O custo da política subnacional: a forma como o dinheiro é gasto importa? Relação entre receita, despesas e sucesso eleitoral

Autores

  • João Paulo Saraiva Leão Viana Universidade Estadual de Rondônia
  • Rodrigo Dolandeli Santos Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Financiamento de campanhas. Despesas eleitorais. Deputado federal. Eleições. Prestação de contas eleitorais.

Resumo

Este artigo tem por objeto as despesas em campanhas eleitorais. Especificamente propõe: a)produzir um mapeamento dos gastos eleitorais da eleição de 2010 efetuados por candidatos a deputado federal; b) identificar padrões de gastos existentes; c) identificar a existência de correlação estatística importante entre diferentes padrões de gastos eleitorais e resultado eleitoral nas urnas. As questões que orientam o artigo são as seguintes: a) A forma como os atores utilizam seus recursos expressam as particularidades dos competidores? b) Determinados gastos de campanha possuem maior impacto no sucesso eleitoral do que outros? Para fins de mapeamento das despesas eleitorais elaborou-se uma classificação que busca apreender os gastos eleitorais em três grandes categorias: 1) gastos com “publicidade”; 2) gastos com “infraestrutura” de campanha; e 3) gastos com “pessoal”. Os principais achados residem na percepção de que somente o volume de dinheiro não basta para explicar o sucesso eleitoral. Os modelos demonstram que o padrão de gasto precisa ser concentrado e que as maiores despesas devem ser destinadas para "comunicação e publicidade". Além disso, candidatos que disputam eleições em partidos mais organizados e com um grau de coordenação mais centralizado estão em melhores condições do que seus concorrentes que não compartilham dessa situação, conforme hipótese originalmente apresentada por Guarnieri (2011).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Saraiva Leão Viana, Universidade Estadual de Rondônia

Professor de Ciência Política do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Rondônia - UNIR; Doutorando em Ciência Política na Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP ; Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2005); Mestrado em Relações Internacionais para a América do Sul pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino Americanos - CEBELA/RJ (2011); Realizou estágio de graduação no Forschungsinstitut für Politische Wissenschaft der Universität zu Köln (Universidade de Colônia) - UNIKÖLN, na Alemanha (2004). Analista político do Blog Legis-Ativo, do portal Estadão. Membro do corpo editorial da Revista Gestão e Controle (TCE-RO); É pesquisador do Grupo de Pesquisa Observatório das Nacionalidades (ON/UECE); e membro do Grupo de Pesquisa em Política Brasileira (PolBras), ligado ao Centro de Estudos de Opinião Pública (CESOP/UNICAMP). Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Teoria Política e Comportamento Político, atuando nos seguintes temas: pensamento político, história das ideias políticas, eleições e partidos políticos, democracia e populismo.

Rodrigo Dolandeli Santos, Universidade Estadual de Campinas

É doutorando em Ciência Política na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Possui Graduação e Licenciatura Plena em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Possui experiência em estudos sobre Instituições Políticas, Teoria Democrática e Política. Pesquisa os seguintes temas: Financiamento de Campanha, Empresariado e Segmentos Econômicos; Sistema eleitoral e partidário. É membro do Grupo de Política Brasileira (PolBras) ligado ao Centro de Estudos de Opinião Pública (CESOP/Unicamp).

Referências

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. 5a ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2004. Disponível em: http://www.inf.ufsc.br/~barbetta/livro1.htm. Acesso em: 10 out. 2010.

CERVI, E. U. "Financiamento de campanhas e desempenho eleitoral no Brasil: análise das contribuições de pessoas físicas, jurídicas e partidos políticos às eleições de 2008 nas capitais de estado". Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, no 4, p. 135-167, jul.-dez. 2010.

CODATO, A; COSTA, L. D.; MASSIMO, L. "Classificando ocupações prévias à entrada na política: uma discussão metodológica e um teste empírico". Opinião Pública, Campinas, vol. 20, no 3, p. 346-362, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762014000300346&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 fev. 2016.

CLAESSENS, S.; FEIJEN, E.; LAEVEN, L. "Political connections and preferential access to finance: the role of campaign contributions". Journal of Financial Economics, vol. 88, 2008.

DUSCHINSKY, M. P. "Financing politics: a global view". Journal of Democracy, vol. 13, no 4, out. 2002.

GUARNIERI, F. "A força dos partidos 'fracos'". Dados, Rio de Janeiro, vol. 54, no 1, p. 235-258, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582011000100007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 9 jan. 2016.

GERBER, A. "Estimating the effect of campaign spending on senate election outcomes using instrumental variables". American Political Science Review, vol. 92, no 2, jun. 1998.

HAIR, J., et al. Análise multivariada de dados. 5a ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HEILER, J. G. Democracia: o jogo das incertezas x financiamento de campanhas. Uma análise da prestação de contas das campanhas de vereadores de SC. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2014.

ISSACHAROFF, S.; KARLAN, P. S. "The hydraulics of campaign finance reform". Texas Law Review, no 77, p. 1.705-1.738, 1998-1999.

JACOBSON, G. C. "The effects of campaign spending in congressional election". The American Political Science Review, vol. 72, no 2, p. 469-491, jun. 1978.

LAZZARINI, S. G.; et al. "What do development banks do? Evidence from Brazil, 2002-2009". Harvard Business School, Working Paper no 12-047, 2011. Disponível em: http://www.hbs.edu/research/pdf/12-047.pdf. Acesso em: 5 nov. 2015.

MANCUSO W. P. "Investimento eleitoral no Brasil: balanço da literatura e agenda de pesquisa". Revista de Sociologia e Política, vol. 23, no 54, p. 155-183, jun. 2015.

MANCUSO, W. P.; SPECK, B. W. "O que faz a diferença? Gastos de campanha, capital político, sexo e contexto municipal nas eleições para prefeito em 2012". Cadernos Adenauer, vol. XIV, n° 2, Candidatos, partidos e coligações nas eleições municipais de 2012. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, jun. 2013.

PEIXOTO, V. "Impacto dos gastos de campanhas nas eleições legislativas de 2010: uma análise quantitativa". Anais do 8° Encontro ABCP, Gramado, RS, 2012.

POWER, T.; ZUCCO JR., C. “Elite preferences in a consolidating democracy”. Latin American Politics and Society. 2012. Disponível em: http://www.fgv.br/professor/cesar.zucco/files/ArtigoLAPS2012.pdf. Acesso em: 24 jun. 2015.

SAMUELS, D. J. "Does money matter? Campaign finance in newly democratic countries: theory and evidence from Brazil". Comparative Politics, vol. 34, p. 23-42, 2001.

SANTOS, R. D. "O perfil de financiamento de campanha dos maiores grupos econômicos nas eleições de 2010. Anais da 36a Anpocs, GT 13. Águas de Lindoia, 2012.

SPECK, B. W. "Três ideias para oxigenar o debate sobre dinheiro e política no Brasil". Em Debate, Belo Horizonte, vol. 2, no 3, p. 6-13, mar. 2010.

SPECK, B. W. O financiamento político e a corrupção no Brasil. In: BIASON, R. C. (org.). Temas de corrupção política no Brasil. São Paulo: Balão Editorial, p. 49-97, 2012.

WELCH. W. P. “Campaign contributions and legislative voting: Milk money and dairy price supports”. The Western Political Quarterly, vol. 35, no 4, p. 478-495, dez. 1982.

Downloads

Publicado

2016-06-02

Como Citar

VIANA, J. P. S. L.; SANTOS, R. D. O custo da política subnacional: a forma como o dinheiro é gasto importa? Relação entre receita, despesas e sucesso eleitoral. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 56–92, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8646020. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos