O dinheiro importa menos para os candidatos evangélicos?

Autores

  • Gabriela Figueiredo Netto Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro
  • Bruno Wilhelm Speck Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Financiamento de campanha. Eleições. Religião.

Resumo

Este artigo se insere nos estudos sobre o impacto do dinheiro sobre o desempenho eleitoral de candidatos em eleições legislativas. Mais especificamente dialogamos com a literatura que analisa se os recursos financeiros importam mais para candidatos com determinados perfis. Para as eleições de 2010 e 2014 para os cargos de deputado federal e estadual, verificamos que, para os candidatos que se apresentam como evangélicos, o dinheiro tem um peso menor para alavancar as campanhas eleitorais. Identificamos esses candidatos através do seu nome de urna, uma técnica usada em pesquisas anteriores. O mecanismo causal que explica esse efeito menor do dinheiro sobre as candidaturas evangélicas é a mobilização do capital simbólico e real das igrejas protestantes. Esse resultado se alinha com outras pesquisas que mostram o valor relativo do dinheiro para alavancar o desempenho nas urnas. Candidatos que dispõem de outros mecanismos para acessar e mobilizar potenciais eleitores, como o apoio institucional da igreja, o acesso aos fiéis e os recursos não contabilizados, dependem menos dos recursos financeiros declarados do que os seus competidores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Figueiredo Netto, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda em Ciência Política na Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP). Bacharel em Ciência Política pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Atuou como bolsista de Iniciação Científica pela FAPERJ. Tem experiência com Ciência Política, com ênfase em Eleições, Financiamento de Campanha Eleitoral, Políticas Públicas e Relações Internacionais.

Bruno Wilhelm Speck, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Ciência Política pela Albert-Ludwigs-Universität Freiburg (1989), doutorado em Ciência Política pela Albert-Ludwigs-Universität Freiburg (1994), pós-doutorado no Instituto Max Planck para Direito Penal Comparativo em Freiburg (2000), na Universidade Livre de Berlim (2002) e no Massachusetts Institute of Technology (2013/2014). Atuou como assessor para a ONG Transparencia Brasil (2003-2004) e Transparency International (2004-2010). Foi professor doutor do Departamento de Ciencia Politica da Universidade Estadual de Campinas (1995-2014). Desde 2/2014 atua como professor no Departamento de Ciência Política da FFLCH da Universidade de São Paulo (USP). Pesquisas e publicações na área de Ciência Política, com ênfase em sistemas partidários, eleições, dinheiro na política, boa governança e corrupção, instituições de controle.

Referências

AGRESTI, A.; FINLAY, B. Métodos estatísticos para as ciências sociais. São Paulo: Editora Penso, 4ª ed., 2012.

BENOIT, K. Linear regression models with logarithmic transformations. London: London School of Economics, 2011. Disponível em: <http://kenbenoit.net/assets/courses/ME104/logmodels2.pdf>. Acesso em: 1 dez. 2015.

BOAS, T. C. Serving God and man: evangelical christianity and electoral politics in Latin America. In: Annual Meeting of the American Political Science Association, Chicago, Aug.-Sept., p. 1-40, 2013.

BOAS, T. C. “Pastor Paulo vs. Doctor Carlos: professional titles as voting heuristics in Brazil”. Journal of Politics in Latin America, p. 39-72, 2014.

BOAS, T. C.; HIDALGO, D.; RICHARDSON, N. P. “The spoils of victory: campaign donations and government contracts in Brazil”. The Journal of Politics, vol. 76, n° 2, p. 415-429, 2014.

BOHN, S. R. “Evangélicos no Brasil. Perfil socioeconômico, afinidades ideológicas e determinantes do comportamento eleitoral”. Opinião Pública, vol. 10, n° 2, p. 288-338, out. 2004.

BOHN, S. R. “Contexto político-eleitoral, minorias religiosas e voto em pleitos presidenciais (2002-2006)”. Opinião Pública, vol. 13, n° 2, p. 366-387, nov. 2007.

BORGES, T. D. P. “Representação partidária e a presença dos evangélicos na política brasileira”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

BRAMBOR, T.; CLARK, W. R.; GOLDER, M. “Understanding interaction models: improving empirical analysis”. Political Analysis, n° 14, p. 63-82, 2006.

CLAESSENS, S.; FEIJEN, E.; LAEVEN, L. “Political connections and preferential access to finance: the role of campaign contributions”. Journal of Financial Economics, n° 88, p. 554-580, 2008.

EDUARDO, F. L.; ARAÚJO, V. “Perfil do candidato ou dinheiro: de onde vem o sucesso eleitoral dos candidatos em eleições proporcionais no Brasil?”. Teoria & Pesquisa, vol. 25, nº 1, 2016.

FIGUEIREDO FILHO, D. B., et al. “Gastos e votos nas eleições municipais de 2012”. In: 37º Encontro Anual da Anpocs. ST 16 – Financiamento político no Brasil: o impacto do dinheiro sobre partidos, eleições, candidatos e representantes. Águas de Lindoia, São Paulo, 2013.

FRESTON, P. “Protestantes e política no Brasil: da Constituinte ao impeachment”. Tese de Doutorado em Ciências Sociais. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

GONÇALVES, R. B. “Religião e representação política: a presença evangélica na disputa eleitoral brasileira”. Revista Espaço Acadêmico, n° 116, 2011.

HEILER, J. G.; VIANA, J. P. S. L.; SANTOS, R. D. dos. “O custo da política subnacional: a forma como o dinheiro é gasto importa? Relação entre receita, despesas e sucesso eleitoral”. Opinião Pública, vol. 22, n°1, p. 56-92, 2016.

IBGE. Censo Demográfico 2010. “Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência”, 2010.

JACOBSON, G. C. “The effects of campaign spending in congressional elections”. The American Political Science Review, vol. 72, n° 2, p. 469-491, June, 1978.

KELLSTEDT, P. M.; WHITTEN, G. D. The fundamentals of political science research. 2ª ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

LEMOS, L. B.; MARCELINO, D.; PEDERIVA, J. H. “Porque dinheiro importa: a dinâmica das contribuições eleitorais para o Congresso Nacional em 2002 e 2006”. Opinião Pública, vol. 16, n° 2, p. 366-393, 2010.

MACHADO, M. D. C.; BURITY, J. “A ascensão política dos pentecostais no Brasil na avaliação de líderes religiosos”. Dados, vol. 57, n° 3, p. 601-631, 2014.

MANCUSO, W. P. “Investimento eleitoral no Brasil: balanço da literatura (2001-2012) e agenda de pesquisa”. Revista de Sociologia e Política, vol. 23, n° 54, p. 155-183, jun. 2015.

MARIANO, R. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

MARIANO, R.; ORO, A. P. “The reciprocal instrumentalization of religion and politics in Brazil”. Annual Review of the Sociology of Religion, vol. 2, p. 245-266, 2011.

MARIANO, R.; PIERUCCI, A. F. “O envolvimento dos pentecostais na eleição de Collor”. Novos Estudos, Cebrap, n° 34, p. 92-106, nov. 1992.

MARIANO, R. O envolvimento dos pentecostais na eleição de Collor. In: PIERUCCI, A. F.; PRANDI, R. A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo: Hucitec, p. 193-210, 1996.

OLIVEIRA, I. C. V. “Comportamento eleitoral e a variável religiosa na decisão do voto: um estudo sobre os eleitores neopentecostais”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

ORO, A. P. “A política da Igreja Universal e seus reflexos nos campos religioso e político brasileiros”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 18, n° 53, out. 2003.

ORO, A. P. “Algumas interpelações do pentecostalismo no Brasil”. Horizonte, vol. 9, n° 22, p. 383-395, jul.-set. 2011.

PEIXOTO, V. “Impacto dos gastos de campanhas nas eleições legislativas de 2010: uma análise quantitativa”. In: 8º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política. Gramado, 2012.

PEREIRA, C.; RENNÓ, L. “O que é que o reeleito tem? O retorno: o esboço de uma teoria da reeleição no Brasil”. Revista de Economia Política, vol. 27, n° 4, 2007.

PRZEWORSKI, A. “Money, politics and democracy”. Trabalho apresentado no Departamento de Ciência Política da USP, 2011.

SACCHET, T.; SPECK, B. W. Partidos políticos e (sub)representação feminina nas esferas legislativas: um estudo sobre recrutamento eleitoral e financiamento de campanhas. Paper apresentado na IPSA-ECPR na conferência “Whatever happened to North-South?”, promovida pela Associação Brasileira de Ciência Política, São Paulo, 2011.

SACCHET, T. Dinheiro e sexo na política brasileira: financiamento de campanha e desempenho eleitoral em cargos legislativos. In: ALVES, J. E. D.; PINTO, C. R. J.; JORDÃO, F. (orgs.). Mulheres nas eleições de 2010. São Paulo: ABCP, p. 417-452, 2012a.

SACCHET, T. “Financiamento eleitoral, representação política e gênero: uma análise das eleições de 2006”. Opinião Pública, vol. 18, n° 01, p. 177-197, 2012b.

SAMUELS, D. “Incumbents and challengers on a level playing field: assessing the impact of campaign finance in Brazil”. The Journal of Politics, vol. 63, n° 2, p. 569-84, 2001.

SAMUELS, D. “Pork barreling is not credit claiming or advertising: campaign finance and the sources of the personal vote in Brazil”. The Journal of Politics, vol. 64, n° 3, p. 845-863, 2002.

SANTOS, L. “Confiança ou cabresto? Considerações sobre o comportamento eleitoral de um grupo evangélico nas eleições municipais de 2012”. Revista Intratextos, vol. 4, n° 1, p. 73-92, 2013.

SANTOS, M. L., et al. “Financiamento de campanha e apoio parlamentar à agenda legislativa da indústria na Câmara dos Deputados”. Opinião Pública, vol. 21, n° 1, p. 33-59, 2015.

SANTOS, R. D. “Economia política das eleições 2002. Um estudo sobre a concentração de financiamento de campanha para deputado federal”. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2009.

SOUZA, A. R. “O desempenho político-eleitoral dos evangélicos de 1986 a 2008”. II Encontro Nacional do GT História das Religiões e Religiosidades. Revista Brasileira de História das Religiões, vol. 1, n° 3, 2009.

SPECK, B. W. “Influenciar as eleições ou garantir acesso aos eleitos. O dilema das empresas que financiam campanhas eleitorais”. Novos Estudos, Cebrap, edição 104, p. 38-59, 2016.

SPECK, B. W.; MANCUSO, W. “O que faz a diferença? Gastos de campanha, capital político, sexo e contexto municipal nas eleições para prefeito em 2012”. Cadernos Adenauer, vol. XIV, n° 2, p. 109-126, 2013.

SPECK, B. W. “A study on the impact of campaign finance, political capital and gender on electoral performance”. Brazilian Political Science Review, vol. 8, n° 1, p. 34-57, 2014.

STOLL, D. Is Latin America turning protestant? The politics of evangelical growth. Berkeley: University of California Press, 1990.

VALLE, V. S. M. “Pentecostalismo e lulismo na periferia de São Paulo. Estudo de caso sobre uma Assembleia de Deus na eleição municipal de 2012”. 201 p. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

FIGUEIREDO NETTO, G.; SPECK, B. W. O dinheiro importa menos para os candidatos evangélicos?. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 23, n. 3, p. 809–836, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8651209. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos