Sentimentos partidários e atitudes políticas entre os brasileiros

Autores

  • Ednaldo Ribeiro Universidade Estadual de Maringá
  • Yan Carreirão Universidade Federal de Santa Catarina
  • Julian Borba Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Sentimentos partidários. Atitudes políticas. Valores políticos. CSES-ESEB2010

Resumo

O objetivo deste artigo é examinar os debates recentes sobre os fatores que explicam a estabilidade democrática no Brasil. Com base no conceito de socialização política examina-se o impacto que as eleições têm no fortalecimento democrático e a importância de normas e valores para o futuro da democracia. Considera-se que as eleições presidenciais no contexto político brasileiro se constituem em um momento importante do processo de socialização política. Para verificar esta proposição este trabalho utiliza como base de dados as pesquisas do Estudo Eleitoral Brasileiro (ESEB) de 2002, 2006 e 2010. É analisado se o fator idade gera diferenças em relação aos valores e atitudes manifestados pelos entrevistados com um tempo maior de experiência democrática, contribuindo na formação de uma cultura política congruente com a democracia, ou se são definidos pelo contexto eleitoral, tendo como base a divisão da população em coortes por faixa etária e na escolha eleitoral em cada pleito. Com base nos dados analisados identifica-se uma mudança da cultura política em direção à valorização da democracia, mas com a manutenção de contradições que indicam a manutenção de uma cultura híbrida, que não favorece a democracia representativa poliárquica.

 

Abstract:

The main objective of this article is to examine the recent debates about the factors that explain democratic stability in Brazil. Based upon the concept of political socialization it analyses the impact of elections on the strengthening of democracy and the importance of norms and values for the future of democracy. We think that presidential elections in the Brazilian case could be characterized as an important moment in the political socialization process. To test this proposition we use the data from the Brazilian Electoral Study (ESEB) conducted in 2002, 2006 and 2010. It is analyzed if age generates differences in the values and attitudes manifested by people, with more democratic experience leading, to the materialization of a political culture congruent with democracy, or if they are defined by the electoral context, analyzing the dimensions dividing population by cohorts by age, and by electoral choice in each turnout. We conclude that political culture has changed to support more democratic values, but the contradictions remaining indicates a hybrid culture that does not favor a poliarchic representative democracy.

Keywords: Democracy; political socialization; political culture; CSES-ESEB 2010

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ednaldo Ribeiro, Universidade Estadual de Maringá

Professor Adjunto do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá. É doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (2008) e desenvolve pesquisas na área de Comportamento Político, principalmente sobre valores, atitudes democráticas e participação política. Bolsista de Produtividade da Fundação Araucária.

Yan Carreirão, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina, Bacharelado em Ciências Sociais, mestrado em Sociologia Política (UFSC) e doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2000). Realizou estágio de pós-doutoramento junto ao Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo (2012/13). É Professor Associado da Universidade Federal de Santa Catarina, ocupando atualmente (2014-16) a coordenação do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política.

Julian Borba, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Ciências da Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (1995), mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1998) e doutorado em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). Pós doutorado pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (2010-2011). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

ALMEIDA, A. A cabeça do eleitor: estratégia de campanha, pesquisa e vitória eleitoral. Rio de Janeiro: Record, 2008.

BRAGA, M. S. “Eleições e democracia no Brasil: a caminho de partidos e sistema partidário institucionalizados”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº. 4, 2010.

CARREIRÃO, Y.; KINZO, M. D. “Partidos políticos, preferência partidária e decisão eleitoral no Brasil (1989/2002)”. Dados, vol.47, nº.1, 2004.

CARREIRÃO, Y. “Relevant factors for the voting decision in the 2002 presidential election: an analysis of the ESEB (Brazilian Electoral Study) Data”. Brazilian Political Science Review, vol.1, nº.1, 2007.

CARREIRÃO, Y. “Opiniões políticas e sentimentos partidários dos eleitores brasileiros”. Opinião Pública, vol.14, nº 2, p.319-351,2008.

CASTRO, M.M. “Sujeito e estrutura no comportamento eleitoral”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 20, 1992.

CLARKE, H.; STEWART, M. “The decline of the parties in the minds of citizens”. Annual Review of Political Science, vol.1, 1998.

DALTON, R. WATTENBERG, M. The Not So Simple Act of Voting. In: Finifter, A. (ed.). State of Political Science II. Washington: American Political Science Association, 1993.

DALTON, R. WATTENBERG, M. (eds.). Parties without partisans: political change in advanced industrialized democracies. Oxford: Oxford University Press, 2001.

DOWNS, A. An economic theory of democracy. New York: Harper & Row Publishers, 1957.

FIGUEIREDO, M. A decisão do voto. São Paulo: IDESP/Sumaré, 1991.

FIORINA, M. Retrospective voting in American national elections. New Haven: Yale University Press, 1981.

HUNTER, W.; POWER, T. “Rewarding Lula: Executive power, social policy, and the Brazilian elections of 2006”. Latin American Politics & Society, vol. 49, nº 1, Spring, p.1-30, 2007.

KINZO, M. D. “Os partidos no eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.19, nº 54, 2005.

LAMOUNIER , B.; MENEGUELLO, R. Partidos políticos e consolidação democrática. O caso brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LAVAREDA, A. “Governos, partidos e eleições segundo a opinião pública: o Brasil de 1989 comparado ao de 1964”. Dados, vol.32, nº 3, 1989.

LAVAREDA, A.. A democracia nas urnas - o processo partidário eleitoral brasileiro. Rio de Janeiro: Rio Fundo/ IUPERJ, 1991.

LAVAREDA, A.. Emoções ocultas e estratégias eleitorais. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MAINWARING, S. “Políticos, partidos e sistemas eleitorais. O Brasil numa perspectiva comparada”. Novos Estudos CEBRAP, nº 29, 1991.

MAINWARING, S. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Porto Alegre/Rio de Janeiro: Mercado Aberto/Ed. FGV, 2001.

MENDES, M; VENTURI, G. “Eleição presidencial: o Plano Real na sucessão de Itamar Franco”. Opinião Pública, vol.II, nº 2, 1994.

MONDAK, J.J. et al. “The participatory personality: evidence from Latin America”. British Journal of Political Science, nº 41, 2010.

NICOLAU, J. & PEIXOTO, V. Uma disputa em três tempos: uma análise das bases municipais das eleições presidenciais de 2006. 31º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu-MG, out. 2007.

PAIVA, D; BRAGA M. S; PIMENTEL, J. “Eleitorado e partidos políticos no Brasil”. Opinião Pública, vol.13, nº.2, p. 388-408, 2007.

REIS, F. W. “A Razão do Eleitor. Resenha de Esquerda e Direita no Eleitorado Brasileiro, de André Singer (São Paulo, EDUSP, 2000)”. Jornal de Resenhas (Folha de S. Paulo), São Paulo, 09 set. 2000.

RENNÓ, L. “Escândalos e voto: as eleições presidenciais brasileiras de 2006”. Opinião Pública, vol.13, nº2, p. 260-282, 2007.

RENNÓ, L.; CABELLO, A. “As bases do Lulismo: a volta do personalismo, realinhamento ideológico ou não alinhamento?” Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.25, p.39-60, 2010.

SAMUELS, D. “As bases do petismo”. Opinião Publica, vol.X, nº.2, p.221-241, 2004.

SAMUELS, D. “Evolução do petismo (2002-2008)”. Opinião Pública, vol.14, nº 2, p.302-318, 2008.

SINGER, A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro. São Paulo: EDUSP, 2000.

SINGER, A. “A segunda alma do partido dos trabalhadores”. Novos Estudos CEBRAP, nº 88, 2010.

SOARES, G.; e A.; TERRON, S. L. “Dois Lulas: a geografia eleitoral da reeleição (explorando conceitos, métodos e técnicas de análise geoespacial)”. Opinião Pública, vol.14, nº 2, p.269- 301, 2008.

TAROUCO, G. “Institucionalização partidária no Brasil (1982-2006)”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 4, 2010.

TERRON, S. L; SOARES, G. A. D. “As bases eleitorais de Lula e do PT: do distanciamento ao divórcio”. Opinião Pública, vol.16, nº.2, p.310-337,2010.

VECCHIONE, M.; CAPRARA, G.V. “Personality determinants of political participation: the contributions of traits and self-efficacy beliefs”. Personality and Individual Differences, nº 46, 2009.

VEIGA, L. “Os partidos brasileiros na perspectiva dos eleitores: mudanças e continuidades na identificação partidária e na avaliação das principais legendas após 2002”. Opinião Pública, vol.13, nº 2, p340-365, 2007.

VENTURI, G. “PT 30 Anos: crescimento e mudanças na preferência partidária. Impacto nas eleições de 2010”. Revista, Perseu, nº 5, 2010.

WATTENBERG, M. “The rise of candidate-centered politics (presidential elections of the 1980's)”. Cambridge: Harvard University Press, 1991.

WATTENBERG, M. “The decline of American political parties, 1952-1996”. Cambridge, Massachussets: Harvard University Press. 1998.

ZUCCO, C. “The President's 'new' constituency: Lula and the pragmatic vote in Brazil's 2006 presidential elections”. Journal of Latin American Studies, vol. 40, nº 1, p.29-49, 2008.

Downloads

Publicado

2015-10-27

Como Citar

RIBEIRO, E.; CARREIRÃO, Y.; BORBA, J. Sentimentos partidários e atitudes políticas entre os brasileiros. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 333–368, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641384. Acesso em: 22 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos