Percepções dos deputados estaduais sobre o sistema de comissões das assembleias estaduais brasileiras

Autores

  • Marta Mendes Rocha Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Alessandra Costa Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Poder Legislativo. Assembleias Estaduais. Representação. Comissões parlamentares

Resumo

O artigo confronta a visão da literatura sobre a importância e o papel das comissões permanentes nos legislativos no Brasil e as percepções dos deputados estaduais de 12 estados brasileiros. Busca identificar os pontos de convergência e divergência entre eles e contribuir para ampliar a compreensão sobre o funcionamento e a relevância das comissões parlamentares nas Assembleias Estaduais, assim como os obstáculos à sua atuação. Além disso, o artigo se propõe a identificar e discutir os aspectos e as dimensões enfatizadas pelos deputados e não considerados pela literatura sobre o tema.

 

Abstract:

Abstract: The purpose of this article is to discuss the view of literature on the importance and the role of Standing Committees in legislatures in Brazil and to contrast it with the perceptions of state representatives from twelve state assemblies. We attempted to identify points of convergence and divergence between that the literature says and, on the other hand, the perceptions of the representatives in order to contribute to further the understanding about the operation and the importance of Standing Committees in the State Assemblies as well as the obstacles to their participation in the legislative process. Furthermore, the article aims to identify and discuss the aspects and dimensions highlighted by the legislators and not considered in the literature.

Keywords: Legislative Branch; State Assemblies; Representation; Standing Committees

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Mendes Rocha, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Juiz de Fora. Doutora e Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais. Líder do Grupo de pesquisa no CNPq Representação política no nível municipal no Brasil. Coordena na UFJF projeto de pesquisa com o mesmo nome. Pesquisadora, membro do Conselho Técnico-científico do Centro de Estudos Legislativos do Departamento de Ciência Política da UFMG.

Referências

ABRÚCIO, F. Os Barões da Federação - os governadores e a redemocratização brasileira. São Paulo: DCP/USP-Hucitec, 1998.

AMORIM NETO, O. Of Presidents, parties, and ministers: cabinet formation and Legislative decision-making under separation of Powers. Dissertation. San Diego: University of California, 1998.

AMORIM NETO, O.; SANTOS, F. M. A produção legislativa do Congresso: entre a paróquia e a nação. In: VIANNA, L. W. (org.). A Democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: UFMG/IUPERJ, 2002.

AMORIM NETO, O.; SANTOS, F. M. “The Inefficient Secret Revisited: The Legislative Input and Output of Brazilian Deputies”. Legislative Studies Quarterly. Iowa City, Iowa, EUA, vol. 28, n˚ 3, 2003.

ANASTASIA, M. F. J. Transformando o Legislativo: a experiência da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. In: SANTOS, F. (org.). O Poder Legislativo nos Estados: diversidade e convergência. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2001.

ANASTASIA, F. e MELO, C.R. Accountability, Representação e Estabilidade Política no Brasil”. In: ABRUCIO, F. E LOUREIRO, M.R. (orgs.). O Estado numa era de reforma. Os anos FHC. Brasília, MP: SEGES, 2002.

ANASTASIA, M. F. J. e INÁCIO, M. “Democracia, Poder Legislativo, Interesses e Capacidades”, Cadernos ASLEGIS, n˚40, mai.ago 2010.

ARROW, K. Social choice and individual values. New Haven: Yale University Press, 1963.

BAHIA. Constituição do Estado da Bahia, promulgada em 05 de outubro de 1989, atualizada até a Emenda Constitucional n° 12, de 08 de novembro de 2006.

BAHIA. Resolução nº 1.193 DE 17 de janeiro de 1985. Dispõe sobre o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (com modificações introduzidas até 1995).

CEARÁ. Constituição do Estado do Ceará, promulgada em 05 de outubro de 1989, atualizada até a Emenda Constitucional n° 56 de 07 de janeiro de 2004.

CEARÁ. Resolução nº 389, de 11 de dezembro de 1996. Institui o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Ceará. Atualizado até a Resolução nº 550, de 19.04.2007.

CENTRO DE ESTUDOS LEGISLATIVOS (CEL-DCP-UFMG). Banco de Dados da Pesquisa Trajetórias, perfis e padrões de interação de legisladores estaduais em doze unidades da Federação.

COX, G.W. and MCCUBBINS, M.D. Legislative Leviathan: Party Government in the House. Berkley and Los Angeles: University of California Press, 1993.

DIÁZ, A.M. Los estudios sobre elites parlamentarias. El caso latinoamericano. In: ANASTÁSIA, F.; DIAZ, A.M.; INÁCIO, M. e ROCHA, M.M. (orgs.). Elites Parlamentares na América Latina. Belo Horizonte: Argvmentvm Editora, 2009.

DINIZ, S. “Interações entre os poderes executivo e legislativo no processo decisório: avaliando sucesso e fracasso presidencial”. Dados, vol.48, n˚2, 2005.

FIGUEIREDO, A. "Instituições e Política no Controle do Executivo”. Dados: Revista de Ciências Sociais. vol. 44, n˚ 4, p.689-727, 2001.

FIGUEIREDO, A. “Formação, Funcionamento e Desempenho das Coalizões de Governo no Brasil”. 5º Encontro ABCP. Belo Horizonte, UFMG, 2007.

FIGUEIREDO, A. Instituições Políticas e Governabilidade: desempenho do governo e apoio legislativo na democracia brasileira. In: MELO, C. R.; SÁEZ, M. A. (orgs.). A Democracia Brasileira: balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

FIGUEIREDO, A.C. e LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. São Paulo: .Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999.

GILLIGAN, T.W. and KREHBIEL, K. “Collective Decision-Making and Standing Committees: An Informational Rationale for Restrictive Amendment Procedures”. Journal of Law, Economics and Organization, p.287-335, 1987.

GOIÁS. Constituição do Estado do Goiás promulgada em 5 de outubro de 1989 com alterações até a Emenda Constitucional nº 33, de 2 de janeiro de 2003.

GOIÁS. Resolução n° 1218, de 03 de julho de 2007. Institui o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás.

GROHMAN, L.G.M. O processo legislativo no Rio Grande do Sul: 1995 a 1998. In: SANTOS, F. (org.). O poder legislativo nos estados: diversidade e convergência. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2001.

INÁCIO, M. Estrutura e funcionamento na Câmara dos Deputados. In: MELO, C. R.; ALCÂNTARA SÁEZ, M. (orgs). A Democracia Brasileira: balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

KIEWIET, R.and MCCUBBINS, M.D. The Logic of Delegation. Chicago: University of Chicago Press, 1991.

KREHBIEL, K. Information and legislative organization. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1991.

LEMOS, L.B. “El Sistema de Comisiones en el Senado Brasileño: jieraquía y concentración de poderes en la década de 1990”. America Latina Hoy, 43, p. 155-182. Ediciones universidad de Salamanca, 2006.

LIMONGI, F. “O Novo Institucionalismo e Os Estudos Legislativos: A Literatura Norte-Americana Recente”. BIB- Boletim Informativo Bibliográfico, 37, p.3-38, 1994.

LLANOS, M. e MUSTAPIC, A.M. (orgs.). Controle parlamentar na Alemanha, na Argentina e no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, 2005.

MATO GROSSO. Constituição do Estado do Mato Grosso, promulgada em 5 de outubro de 1989. Atualizada até a Emenda Constitucional n° 51 de 28/02/2007.

MATO GROSSO. Resolução n° 677, de 20 de dezembro de 2006. Aprova o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso.

MINAS GERAIS. Constituição do Estado de Minas Gerais promulgada em 5 de outubro de 1989, atualizada até a Emenda Constitucional nºs 1 a 81 de 9 de julho de 2009.

MINAS GERAIS. Resolução nº 5.176, de 1997 com alterações até a Resolução nº 5.322, de 2008. Institui o Regimento Interno da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

MONTERO, M.G. e LOPEZ, F.S. “Las comisiones legislativas en América Latina: una clasificación institucional y empírica”. Working Papers, 212, Institut de Ciències Polítiques i Socials. Barcelona, 2002.

NASCIMENTO, E.O. “As fundações institucionais do sistema de comissões brasileiro”. Trabalho apresentado no III Seminário de Ciência Política da UFPE, Recife. Mimeo, 2007.

PARÁ. Constituição do Estado do Pará promulgada em promulgada em 5 de outubro de 1989, atualizada até a edição da Emenda Constitucional nº 36, de 24 de fevereiro de 2007.

PARÁ. Resolução n° 02/94. Institui o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Estado do Pará.

PEREIRA, A.R. Sob a ótica da delegação: governadores e Assembleia no Brasil pós-1988. In: SANTOS, F. (org.). O Poder Legislativo nos Estados: divergência e convergência. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2001.

PEREIRA, C. e MULLER, B. “Uma teoria da preponderância do Poder Executivo: o sistema de comissões no Legislativo brasileiro”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.15, n˚ 43, p.45-67, 2000.

PERNAMBUCO. Constituição do Estado de Pernambuco promulgada em 5 de outubro de 1989, atualizada até a Emenda Constitucional n° 32, de 18 de dezembro de 2008.

PERNAMBUCO. Resolução n° 905. Altera o Regimento Interno da Assembleia Legislativa de Pernambuco de 22 de dezembro de 2008.

POLSBY, N. “The Institutionalization of the U.S. House of Representatives”. American Political Science Review, 62, p.144– 68, 1968.

PRZEWORSKI, A. O Estado e o Cidadão. Mimeografado, 1998.

PUTNAM, R.D.; LEONARDI, R.; NANETTI, R. Comunidade e democracia:a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

PRIBEIRAL, T. “Comissão de Constituição e Justiça: Uma ilha de Institucionalização no Congresso Nacional”. Revista do Legislativo da ALMG, 24, p.66-82, 1998, RICCI, P. e LEMOS, L.B. Produção legislativa e preferências eleitorais na Comissão de Agricultura e Política Rural da Câmara dos Deputados. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, vol.19, n˚ 55, 2004.

RIO DE JANEIRO. Constituição do Estado do Rio de Janeiro promulgada em 5 de outubro de 1989, atualizada até a Emenda Constitucional n° 41, de 14.04.09.

RIO DE JANEIRO. Resolução n° 810 de 1997. Dispõe sobre o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

RIO GRANDE DO SUL. Constituição do Estado do Rio Grande do Sul promulgada em 3 de outubro de 1989. Com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais de nº 1, de 1991, a 57, de 2008.

RIO GRANDE DO SUL. Resolução nº 2.288, de 18 de janeiro de 1991. Institui o Regimento Interno da Assembleia Legislativa de São Paulo. Com alterações até dezembro de 2008.

ROSENTHAL, A. “Legislative behavior and legislative oversight”. Legislative Studies Quarterly, vol. VI, n˚ 1, p.115-131, 1981.

SANTA CATARINA. Constituição do Estado de Santa Catarina promulgada em 05 de outubro de 1989 com modificações até a emenda Constitucional nº 047 de 18 de janeiro de 2008.

SANTA CATARINA. Regimento Interno da Assembleia de Santa Catarina com alterações até a Resolução nº 1 de 2009.

SANTOS, F. e ALMEIDA, A. “Teoria Informacional e a Seleção de Relatores na Câmara dos Deputados”. Dados: Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, Vol. 48, n˚ 4, p. 693-735, 2005.

SANTOS, F. e ALMEIDA, A. “Urgency Petitions and the Informational Problem in the Brazilian Chamber of Deputies”. Mimeo, 2008.

SANTOS, F. (org.). O Poder Legislativo nos Estados: divergência e convergência. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2001.

SANTOS, F. Governos de Coalizão no Sistema Presidencial: o caso do Brasil sob a égide da Constituição de 1988. In: AVRITZER, L.; ANASTÁSIA, F. (orgs.). Reforma Política no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

SANTOS, F. O Poder Legislativo no Presidencialismo de Coalizão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

SÃO PAULO. Constituição do Estado de São Paulo promulgada em 5 de outubro de 1989, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nºs 1/1990 a 31/2009.

SÃO PAULO. Resolução 576, de 26 de junho de 1970. Institui o Regimento Interno da Assembleia Legislativa de São Paulo. Atualizada até a Resolução 852, de 17 de outubro de 2007.

SHEPSLE, K. and WEINGAST, B. “Institutional foundations of committee power”. American Political Science Review, n. 81, p. 85-104, 1987.

SOUZA, C. e DANTAS NETO, P.F. Governo, políticas públicas e elites políticas nos estados brasileiros. Rio de Janeiro: Revan, 2006.

STROM, K. Delegation and accountability in parliamentary democracies. In: Rethinking the democracy in the new millennium. University of Houston, 2000.

TOCANTINS. Constituição do Estado do Tocantins promulgada em 5 de outubro de 1989 com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nºs 01/89 a 19/2006.

TOCANTINS. Resolução nº 201, de 18/9/1997. Institui o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Tocantins. Atualizada até a Resolução n. 267, de 8/07/2008.

TOMIO, F.R.L. Medidas provisória, iniciativas e decisões legislativas no processo decisório estadual catarinense. In: CARREIRÃO, Y. BORBA, J. (orgs.). Os partidos na política catarinense - eleições, processo legislativo, políticas públicas. Florianópolis, Insular, 2006, TOMIO, F.R.L. e CANTO, E.R. “Medidas provisórias no processo decisório estadual”. Apresentado no 4º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, 2004.

TOMIO, F.R.L e RICCI, P. “Conexão eleitoral, processo legislativo e estratégias parlamentares nas Assembleias Legislativas Estaduais”. Apresentado no 6º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, 2008.

TSEBELIS, G. Jogos ocultos: escolha racional no campo da política comparada. São Paulo: Edusp, 1998.

WEINGAST, B.R. and MARSHAL, W.J. “The industrial organization of Congress: or, why legislatures, like firms, are not organized as markets”. Journal of Political Economy, n. 96 (1), p. 133-63, 1988.

Downloads

Publicado

2015-10-30

Como Citar

Rocha, M. M., & Costa, A. (2015). Percepções dos deputados estaduais sobre o sistema de comissões das assembleias estaduais brasileiras. Opinião Pública, 18(2), 278–308. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641419

Edição

Seção

Artigos