Fim da direita envergonhada? Atuação da bancada evangélica e da bancada da bala e os caminhos da representação do conservadorismo no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Conservadorismo. Direita. Bancada evangélica. Bancada da bala. Discurso.

Resumo

Nos últimos anos, a reação de grupos de direita/conservadores ao avanço de “pautas progressistas” é um dos temas que mais tem despertado o interesse de pesquisadores da ciência política no Brasil. O presente artigo busca contribuir para esse debate, analisando, no âmbito da Câmara dos Deputados, a atuação de lideranças de dois dos principais vetores dessa agenda conservadora: a bancada evangélica e a bancada da bala. Para tanto, o artigo examina discursos e projetos de lei formulados por parlamentares entre 2010 e 2017, argumentando que, se ainda não é possível afirmar que o fenômeno da “direita envergonhada” está perdendo força de modo generalizado na Câmara dos Deputados, destaca-se um grupo de deputados bastante ativo e ideologizado, relativamente desvinculado das famílias políticas tradicionais e capaz de mobilizar abertamente categorias identitárias ligadas à direita e/ou ao conservadorismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Paulo dos Reis Quadros, Centro Universitário da Serra Gaúcha

Pró-reitor de graduação do Centro Universitário da Serra Gaúcha, Caxias do Sul (RS), Brasi

Rafael Machado Madeira, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS), Brasil.

Referências

BACKES, A. L. “A 55ª Legislatura (2015-2018)”. Brasília, Câmara dos Deputados, Consultoria Legislativa, 2015. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/a-camara/documentos-epesquisa/fiquePorDentro/temas/composicao-da-camara-dos-deputados-2015-2019-fev-2015/textobase-da-consultoria-legislativa. Acesso em: 22 set. 2018.

BERLATTO, F.; CODATO, A. Bancada da bala: uma onda na maré conservadora. In: CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita volver: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, p. 145-162, 2015.

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Unesp, 1995.

BOLSONARO, J. “Bolsonaro: serei o candidato da direita à Presidência em 2018” [on-line]. O Estado de S. Paulo, 30 out. 2014. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/blogs/marcelomoraes/2014/10/30/bolsonaro-serei-o-candidato-da-direita-a-presidencia-em-2018/. Acesso em: 15 jun. 2016.

BORGES, T. “Identidade política evangélica e os deputados federais brasileiros”. Perspectivas, São Paulo, vol. 35, p. 149-171, 2009.

BURKE, E. Reflexões sobre a revolução na França. São Paulo: Edipro, 2014.

CAMPOS, J. “A bancada evangélica e o conservadorismo da sociedade” [on-line]. Entrevista concedida a Assis Ribeiro, Correio Braziliense, 29 jan. 2013. Disponível em: https://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/a-bancada-evangelica-e-o-conservadorismo-dasociedade. Acesso em: 2 jun. 2016.

CASSOTTA, P. L. “Uma análise do comportamento dos deputados evangélicos no Legislativo brasileiro”. E-legis, vol. 9, n° 20, 2016. Disponível em: http://elegis.camara.leg.br/cefor/index.php/e-legis/article/view/259/358. Acesso em: 22 dez. 2017.

CASTRO, G. “Religiosos entregam 1 milhão de assinaturas contra projeto que criminaliza homofobia” [on-line]. Veja, 1 jun. 2011. Disponível em: https://veja.abril.com.br/brasil/religiosos-entregam-1- milhao-de-assinaturas-contra-projeto-que-criminaliza-homofobia/. Acesso em: 5 jun. 2016.

CODATO, A.; BOLOGNESI, B.; ROEDER, K. A nova direita brasileira: uma análise da dinâmica partidária e eleitoral do campo conservador. In: CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita volver: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015.

COUTINHO, J. P. Conservadorismo. Lisboa: Dom Quixote, 2014.

COWAN, B. “‘Nosso terreno’: crise moral, política evangélica e a formação da ‘nova direita’ brasileira”. Varia História, vol. 30, n° 52, 2014.

DIAP - Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. “Atualização da bancada evangélica: Diap identificou 74 deputados”, 2014. Disponível em: http://www.diap.org.br/index.php/noticias/noticias/24534-bancada-evangelica-levantamentopreliminar-do-diap-identifica-43-deputados. Acesso: 6 maio 2016.

ESCOLA SEM HOMOFOBIA. Caderno. Brasília: Ministério da Educação, 2013. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2015/11/kit-gay-escola-semhomofobia-mec1.pdf. Acesso: 4 jul. 2016.

FELICIANO, M. “‘Não sou um deputado da Idade Média’, diz Marco Feliciano ao falar sobre política, sexo e religião em Camboriú” [on-line]. Clic RBS, 2 maio 2015. Disponível em: http://wp.clicrbs.com.br/guarda-sol/2015/05/02/nao-sou-um-deputado-da-idade-media-diz- marco-feliciano-ao-falar-sobre-politica-sexo-e-religiao-em-camboriu/?topo=9-8,2,18,,,15. Acesso em: 4 jul. 2016.

FERREIRA, A. “Representação à Procuradoria-Geral da República” [on-line]. Brasília: 11 jun. 2015. Disponível em: http://www.folhaesportiva.com.br/ver.php?id=10228. Acesso em: 13 jun. 2016.

FERRO, C. “Evangélicos protestam contra Kit Gay e criminalização da homofobia” [on-line]. Folha de S. Paulo, 23 maio 2011. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2011/05/919073-evangelicos-protestam-contra-kit-gaye-criminalizacao-da-homofobia.shtml. Acesso em: 5 jun. 2016.

FOLHA DE S. PAULO. “Em protesto contra 'kit gay', bancada evangélica mira Palocci” [on-line], 24 maio 2011. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/poder/920455-em-protesto-contra-kit-gaybancada-evangelica-mira-palocci.shtml. Acesso: 7 jun. 2016.

FOLHA DE S. PAULO. “Mais conservadora, Câmara deve barrar ações liberalizantes” [on-line], 8 out. 2014. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1529052-mais-conservadoracamara-deve-barrar-acoes-liberalizantes.shtml. Acesso em: 12 ago. 2016.

FOLHA DE S. PAULO. “Câmara aprova aumento de isenção tributária a igrejas” [on-line], 6 jun. 2015. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1638436-camara-aprova-aumentode-isencao-tributaria-a-igrejas.shtml. Acesso em: 11 jun. 2016.

FOLHA DE S. PAULO. “Deputados Evangélicos protestam contra parada gay”. [on-line], 10 jun. 2015. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1640504-bancada-evangelica-fazmanifestacao-contra-parada-gay-e-reza-pai-nosso-no-plenario-da-camara.shtml. Acesso em: 15 nov. 2017.

FREEDEN, M. Ideology. A very short introduction. Oxford: Oxford University Press, 2003.

GONÇALVES, R. “‘Bancada evangélica’? Uma análise do discurso parlamentar evangélico durante a 52ª Legislatura da Câmara Federal”. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2011.

HIRSCHMAN, A. A retórica da intransigência: perversidade, futilidade, ameaça. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

HUNTINGTON, S. “Conservatism as an ideology”. The American Political Science Review, Cambridge, vol. 51, n° 2, 1957.

JUNGBLUT, A. “O ‘mercado religioso’: considerações sobre as possibilidades analíticas da teoria da ‘economia religiosa’ para a compreensão da religiosidade contemporânea”. Rever, ano 12, n° 2, 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/rever/article/view/14560. Acesso em: 18 maio 2016.

KIRK, R. A política da prudência. São Paulo: É Realizações, 2014. LORENZONI, O. “Câmara pode liberar até nove armas por pessoa” [on-line]. Congresso em Foco, 2 dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2016.

LUKES, S. Epilogue: the grand dichotomy of the twentieth century. In: BALL, T.; BELLAMY, R. (orgs.). The Cambridge history of twentieth-century political thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

LYNCH, C. E. C. “Conservadorismo caleidoscópico: Edmund Burke e o pensamento político do Brasil oitocentista”. Lua Nova, n° 100, 2017.

MACHADO, M. D. Política e religião: a participação dos evangélicos nas eleições. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2006.

MADEIRA, R. M. “Vinhos antigos em novas garrafas. A influência de ex-arenistas e ex-emedebistas no atual multipartidarismo brasileiro”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

MALAFAIA, S. “Marcha para Jesus vira ato contra união homoafetiva” [on-line]. Último Segundo, 23 jun. 2011. Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/marc-ha+para+je-sus+vira+ato+contra+u-niao+ho-moafetiva/n1597044443203.html. Acesso em: 18 jun. 2016.

MALTA, M. “Senado vai sepultar PL 122” [on-line]. Website do senador Magno Malta, jun. 2011. Disponível em: http://magnomalta.com/index.php/pl-122-mainmenu-52/2147-magno-maltasenado-vai-sepultar-pl-122. Acesso em: 25 jun. 2016.

MANNHEIM, K., et al. A contribution to the sociology of knowledge. London: Routledge and Kegan Paul, 1986.

MARIANO, R. “Laicidade à brasileira: católicos, pentecostais e laicos em disputa na esfera pública”. Civitas, vol. 11, n° 2, 2011. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/9647. Acesso em: 22 jul. 2016.

MAURO, E. “Parentes de políticos e policiais são os campeões de votos” [on-line]. Congresso em Foco, 7 out. 2014. Disponível em: https://congressoemfoco.uol.com.br/especial/noticias/parentesde-politicos-e-policiais-sao-os-campeoes-de-votos/. Acesso em: 16 jun. 2016.

MENDONÇA, R. P. “Bancada da bala reabre comissão para tentar derrubar o estatuto do desarmamento” [on-line]. Portal GI, 4 abr. 2015. Disponível em: https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-04-04/bancada-da-bala-reabre-comissao-paratentar-derrubar-estatuto-do-desarmamento.html. Acesso em: 12 jun. 2016.

MIRANDA, J. Nós, vocês e eles: os desafios de uma convivência (in)desejada. In: BURITY, J. A.; MACHADO, M. D. (orgs.). Os votos de Deus: evangélicos, política e eleições no Brasil. Recife: Massangana, 2006.

NISBET, R. O conservadorismo. Lisboa: Editorial Estampa, 1987.

PEW RESEARCH CENTER. “Religião na América Latina. Mudança generalizada em uma região historicamente católica” [on-line], 13 nov. 2014. Disponível em: http://www.pewresearch.org/wpcontent/uploads/sites/7/2014/11/PEW-RESEARCH-CENTER-Religion-in-Latin-America-PortugueseOverview-for-publication-11-13.pdf. Acesso em: 11 ago. 2016.

PIERUCCI, A. F. “As bases da nova direita”. Novos Estudos Cebrap, n° 19, 1987.

PIERUCCI, A. F. Ciladas da diferença. São Paulo: Editora 34, 1999.

PORTAL G1. “Deputados evangélicos e católicos fazem ato contra parada gay” [on-line], 10 jun. 2015. Disponível em: http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/06/deputados-evangelicos-ecatolicos-fazem-ato-contra-parada-gay.html. Acesso em: 13 jun. 2016.

POWER, T. The political right in post authoritarian Brazil: elites, institutions, and democratization. University Park: Penn State Press, 2000.

POWER, T. Centering democracy? Ideological cleavages and convergence in the Brazilian political class. In: KINGSTONE, P.; POWER, T. (orgs.). Democratic Brazil revisited. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 2008.

POWER, T.; ZUCCO JR., C. “Estimating ideology of Brazilian legislative parties, 1990-2005: a research communication”. Latin American Research Review, vol. 44, n° 1, 2009.

PSC (PARTIDO SOCIAL CRISTÃO). “Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral” [on-line]. Youtube, 28 maio 2015, 10 min e 18s.

QUADROS, M. P. R. “Conservadorismo à brasileira: sociedades e elites políticas na contemporaneidade”. Tese de Doutorado em Ciências Sociais. Pontifícia Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

QUEIROZ, A. A. “Congresso eleito é o mais conservador desde 1964, afirma Diap” [on-line]. Entrevista concedida a Nivaldo Sousa e Bernardo Caram, Estado de S. Paulo, 6 out. 2014. Disponível em: http://politica.estadao.com.br/noticias/eleic-oes,congresso-eleito-e--o-mais-conservadordesde-1964-afirma-diap,1572528. Acesso em: 10 maio 2016.

RODRIGUES, L. M. Quem é quem na Constituinte: uma análise sociopolítica dos partidos e deputados. São Paulo: OESP-Maltese, 1987.

SAKAMOTO, L. “O Congresso não ficou pior. Apenas está mais parecido com o Brasil” [on-line]. Blog do Sakamoto, 8 out. 2014. Disponível em: https://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2014/10/08/o-congresso-nao-ficou-pior-apenasesta-mais-parecido-com-o-brasil/. Acesso em: 20 abr. 2016.

SCRUTON, R. O que é conservadorismo?. São Paulo: É Realizações, 2015.

SILVA, G. T. “O Brasil ao pé da cruz: notas sobre a representação política de pentecostais e neopentecostais”. Pensamento Plural, n° 17, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/pensamentoplural/article/view/5619. Acesso em: 22 dez. 2017.

TADVALD, M. “A reinvenção do conservadorismo: os evangélicos e as eleições federais de 2014”. Debates do NEER, Porto Alegre, ano 16, n° 27, p. 259-288, 2015.

TATAGIBA, L.; TRINDADE, T.; TEIXEIRA, A. C. Protestos à direita no Brasil (2007-2015). In: CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. Direita volver: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015.

TORRES, J. C. O. O elogio do conservadorismo e outros escritos. Curitiba: Arcádia, 2016.

VINCENT, A. As ideologias políticas modernas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

ZUCCO JR., C. “Ideology or what? Legislative behavior in multiparty presidential settings”. Journal of Politics, n° 71, vol. 3, 2009.

ZUCCO JR., C. Esquerda, direita e governo. A ideologia dos partidos políticos brasileiros. In: POWER, T.; ZUCCO JR., C. (orgs.). O Congresso por ele mesmo. Autopercepções da classe política brasileira. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

QUADROS, M. P. dos R.; MADEIRA, R. M. Fim da direita envergonhada? Atuação da bancada evangélica e da bancada da bala e os caminhos da representação do conservadorismo no Brasil. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 24, n. 3, p. 486–522, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8654292. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos