Sentimentos partidários e atitudes políticas entre os brasileiros

Autores

  • Ednaldo Ribeiro Universidade Federal do Paraná
  • Yan Carreirão Universidade Federal de Santa Catarina
  • Julian Borba Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Sentimentos partidários. Atitudes políticas. Valores políticos.

Resumo

O trabalho investiga a evolução dos sentimentos partidários dos eleitores brasileiros entre 2002 e 2010 e suas relações com variáveis atitudinais e de comportamento dos eleitores. Inicialmente, é realizada uma análise descritiva geral da evolução dos sentimentos partidários dos eleitores entre 2002 e 2010, utilizando dados dos ESEB (Estudos Eleitorais Brasileiros) 2002, 2006 e 2010. A seguir, os sentimentos partidários positivos em relação ao PT e ao PSDB são tomados como preditores de variáveis atitudinais (identificação ideológica, atitudes em relação a estatismo, igualdade e democracia) e do voto, a partir de análises multivariadas, também com base nos ESEB 2002 a 2010. O trabalho conclui mostrando que há diferenças interessantes entre eleitores que manifestam sentimentos em relação ao PT e ao PSDB, quanto a atitudes relativas a temas políticos relevantes; além disso, mostra, também, que esses sentimentos estão, ainda, fortemente associados ao voto para presidente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ednaldo Ribeiro, Universidade Federal do Paraná

Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Paraná.

Yan Carreirão, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Julian Borba, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Referências

Almeida, A. A cabeça do eleitor: estratégia de campanha, pesquisa e vitória eleitoral. Rio de Janeiro: Record, 2008.

Almeida, J. Como vota o brasileiro. São Paulo: Casa Amarela, 1996.

Almond, G.; Verba, S. The civic culture. Newbury Park: Sage, 1989.

Alvarez, M.; Nagler, J. “When politics and models collide: estimating models of multiparty elections”. American Journal of Political Science, vol. 42, nº 1, pp. 55-96, 1998.

Baker, A., et al. “The dynamics of partisan identification when party brands change: the case of the Workers Party in Brazil”. Journal of Politics, vol. 78, nº 1, p. 197-213, 2016.

Baumeister, R., et al. “Bad is stronger than good”. Review of General Psychology, vol. 5, nº 4, p. 323-370, 2001.

Braga, M. S. “Eleições e democracia no Brasil: a caminho de partidos e sistema partidário institucionalizados”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 4, p. 43-73, 2010.

Braga, M. S.; Pimentel Jr., J. “Os partidos políticos brasileiros realmente não importam?”. Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 271-303, 2011.

Campbell, A., et al. The American voter. New York: Wiley, 1960.

Carreirão, Y. A decisão de voto nas eleições presidenciais brasileiras. Rio de Janeiro/Florianópolis: Editora da FGV/EDUFSC, 2002.

Carreirão, Y. “Relevant factors for the voting decision in the 2002 presidential election: an analysis of the Eseb (Brazilian Electoral Study) data”. Brazilian Political Science Review, vol. 1, nº 1, p. 70-101, 2007a.

Carreirão, Y. “Identificação ideológica, partidos e voto na eleição presidencial de 2006”. Opinião Pública, vol. 13, nº 2, p. 307-339, 2007b.

Carreirão, Y. “Opiniões políticas e sentimentos partidários dos eleitores brasileiros”. Opinião Pública, vol. 14, nº 2, p. 319-351, 2008.

Carreirão, Y.; Barbetta, P. “A eleição presidencial de 2002: a decisão de voto na região da Grande São Paulo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 56, p. 75-93, 2004.

Carreirão, Y.; Kinzo, M. D. “Partidos políticos, preferência partidária e decisão eleitoral no Brasil (1989/2002)”. Dados, vol. 47, nº 1, p. 131-168, 2004.

Castro, M. M. “Sujeito e estrutura no comportamento eleitoral”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 20, p. 7-19, 1992.

Clarke, H.; Stewart, M. “The decline of the parties in the minds of citizens”. Annual Review of Political Science, vol. 1, p. 357-378, 1998.

Converse, P. The nature of belief systems in mass publics. In: Apter, D. (ed.). Ideology and discontent. New York: Free Press, 1964.

Dalton, R.; Wattenberg, M. “The not so simple act of voting”. In: Finifter, A. (ed.). State of political science II. Washington: American Political Science Association, 1993.

Dalton, R.; Wattenberg, M. (eds.). Parties without partisans: political change in advanced industrialized democracies. Oxford: Oxford University Press, 2001.

Downs, A. An economic theory of democracy. New York: Harper & Row Publishers, 1957.

Easton, D. A. Framework for political analysis. New Jersey: Prentice-Hall, 1963.

Figueiredo, M. A decisão do voto. São Paulo: Idesp/Sumaré, 1991.

Fiorina, M. Retrospective voting in American national elections. New Haven: Yale University Press, 1981.

Garry, J. “Making ‘party identification’ more versatile: operationalizing the concept for the multiparty setting”. Electoral Studies, nº 26, p. 346-358, 2007.

Greene, S. “Understanding party identification. A social identity approach”. Political Psychology, vol. 20, nº 2, p. 393-403, 1999.

Hunter, W.; Power, T. “Rewarding Lula: Executive power, social policy, and the Brazilian elections of 2006”. Latin American Politics & Society, vol. 49, nº 1, p. 1-30, 2007.

Kinzo, M. D. “Os partidos no eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 19, nº 54, p. 65-80, 2005.

Klingemann, H.-D.; Wattenberg, M. P. “Decaying versus developing party systems: a comparison of party images in the United States and West Germany”. British Journal of Political Science, vol. 22, nº 2, p. 131-149, 1992.

Lamounier, B.; Meneguello, R. Partidos políticos e consolidação democrática. O caso brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Lavareda, A. “Governos, partidos e eleições segundo a opinião pública: o Brasil de 1989 comparado ao de 1964”. Dados, vol. 32, nº 3, pp. 341-362, 1989.

Lavareda, A. A democracia nas urnas: o processo partidário eleitoral brasileiro. Rio de Janeiro: Rio Fundo/Iuperj, 1991.

Lavareda, A. Emoções ocultas e estratégias eleitorais. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

Long, S. Regression models for categorical and limited dependent variables. London: Sage Publications, 1997.

Mainwaring, S. “Políticos, partidos e sistemas eleitorais. O Brasil numa perspectiva comparada”. Novos Estudos Cebrap, nº 29, p. 34-58, 1991.

Mainwaring, S. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Porto Alegre/Rio de Janeiro: Mercado Aberto/Ed. FGV, 2001.

Medeiros, M.; Nöel, A. “The forgotten side of partisanship: negative party identification in four Anglo-American democracies”. Comparative Political Studies, vol. 47, nº 7, p. 1.022-1.046, 2014.

Mendes, M.; Venturi, G. “Eleição presidencial: o Plano Real na sucessão de Itamar Franco”. Opinião Pública, vol. 2, nº 2, p. 59-72, 1994.

Mondak, J. J., et al. “The participatory personality: evidence from Latin America”. British Journal of Political Science, nº 41, p. 211-221, 2010.

Neves, L. S. “Preferência partidária na perspectiva do eleitorado brasileiro: mudanças e perpetuidades após as eleições presidenciais de 2002”. Monografia em Ciência Política. UnB, Brasília, 2012.

Nicolau, J.; Peixoto, V. “Uma disputa em três tempos: uma análise das bases municipais das eleições presidenciais de 2006”. In: 31º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu-MG, 2007.

Paiva, D.; Braga, M. S; Pimentel Jr., J. “Eleitorado e partidos políticos no Brasil”. Opinião Pública, vol. 13, nº 2, p. 388-408, 2007.

Pereira, F. B. “A estabilidade e a efetividade da preferência partidária no Brasil”. Revista Brasileira de Ciência Política, vol. 13, p. 213-244, 2014a.

Pereira, F. B. Voto econômico retrospectivo e sofisticação política na eleição presidencial de 2002”. Revista de Sociologia e Política, vol. 22, nº 50, p. 149-174, 2014b.

Pimentel Jr., J. “Razão e emoção no voto: o caso da eleição presidencial de 2006”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. USP, São Paulo, 2007.

Reis, F. W. “A razão do eleitor. Resenha de Esquerda e Direita no Eleitorado Brasileiro, de André Singer (São Paulo, Edusp, 2000)”. Jornal de Resenhas (Folha de S. Paulo), São Paulo, 9 set. 2000.

Rennó, L. “Escândalos e voto: as eleições presidenciais brasileiras de 2006”. Opinião Pública, vol. 13, nº 2, p. 260-282, 2007.

Rennó, L.; Cabello, A. “As bases do lulismo: a volta do personalismo, realinhamento ideológico ou não alinhamento?”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 25, p. 39-60, 2010.

Ribeiro, E.; Carreirão, Y.; Borba, J. “Sentimentos partidários e atitudes políticas entre os brasileiros”. Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 333-368, 2011.

Rose, R.; Mishler, W. “Negative and positive party identification in post-communist countries”. Electoral Studies, vol. 17, nº 2, pp. 217-234, 1998.

Samuels, D. “As bases do petismo”. Opinião Pública, vol. 10, nº 2, p. 221-241, 2004.

Samuels, D. “A evolução do petismo (2002-2008)”. Opinião Pública, vol. 14, nº 2, p. 302-318, 2008.

Singer, A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro. São Paulo: Edusp, 2000.

Singer, A. “A segunda alma do Partido dos Trabalhadores”. Novos Estudos Cebrap, nº 88, p. 89-111, 2010.

Soares, G. A.; Terron, S. L. “Dois Lulas: a geografia eleitoral da reeleição (explorando conceitos, métodos e técnicas de análise geoespacial)”. Opinião Pública, vol. 14, nº 2, p. 269-301, 2008.

Speck, B.; Braga, M. S.; Costa, V. “Estudo exploratório sobre filiação e identificação partidária no Brasil”. Revista de Sociologia e Política, vol. 23, nº 56, p. 125-148, 2015.

Tarouco, G. “Institucionalização partidária no Brasil (1982-2006)”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 4, p. 169-186, 2010.

Terron, S. L.; Soares, G. A. D. “As bases eleitorais de Lula e do PT: do distanciamento ao divórcio”. Opinião Pública, vol. 16, nº 2, p. 310-337, 2010.

Vecchione, M.; Caprara, G. V. “Personality determinants of political participation: the contributions of traits and self-efficacy beliefs”. Personality and Individual Differences, nº 46, p. 487-492, 2009.

Veiga, L. “Os partidos brasileiros na perspectiva dos eleitores: mudanças e continuidades na identificação partidária e na avaliação das principais legendas após 2002”. Opinião Pública, vol. 13, nº 2, p. 340-365, 2007.

Veiga, L. “O partidarismo no Brasil (2002/2010)”. Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 400-425, 2011.

Venturi, G. “PT 30 anos: crescimento e mudanças na preferência partidária. Impacto nas eleições de 2010”. Perseu, nº 5, p. 197-214, 2010.

Wattenberg, M. The rise of candidate-centered politics (presidential elections of the 1980's). Cambridge: Harvard University Press, 1991.

Wattenberg, M. The decline of American political parties, 1952-1996. Cambridge: Harvard University Press, 1998.

Zucco, C.; Samuels, D. “Partisans, anti-partisans and voting behavior in Brazil”, 2015 (work in progress). Disponível em: http://www.fgv.br/professor/cesar.zucco/.

Downloads

Publicado

2017-02-08

Como Citar

RIBEIRO, E.; CARREIRÃO, Y.; BORBA, J. Sentimentos partidários e atitudes políticas entre os brasileiros. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 22, n. 3, p. 333–368, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8648259. Acesso em: 22 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos