O uso do HGPE como recurso partidário em eleições proporcionais no Brasil: um instrumento de análise de conteúdo

Autores

  • Emerson Urizzi Cervi Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Brasil. Eleições proporcionais. HGPE. Imagem pública

Resumo

Este artigo apresenta uma tipologia para análise quantitativa de conteúdo do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE) de candidatos em disputas proporcionais. Poucos trabalhos abordam descritivamente o conteúdo apresentado pelos candidatos em eleições para vereador e deputado no Brasil e para a análise de conteúdo em disputas para deputado federal no Paraná, em 2006, são propostos três conjuntos de variáveis: indexadoras, elementos semânticos e simbólicos

 

Abstract:

The article presents a typology for quantitative analysis of mídia content, specifficaly, the Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE)_ of proportional election`s candidates. There are few studies regarding the content displayed by candidates in local, state and national legislative elections in Brazil, and the content analysis of HGPE for federal deputies in the state of Paraná in 2006 proposes the use of three sets of variables: indexing, semantic and symbolic elements.

Keywords: Brazil, proportional campaigns, electoral advertising, public image

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson Urizzi Cervi, Universidade Federal do Paraná

Professor adjunto do Departamento de Ciência Política e Sociologia, do programa de pós-graduação em Ciência Política e do programa de pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Doutorado em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro- IUPERJ (2006), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (2002) e graduação em Comunicação Social Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1996). 

Referências

ALBUQUERQUE, A. A Gramática do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral: Observações Preliminares. In: NETO, A. F. e PINTO, M. J. (Orgs.). O indivíduo e as mídias. Rio de Janeiro: Diadorim, 1996.

ALBUQUERQUE, A. Política Partidária e Política Midiática: Substituição ou Coexistência? Contemporânea, v. 3, n. 1, p.9-37, 2005.

ALBUQUERQUE, A. Notas para uma agenda de pesquisa sobre a propaganda política na televisão no Brasil. Revista ECO-Pós, v. 12, n.3, p.4-10, 2009.

ALBUQUERQUE, A; STEIBEL, F. B; CARNEIRO, C. M. Z. A Outra Face do Horário Gratuito: Partidos Políticos e Eleições Proporcionais na Televisão, 2007.

BAUER, M. W. & GASKELL, G. Pesquisa Qualitativa Com Texto, Imagem e Som: um manual prático. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.

CAIN, B., FEREJOHN, J. e FIORINA, M. The Personal Vote: Constituency Service and Electoral Independence. Cambridge: Harvard University Press, 1987.

CERVI, E. U. Instituições democráticas e financiamento de campanhas no Brasil: análises das contribuições de pessoas físicas, jurídicas e partidos políticos às eleições de 2008 e o financiamento público exclusivo de campanha. Paper apresentado no 33º encontro anual da Anpocs, Caxambu, 2009.

CONDE, M. R. B e ROMÁN J. A. Investigar en comunicación: guia práctica de métodos y técnicas de investigación social en comunicación. Madrid: Mc Graw Hill, 2005.

DIAS, M. R. Projeção da Imagem Partidária nas Estratégias de Campanha na Televisão: Uma Análise do HGPE 2002, Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 48, n. 1, p. 149-187, 2005.

GIBSON, R. e RÖMMELE, A. “Changing Campaing Communications: A PartyCentered Theory of Professionalized Campaigning”. Harvard International Journal of Press Politics, vol. 6, n. 4, p 31- 43, 2001.

LAWSON, K. e MERKL, P. When Parties Fail: Emerging Alternative Organizations. Princeton: Princeton University Press, 1988.

MANCINI, P. e SWANSON, D. L. “Politics, Media, and Modern Democracy: Introduction”, In: SWANSON, D. L. e MANCINI, P. Politics, Media and Modern Democracy: An International Study of Innovations in Electoral Campaigning and their Consequences. Westport/London: Praeger, 1996.

MAINWARING, S. “Brazil: Weak Parties, Feckless Democracy”, In: MAINWARING, S. e SCULLY, T. R. (eds.), Building Democratic Institutions: Party Systems in Latin America. Stanford: Stanford University Press, 1995.

MAHONEY, J. & GOERTZ, G. A Tale of Two Cultures: Contrasting Quantitative and Qualitative Research. Political Analysis Review, n. 14, p. 227 a 249, 2006.

NEVES, D. S. A primeira reeleição de Curitiba – Campanha de Cassio Taniguchi no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE) nas eleições municipais de Curitiba em 2000 In: MIGUEL, L. (Org.) Dossiê Mídia e Política. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 22, p. 7-12, 2004.

MORETTIN, P. A. & TOLOI, C. M. Análise de Séries Temporais. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2004.

NEGRINE, R. M. e LILLEKER, D. G. “The Professionalization of Political Communication: Continuities and Change in Media Practices”. European Journal of Political Communication, v. 17, p.305-323, n. 3, 2002.

OLIVEIRA, C. B. Horário Gratuito Político Eleitoral – HGPE: O Eleitor e a Cidadania Política. Porto Alegre, 2008.

RAGIN, C. C. Constructing Social Research: the unit and diversity of method. Thousand Oaks: Pine Forge Press, 1994.

SAMUELS, D. Determinantes do Voto Partidário em Sistemas Eleitorais Centrados no Candidato: Evidências sobre o Brasil. Dados, v. 40, n. 3, p. 493 a 533, 1997.

SCHMIDT,M. When Parties Matter: A review of the Possibilities and Limits of Partisan Influence on Public Policy. European Journal of Political Research, v. 30, n. 2, p. 155-183, 1996.

WATTENBERG, M. P. The Rise of Candidate-Centered Politics. Cambridge London: Harvard University Press, 1991.

Downloads

Publicado

2015-10-27

Como Citar

Cervi, E. U. (2015). O uso do HGPE como recurso partidário em eleições proporcionais no Brasil: um instrumento de análise de conteúdo. Opinião Pública, 17(1), 106–136. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641370

Edição

Seção

Artigos