Para onde ir? A trajetória eleitoral dos prefeitos das capitais estaduais brasileiras (1996-2014)

Autores

  • Alvaro Augusto de Borba Barreto Universidade Federal de Pelotas

Palavras-chave:

Carreira política. Prefeito. Ambição política. Capitais estaduais. Eleições.

Resumo

Este artigo analisa a trajetória dos prefeitos das 26 capitais estaduais brasileiras eleitos no período 1996-2008 após chegarem ao cargo. Busca identificar se procuraram novos postos eletivos e, em caso positivo, quais foram eles e os resultados alcançados, de modo a verificar a presença de algum padrão predominante nessas decisões com vistas a dar continuidade à carreira. O universo da pesquisa é formado por 77 indivíduos, quatro disputas de âmbito municipal (2000, 2004, 2008 e 2012) e outras cinco de âmbitos estadual e nacional (1998, 2002, 2006, 2010 e 2014), tendo o TSE como fonte principal. O fato de tais atores ocuparem o cargo de chefe do Executivo de um município com grande visibilidade e importância política e econômica no seu respectivo estado foi o ponto de partida do artigo, pois tais condições abrem a perspectiva de que possam alcançar outros postos eletivos relevantes na hierarquia política. Ao considerar as situações específicas desses prefeitos (reeleitos, desistentes da reeleição, derrotados e renunciantes em meio ao mandato), os resultados apontam que a ampla maioria pretende continuar na carreira política, inicialmente ao renovar o mandato e, na sequência, buscar outro posto eletivo, com preferência aos cargos legislativos. A taxa de sucesso na busca da reeleição é elevada, mas, ao ambicionar um cargo distinto, preponderam as derrotas, sendo que o posto mais seguro a ser alcançado é o de deputado federal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alvaro Augusto de Borba Barreto, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em História, professor do PPG em Ciência Política, no Instituto de Filosofia, Sociologia e Política da Universidade Federal de Pelotas (Ifisp-UFPel).

Referências

ARAUJO, S. C. “A renovação parlamentar no Brasil”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Iuperj, Rio de Janeiro 2002.

BAQUERO, M.; CREMONESE, D. (orgs.). Eleições municipais 2008 – uma análise do comportamento eleitoral brasileiro. Ijuí: Unijuí, 2009.

BARRETO, A. “Reeleição para o Executivo municipal no Brasil (2000-2008)”. Debates, Porto Alegre, vol. 3, no 2, p. 97-115, jul.-dez. 2009.

BARRETO, A. “Destinos cruzados: partidos e candidatos nas eleições para prefeito no Brasil e intendente no Uruguai (2000-2012)”. Debates, Porto Alegre, vol. 8, no 1, p. 105-125, jan.-abr. 2014.

BLACK, G. S. “A theory of political ambition: career choice and the role of structural incentives”. American Political Science Review, vol. 66, no 1, p. 144-159, mar. 1972.

BORCHERT, J. “Ambition and opportunity in federal systems: the political sociology of political career patterns in Brazil, Germany and the United States”. Universidade de Frankfurt, 2009. Disponível em: http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1450640. Acesso em: 10 out. 2013.

BORCHERT, J. “Individual ambition and institutional opportunity: a conceptual approach to political careers in multi-level systems”. Regional & Federal Studies, vol. 21, no 2, p. 117-140, 2011.

BOTERO, F.; RENNÓ, L. “Career choice and legislative reelection – evidence from Brazil and Colombia”. Brazilian Political Science Review, São Paulo, vol. 1, no 1, p. 102-124, mar. 2007.

BOURDOUKAN, A. Y. “Trajetórias de carreira e arenas políticas”. Anais do 5º Encontro da ABCP. Belo Horizonte, 2006.

BRAMBOR, T.; CENEVIVA, R. “Reeleição e continuísmo nos municípios brasileiros”. Novos Estudos, São Paulo, no 93, p. 9-21, jul. 2012.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Conheça os deputados. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/deputados/pesquisa. Acesso em: 30 out. 2015.

BRASIL. TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Eleições / Eleições anteriores. Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-anteriores. Acesso em: 30 out. 2015.

BRASIL. TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Regras para a candidatura de quem já ocupa cargo político-eletivo. 2015. Disponível em: http://www.tse.jus.br/institucional/escola-judiciariaeleitoral/revistas-da-eje/artigos/regras-para-a-candidatura-de-quem-ja-ocupa-cargo-politicoeletivo. Acesso em: 12 jul. 2015.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. “Congresso Nacional: organização, processo legislativo e produção legal”. Cadernos de Pesquisa Cebrap, no 5, out. 1996.

FIGUEIREDO, A. Liderazgos políticos en la Cámara de Diputados del Brasil. In: HOFMEISTER, W. (org.). Liderazgo político en America Latina: “Dadme un balcón y el país es mio”. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, p. 339-372, 2002.

FLEISCHER, D. “Renovação política – Brasil 1978: eleições parlamentares sob a égide do Pacote de Abril”. Dados – Revista de Ciência Política, Rio de Janeiro, vol. 23, no 2, p. 57-82, maio-ago. 1980.

FLEISCHER, D. “O pluripartidarismo no Brasil: dimensões sócio-econômicas e regionais do recrutamento legislativo (1946-1967)”. Dados – Revista de Ciência Política, Rio de Janeiro, vol. 24, no 1, p. 49-75, 1981.

FOLHA DE S. PAULO. “Roraima: Justiça cassa Flamarion; adversário assume”. 11 nov. 2004. Disponível em: www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1111200415.htm. Acesso em: 12 jul. 2015.

FREITAS, R. “Regiões metropolitanas: uma abordagem conceitual”. Hum@nae, Recife, vol. 4, no 1, p. 44-53, 2010.

GRAÇA, L. F. G.; SOUZA, C. P. R. “Uso estratégico de eleições alternadas? Efeitos da candidatura para prefeito sobre a votação dos concorrentes ao cargo de deputado federal no Brasil”. Opinião Pública, Campinas, vol. 20, no 3, p. 326-345, dez. 2014.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). IBGE Cidades. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=120040&search=acre|riobranco. Acesso em: 12 jul. 2015.

LAVAREDA, A.; TELLES, H. (orgs.). Como o eleitor escolhe seu prefeito – campanha e voto nas eleições municipais. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2011.

LEONI, E.; PEREIRA, C.; RENNÓ, L. “Estratégias para sobreviver politicamente: escolhas de carreiras na Câmara dos Deputados do Brasil”. Opinião Pública, Campinas, vol. 9, no 1, p. 44-67, 2003.

MAGALHÃES, L. “Incumbency effects in Brazilian mayoral elections: a regression discontinuity design”. Working Paper 12/284. Bristol: CMPO, University of Bristol, feb. 2012. Disponível em: http://www.bristol.ac.uk/cmpo/publications/papers/2012/wp284.pdf . Acesso em: 12 maio 2014.

MAINWARING, S. “Políticos, partidos e sistemas eleitorais: o Brasil numa perspectiva comparativa”. Novos Estudos, São Paulo, no 29, p. 34-58, mar. 1991.

MALUF, R. T. “A carreira política na Câmara Municipal de São Paulo (CMSP)”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MANCUSO, W., et al. “Determinantes dos padrões de carreira política dos deputados federais paulistas entre as legislaturas 49ª (1991-1995) e 53ª (2007-2011)”. Opinião Pública, Campinas, vol. 19, no 2, p. 430-448, nov. 2013.

MARENCO DOS SANTOS, A. “Não se fazem mais oligarquias como antigamente. Recrutamento parlamentar, experiência política e vínculos partidários entre deputados brasileiros (1946-1998)”. Tese de Doutorado em Ciência Política. UFRGS, Porto Alegre, 2000.

MARENCO DOS SANTOS, A. “Comparando legislativos: recrutamento parlamentar na Argentina, no Brasil, no Chile e no México”. Teoria & Sociedade, Belo Horizonte, vol. 11, no 2, p. 42-69, 2004.

MATOS, V. L. C. “O impacto das eleições municipais na representação da Câmara dos Deputados: deputados federais candidatos às eleições para as prefeituras dos municípios”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Iuperj; Cefor/Câmara dos Deputados, Rio de Janeiro, 2010.

MIGUEL, L. F. “Capital político e carreira eleitoral: algumas variáveis na eleição para o Congresso brasileiro”. Revista Sociologia e Política, Curitiba, no 20, p. 115-134, jun. 2003.

MOREIRA, M. G. R. “Are incumbents advantaged? Evidences from Brazilian municipalities using a quasi-experimental approach”. FGV Conferences, 34º Meeting of the Brazilian Econometric Society, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ocs/index.php/sbe/EBE12/paper/view/3778/1519. Acesso em: 28 mar. 2017.

NICOLAU, J. “Como controlar o representante? Considerações sobre as eleições para a Câmara dos Deputados no Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 45, no 2, p. 219-236, 2002.

OLIVEIRA, M. M. F. “A política como profissão. Uma análise de circulação parlamentar na Câmara de Deputados (1946-2007)”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

PEGURIER, F. J. H. “Carreiras políticas e a Câmara dos Deputados brasileira”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Iuperj, Rio de Janeiro, 2009.

PEREIRA, C.; RENNÓ, L. “O que é que o reeleito tem? Dinâmicas político-institucionais locais e nacionais nas eleições de 1998 para a Câmara dos Deputados”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 44, no 2, p. 133-172, 2001.

PEREIRA, C. “O que é que o reeleito tem? O retorno: o esboço de uma teoria da reeleição no Brasil”. Revista de Economia Política, São Paulo, vol. 27, no 4, p. 664-683, out.-dez. 2007.

PINTO, S. C. A. “Deputados e prefeitos: o nacional e o local na estrutura de oportunidades políticas no Brasil”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

POLSBY, N. W. “The institutionalization of the U.S. House of Representatives”. American Political Science Review, vol. 62, n o 1, p. 144-168, mar. 1968.

ROHDE, D. W. “Risk-bearing and progressive ambition: the case of members of the United States House of Representatives”. American Journal of Political Science, vol. 23, no 1, p. 1-26, feb. 1979.

SAMUELS, D. Ambition, federalism, and legislative politics in Brazil. New York: Cambridge University Press, 2003.

SANTANA, L. “Perfil, trajetórias e ambição política dos legisladores na construção de suas carreiras: Argentina, Brasil, Chile e Uruguai”. Teoria & Sociedade, Belo Horizonte, vol. 16, no 2, p. 130-155, jul.-dez. 2008.

SANTOS, F. Deputados federais e instituições legislativas no Brasil: 1946-1999. In: BOSCHI, R.; DINIZ, E.; SANTOS, F. Elites políticas e econômicas no Brasil contemporâneo. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, p. 89-117, 2000.

SANTOS, F. Recruitment and retention of legislators in Brazil. In: LOEWENBERG, G.; SQUIRE, P.; KIEWIET, R. (orgs.). Legislatures – comparative perspectives on representative assemblies. Ann Arbor: University of Michigan Press, p. 119-145, 2002.

SANTOS, F. “Câmara dos Deputados e a estrutura de oportunidades políticas no Brasil: alguns apontamentos acerca das eleições de 2010”. Cadernos Aslegis, Brasília, no 40, p. 109-126, maioago. 2010.

SANTOS, W. G. “Eleição, representação, política substantiva”. Dados, Rio de Janeiro, no 8, p. 7-26, 1971.

SANTOS, W. G. Crise e castigo: partidos e generais na política brasileira. São Paulo: Vértice, 1987.

SANTOS, W. G. “Da poliarquia à oligarquia? Eleições e demanda por renovação parlamentar”. Sociedade e Estado, Brasília, vol. 12, no 1, p. 11-56, jan.-jun. 1997.

SANTOS, W. G. O cálculo do conflito. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

SANTOS, W. G. (org.). Votos e partidos. Almanaque de dados eleitorais: Brasil e outros países. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2002.

SCHLESINGER, J. A. Ambition and politics: political careers in the United States. Chicago: Randy McNally, 1966.

SCHMITT, R. “Migração partidária e reeleição na Câmara dos Deputados”. Novos Estudos, São Paulo, n o 54, p. 127-146, jul. 1999.

SILVEIRA, F. E. (org.). Estratégia, mídia e voto: a disputa eleitoral em 2000. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2002.

SOARES, G. A. D.; D’ARAÚJO, M. C. “A imprensa, os mitos e os votos nas eleições de 1990”. Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, no 76, p. 163-190, jan. 1993.

VALOR ECONÔMICO. “STF proíbe candidaturas de prefeitos itinerantes”. 1 ago. 2012. Disponível em: http://www.valor.com.br/politica/2773260/stf-proibe-candidatura-de-prefeitos-itinerantes. Acesso em: 12 jul. 2015.

Downloads

Publicado

2017-08-24

Como Citar

BARRETO, A. A. de B. Para onde ir? A trajetória eleitoral dos prefeitos das capitais estaduais brasileiras (1996-2014). Opinião Pública, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 194–229, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8650177. Acesso em: 30 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos