília, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), nº 776, ISSN 1415-4765, janeiro, 2001.

GIRALDO, J. K. Defense Budgets and Civilian Oversight. [Online] Monterrey, CA, The Center for Civil-Military Relations Naval Postgraduate School, 2001. Disponível em <https://www.ccmr.org/public/library_file_proxy.cfm/lid/1864/f/defense_budgets. doc>. Acesso em [18 jul. 2009].

GRAY, C. S. Why strategy is difficult. Joint Force Quarterly (JFQ), Washington, DC, National Defense University (NDU), ISSN 1070-0692, Summer, 1999.

KINGDON, J. Agendas, Alternatives and Public Policies. 3 ed. New York: Harper Collins, 2003.

LASCOUMES, P; LEGALES, P. Introduction: understanding public policy through its instruments – from the nature of instruments to the sociology of public policy instrumentation. Governance: An International Journal of Policy, Administration and Institutions, Malden, Blackwell Publishing, v. 20, n. 1, ISSN 0952-1895, Jan. 2007.

LOPES, R. Oportunidades para civis na condução da defesa nacional: o caso do Brasil. In: RESEARCH AND EDUCATION IN DEFENSE AND SECURITY STUDIES (REDES). Washington, DC, May 22-25, 2001. Disponível em <http://www.ndu.edu/chds/REDES2001/Papers/Block2/CivilianMilitary%20Relations%20Panel-Generational%20Change/Lopes.CivilMilitary%20panel.rtf>. Acesso em: [15 jul. 2009].

MANKIW, G. Principles of Economics. 4th Ed. Fort Worth, USA: The Dryden Press, 2006.

MARINI, C. Gestão pública no Brasil: temas preservados e emergentes na formação da agenda. In: VII CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS BRASILEIROS, Brazilian Studies Association (BRASA), jun. 2004.

MARINI, C. Um decálogo da boa gestão pública: os desafios de um Estado para resultados. In: XIII CONGRESSO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, Buenos Aires, Centro Latinoamericano de Administración para el Desarrollo (CLAD), 4-7, nov 2008.

MARQUES, A. A. A Atividade de inteligência vista como política pública do Estado. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, Universidade Federal do Paraná (UFPR), n. 22, p. 213-215, ISSN 0104-4478, jun. 2004. Resenha de: CEPIK, Marco. Espionagem e democracia: agilidade e transparência como dilemas na institucionalização de serviços de inteligência. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas (FGV), 2003a.

MARQUES, A. A. Concepções de defesa nacional: 1950-1996. Dissertação de mestrado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 2001.

MARQUES, A. A. Concepções estratégicas brasileiras no contexto internacional do pós-guerra fria. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, Universidade Federal do Paraná (UFPR), n. 20, p. 69-85, ISSN 0104-4478, jun. 2003b.

OLIVEIRA, E. R. Considerações políticas sobre a defesa nacional. [Online] Com ciência: revista eletrônica de jornalismo científico, São Paulo, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), ISSN 1519-7654. Disponível em: <http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=12&id=10 1>. Acesso em: [18 jul. 2009].

PROENÇA JUNIOR, D; DUARTE, É. E. Os estudos estratégicos como base reflexiva da defesa nacional. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, v. 50, n. 1, p. 29-46, ISSN 0034-7329, 2007.

PROENÇA Jr., D. e DINIZ, E. A falta que faz um projeto para as Forças Armadas. O Estado de São Paulo, São Paulo, 03 jan. 2003.

RAZA, S. G. Projeto de força: o elo ausente em reformas de defesa. In: RESEARCH AND EDUCATION IN DEFENSE AND SECURITY STUDIES (REDES). Brasília, 2002.

REZENDE, Flávio da Cunha. Instituições e políticas públicas no Brasil. In: I SEMINÁRIO DE CIÊNCIA POLÍTICA DA UFPE DEMOCRACIA E INSTITUIÇÕES, 2005. Recife: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Nov. 2005.

ROCHA, A. J. R. Prioridades claras, necessidades ocultas e o plano estratégico nacional de defesa. [Online] Revista Liberdade e Cidadania, Brasília, Fundação Liberdade e Cidadania, Ano 1, n. 2, ISSN 1983-9162, out/dez 2008. Disponível em: <http://www.flc.org.br/revista/arquivos/121543798793361.pdf >. Acesso em: [18 jul. 2009].

RODRIGUES, E. S. O Plano Plurianual 2008-2011 e o Programa de Aceleração do Crescimento. In: XIII CONGRESSO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, Buenos Aires, Centro Latinoamericano de Administración para el Desarrollo (CLAD), 4-7, nov. 2008.

RUA, M. G. Análise de políticas públicas: conceitos básicos. In: RUA, M. G; CARVALHO, M. I. V. (org.). O estudo da política: tópicos selecionados. Brasília: Paralelo 15, 1998. Coleção Relações Internacionais e Política. Disponível em: <http://vsites.unb.br/ceam/webceam/nucleos/omni/observa/downloads/pol_publi cas.PDF>. Acesso em: [24 fev. 2010].

SANDLER, T; HARTLEY, K. The economics of defense. Cambridge surveys of economic literature. ISBN 0-521-44728-3 (pbk.). New York: Cambridge University Press, 1995.

SANTANA, V. J. Leitura crítica do discurso da política de defesa nacional. Dissertação de Mestrado. Brasília: Universidade de Brasília (UnB), 2007.

SANTISO, C. Legislatures and budget oversight in Latin America: strenghtening public finance accountability in emerging countries. [Online] OECD Journal on Budgeting, Paris, Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD), v. 4, n. 2, p. 47-76, ISSN 1608-7143, jun. 2003. Disponível em: . Acesso em: [18 jul.2009].

SILVA, M. I. C. Amazônia e política de defesa no Brasil (1985-2002). Dissertação de Mestrado. Marília: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), 2004.

SILVA, P. L. B.; COSTA, N. R. Avaliação de políticas públicas na América do Sul: a avaliação de programas públicos – uma estratégia de análise. In: V CONGRESSO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, Santo Domingo, Centro Latinoamericano de Administración para el Desarrollo (CLAD), 24-27, Oct. 2000.

SOUZA, C. “Estado do campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), v. 18, n. 51, p. 15-20, ISSN 0102-6909, fev.2003.

SOUZA, C. “Políticas públicas: uma revisão da literatura.” Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, ISSN 1517-4522, jul./dez. 2006.

TORGERSON, D. “Contextual orientation in policy analysis: the contribution of Harold D. Lasswell.” Policy Sciences, Amsterdam, Elsevier Science Publishers, n. 18, ISSN 0032-2687, p. 241-261, 1985.

VIEGAS, W. Avaliação de políticas públicas: experiências brasileiras - procedimentos metodológicos. In: VIII CONGRESSO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA. Panamá, Centro Latinoamericano de Administración para el Desarrollo (CLAD), 28-31, Oct. 2003.

WEBER, M. A política como vocação. Tradução de Maurício Tragtenberg. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2003.

ZAVERUCHA, J. “A fragilidade do Ministério da Defesa brasileiro.” Revista de Sociologia e Política, Curitiba, Universidade Federal do Paraná (UFPR), n. 25, p. 165- 175, ISSN 0104-4478, jun. 2006.

Downloads

Publicado

2015-10-27

Como Citar

Almeida, C. W. (2015). Política de defesa no Brasil: considerações do ponto de vista das políticas públicas. Opinião Pública, 16(1), 220–250. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641351

Edição

Seção

Artigos