Mulheres no poder: aspectos sobre o discurso feminino nas campanhas eleitorais

Autores

  • Luciana Panke Universidade Estadual de Campinas
  • Sylvia Iasulaitis Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Comunicação política. Gênero. América latina. Eleições. Discurso feminino.

Resumo

Neste artigo são analisados os spots eleitorais nas propagandas televisivas das campanhas presidenciais de Dilma Rousseff (Brasil), Michelle Bachelet (Chile) e Cristina Kirchner (Argentina) com o objetivo de verificar como as presidentes latino-americanas se posicionam enquanto gênero feminino em suas campanhas. A pergunta de pesquisa que orientou nossa análise foi: o posicionamento das candidatas neutraliza ou reforça estereótipos de gênero? Buscamos na literatura temática entender as questões implicadas nas leituras de gênero, em suas imbricações com as disputas eleitorais. Para a análise empírica, adotamos a análise de conteúdo para mensurar a presença do tema "mulher" nos spots, analisando, em seguida, o posicionamento adotado nos demais aspectos da campanha televisiva, a partir da presença de três códigos principais: icônico, linguístico e sonoro. Os resultados demonstraram que a agenda de temas relacionados à temática de gênero se concentrou em programas sobre maternidade e geração de emprego e que, para superar os estereótipos de gênero, as candidatas foram apresentadas com qualidades necessárias para a liderança política, enfatizando características tradicionalmente consideradas como masculinas, como determinação, seriedade, inteligência, competência, capacidade de liderança, entre outras. A análise dos spots demonstrou que, em alguns momentos, as próprias candidatas reproduziram estereótipos de gênero em suas campanhas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Panke, Universidade Estadual de Campinas

Pós-doutorado na linha de Comunicação Política - Universidad Autónoma Metropolitana - sede Cuajimalpa (UAM-México), com pesquisa sobre propaganda eleitoral de mulheres na América Latina - bolsista Capes. Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, mestrado em Letras pela Universidade Federal do Paraná e graduação em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Em 2016,eleita uma das 12 mulheres mais influentes da comunicação política pela The Washington Academy of Political Arts & Sciences (EUA). Pertence ao corpo docente efetivo da Universidade Federal do Paraná na graduação (Publicidade e Propaganda) e no programa de pós-graduação em Comunicação, do Departamento de Comunicação Social. 

Sylvia Iasulaitis, Universidade Estadual de Campinas

É Professora Doutora da Universidade Federal de São Carlos. É Doutora em Ciência Política e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Possui Bacharelado e Licenciatura Plena em Ciências Sociais pela UNESP, Campus de Araraquara. 

Referências

ALVES, J. E. D. A.; PINTO, C. R. J.; JORDÃO, F. (orgs.). Mulheres nas eleições 2010. São Paulo:

ABCP/Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2012.

AMADO, A. Argentina 2011: redes, voto y rock & roll. Centro de Competencia en Comunicación para América Latina, 2011. Disponível em: www.cfes3.net. Acesso em: 20 nov. 2011.

ARONSON, J. "The threat of stereotype". Educational Leadership, vol. 62, n° 3, November 2004.

AZEVEDO, F. A. "Eleições presidenciais, clivagem de classe e declínio da grande imprensa". Revista USP, vol. 90, p. 84-101, 2011.

BONNAFOUS, S. "Femme politique: une question de genre?". Réseaux, vol. 4, n° 120, 2003.

BOSOER, F. "El panorama electoral en Argentina". Nueva Sociedad. Democracia y Política en América Latina, n° 208, Marzo-Abril 2007.

BUNKER, K.; NAVIA, P. "El votante díscolo". In: Percepciones y actitudes sociales. Informe de la quinta encuesta nacional UDP 2009. Universidad Diego Portales, Santiago, Chile, 2010.

BURREL, B. C. "Gender, presidential elections and public policy: making women's votes matter". Journal of Women, Politics & Policy, vol. 27, n° 1-2, p. 31-50, 2005.

CERVELLINI, S.; GIANI, M.; PAVANELLI, P. "Economia, religião e voto no Brasil: a questão do aborto na eleição presidencial de 2010". IV Congresso Latino-Americano de Opinião Pública da Wapor – World Association of Public Opinion Research. Belo Horizonte, Brasil, 2011.

CUCCHETTI, H. "El proceso electoral en la Argentina 2007: voto, trayectorias políticas y tradiciones partidarias", 2007. Disponível em: https://nuevomundo.revues.org/10063. Data de acesso: 5 nov. 2008.

DEAUX, K.; EMSWILLER, T. "Explanations of successful performance on sex-linked tasks: what is skill for the male is luck for the female". Journal of Personality and Social Psychology, vol. 29, n° 80-5, 1974.

DOLAN, K. "Gender stereotypes, candidate evaluations, and voting for women candidates: what really matters?". Political Research Quarterly, n° 1, p. 96-107, 17 maio 2013.

DOWNS, A. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp, 1999.

ECO, U. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 1993.

FALK, E. "Women for president: media bias in eight campaigns". Chicago: University of Illinois Press, 2008.

FENOLLOSA, L. T. Estadísticas sobre violencia de género: una mirada crítica desde el feminicidio. In: ZAREMBERG, G. (coord.). Políticas sociales y género. México: Flacso, p. 301-345, 2008.

FINAMORE, C. M.; CARVALHO, J. E. C. "Mulheres candidatas: relações entre gênero, mídia e discurso". Estudos Feministas, vol. 14, n° 2, maio-ago. 2006.

FRAGA, R. "Análisis del resultado de las elecciones 2011". Anales. Sesión privada de la Academia Nacional de Ciencias Morales y Políticas, Buenos Aires, 26 octubre 2011.

HELLER, L. Nuevos estilos de liderazgo femenino en organizaciones. In: ZABLUDOVSKY, G. (coord.). Mujeres en cargos de dirección en América Latina: estudios sobre Argentina, Chile, México y Venezuela. Ed. Porrúa. México: Unam, p. 45- 91, 2002.

HERRNSON, P. S.; LAY, J. C.; STOKES, A. K. "Women running 'as women': candidate gender, campaign issues, and voter-targeting strategies". The Journal of Politics, vol. 65, n° 1, p. 244–255, February 2003.

HOLBROOK, T. M. Do campaigns matter?. London: Sage Publications, 1996.

HOLTZ BACHA, C. "Quem cuida das crianças? A representação das mulheres do alto escalão político pelos media". Revista Compolítica, vol. 2, n° 3, jul.-dez. 2013.

IASULAITIS, S. Experiências interativas em websites de campanhas eleitorais. Os fóruns de discussão de propostas de governo na Argentina e no Chile. In: TELLES, M.; MORENO, A. (orgs.). Comportamento eleitoral. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

IBINARRIAGA, J. A.; HASBUN, R. T. El arte de la guerra electoral. Guía esencial para entender cómo funciona una campaña política. México: Grijalbo, 2012.

IPU – INTER-PARLIAMENTARY UNION. “The Women in Politics 2015 Map”, 2015. Disponível em: http://www.ipu.org/press-e/pressrelease201503101.htm. Acesso em: 20 maio 2016.

KAHN, K. F. The political consequences of being a woman. New York: Columbia University Press, 1996.

LAMAS, M. (org.). El género: la construcción cultural de la diferencia sexual. Ed. Porrúa. México: Unam, 2013.

LAWRENCE, R. G.; ROSE, M. Hillary Clinton's race for the White House: gender politics and the media on the campaign trail. Boulder, CO: Lynne Rienner Publishers, 2010.

LEAL, P. R. F. O PT e o dilema da representação política. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2005.

LIPPMANN, W. Opinião pública. Petrópolis: Vozes, 2008.

LITHGOW, L. "A question of relativity: the role of the news media in shaping the view of women in Asian political dynasties", 2000. Disponível em: www.ksg.harvard.edu/presspol/Research_Publications/Papers/Working_Papers/2000_13.PDF. Acesso em: 5 jan. 2014.

MARTÍNEZ i COMA, F. ¿Por qué importan las campañas electorales?. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas, 2008.

MATOS, M.; PINHEIRO, M. B. Dilemas do conservadorismo político e do tradicionalismo de gênero no processo eleitoral de 2010: o eleitorado brasileiro e suas percepções. In: ALVES, J. E. D. A.; PINTO, C. R. J.; JORDÃO, F. (orgs.). Mulheres nas eleições 2010. São Paulo: ABCP/Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2012.

MERCHANT, K. "How men and women differ: gender differences in communication styles, influence tactics, and leadership styles". Claremont McKenna College. CMC Senior Theses, paper 513, 2012. Disponível em: http://scholarship.claremont.edu/cmc_theses/513. Acesso em: 5 nov. 2013.

MIGUEL, L. F. "Perspectivas sociais e dominação simbólica". Revista de Sociologia e Política, vol. 18, n° 36, p. 25-49, jun. 2010.

MORALES, M. M. "The concertación's defeat in Chile's 2009-2010 presidential elections". Latin American Politics and Society, vol 54, n° 2, 2012.

PAIVA, D.; SOUZA, M. R.; LOPES, G. F. "As percepções sobre democracia, cidadania e direitos". Opinião Pública, Campinas, vol. X, n° 2, p. 368-376, 2004.

PANKE, L. "Política e entretenimento: cruzamento e/ou interferência na construção de sentidos". Revista Animus, vol. 9, n° 18, 2010. Disponível em: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/animus/article/view/2437. Acesso em: 7 out. 2011.

PANKE, L. Campañas electorales para mujeres, retos y tendencias. México: Editorial Piso 15, 2015.

TODARO, R. Mujeres ejecutivas en Chile: una empresa difícil. In: ZABLUDOVSKY, G. (coord.). In: Mujeres en cargos de dirección en América Latina: estudios sobre Argentina, Chile, México y Venezuela. Ed. Porrúa. México: Unam, p. 69-91, 2002.

VALENTE, J. "Mídia e as eleições de 2010 no Brasil: os limites do príncipe eletrônico", 31 out. 2010. Disponível em: http://www.fesmedia-latin-america.org/uploads/media/2009_-_Brasil_01.pdf. Acesso em: 5 nov. 2011.

VALENZUELA, S.; CORREA, T. Madam or Mr. President? Chile's Michelle Bachelet, press coverage and public perceptions. Association for Education in Journalism and Mass Communication Annual Convention in San Francisco, California, 2009.

WEIBEL, M. Chile, hegemonía y elecciones. Más allá de medios y política. In: Medios y elecciones en América Latina 2009-2011. Publicação do Centro de Competencia en Comunicación para América Latina Friedrich Ebert Stiftung C3- FES, 2011. Disponível em: http://www.fesmedia-latin-america.org/uploads/media/2009_-_Chile_01.pdf. Acesso em: 7 dez. 2011.

ZAREMBERG, G. (coord.). Políticas sociales y género. México: Flacso, 2008.

Downloads

Publicado

2016-10-27

Como Citar

Panke, L., & Iasulaitis, S. (2016). Mulheres no poder: aspectos sobre o discurso feminino nas campanhas eleitorais. Opinião Pública, 22(2), 385–417. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8647282

Edição

Seção

Artigos