A disputa nos governos estaduais (1994-2014): a batalha entre incumbents e oposição

Autores

  • Maurício Michel Rebello Universidade Federal da Fronteira Sul

Palavras-chave:

Eleições. Eleições estaduais. Reeleição. Oposição. Governos estaduais.

Resumo

O jogo entre governo e oposição sempre foi algo amplamente discutido na ciência política. Trabalhos recentes indicam que o sistema partidário de alguns países tem forte inclinação pró-governo, enfraquecendo a oposição partidária. Atualmente, no Brasil, discute-se como reduzir o poder de chefes do Executivo, como a recente proibição da reeleição imediata realizada pela Câmara dos Deputados. Neste artigo, propôs-se uma discussão sobre a força dos governos e dos desafiantes nas eleições para governos estaduais. Todas as eleições, desde 1994, foram analisadas a partir de dados do TSE em todas as unidades da federação. Os resultados indicam que o instituto da reeleição não causa uma barreira instransponível para aqueles que desafiam o governador. Porém, ao mesmo tempo, os dados sugerem uma relativa continuidade dos partidos políticos a nível estadual. Além disso, a ideia de que o Poder Executivo tem grande capacidade de atração sobre os partidos políticos não pode ser desconsiderada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Michel Rebello, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor adjunto da Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Erechim.

Referências

ABRUCIO, F. Os barões da federação: os governadores e a redemocratização brasileira. São Paulo: Hucitec/USP, 1998.

AMES, B. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

AMORIM NETO, O. O Poder Executivo: centro de gravidade do sistema político brasileiro. In: AVELAR, L.; CINTRA, A. Sistema político brasileiro: uma introdução. Rio de Janeiro: Konrad-Adenauer-Stiftung; São Paulo, Unesp, 2007.

ARRETCHE, M. Estado federativo e políticas sociais: determinantes da descentralização. Rio de Janeiro: Revan; São Paulo: Fapesp, 2000.

AVELAR, L.; WALTER, M. “Lentas mudanças: o voto e a política tradicional”. Opinião Pública, Campinas, vol. 14, nº 1, p. 96-122, 2008.

BEZERRA, G. “A oposição nos governos FHC e Lula: um balanço da atuação parlamentar na Câmara dos Deputados”. Dissertação de mestrado em Ciência Política. IFCH/UFRGS, Porto Alegre, 2012.

BLYTH, M.; KATZ, R. “From catch-all politics to cartelization: the political economy of the cartel party”. West European Politics, vol. 28, n° 1, p. 33-60, 2005.

BRAMBOR, T.; CENEVIVA, R. “Reeleição e continuísmo nos municípios brasileiros”. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, nº 93, p. 9-21, 2012.

CARDELLO, A. “La reeleccion inmediata del Ejecutivo a nível subnacional. Um estudio de tres casos”. Tese de doutorado em Ciência Política. IFCH/UFRGS, Porto Alegre, 2009.

CARREIRÃO, Y.; DO NASCIMENTO, F. “As coligações nas eleições para os cargos de governador, senador, deputado federal e deputado estadual no Brasil (1986/2006)”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, nº 4, p. 75-104, 2010.

CARVALHO, N. E no início eram as bases: geografia política do voto e comportamento legislativo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

CARVALHO, E.; FIGUEIREDO FILHO, D. Entre Hermes e Themis: a oposição e suas estratégias no presidencialismo de coalizão. In: DANTAS, H.; TOLEDO, J.; TEIXEIRA, M. (orgs.). Análise política e jornalismo de dados. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014.

CONCEIÇÃO, S.; AMARAL, R. “Execução orçamentária municipal e probabilidade de reeleição”. In: Anais do XXXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Salvador, 2013.

DAHL, R. Poliarquia: participação e oposição. São Paulo: Editora da USP, 1997. DUVERGER, M. Os partidos políticos. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

EPITÁCIO, S.; RESENDE, R. De governista por excelência a oposição: o declínio eleitoral do PFL/DEM na Câmara Federal brasileira de 1998 a 2010. In: GALLO, C.; SOUZA, B.; MARTINS, J. Ciência política hoje. Porto Alegre: Evangraf, 2013.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

HALL, P.; TAYLOR, R. As três versões do neoinstitucionalismo. Lua Nova, São Paulo, n° 58, p. 193- 223, 2003.

HUNTER, W.; POWER, T. Recompensando Lula: Poder Executivo, política social e as eleições brasileiras de 2006. In: MELO, C.; SÁEZ, M. (orgs.). A democracia brasileira: balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

INÁCIO, M.; AMARAL, E. “Government or opposition? The determinants of legislative support for governors in Brazil”. Sage Open, vol. 3, n° 3, p. 1-11, 2013.

KINZO, M. Radiografia do quadro partidário brasileiro. São Paulo: Fundação Konrad-AdenauerStiftung, 1993.

KIRCHHEIMER, O. “The transformation of the Western European party systems”. In: LAPALOMBARA, J.; WEINER, M. Political parties and political development. New Jersey: Princeton University Press, 1966.

KRAUSE, S.; GODOI, P. Coligações eleitorais para os Executivos estaduais (1986-2006): padrões e tendências. In: KRAUSE, S.; DANTAS, H.; MIGUEL, L. (orgs.). Coligações partidárias na nova democracia brasileira: perfis e tendências. Rio de Janeiro: Fundação Konrad; São Paulo: Adenauer/Unesp, 2010.

KRAUSE, S.; REBELLO, M.; SILVA, J. “O perfil do financiamento dos partidos brasileiros (2006-2012): o que as tipologias dizem?”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 16, p. 247-272, 2015.

LAMOUNIER, B. Presidencialismo ou parlamentarismo: perspectivas sobre a reorganização institucional brasileira. São Paulo: Loyola, 1993.

LAVAREDA, A. Principais marcas das eleições municipais de 2008. In: LAVAREDA, A.; TELLES, H. (orgs.). Como o eleitor escolhe seu prefeito. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

LEAL, V. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LIMA JR., O. Democracia e instituições políticas no Brasil dos anos 80. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

MAINWARING, S. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Porto Alegre: Mercado Aberto, Rio de Janeiro: FGV, 2001.

MAINWARING, S.; SCULLY, T. “A institucionalização dos sistemas partidários na América Latina”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 37, nº 1, p. 43-79, 1994.

MAINWARING, S.; MENEGUELLO, R.; POWER, T. Partidos conservadores no Brasil contemporâneo. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

MAIR, P. Party system change. Clarendon Press: Oxford, 1997.

MANIN, B. “As metamorfoses do governo representativo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 10, nº 29, p. 5-34, 1995.

MARENCO, A. Desempenho eleitoral, voto partidário e responsabilização nas eleições legislativas brasileiras. In: INÁCIO, M.; RENNÓ, L. (orgs.). Legislativo brasileiro em perspectiva comparada. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

MEIRA, J. “Vale a pena ser oposição no Brasil?”. Em Debate, Porto Alegre, vol. 4, nº 1, p. 20-25, 2012.

MELO, M.; PEREIRA, C.; WERNECK, H. C. “Delegation dilemmas: coalition size, electoral risk, and regulatory governance in new democracies”. Legislative Studies Quarterly, vol. 35, p. 31-56, 2010.

MOISÉS, J. “Desempenho do Congresso Nacional no presidencialismo de coalizão (1995/2006)”. Cadernos Adenauer, vol. 2, p. 15-32, 2011.

NICOLAU, J. Voto personalizado e reforma eleitoral no Brasil. In: SOARES, G.; RENNÓ, L. (orgs.). Reforma política: lições da história recente. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

NORRIS, P. Driving democracy. New York: Cambridge University Press, 2008.

O’DONNELL, G. Delegative democracies. Notre Dame: Kellogg Institute, 1992.

PALERMO, V. “Como se governa o Brasil? O debate sobre instituições políticas e gestão de governo”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 43, nº 3, p. 521-557, 2000.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido: organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PERES, P. O governismo na política brasileira. In: DANTAS, H.; TOLEDO, J.; TEIXEIRA, M. (orgs.). Análise política e jornalismo de dados. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

POWELL, B. Elections as instruments of democracy: majoritarian and proportional visions. New Haven, Londres: Yale University Press, 2000.

REBELLO, M. “Partidos e governos nas sombras: clareza de responsabilidade, responsabilização eleitoral e sistema partidário no Brasil”. Tese de doutorado em Ciência Política. IFCH/UFRGS, Porto Alegre, 2013.

SAMUELS, D. “Presidencialism and accountability for the economy in comparative perspective”. American Political Science Review, vol. 98, nº 3, p. 425-436, 2004.

SANTOS, F. O Poder Legislativo no presidencialismo de coalizão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

SANTOS, F. Em defesa do presidencialismo de coalizão. In: SOARES, G.; RENNÓ, L. (orgs.). Reforma política: lições da história recente. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

SANTOS, F. (org.). O Poder Legislativo nos estados: diversidade e convergência. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

SANTOS, F.; CANELLO, J. “O governo Dilma na Câmara dos Deputados: comparando partidos e coalizões nos mandatos petistas”. Nota de pesquisa. Necon, 2014.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. “Os partidos brasileiros segundo seus estudiosos: análise de um expert survey”. Civitas, Porto Alegre, vol. 15, n° 1, p. 24-39, 2015.

TAYLOR, M.; DA ROS, L. “Os partidos dentro e fora do poder: a judicialização como resultado contingente da estratégia política”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 51, nº 4, p. 825-864, 2008.

WOLINETZ, S. “Beyond the catch-all party: approaches to the study of parties and party organization in contemporary democracies”. In: GUNTHER, R.; MONTERO, J.; LINZ, J. Political parties: old concept and new challenges. Oxford: Oxford University Press, 2002.

Downloads

Publicado

2017-08-24

Como Citar

REBELLO, M. M. A disputa nos governos estaduais (1994-2014): a batalha entre incumbents e oposição. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 169–193, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8650175. Acesso em: 30 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos