Identificação partidária e voto: as diferenças entre petistas e peessedebistas.

Autores

  • Bruno Wilhelm Speck Universidade de São Paulo
  • Elizabeth Balbachevsky Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Eleições brasileiras - 2014. Identificação partidáriaI. Voto para presidente. Governador. Senador. Deputado federal e estadual.

Resumo

Neste artigo analisamos o impacto da identificação partidária sobre o comportamento eleitoral no Brasil. Usamos dados do Eseb realizado em 2014 com uma amostra representativa de eleitores de âmbito nacional. Em relação aos outros trabalhos a respeito do impacto da identificação sobre o voto, inovamos em dois aspectos. Primeiro, não nos limitamos à análise do voto para presidente, mas incluímos o voto para todos os cargos em disputa em 2014. Segundo, mostramos que a identificação partidária não atua da mesma forma sobre todos os eleitores identificados com um mesmo partido. Mostramos que partidários do PT são mais coerentes no seu voto para presidente quando têm maior nível de instrução, ao passo que os partidários do PSDB são mais fiéis na mesma questão quando têm baixa instrução. Da mesma forma, petistas são fiéis na hora de votar no presidente, enquanto os peessedebistas votam com seu partido na hora de escolher governadores e senadores. Finalmente, nossa análise identificou um padrão complexo entre as variáveis educação, aqui tomada como proxy dos recursos cognitivos do eleitor, identidade partidária e decisão de voto. Essa última contribuição leva a discussão sobre a identificação partidária no Brasil para além das questões sobre sua presença ou ausência no eleitorado, e sua relevância para entender a decisão de voto, que são as abordagens dominantes na literatura que trata do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Wilhelm Speck, Universidade de São Paulo

Departamento de Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. 

Elizabeth Balbachevsky, Universidade de São Paulo

Departamento de Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Referências

ALMOND, G. A.; VERBA, S. The civic culture: political attitudes and democracy in five nations, an analytic study. Boston: Little Brown, 1965.

ANDERSEN, K. Generation, partisan shift and realigment: a glance back to the New Deal. In: NIE, N. H.; VERBA, S.; PETROCIK, J. The changing American voter (enlarged edition). Cambridge, MS: Harvard University Press, pp.74-95, 1979.

BAKER, A.; AMES, B.; RENNÓ, L. R. "Social context and campaign volatility in new democracies: networks and neighborhoods in Brazil’s 2002 elections". American Journal of Political Science, vol. 50, nº 2, p. 382-399, Summer, 2006.

BAKER, A., et al. "The dynamics of partisan identification when party brands change: the case of the Workers Party in Brazil". The Journal of Politics, vol. 78, nº 1, p. 197-213, Spring, 2015.

BALBACHEVSKY, E. "Identidade partidária e instituições políticas no Brasil". Lua Nova: Revista de Cultura e Política, vol. 26, p. 133-165, jan. 1992.

BARNES, S. H.; MCDONOUGH, P.; PINA, A. L. "The development of partisanship in new democracies: the case of Spain". American Journal of Political Science, vol. 29, nº 4, p. 695-720, Winter, 1985.

BRAGA, M. S. S.; PIMENTEL JR., J. "Os partidos políticos brasileiros realmente não importam?". Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 271-303, abr. 2011.

CAMPBELL, A., et al. The American voter. Chicago: University of Chicago Press, 1960.

CARREIRÃO, Y. S. "O sistema partidário brasileiro: um debate com a literatura recente". Revista Brasileira de Ciência Política, nº 14, p. 255–295, 2014.

CARREIRÃO, Y. S.; KINZO, M. D. G. "Partidos políticos, preferência partidária e decisão eleitoral no Brasil (1989/2002)". Dados, vol. 47, nº 1, p. 131-167, jan. 2004.

DALTON, R. J.; MCALLISTER, I.; WATTENBERG, M. P. "Democracia e identificação partidária nas sociedades industriais avançadas". Análise Social, vol. 38, nº 167, p. 295-320, 2003.

DOWNS, A. An economic theory of democracy. New York: Harper, 1957.

FIORINA, M. P. "An outline for a model of party choice". American Journal of Political Science, vol. 21, nº 3, p. 601-625, Fall, 1977.

KINZO, M. D. G. "Partidos, eleições e democracia no Brasil pós-1985". Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 19, nº 54, p. 23-40, fev. 2004.

KINZO, M. D. G. "Os partidos no eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil". Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 20, nº 57, p. 65-81, fev. 2005.

LAMOUNIER, B. O voto em São Paulo, 1970-1978. In: LAMOUNIER, B. (org.). Voto de desconfiança em São Paulo. São Paulo: Vozes/Cebrap, p. 15-80, 1980.

LAMOUNIER, B.; MENEGUELLO, R. Partidos políticos e consolidação democrática: o caso brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LIPSET, S. M.; ROKKAN, S. Party systems and voter alignments: cross-national perspectives. New York: Free Press, 1967.

MELO, C. R. "Eleições presidenciais, jogos aninhados e sistema partidário no Brasil". Revista Brasileira de Ciência Política, vol. 0, nº 4, p. 13-41, 2010.

MELO, C. R.; CÂMARA, R. "Estrutura da competição pela Presidência e consolidação do sistema partidário no Brasil". Dados, vol. 55, nº 1, 71-117, fev. 2012.

NICOLAU, J. "An analysis of the 2002 presidential elections using logistic regression". Brazilian Political Science Review, vol. 1, nº 1, p. 125-135, fev. 2007.

PAIVA, D.; BRAGA, M. S. S.; PIMENTEL JR., J. T. P. "Eleitorado e partidos políticos no Brasil". Opinião Pública, vol. 13, nº 2, p. 388-408, abr. 2007.

PAIVA, D.; TAROUCO, G. S. "Voto e identificação partidária: os partidos brasileiros e a preferência dos eleitores". Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 426-451, abr. 2011.

PEREIRA, F. B. Why are there more partisans in some countries than in others? (Americas Barometer Nº 71). Vanderbilt University, 2012. Disponível em: http://www.vanderbilt.edu/lapop/insights/IO871en.pdf. Acesso em: 8 mar. 2016.

PEREIRA, F. B. "A estabilidade e a efetividade da preferência partidária no Brasil". Revista Brasileira de Ciência Política, nº 13, p. 213-244, jan.-abr., 2014.

PIMENTEL JR., J. Disposições afetivas e laços partidários no Brasil. In: KINZO, M. D. G.; BRAGA, M. S. S. (orgs.). Eleitores e representação partidária no Brasil. São Paulo: Humanitas, p. 81-113, 2007.

PLASSER, F.; PLASSER, G. Global political campaigning. Westport, CT: Praeger, 2002. Disponível em: https://books.google.com.br/books/about/Global_Political_Campaigning.html?hl=pt-BR&id=ILAEM8SZfZcC. Acesso em: 8 mar. 2016

REIS, F. W. "Identidade política e a teoria da escolha racional". Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 3, nº 6, p. 26-38, 1988.

RENNÓ, L. R. "Validade e confiabilidade das medidas de confiança interpessoal: o barômetro das Américas". Dados, vol. 54, nº 3, 391-428, 2011.

RENNÓ, L. R., et al. Legitimidade e qualidade da democracia no Brasil: uma visão da cidadania. São Paulo: Intermeios, 2011.

SAMUELS, D. "As bases do petismo". Opinião Pública, vol. 10, nº 2, p. 221-241, abr., 2004.

SAMUELS, D. "A evolução do petismo (2002-2008)". Opinião Pública, vol. 14, nº 2, p. 302-318, abr. 2008.

SAMUELS, D.; ZUCCO, C. "Lulismo, petismo, and the future of Brazilian politics". Journal of Politics in Latin America, vol. 6, nº 3, p. 129-158, Fall, 2014a.

SAMUELS, D.; ZUCCO, C. "The power of partisanship in Brazil: evidence from survey experiments". American Journal of Political Science, vol. 58, nº 1, p. 212-225, Spring, 2014b.

SINGER, A. "A segunda alma do partido dos trabalhadores". Novos Estudos Cebrap, nº 88, p. 89-111, 2010.

SPECK, B. W.; BRAGA, M. S. S.; COSTA, V. "Estudo exploratório sobre filiação e identificação partidária no Brasil". Revista de Sociologia e Política, vol. 23, nº 56, p. 125-148, dez. 2015.

VEIGA, L. F. "Os partidos brasileiros na perspectiva dos eleitores: mudanças e continuidades na identificação partidária e na avaliação das principais legendas após 2002". Opinião Pública, vol. 13, nº 2, p. 340-365, abr. 2007.

VEIGA, L. F. "O partidarismo no Brasil (2002/2010)". Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 400-425., abr. 2011.

VENTURI, G. "PT 30 anos: crescimento e mudanças na preferência partidária". Revista Perseu, nº 5, 196-214, jun. 2010.

Downloads

Publicado

2017-02-08

Como Citar

SPECK, B. W.; BALBACHEVSKY, E. Identificação partidária e voto: as diferenças entre petistas e peessedebistas. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 22, n. 3, p. 569–602, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8648257. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos