Desenho institucional e promoção da justiça em espaços participativos: implicações em um estudo de caso

Autores

  • Rafael Silva Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Redistribuição. Justiça como equidade. Princípio da diferença. Desenho institucional. Orçamento participativo

Resumo

Do conjunto de estudos sobre os impactos do Orçamento Participativo (OP), uma linha de investigação tem apontado seu potencial redistributivo, compreendendo-o como a concretização da equidade e do princípio da diferença, elementos estruturantes da concepção de justiça de John Rawls. Assim, este artigo averigua se esse potencial se concretizou na experiência de OP de Biguaçu-SC. Constata-se, diante do cruzamento dos dados de investimento per capita com o Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) por região, que, em partes, a experiência promoveu a justiça, porém, essa promoção esteve limitada pela mudança no desenho institucional da experiência, que impactou diretamente na redução da equidade.

 

Abstract:

Among the studies on the Participatory Budgeting (PB) impacts, a line of research has shown its redistributive potential, comprehending it as the consolidation of equality and the difference principle, framework elements of the conception of justice, by John Rawls. Therefore, this article aimes to verify if this potential was achieved in the PB experience of the city of Biguaçu in Santa Catarina, Brazil. The study proves through cross tabulation of the per capita investiment and the Social Vulnerability Index (SoVI) per region, that, in part, the experience promoted justice. However, this promotion was limited by the changes in the institutional design of the experience, which caused a direct impact on the equality reduction.

Keywords: redistribution; justice as fairness; difference principle; institutional design; participatory budgeting

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, E. T.; MOURA, R. R. “Orçamento Participativo – Bibliografia comentada”. Cadernos de Ciência Política. Série: Pré-Edições, nº 14. Programa de Pós-Graduação em Ciência Política/UFRGS, Porto Alegre, 2000.

ARAUJO, C. “Legitimidade, justiça e democracia: o novo contratualismo de Rawls”. Lua Nova, n°57, p.73-85, 2002.

AVRITZER, L. O Orçamento Participativo e a Teoria Democrática: um balanço crítico. In: AVRITZER, L.; NAVARRO, Z. A inovação democrática no Brasil: o Orçamento Participativo. São Paulo: Cortez, 2003.

AVRITZER, L. “Instituições participativas e desenho institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democrático”. Opinião Pública, vol. 14, nº 1, p.43-64, 2008.

AVRITZER, L.; PIRES, R. R. “Orçamento Participativo, efeitos distributivos e combate à pobreza”. Teoria & Sociedade, nº especial: Políticas sociais e democracia no Brasil, p.68-89, 2005.

AVRITZER, L.; NAVARRO, Z. A inovação democrática no Brasil: o Orçamento Participativo. São Paulo: Cortez, 2003.

BORBA, J.; LUCHMANN, L.Orçamento Participativo: Análise das experiências desenvolvidas em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 2007.

CARLOS, E. Controle Social e Política Redistributiva no Orçamento Participativo. Vitória: Edufes, 2007.

DOWNS, A. Uma Teoria Econômica da Democracia. São Paulo: Edusp, 1999.

HALL, P.; TAYLOR, R. “As três versões do neoinstitucionalismo”. Lua Nova, nº 58, p.193-223, 2003.

IBGE. Censo Demográfico, 2000.

IBGE. Censo Demográfico, 2000: agregado por setor censitário dos resultados do universo. Rio de Janeiro, 2003.

KOGA, D. Medidas de cidades: entre territórios de vida e territórios vividos. São Paulo: Cortez, 2003.

LAVALLE, A.G. Participação: valor, utilidade, efeitos e causa. In: PIRES, R. Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: IPEA, 2011.

LÜCHMANN, L. H. H. “Possibilidades e limites da democracia deliberativa: a experiência do Orçamento Participativo em Porto Alegre”. Tese de Doutorado - UNICAMP, Campinas, p.223, 2002.

MACPHERSON, C. A Democracia Liberal: origens e evolução. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

MARQUETTI, A. Participação e Redistribuição: o Orçamento Participativo em Porto Alegre. In: AVRITZER, L.; NAVARRO, Z. (orgs.). A inovação democrática no Brasil. São Paulo: Cortez, 2003.

MARQUETTI, A.; CAMPOS, G. A.; PIRES, R. (orgs.). Democracia participativa e redistribuição: análise de experiências de orçamento participativo. São Paulo: Xamã, 2008.

MIGUEL, L. F. “Teoria Democrática Atual: Esboço de Mapeamento”. BIB - Boletim Informativo Bibliográfico, 59, São Paulo, p. 5-42, 2005.

MOUFFE, C. O regresso do político. Lisboa: Gradiva, 1996.

NAHAS, M. I. P.; OLIVEIRA, A. M.; NETO, A. C. Acesso à ocupação e a renda versus escolarização no espaço intraurbano de grandes cidades: o caso de Belo Horizonte. Seminário sobre a Economia Mineira, 2002, Belo Horizonte. Anais Eletrônicos. Belo Horizonte: UFMG, 2002.Disponível em: <http://www.cedeplar.ufmg.br/diamantina2002/textos/D73.PDF>. Acesso em: 27 jun.2012.

NOBRE, A. Inovações institucionais em Santa Catarina: o caso do Orçamento Participativo de Biguaçu – 2001/2004. In: BORBA, J; LÜCHMANN, L. (orgs.). Orçamento Participativo: Análise das experiências desenvolvidas em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 2007.

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO. Plano de Investimento (2002-2008).

PATEMAN, C. Participação e Teoria Democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

PIRES, R. “Participação Cidadã e Planejamento Governamental: um equilíbrio possível? Reflexões sobre o Orçamento Participativo de Belo Horizonte”. Pensar BH/Política Social. Belo Horizonte, nº 24, p.10-13, nov. 2009.

PERES, P. S. “Comportamento ou instituições? A evolução histórica do neoinstitucionalismo da ciência política”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 23, nº68, p.53-71, 2008.

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE. Mapas e indicadores das vulnerabilidades sociais. [Online] 2007. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2012.

RAWLS, J. O liberalismo político. São Paulo: Ática, 2000.

RAWLS, J. Justiça como equidade: uma reformulação. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

SARTORI, G. A teoria da democracia revisitada - o debate contemporâneo. São Paulo: Ática S. A., 1994.

SILVA, R. “Redistribuição e inclusão: o orçamento participativo de Biguaçu e as eleições municipais”. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política – UFSC, p.152, Florianópolis, 2010.

SOUZA, J. A construção social da subcidadania: para uma sociologia da modernidade periférica. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003a.

SOUZA, J. “(Não) reconhecimento e subcidadania, ou o que é “ser gente”?” Lua Nova, nº 59, 2003b.

SOUZA, J. Por uma teoria da ação social da modernidade periférica: um diálogo crítico com Florestan Fernandes. In: SOUZA, J. (org.). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

VAZ, A.; PIRES, R. Comparações entre municípios: avaliação dos efeitos da participação por meio de pares contrafactuais. In: Pires, R. Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: IPEA, 2011.

Downloads

Publicado

2015-10-30

Como Citar

SILVA, R. Desenho institucional e promoção da justiça em espaços participativos: implicações em um estudo de caso. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 20, n. 2, p. 252–272, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641551. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos