Lutas simbólicas na arena midiática: o poder de agência do Ministério Público e as controvérsias sobre a PEC 37

Autores

  • Cláudia Regina Fonseca Lemos Centro de Formação da Câmara dos Deputados
  • Antonio Teixeira de Barros Centro de Formação da Câmara dos Deputados

Palavras-chave:

Sociologia política. Discurso midiático. Controvérsias políticas. Ministério Público. PEC 37.

Resumo

O artigo analisa, com base em referencial sociológico, as lutas simbólicas na arena midiática acerca das controvérsias relacionadas à Proposta de Emenda Constitucional que proibia o Ministério Público (MP) de conduzir investigações criminais, a chamada PEC 37. O objetivo é compreender como os diversos atores interessados no assunto travaram o debate, levando o tema a chegar às manifestações de junho de 2013. O material empírico analisado inclui 351 textos jornalísticos, entrevistas e questionários com os representantes do MP dos estados e da União, além do Conselho Nacional do Ministério Público e das associações da categoria. As principais conclusões indicam que prevaleceu na imprensa o enquadramento conferido pelo MP, ao adotar o slogan “PEC da impunidade”. A despeito da contra-argumentação de delegados de polícia e parlamentares, a visão do MP foi acolhida pela imprensa e pela opinião pública, abrindo caminho para incluir a derrubada da PEC entre as reivindicações das manifestações de junho de 2013.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Regina Fonseca Lemos, Centro de Formação da Câmara dos Deputados

Doutora em Estudos Literários pela UFMG. Docente e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação do Centro de Formação da Câmara dos Deputados (CEFOR).

Antonio Teixeira de Barros, Centro de Formação da Câmara dos Deputados

Doutor em Sociologia. Docente e pesquisador do Programa de Pós-Graduação do Centro de Formação da Câmara dos Deputados.

Referências

ARAGÃO, E. J. G. “O Ministério Público na encruzilhada: parceiro entre sociedade e Estado ou adversário implacável da governabilidade?” In: LUCCA, N. Homenagem ao professor Michel Temer. São Paulo: Quartier Latin, 2012. Disponível em: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/o-ministerio-publico-na-encruzilhada-%E2%80%93-1%C2%AA-parte/. Acesso em: 29 mar. 2015.

ARANTES, R. B. “Ministério Público e política no Brasil”. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. Tese de Doutorado. Departamento de Ciência Política. São Paulo, USP, 2000.

ARANTES, R. B. “PEC 37: o que as ruas não perceberam”. Le Monde Diplomatique Brasil, nov. 2013. Disponível em: http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=1534. Acesso em: 13 nov. 2013.

BARENBOÏM, D. “Por uma nova causa de legitimação para o Ministério Público”. Le Monde Diplomatique Brasil, dez. 2014. Disponível em: http://www.diplomatique.org.br/acervo.php?id=3090&tipo=acervo. Acesso em: 9 fev. 2015.

BARROS, A. T. “Editoriais jornalísticos sobre ecologia: opinião privada como opinião publicamente mediada”. Comunicação & Informação, Goiânia, vol. 3, nº 1, p. 65-79, jan./jun. 2000.

BERGAMO, A. “Reportagem, memória e história no jornalismo brasileiro”. Mana, Rio de Janeiro, vol. 17, nº 2, ago., p. 233-269, 2011.

BERNARDES, C. B.; BARROS, A. T. “A credibilidade jornalística como instrumento para ampliação da confiança no parlamento”. In: MESSENBERG, D., et al. Estudos legislativos: 20 anos da Constituição brasileira. Brasília: Senado Federal/Câmara dos Deputados/Tribunal de Contas da União/Universidade de Brasília, p. 164-192, 2010.

BIROLI, F. “Técnicas de poder, disciplinas do olhar: aspectos da construção do jornalismo moderno no Brasil”. História, São Paulo, vol. 26, nº 2, p. 118-143, 2007.

BIROLI, F.; MANTOVANI, D. “A parte que me cabe nesse julgamento: a Folha de S. Paulo na cobertura ao processo do mensalão”. Opinião Pública. Campinas, vol. 20, nº 2, p. 205-218, ago. 2014.

BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. “Meios de comunicação, voto e conflito político no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, vol. 28, nº 81, p. 77-96, fev. 2013.

BOLTANSKI, L. L'amour et la justice comme compétences: trois essais de sociologie de l'action. Paris: Métailié, 1990.

BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. El amor y la justicia como competencias. Buenos Aires: Amorrotu, 2000.

BOLTANSKI, L.; THEVENOT, L. De la justification: les économies de la grandeur. Paris: Gallimard, 1991.

BOTELHO, J. S.; MAIA, R. C. M.; MUNDIM, P. S. “O debate em torno das cotas nas universidades públicas brasileiras de 2001 a 2009: uma análise preliminar”. Revista Compolítica, vol. 1, nº 2, set-out. 2011.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BOURDIEU, P. Razões práticas. Oeiras: Celta Editora, 1997.

BUCCI, E. O Estado de Narciso. A comunicação pública a serviço da vaidade particular. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CONAMP. Associação Nacional dos Membros do Ministério Público. Relatório de Gestão Conamp 2012-2014. Brasília: Conamp, 2014.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Nota técnica do Conselho Nacional do Ministério Público sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 37, de 2011. Brasília: CNMP, 29 maio 2012. Disponível em: http://www.cnmp.mp.br/portal/images/stories/Normas/notastecnicas/nota_tecncia_CNMP_-_poderes_investigatorios.pdf. Acesso em: 21 mar. 2015.

DUARTE, J. Comunicação pública: Estado, mercado, sociedade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2007.

DURÃO, S.; COELHO, M. C. “Morais do drama urbano: violência policial, discurso midiático e produção de contos morais”. Sociedade e Estado, Brasília, vol. 29, nº 3, p. 921-940, dez. 2014.

ELMELUND-PRAESTEKAER, C.; WIEN, C. “What's the fuss about? The interplay of media hypes and politics”. The International Journal of Press, vol. 13, nº 3, p.247-266, 2008.

ENTMAN, R. M. “Framing bias: media in the distribution of power”. Journal of Communication, vol. 57, nº 1, p. 163-173, 2007.

ETTEMA, J. S.; GLASSER,T. L. Custodians of conscience: investigative journalism and public virtue. Columbia: Columbia University Press, 1998.

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GIUMBELLI, E. "Para além do ‘trabalho de campo’: reflexões supostamente malinowskianas". Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, nº 48, p. 91-107. 2002.

GOMES, W. “Capital social, democracia e televisão em Robert Putnam”. In: GOMES, W.; MAIA, R. C. M. (orgs.). Comunicação e democracia: problemas e perspectivas. São Paulo: Paulus, p. 221-273, 2008.

KOVÁCS, A. “Coluna social: linguagem e montagem”. Comum, Rio de Janeiro, vol. 2, nº 5, p. 38-90, jan.-mar. 1979.

KRIEGER, M. G. “Editoriais jornalísticos: discursos de representação do interesse coletivo”. Revista de Comunicação e Biblioteconomia. Porto Alegre, nº 5, p. 158-164, dez. 1990.

LANÇA, I. B. A configuração dos acontecimentos públicos. Coimbra: Minerva, 2006.

MAIA, R. Em busca do interesse público: tensões entre a argumentação e a barganha. In: KUNSCH, M. (org.). Comunicação pública, sociedade e cidadania. São Caetano do Sul: Difusão, 2011.

MAIA, R., et al. A teoria crítica nos estudos da Comunicação: uma agenda empírica para o programa de Jürgen Habermas e de Axel Honneth. In: FRANÇA, V. V. (org.). Teorias da comunicação no Brasil: reflexões contemporâneas. Salvador/Brasília: Edufba/Compós, 2014.

MARICATO, E., et al. Cidades rebeldes: passe livre a as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo/Carta Maior, 2013.

MIOLA, E. “Representações do jornalismo sobre a radiodifusão pública: o debate em torno da criação da Empresa Brasil de Comunicação na imprensa”. Revista Compolítica. Rio de Janeiro, , vol. 2, nº 2, set.-out. 2011.

MOREIRA, L. “Judicialização da política no Brasil”. Le Monde Diplomatique Brasil, fev. 2013. Disponível em: http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=1364. Acesso em: 29 mar. 2015.

MOREIRA, L. (org.). Judicialização da política. São Paulo: 2Editorial, 2012.

NASCIMENTO, S. “Jornalismo sobre investigações: relações entre Ministério Público e a imprensa”. Tese de Doutorado em Comunicação. Universidade de Brasília, Brasília, 2007. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/6557. Acesso em: 29 mar. 2015.

PENA, F. Teorias do jornalismo. São Paulo: Contexto, 2006.

PINTO, C. R. J. “O conceito de reconhecimento e os desafios da teoria democrática contemporânea ou O que as teorias do reconhecimento têm a dizer sobre manifestações de rua no Brasil em 2013”. Anais do 38º Encontro Anual da Anpocs, de 27 a 31 out. 2014, Caxambu-MG.

SILVA, R. H. A. Ruas e redes: dinâmicas dos protestosBR. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

SILVA, T. “Comunicação e mobilização: o movimento ‘Não Foi Acidente’ e a campanha em torno de um problema público no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo, vol.37, nº 2, p. 113-132, jul./dez. 2014. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/revistas/index.php/revistaintercom/article/view/2112/1820. Acesso em: 8 fev. 2015.

TAVARES, F. M. B.; SCHWAAB, R. A revista e seu jornalismo. Porto Alegre: Penso, 2013.

WOLF, M. Teorias da comunicação. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

UNANUA, F. J. T. “Infraestructuras, industria y movimientos sociales. Estrategias de comunicación ante el proyecto de Refinería Balboa en la Provincia de Badajoz”. Revista de Comunicación y Ciudadania Digital, vol. 3, nº 2, Diciembre 2014. Disponível em: http://reuredc.uca.es/index.php/cayp/article/viewFile/682/653. Acesso em: 4 fev. 2015

Downloads

Publicado

2017-02-08

Como Citar

Lemos, C. R. F., & Barros, A. T. de. (2017). Lutas simbólicas na arena midiática: o poder de agência do Ministério Público e as controvérsias sobre a PEC 37. Opinião Pública, 22(3), 702–738. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8648262

Edição

Seção

Artigos