Participação na democracia brasileira: a hegemonia popular e a inovação do protesto da classe média

Autores

  • Leonardo Avritzer Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Participação social. Junho 2013. Mudança no padrão de associação. Movimentos conservadores.

Resumo

O Brasil se tornou uma referência na participação social após o sucesso do orçamento participativo no início dos anos 1990. A teoria padrão do sucesso da participação aponta seu impacto positivo sobre o sistema político. No entanto, o Brasil tem experimentado algumas mudanças importantes no nível tanto de participação como de representação desde 2013. No que diz respeito à representação, o fortalecimento das forças conservadoras no Congresso está ocorrendo devido a um aumento no financiamento privado. Estamos vendo também que a participação por si só não pode mudar a composição do sistema de representação. O Brasil atraiu a atenção mundial de eventos ocorridos em junho de 2013, o que causou mudanças nos padrões de participação social. O objetivo deste artigo é analisar as mudanças no Brasil e apontar como elas influenciaram o sistema político do país e afetaram a organização da democracia brasileira. Os dados mostram a forma como o MPL apresentou as suas demandas sem politizá-las (Figura 1) e como o MBL politizou as demandas feitas em junho de 2013 (Figura 2) organizando um movimento contra a corrupção e contra a presidente Dilma Rousseff.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Avritzer, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983), mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (1987), doutorado em Sociologia Política - New School for Social Research (1993) e pós-doutorado pelo Massachusetts Institute of Technology (1998-1999) e (2003). Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

AMES, B. The deadlock of democracy in Brazil: interests, identities, and institutions in comparative politics. Ann Arbor: University of Michigan Press. Brazilian Edition FGV, 2001.

AVRITZER, L. Democracy and the public space in Latin America. Princeton: Princeton University Press. 2002.

AVRITZER, L. A participação em São Paulo. São Paulo: Editora da Unesp, 2004.

AVRITZER, L. “Instituições participativas e desenho institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democrático”. Campinas, Opinião Pública, 14(1), 43-64, 2008a.

AVRITZER, L. “Sociedade civil, instituições participativas e representação: da autorização à legitimidade da ação”. Dados, vol. 4, n° 47, 2008b.

AVRITZER, L. Participatory institutions in democratic Brazil. Washington: Wilson Press/Johns Hopkins University Press, 2009.

AVRITZER, L. A dinâmica da participação local no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010.

AVRITZER, L. Conferências nacionais: ampliando e redefinindo os padrões de participação social no Brasil. In: AVRITZER, L; SOUZA, C. Conferências nacionais: atores, dinâmicas participativas e efetividade. Brasília: Ipea, 2013.

AVRITZER, L. “Middle class participation in Brazil”. In: Anais APSA, San Francisco, 2015.

AVRITZER, L. Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BRAZIL. Law decree 4570. General Secretary of the Presidency. Brasília. BAIOCCHI, G. Militants and citizens: the politics of participatory democracy in Porto Alegre. Stanford: Stanford University Press, 2005.

DAGNINO, E., et al. La disputa por la construción democrática en América Latina. México. Fundo de Cultura, 2008.

DATAFOLHA. Pesquisa sobre intenção de voto para presidente em setembro. São Paulo, 2014.

HARVEY, D; MARICATO, E. Cidades rebeldes: o movimento passe livre e as manifestações que tomaram conta do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

KRISHNA, A. Active social capital. New York: Columbia University Press, 2000.

LAVALLE, A. Participação: valor, utilidade, efeitos e causa. In: PIRES, R. A efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação, vol. 7, Brasília: Ipea, 2011.

LIMONGI, F. Presidencialismo, coalizão partidária e processo decisório. Novos Estudos – Cebrap, n° 76, 2006.

PIRES, R. R.; SOUZA, C. “Conferências nacionais como interfaces socioestatais: seus usos e papeis na perspectiva dos gestores federais”. Revista do Serviço Público, Brasília, vol. 63, n° 4, 2012.

PUTNAM, R. D. “The prosperous community”. The American Prospect, 4(13), p. 35-42, 1993.

PUTNAM, R. D. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. FGV Editora, 2000.

RIBEIRO, E.; BORBA; J. “Protesto político na América Latina”. Opinião pública, Campinas, vol. 21, n° 1, 2015.

SANTOS, B. D. S. Towards a new common sense: law, science and politics in the paradigmatic transition. New York: Routledge, 1995.

SEVECENKO, N. A revolta da vacina: mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SKOCPOL, T. Diminished democracy: from membership to management in American civic life. Norman: University of Oklahoma Press, 2001.

TATAGIBA L., et al. “Balanço dos estudos sobre conselhos de políticas na última década”. Lua Nova, São Paulo, n° 95, 2015.

TARROW, S. Power in movement. Cambridge: Cambridge University Press. 1996.

TILLY, C. The contentious French: four centuries of popular struggle. Cambridge: Harvard University Press, 1986.

TILLY, C. Democracy. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

VERBA, S.; SCHLOZMAN, K. L; BRADY, H. E. Voice and equality: civic voluntarism in American politics. Cambridge: Harvard University Press, 1995.

WAMPLER, B. Participatory budgeting in Brazil: contestation, cooperation and accountability. University Park: Penn State University Press, 2007.

WAMPLER, B. Activating democracy in Brazil. Notre Dame: Notre Dame Press, 2015.

WAMPLER, B.; AVRITZER, L. “Participatory publics: civil society and new institutions”. Journal of Comparative Politics, New York, 2004.

Downloads

Publicado

2017-08-24

Como Citar

AVRITZER, L. Participação na democracia brasileira: a hegemonia popular e a inovação do protesto da classe média. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 43–59, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8650170. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos