Comportamento eleitoral e estratégia partidária nas eleições presidenciais no Brasil (2002 – 2010)

Autores

  • Fernando Guarnieri Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Voto. Eleições presidenciais. ESEB. Modelos espaciais. Estratégias partidárias

Resumo

Neste artigo utilizo o Modelo Unificado do Voto de Adams, Merril e Grofman (2005) para compreender melhor o papel das estratégias partidárias e da identificação partidária na decisão do voto. Utilizo o algoritmo NOPP, derivado do trabalho de Adams et al, e os dados do ESEB para verificar as estratégias adotadas pelos candidatos nas três últimas eleições para presidente no Brasil. Enquanto este modelo proporcionou uma boa aproximação da posição dos candidatos do PSDB e de outros partidos que se posicionaram mais ao centro e à direita, ele não foi muito preciso no posicionamento dos candidatos do PT e de outros partidos que se posicionavam mais à esquerda. Isto indica que estes partidos se movem menos pela maximização de votos do que por outros fatores.

 

Abstract:

In this article I use the Unified Model of Vote from Adams, Merrill and Grofman (2005) to better understand the role of party strategies and party identification in the voter decision. I use the NOPP algorithm, derived from the work of Adams et al, and data from the ESEB to check the strategies adopted by the candidates in the last three presidential elections in Brazil. While this model provided a good approximation of the position of the PSDB candidates and other parties that were positioned more to the center and right it was not very precise in positioning the PT candidates and other parties that are positioned more to the left. This indicates that these parties move less by maximizing votes than by other factors.

Keywords: voting; elections; ESEB; spatial models; party strategies

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Guarnieri, Universidade de São Paulo

Fiz minha graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1994), mestrado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2004) e doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2009). Atualmente sou pós-doutorando no Centro de Estudos da Metrópole CEM/CEBRAP.

Referências

ADAMS, J. F.; MERRILL, III, S.; GROFMAN, B. A unified theory of party competition: A cross-national analysis integrating spatial and behavioral factors. Cambridge University Press, 2005.

ADAMS, J. F.; CLARK, M.; EZROW, L.; GLASGOW, G. "Are niche parties fundamentally different from mainstream parties? The causes and the electoral consequences of Western European parties' policy shifts, 1976–1998." American Journal of Political Science, vol. 50, n°3, p.513-529, 2006.

BRAGA, M. S. S.; PIMENTEL, JR., J. "Os partidos políticos brasileiros realmente não importam?" Opinião Pública, vol.17, n°2, p.271-303, 2011.

CALVO, E.; HELLWIG,T. "Centripetal and centrifugal incentives under different electoral systems." American Journal of Political Science, vol.55, n°1, p.27-41, 2011.

CARREIRÃO, Y. S. "Identificação ideológica e voto para presidente."Opinião Pública, vol. VIII, n° 1, 2002.

CARREIRÃO, Y. S. "Relevant factors for the voting decision in the 2002 presidential election: an analysis of the ESEB (Brazilian Electoral Study) Data."Brazilian Political Science Review (Online), 1.SE: 0-0, 2007a.

CARREIRÃO, Y. S. "Identificação ideológica, partidos e voto na eleição presidencial de 2006." Opinião Pública, vol. 13, n°2, p.307-339, 2007b.

CARREIRÃO, Y. S.; KINZO, M. D. G. "Partidos políticos, preferência partidária e decisão eleitoral no Brasil (1989/2002)." Dados, vol.47, n°1, p.131-167, 2004.

CASTRO, M. M. M. “Determinantes do comportamento eleitoral: a centralidade da sofisticação política". Tese de Doutorado em Ciência Política, IUPERJ, Rio de Janeiro, 1994.

CURINI, L.; IACUS , S. M. NOPP: Nash Optimal Party Positions. R package version 1.0.3. (2012). Disponível em: <http://cran.r-project.org/web/packages/nopp/index.html>. Último acesso em: 9 abr. 2013.

DOWNS, A. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp, 1999.

FIGUEIREDO, M. F. A decisão do voto: democracia e racionalidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1991.

GUARNIERI, F. "A Força dos Partidos ‘Fracos’”. Dados, vol.54, n°1, p.235-258, 2011.

HELLWIG, T. "Explaining the salience of left–right ideology in postindustrial democracies: The role of structural economic change." European Journal of Political Research, vol.47, n°6, p.687-709, 2008.

HENNINGSEN, A.; TOOME, O. “MaxLik: A package for maximum likelihood estimation”. In: Computational Statistics, 26(3), p. 443-458, 2011.

HOLZHACKER, D. O.; BALBACHEVSKY, E. "Classe ideologia e política: uma interpretação dos resultados das eleições de 2002 e 2006."Opinião Pública, vol. 13, n°2, p.283-306, 2007.

JESSEE, S. A. "Spatial voting in the 2004 presidential election." American Political Science Review, 103, 1, p.59-81, 2009.

LIMA, JR.; O.B. Partidos, eleições e poder legislativo. In: MICELI, S. (org.). O que ler na Ciência Política brasileira (1970- 1995). São Paulo: Editora Sumaré/Anpocs, 1999.

LIMONGI, F.; CORTEZ , R. "As eleições de 2010 e o quadro partidário." Novos Estudos-CEBRAP, 88, p.21-37, 2010.

NICOLAU, J. "An analysis of the 2002 presidential elections using logistic regression." Brazilian Political Science Review, 1.1, p.125-135, 2011.

PALFREY, T. R. "Spatial equilibrium with entry." The Review of Economic Studies, 51.1, p.139-156, 1984.

POWER, T.; ZUCCO JR, C. "Estimating ideology of Brazilian legislative parties, 1990–2005: a research communication." Latin American Research Review, 44, 1, p.218-246, 2009.

ROEMER, J. E. Political competition: Theory and applications. Harvard University Press, 2006.

SINGER, A. "A segunda alma do Partido dos Trabalhadores." Novos Estudos-CEBRAP, 88, p. 89-111, 2010.

SINGER, A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro: a identificação ideológica nas disputas presidenciais de 1989 e 1994. São Paulo: Edusp, 1999.

Downloads

Publicado

2015-10-30

Como Citar

GUARNIERI, F. Comportamento eleitoral e estratégia partidária nas eleições presidenciais no Brasil (2002 – 2010). Opinião Pública, Campinas, SP, v. 20, n. 2, p. 157–177, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641546. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)