PT, eleições e editoriais da grande imprensa (1989-2014)

Autores

Palavras-chave:

Mídia. Imprensa. Editoriais. Partido. Eleições. PT. Antipetismo.

Resumo

O artigo examina, a partir do conceito de paralelismo político, a relação da “grande imprensa” do Brasil, formada pelos três grandes diários de circulação nacional, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e O Globo, com o petismo entre 1989 e 2014. A referência empírica são os editoriais publicados pelos jornais durante as sete últimas eleições presidenciais que têm como objeto o PT e seus candidatos. Os textos foram avaliados através da metodologia da análise de valência e agrupados em pacotes interpretativos. Os resultados mostram a predominância de editoriais negativos e o uso dos enquadramentos “populista” e/ou “corrupto” na narrativa sobre o PT e o petismo, tanto no período pré-governamental quanto no governamental do PT no plano federal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Antônio Azevedo, Universidade Federal de São Carlos

Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGPol). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos (SP), Brasil

Referências

ABREU, A. A imprensa ajudou a derrubar o governo Goulart. In: FERREIRA, M. M. (org.). João Goulart: entre a memória e a história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

AGUIAR, C. B. “A imprensa e as eleições de 1989: imagens e atores da política”. Comunicação & Política, vol. 1, n° 3, p. 179-194, 1995.

ALBUQUERQUE, A. “A campanha presidencial no Jornal Nacional: observações preliminares”. Comunicação & Política, vol. 1, n° 1, p. 23-40, 1994.

ALBUQUERQUE, A. “O paralelismo político em questão”. Compolítica, vol. 2, n° 1, p. 6-28, 2012a.

ALBUQUERQUE, A. On models and margins: comparative media models viewed from a Brazilian perspective. In: HALLIN, D.; MANCINI, P. (eds.). Comparing media systems beyond Western world. Cambridge: Cambridge University Press, p. 72-95, 2012b.

ALDÉ, A. “As eleições presidenciais de 2002 nos jornais”. Alceu – Revista de Comunicação Cultura e Política, vol. 3, n° 1, p. 23-45, 2003.

ALDÉ, A.; MENDES, G.; FIGUEIREDO, M. Imprensa e eleições presidenciais: natureza e consequências da cobertura das eleições de 2002 e 2006. In: LIMA, V. A. (org.). A mídia nas eleições de 2006. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, p. 65-87, 2007.

AZEVEDO, F. A. Imprensa, campanha presidencial e agenda da mídia. In: RUBIM, A. A. C. (ed.). Mídia e eleições 98. Salvador: Edições Facom, p. 31-56, 2000.

AZEVEDO, F. A. “A imprensa brasileira e o PT: um balanço das coberturas das eleições presidenciais (1989-2006)”. Eco-Pós, vol. 12, nº 3, p. 41-58, 2009.

AZEVEDO, F. A. “Eleições presidenciais, clivagem de classe e declínio da grande imprensa”. Revista USP, nº 90, p. 84-101, 2011.

AZEVEDO, F. A. A grande imprensa e o PT (1989-2014). São Carlos: EdUFSCar, 2017.

BLUMLER, J. G.; GUREVITCH, M. Towards a comparative framework for political communication research. In: BLUMLER, J. G.; GUREVITCH, M. (eds.). The crisis of public communication. London: Routledge, 1975.

CAPELATO, M. R. “Os interpretes das luzes: liberalismo e imprensa escrita paulista – 1920-1945”. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

CAPELATO, M. R. Imprensa e história no Brasil. São Paulo: Contexto/Edusp, 1988.

CAPELATO, M. R.; PRADO, M. L. R. O bravo matutino. Imprensa e ideologia: o jornal O Estado de S. Paulo. São Paulo: Alfa-Ômega, 1980.

CARVALHO, A. C. O caso da Última Hora e o cerco da imprensa ao governo Vargas. Niterói: Editora da UFF/Nitpress, 2013.

CHAIA, V. Eleições no Brasil: o medo como estratégia política. In: RUBIM, A. A. C. (org.). Eleições presidenciais em 2002 no Brasil – Ensaios sobre mídia, cultura e política. São Paulo: Hackers Editores, p. 29-52, 2004.

COHEN, B. C. The press and foreign policy. Princeton: Princeton University Press, 1963.

DAHL, R. La poliarquía: participación y oposición. Madrid: Editorial Tecnos, 1989.

EILDERS, C. “The impact of editorial content on the political agenda in Germany: theoretical assumptions and open questions regarding a neglected subject in mass communication research” (working paper), 1997. Disponível em: http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0168-ssoar-125116. Acesso em: 16 maio 2016.

ENTMAN, R. “Framing toward a clarification of a fractured paradigm”. Journal of Communication, vol. 43, nº 4, p. 51-58, 1993.

FERES JÚNIOR, J. “Análise de valência, debate acadêmico e contenda política”. Revista Brasileira de Ciência Política, n° 20, p. 313-322, 2016.

FONSECA, F. O consenso forjado: a grande imprensa e a formação da agenda ultraliberal no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2005.

GAMSON, W.; MODIGLIANI, A. “Media discourse and public opinion on nuclear power: a constructionist approach”. American Journal of Sociology, vol. 95, nº 1, p. 1-37, 1989.

GITLIN, T. The whole world is watching. Berkeley: University of California Press, 1980.

GOFFMAN, E. Frame analysis: an essay of the organization of the experience. Boston: Northeastern University Press, 1974.

GOLDSTEIN, A. A. De la expectativa a la confrontación: o Estado de S. Paulo durante el primer gobierno de Lula da Silva. Buenos Aires: Sans Soleil Ediciones Argentina, 2015.

GOLDSTEIN, A. A. Prensa tradicional y liderazgos populares en Brasil. Raleigh: A Contracorriente, 2017.

GOLDSTEIN, G. T. Do jornalismo político à indústria cultural. Rio de Janeiro: Última Hora, 1987.

GUIMARÃES, C.; VIEIRA, R. A. A. “Meios de comunicação de massa e eleições: um experimento brasileiro”. Comunicação & Política, vol. 1, n° 9, p. 147-158, 1989.

HALLIN, D.; MANCINI, P. Sistemas de mídia: estudo comparativo (três modelos de comunicação e política). Lisboa: Livros Horizontes, 2010.

JORGE, V. L. “Os meios de comunicação de massa nas campanhas eleitorais”. Comunicação & Política, vol. 4, n° 1, p. 126-133, 1997.

LANG, K.; LANG, G. E. The mass media and voting. In: Burdick, E.; Brodbeck, A. J. (eds.). American voting behavior. Glencoe: Free Press, p. 217-235, 1959.

LIMA, V. A. “Televisão e política: hipótese sobre a eleição presidencial de 1989”. Comunicação & Política, vol. 9, n° 11, p. 29-54, 1990.

MANIN, B. “As metamorfoses do governo representativo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 10, n° 29, p. 1-24, 1995.

MATOS, C. Jornalismo e política democrática no Brasil. São Paulo: Publifolha, 2008.

MIGUEL, L. F. “Mídia e eleições: a campanha de 1998 na Rede Globo”. Dados, vol. 42, n° 2, p. 253- 276, 1999.

RUBIM, A. A. C. “Medios, política y elecciones brasileñas de 1989 y 1994”. Dia-Logos de la Comunicación, Lima, vol. 1, nº 42, p. 18-24, 1985.

RUBIM, A. A. C.; AZEVEDO, F. A. “Mídia e política no Brasil”. Lua Nova, n° 43, p. 189-216, 1998.

RUBIM, A. A. C.; COLLING, L. “Mídia e eleições presidenciais no Brasil pós-ditadura”. Comunicação & Política, vol. 22, n° 3, p. 169-189, 2004.

SEYMOUR-URE, C. The political impact off mass media. London: Constable/Sage, 1974.

SODRÉ, N. W. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SWANSON, D. L.; MANCINI, P. Politics, media, and modern democracy: international study of innovations in electoral campaigning and their consequences. London: Praeger, 1996.

TASCHNER, G. Folhas ao vento: análise de um conglomerado jornalístico no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Downloads

Publicado

2018-09-11

Como Citar

AZEVEDO, F. A. PT, eleições e editoriais da grande imprensa (1989-2014). Opinião Pública, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 270–290, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8653385. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos