Banner Portal
Os partidos políticos brasileiros realmente não importam?
PDF

Palavras-chave

Partidos políticos. Comportamento eleitoral. Eleições presidenciais. Simpatia partidária. ESEB2010

Como Citar

BRAGA, Maria do Socorro Sousa; PIMENTEL JÚNIOR, Jairo. Os partidos políticos brasileiros realmente não importam?. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 271–303, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641381. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

Há décadas a constatação corrente no Brasil é de que os partidos pouco importam para explicar o comportamento dos eleitores brasileiros. Entretanto, esse cenário de baixa identificação partidária contrasta com a observação de que, ao menos para as eleições presidenciais a competição eleitoral tem se estruturado em torno de duas organizações partidárias: PT e PSDB. O objetivo deste artigo é demonstrar que mesmo que os partidos de fato não estejam internalizados em termos de identidade partidária, estamos vivenciando importante movimento no sentido de uma divisão do eleitorado entre as duas principais organizações políticas em termos de simpatia partidária, redundando na estruturação de um sistema bipartidário ao nível da disputa nacional. Com base nas respostas dos entrevistados do ESEB 2002, 2006 e 2010 sobre as eleições presidências verificamos que nesses pleitos as simpatias eleitorais pelo PT e PSDB se mostraram um dos principais componentes de explicação do voto nos candidatos. Este artigo também destacou que apesar das simpatias partidárias serem uma heurística utilizada para decisão do voto entre os eleitores com maior escolaridade, foi possível observar que mesmo entre os menos escolarizados essa variável foi fundamental para explicar o voto, evidenciando que mesmo entre eleitores com menor conhecimento político, os partidos têm auxiliado na decisão do voto.

 

Abstract:

For decades the conventional wisdom in Brazil has been that political parties do not matter in explaining the behavior of Brazilian voters. However, this scenario of low partisan identification contrasts with the observation that, at least for presidential elections, electoral competition has been structured around two party organizations: those of the PT and PSDB. The aim of this article is to demonstrate that, even if parties are in fact not internalized in terms of party identification, we are witnessing an important division between two principal political organizations in terms of party preference, reflecting the emergence of a bipartisan system at the national level. On the basis of responses of interviewees about the presidential elections in the CSES-ESEB of 2002, 2006, and 2010, we see that in these elections the electoral affinities for the PT and PSDB are some of the principle components of an explanation of the vote. This article also emphasizes that despite the fact that party preference is more pronounced as a means of candidate selection for those with a high degree of education, it is possible to observe that even among those with less education this variable is fundamental to explain the vote, providing evidence that even for voters with less knowledge of politics, the parties are helping to structure the voting decision.

Key Words: political parties, electoral behavior, presidential elections, party sympathy, CSES-ESEB2010

PDF

Referências

ANGEL, A. “Party Change in Chile in Comparative Perspective”. Revista de Ciência Política. Santiago, vol.23, nº 2, p-88-108, 2003.

ALMEIDA, A. C. A cabeça do eleitor. 3 ed: Rio de Janeiro: Record, 2008.

BALBACHEVSKY, E. “Identidade Partidária e Instituições Políticas no Brasil”. Lua Nova, nº 26, 1992.

BOHN. S. “Social Policy and vote in Brazil Bolsa Família and the Shifts in Lula’s Electoral Base”. Latin American Research Review, vol.46, nº 1, 2011.

BRADY, E. e SNIDERMAN, P. (1991). The likability heuristics. In: Sniderman, P. M; Brody, R. A. and Tetlock P. E (orgs.). Reasoning and Choice: Explorations in Political Psychology. New York, NY: Cambridge University Press, 1991.

BRAGA, M.S.S.“Eleições e Democracia no Brasil: a caminho de partidos e sistema partidário institucionalizados”. Revista Brasileira de Ciência Política, vol. 4, p. 43-73, 2010.

CAMPBELL, A., CONVERSE, P. E, MILLER, W. E. e STOKES, D. The American Voter. New York: Wiley Press, 1960.

CARREIRÃO, Y. S. A decisão do voto nas eleições presidenciais brasileiras. Florianópolis: Editora da UFSC/FGV, 2002.

CARREIRÃO, Y. S.”Identificação ideológica, partidos e voto na eleição presidencial de 2006”. Opinião Pública, Campinas, vol. 13, nº 2, p.307-339, 2007.

CARREIRÃO, Y. S. “Opiniões políticas e sentimentos partidários dos eleitores brasileiros”. Opinião Pública, Campinas, vol.14, p.319-351, 2008.

CARREIRÃO, Y. S. & KINZO, M. D. “Partidos políticos, preferência partidária e decisão eleitoral no Brasil (1989-2002)”. Dados, vol.47, n° 1, 2004.

CARREIRÃO, Y. S. & BARBETTA, P. “A eleição presidencial de 2002: a decisão do voto na região da grande São Paulo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Bauru, - SP, vol. 19, nº 56, p.75-93, 2004.

CASTRO, M. M. M. de. Determinantes do comportamento eleitoral: A centralidade da sofisticação política. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro, IUPERJ, 1994.

DALTON, R.J.; FLANAGAN, S. e BECK, P. A. Electoral Change in Advanced Industrial Democracies: Realignment or Dealignment? Princeton: Princeton University Press, 1984.

DALTON, R.J. & WATTENBERG, M. (eds.). Parties Without Partisans – Political Changes in Advanced Industrial Democracies Oxford: Oxford University Press, 2000.

DALTON, R.J.; MACLISTER, I. & WATTENBERG, M. P. “Democracia e identificação partidária nas sociedades industriais avançadas”. Análise Social, vol. XXXVIII, Lisboa, 2003.

DALTON, R.J. & WELDON. “Partisanship and party system institutionalization”. Party Politics vol.13, nº 2, p.179-96, 2007.

DIAMOND, L. & GUNTHER, R. Political Parties and Democracy. The Johns Hopkins University Press, 2001.

DIAS, M. R. “Projeção da imagem partidária nas estratégias de campanha na televisão: uma análise do HGPE 2002”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 48, nº 1, p.147-183, 2005.

DIAS, M. R. Under the mists of HPGE: Partisan Image in the Brazilian Presidential Campaigns (1989-2010). Paper presented at the Centre for Brazilian Studies. University of Oxford, 25 May 2011.

DOWNS, A. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: EDUSP, 1999 FERNANDES, H. C. Voto e Gênero: O comportamento eleitoral feminino na sucessão presidencial de 2002. Dissertação de Mestrado. Departamento de Ciências Políticas, Universidade de São Paulo, 2006.

GUNTHER, R. et al, Political Parties: Old Concepts and New Challenges. Oxford University Press, 2002.

GUNTHER, R.; MONTERO, J. R. & LINZ, J. Political Parties, Old Concepts and New Challenges, Oxford University Press, 2001.

HOLZHACKER D.O. & BALBACHEVSKY, E. “Classe, ideologia e política: uma interpretação dos resultados das eleições de 2002 e 2006”. Opinião Pública, Campinas, vol. 13, nº 2, p.283- 306, 2007.

HUNTINGTON, S. A terceira onda: a democratização no final do século XX. São Paulo: Editora Ática, 1994.

KINZO, M. D. “Os partidos no eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 20, nº 57, 2005.

KINZO, M. D. & BRAGA, M.S.S. (orgs.). Eleitores e representação partidária no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2007.

LAU, R. e REDLASWK, D. How Voters Decide. [Information Processing during Election Campaigns]. New York: Cambridge University Press, 2006.

LAVAREDA, A. A democracia nas urnas. Rio de Janeiro: Ed. Revan, 2ª edição, 1999.

LEVITIN, T. & MILLER, W. “Ideological interpretations of presidential elections”. American Political Science Review, vol. 73, n° 3, Set., 1979.

LINZ, J. Parties in Contemporary Democracies: Problems and Paradoxes. In: GUNTHER, R.; MONTERO, J. R. & LINZ, J. Political Parties, Old Concepts and New Challenges, Oxford University Press, 2002.

LIMONGI, F. e CORTEZ, R. “As eleições de 2010 e o quadro partidário”. Novos Estudos CEBRAP, nº 88, p.21-37, 2010.

MAINWARING, S. e SCULLY, T. Building Democratic Institutions: Party Systems in Latin America. Stanford: Stanford University Press, 1995.

MARTINS J.R, J. P. “Modelo sciológico de decisão de voto presidencial no Brasil - 1994- 2006”. Revista Debates (UFRGS), vol. 3, p. 68-96, 2009.

MARTINS J.R, J. P. Os partidos políticos nas eleições presidenciais brasileiras - 1994 – 2006. In: 7º encontro da ABCP. Recife, 2010.

MACKUEN, M. & RABINOWITZ, G. Electoral Democracy. The University of Michigan Press, 2003.

MENEGUELLO, R. Partidos e tendências de comportamento: o cenário político em 1994, In: DAGNINO, E. (org.). Anos 90. Sociedade e Política no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994.

MENEGUELLO, R. Tendências eleitorais ao fim de 21 anos de democracia. In: MELO, C. R. & SÁEZ, M. A. (orgs). A Democracia Brasileira. Balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

MOISÉS, J. A. “Democratização e cultura política de massas no Brasil”. Lua Nova, vol.26, nº 26, p. 5-51, 1992.

MILLER, A. & KLOBUCAR. T. The development of Party Identification in Post-Soviet Societies. American Journal of Political Science, vol.44, nº 4, 2000.

PAIVA, D., BRAGA,M.S.S. e PIMENTEL Jr. J. “Eleitorado e partidos políticos no Brasil”. Opinião Pública. Campinas, vol. 13, nº 2, p.388-408, 2007.

PIMENTEL JR., J. Laços Afetivos e partidos políticos. In: BRAGA, M. S. S. (Org.).

KINZO, M. D. G. (org.). Eleitores e representação partidária no Brasil. 1. ed. São Paulo: Humanitas, 2004.

SAMUELS, D. "As bases do petismo". Opinião Pública, Campinas, vol.10, nº 2, p.221-241, 2004.

SAMUELS, D. e ZUCCO, C. The Roots of Petismo, 1989-2010. In: 2010 Meeting of the American Political Science Association (Apsa), Washington. p. 1-34, 2010.

SANTOS, W. G. dos. “As Eleições e a Dinâmica do Processo Político Brasileiro”. Dados, Rio de Janeiro, IUPERJ, 21, 1978.

SAEZ, M. A. & FRIDEINBERG, F. “Partidos Políticos na América Latina”, Opinião Pública, Campinas, vol. 8, nº 2, p.137-157, 2002.

SINGER, A. Collor na periferia: A volta por cima do populismo?. In: LAMOUNIER, B. (org.). De Geisel a Collor: O balanço da transição. São Paulo, Sumaré, 1990.

SINGER, A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro, São Paulo: EDUSP, 1999.

SINGER, A. “Raízes sociais e ideológicas do Lulismo”. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, nº 85, p.83-102, nov. 2009.

SINGER, A. “A segunda alma do partido dos trabalhadores”. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, nº 88, dez. 2010.

WATTENBERG, M. “Party Identification and Party Images: A comparison of Britain, Canada, Australia and United States”. Comparative Politics, vol.15, nº 1, 1982.

WEBB, P. Political Parties in Britain: Secular Decline or Adaptive Resilience? In: Political Parties in Advanced Industrial Democracies, Oxford University Press, 2002.

VEIGA,L. “Os partidos brasileiros na perspectiva dos eleitores; mudanças e continuidades na identificação partidária e na avaliação das principais legendas após 2002”. Opinião Pública, Campinas, vol. 13, nº 2, p.340-365, 2007.

A Opinião Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.