A parte que me cabe nesse julgamento: a Folha de S. Paulo na cobertura ao processo do “mensalão”

Autores

  • Flávia Biroli Universidade de Brasília
  • Denise Mantovani Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Imprensa. Pluralidade. Partidarismo. “Mensalão”. Partido dos Trabalhadores (PT)

Resumo

O artigo analisa a cobertura do jornal Folha de S. Paulo ao julgamento da Ação Penal 470, mais conhecido como julgamento do “mensalão”. A partir dele e tendo em mente sua especificidade, discutimos as relações entre a imprensa brasileira e o PT e o modo de organização da pluralidade no jornalismo político no Brasil. Nessa cobertura, a pluralidade corresponde à garantia de espaços restritos para a defesa, circunscrita e autointeressada, de alguns indivíduos diante da narrativa que organiza o noticiário. O noticiário é apresentado, por sua vez, como narrativa colada aos fatos e, como tal, não posicionada. O ângulo apresentado como legítimo para a cobertura é naturalizado ao mesmo tempo em que as posições em disputa, que implicariam recortes distintos para a produção do noticiário, são excluídas ou domesticadas como reações aos fatos. Na cobertura analisada, o partidarismo encontra sua expressão na prevalência da dimensão moral da política no discurso jornalístico.

 

Abstract:

This article analyses the role of one of the main Brazilian newspapers, Folha de S. Paulo, in the understanding of Penal Action 470 - the judgment by Brazilian supreme court of important members of Brazilian Workers’ Party for their involvement in corruption during the first government of Lula da Silva. It discusses the relationship between press and PT in Brazil and, also, the way plurality is organized in Brazilian political journalism. In the news here discussed, plurality equals guarantees for a restricted defense of some individuals in face of the narrative that organizes the coverage. While a circumscribed defense is presented as self-interested, that narrative is presented as nonpartisan and stuck to the facts. The angle presented as legitimate in the news is naturalized while conflicting positions are excluded or domesticated as reactions to the facts. Partisanship has its expression, then, in the prevalence of the moral dimension of politics.

Keywords: press; plurality; partisanship; “mensalão”; Workers’ Party (PT)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Biroli, Universidade de Brasília

Professora Associada do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, onde coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê) e edita a Revista Brasileira de Ciência Política. Sua produção está concentrada na área de gênero, política e democracia, com ênfase para o estudo das teorias políticas feministas, e na área de mídia e política, tratando especialmente das relações entre imprensa e democracia no Brasil.

Denise Mantovani, Universidade de Brasília

Jornalista, graduada pela PUC/RS, mestre e doutora em ciência política pela Universidade de Brasília/ IPOL. Na pesquisa de pós-graduação concentra-se nos estudos sobre mídia e política; midia, gênero e desigualdades; democracia e desigualdades, além dos estudos sobre a formação da agenda jornalística e os mecanismos de produção da noticia. Integra o grupo de pesquisa Democracia e Desigualdades no Instituto de Ciência Política da UNB (IPOL/UnB).

Referências

ALMEIDA, J. “Apelos eleitorais dos candidatos presidenciais do Brasil em 2006”. Revista de Ciências Sociais, vol. 39, n° 2, p.44-60, 2008.

AZEVEDO, F. “A imprensa brasileira e o PT: um balanço das coberturas presidenciais (1989 a 2006)”. Revista Eco-Pós, vol. 12, n° 3, p.48-65, 2009.

BIROLI, F. “Técnicas de poder, disciplinas do olhar: aspectos da construção do jornalismo moderno no Brasil”. História, vol. 26, n° 2, p.118-143, 2007.

BIROLI, F. “Representações do golpe de 1964 e da ditadura na mídia: sentidos e silenciamentos na atribuição de papéis à imprensa, 1984-2004”. Varia História, vol. 25, n° 41, p.269-291, 2009.

BIROLI, F. “Limites da política e esvaziamento dos conflitos: o jornalismo como gestor de consensos”. Revista Estudos Políticos, n° 6, vol. 1, p.144-161, 2013.

BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. “Orgulho e preconceito: a ‘objetividade’ como mediadora entre o jornalismo e seu público”. Opinião Pública, vol. 18, n° 1, p.22-43. 2012.

ENTMAN, R. “Framing: towards clarification of a fractured paradigm”. Journal of Communication, vol. 4, n° 43, p.51-58, 1993.

ETTEMA, J. S.; GLASSER, T. L. Custodians of conscience: investigative journalism and public virtue. New York: Columbia University Press, 1998.

GITLIN, T. The whole world is watching: mass media and the making and unmaking of the new left. Berkeley: University of California Press, 1980.

GOFFMAN, E. Frame analysis: an essay on the organization of experience. Cambridge: Harvard University Press, 1974.

HUNTER, W. The transformation of the Workers’ Party in Brazil, 1989-2009. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

LIMA, V. A. (org.). A mídia nas eleições de 2006. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2007.

MIGUEL, L. F. Política e mídia no Brasil: episódios da história recente. Brasília: Editora Plano, 2002.

MIGUEL, L. F. “From equality to opportunity: transformations in the discourse of the Workers’ Party in the 2002 elections”. Latin American Perspectives, vol. 33, n° 4, p.122-43, 2006.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. “A produção da imparcialidade: a construção do discurso universal a partir da perspectiva jornalística”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 25, n° 73, p.59-76, 2010.

MIOLA, J. “O PT na contramarcha da liquefação política”. Carta Maior, 17 jan. 2013. Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/templates/analiseMostrar.cfm?coluna_id=5937>. Acesso em: 2 fev. 2013.

PASSOS, N. “Bastidores de um julgamento e de uma ‘cruzada midiática’”. Carta Maior, 27 de set. 2012. Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20985>. Acesso em: 2 fev. 2013.

RIBEIRO, P. F. Dos sindicatos ao governo: a organização nacional do PT de 1980 a 2005. São Carlos: EdUFSCar, 2010.

RUBIM, A. A.C. (org.). Mídia e Eleições 98. João Pessoa e Salvador: Editora da UFPB e Edições FACOM, 2000.

RUBIM, A. A.C. Eleições presidenciais em 2002: ensaios sobre mídia, cultura e política. São Paulo: Hacker, 2004.

RUBIM, A. A.C. Ética da política e ética na política nas eleições de 2006. In: LIMA, V. A. (org.). A mídia nas eleições de 2006. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, p.159-168, 2007.

SINGER, A. “A segunda alma do Partido dos Trabalhadores”. Novos Estudos, n° 88, p.89-111. 2010.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

TASCHNER, G. Folhas ao vento: análise de um conglomerado jornalístico no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Downloads

Publicado

2015-10-30

Como Citar

BIROLI, F.; MANTOVANI, D. A parte que me cabe nesse julgamento: a Folha de S. Paulo na cobertura ao processo do “mensalão”. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 20, n. 2, p. 204–218, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641549. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos