O primeiro grande antagonismo entre PSDB e PT

Autores

Palavras-chave:

Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE). Antagonismo. Teoria do discurso. PSDB. PT.

Resumo

O objetivo deste artigo consiste em demonstrar a construção antagônica entre os discursos produzidos pelas candidaturas de PSDB e PT realizados durante o Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE) veiculados pela televisão na eleição presidencial de 1994, que acabou colocando o Plano Real como o ponto nodal desse conflito. A partir disso, percebemos que a dimensão do antagonismo identificada nesse espaço de conflito permite aos eleitores um maior acesso informativo sobre as candidaturas em disputa pela presidência da República, visto seu caráter desconstrutivista. Por isso, o retorno ao passado se justifica por dois principais motivos: a) esse momento pode ser lido como sendo o primeiro grande antagonismo entre os partidos PSDB e PT; e b) pouca ou nenhuma atenção foi dada pelos estudos que envolvem o HGPE à dimensão antagônica, o que pode iluminar mais um dos aspectos referentes à decisão do voto por parte do eleitor. Para isso, serão utilizados os aspectos teóricos e metodológicos da teoria do discurso de Laclau e Mouffe, enfatizando os conceitos de discurso e antagonismo, imprescindíveis para a captura dos sentidos discursivos que aqui são demonstrados. Concluímos, portanto, que a eleição de 1994 marcou o primeiro grande antagonismo entre PSDB e PT.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Corral de Freitas, Universidade de Brasília

Instituto de Ciência Política (Ipol)- Universidade de Brasília, Brasília (DF), Brasi.

Referências

ALBUQUERQUE, A. O espetáculo da crise: os meios e o processo de impeachment contra Collor. In: PEREIRA, C. A. M.; FAUSTO NETO, A. (orgs.). Comunicação e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Notrya, p. 144-148, 1993.

ALBUQUERQUE, A. “Política versus televisão: o horário gratuito na campanha presidencial de 1994”. Comunicação e Política, vol. 1, nº 3, p. 24-54, 1995.

ALBUQUERQUE, A. “A batalha pela presidência: o Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral na campanha de 1989”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Escola de Comunicação UFRJ, Rio de Janeiro, 1996.

ALBUQUERQUE, A.; DIAS, M. R. “Propaganda política e a construção da imagem partidária no Brasil”. Revista Civitas, vol. 2, nº 2, p. 308-326, 2002.

ALMEIDA, J. Como vota o brasileiro: perfil ideológico do eleitor e evolução nas pesquisas de opinião de 1994. São Paulo: Casa Amarela, 1996.

ALMEIDA, J. A conquista do lugar de fala e a fala fora do lugar nos discursos de FHC e Lula sobre o Real. In: RUBIM, A.; BENTZ, I.; PINTO, M. (orgs.). Produção e recepção dos sentidos midiáticos. Petropólis: Vozes, p. 69-91, 1998.

ALMEIDA, J. “Apelos eleitorais dos candidatos presidenciais do Brasil em 2006”. Revista de Ciências Sociais, vol. 39, nº 2, p. 44-60, 2008.

AMARAL, O. E. A estrela não é mais vermelha: as mudanças no programa petista nos anos 90. São Paulo: Garçoni, 2003.

AMARAL, R. “Em busca do significado das eleições de 1994 (reflexões sujeitas a chuvas e trovoadas)”. Comunicação & Política, vol. 1, nº 3, p. 5-48, 1995.

ARUGUETE, N. “Los medios de comunicación y la formación de la agenda pública”. Verso e Reverso, vol. 19, nº 41, p. 73-98, 2005.

BIROLI, F.; MIGUEL, L. “Meios de comunicação, voto e conflito político no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 28, nº 81, p. 77-95, 2013.

BORBA, F. “Propaganda negativa nas eleições presidenciais brasileiras”. Opinião Pública, vol. 21, nº 2, p. 268-295, 2015.

BORBA, F.; VEIGA, L.; MARTINS, F. “Propaganda negativa na eleição presidencial de 2014: ou como tudo que é frágil se desmancha no ar”. Revista Estudos Políticos, vol. 6, nº 1, p. 171-189, 2015.

BRASIL. Casa Civil da Presidência da República. Lei nº 8.713, de 30 de setembro de 1993. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8713.htm. Acesso em: 15 out. 2018.

BRASIL. Câmara dos Deputados Federais. “Exposição de Motivos da MP do Plano Real”. 1994. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/medpro/1994/medidaprovisoria-542-30junho-1994-375071-norma-pe.html. Acesso em: 2 out. 2018.

BRESSER-PEREIRA, L. C. “A economia e a política do Plano Real”. Revista de Economia Política, vol. 14, nº 4, p. 129-149, 1994.

BRESSER-PEREIRA, L. C. “A descoberta da inflação inercial”. Revista de Economia Contemporânea, vol. 14, nº 1, p. 167-192, 2010.

CERVI, E. U.; MASSUCHIN, M. G.; TAVARES, C. Q. “Agenda da mídia, dos políticos e do público na campanha eleitoral de 2010”. Revista Debates, vol. 6, nº 1, p. 237-261, 2012.

COLLETTI, L. “Marxism and the dialectic”. New Left Review, nº 93, p. 3-29, 1975.

DIAS, M. R. “Nas brumas do HGPE: a imagem partidária nas campanhas presidenciais brasileiras (1989 a 2010)”. Opinião Pública, vol. 19, nº 1, p. 198-219, 2013.

ESTATUTO dO PSDB. Partido da Social Democracia Brasileira [on-line], 2011. Disponível em: www.psdb.org.br. Acesso em: 23 jan. 2015.

FAUSTO NETO, A. “O presidente na televisão. A construção do sujeito e do discurso político no guia eleitoral”. Comunicação & Política, vol. 2, nº 11, pp. 7-27, 1990.

FAUSTO NETO, A. As vozes do impeachment. In: MATOS, H. (org.). Mídia, eleições e democracia. São Paulo: Scritta, p. 191-205, 1994.

FAUSTO NETO, A. O impeachment da televisão. Rio de Janeiro: Diadorim, 1995. FIGUEIREDO, M. “Intenção de voto e propaganda política: efeitos da propaganda eleitoral”. Logos, vol. 27, nº 2, p. 9-20, 2007.

FIGUEIREDO, M.; ALDÉ, A. “Intenção de voto e propaganda política: efeitos e gramática da propaganda eleitoral (notas para um debate)”. Anais do 12º Encontro da Anual da Compós, Recife, 2003.

FIGUEIREDO, M., et al. Estratégias de persuasão em eleições majoritárias: uma proposta metodológica para o estudo da propaganda eleitoral”. In: FIGUEIREDO, R. (org.). Marketing político e persuasão eleitoral. São Paulo: Konrad Adenauer, p. 147-203, 2000.

FLEISCHER, D. Manipulações casuísticas do sistema eleitoral durante o período militar, ou como usualmente o feitiço voltava contra o feiticeiro. In: SOARES, G.; D'ARAUJO, M. C. (orgs.). 21 anos de regime militar: balanços e perspectivas. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, p. 154-197, 1994.

FOLHA DE S. PAULO. “Bolsonaro representa risco à democracia, escreve The Economist”. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/08/bolsonaro-representa-risco-a-democraciaescreve-the-economist.shtml. Acesso em: 4 ago. 2018.

GARCIA, C. PT: de oposição à sustentação da ordem. 2ª ed. Rio de Janeiro: Achiamé, 2012. GUIOT, A. P. “Um ‘moderno Príncipe’ para a burguesia brasileira: o PSDB (1988-2002)”. Dissertação de Mestrado em História, Departamento de História UFF, Rio de Janeiro, 2006.

IANONI, M. “Políticas públicas e Estado: o Plano Real”. Lua Nova, vol. 78, p. 143-183, 2009.

JORGE, V. L. “Eleição presidencial de 1994 e os meios de comunicação de massa: uma análise da Propaganda Eleitoral Gratuita de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva na televisão”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Iuperj, Rio de Janeiro, 1995.

JOSLYN, R. Election campaigns as occasions for civic culture. In: SWANSON, D.; NIMMO, D. (orgs.). New directions in political communication. Newbury Park: Sage, p. 86-119, 1990.

KINZO, M. D. G. “O quadro partidário e a Constituinte”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, vol. 1, nº 1, p. 91-124. 1989.

LACLAU, E. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. 2ª ed. Buenos Aires: Nueva Visión, 2000 [1990].

LACLAU, E. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: Eduerj, 2011 [1996].

LACLAU, E. A razão populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013 [2005].

LACLAU, E. Los fundamentos retóricos de la sociedad. Buenos Aires: Fundo de Cultura Económica, 2014.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015 [1985].

LATTMAN-WELTMAN, F.; CARNEIRO, J.; RAMOS, P. A imprensa faz e desfaz um presidente: o papel da imprensa na ascensão e queda de Fernando Collor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

LIMA JR., O. B. O sistema partidário brasileiro: diversidades e tendências (1982-1994). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

LIMA, V. A. “Televisão e política: hipótese sobre a eleição presidencial de 1989”. Comunicação & Política, vol. 11, nº 11, p. 29-54, 1990.

LOURENÇO, L. C. “Propaganda negativa: ataque versus votos nas eleições presidenciais de 2002”. Opinião Pública, vol. 15, n° 1, p. 133-158, 2009.

MACHADO, M. “A retórica da reeleição: mapeando os discursos dos programas eleitorais (HGPE) em 1998 e 2006”. Opinião Pública, vol. 15, nº 1, p. 159-189, 2009.

MAINWARING, S. P. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Rio de Janeiro: Mercado Aberto, 2001.

MAINWARING, S. P.; MENEGUELLO, R.; POWER, T. Partidos conservadores no Brasil contemporâneo: quais são, o que defendem, quais são suas bases. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

MANIFESTO DE FUNDAÇÃO DO PT. Fundação do Partido dos Trabalhadores, [on-line], 1980. Disponível em: http://www.pt.org.br/manifesto-de-fundacao-do-partido-dos-trabalhadores/. Acesso em: 6 dez. 2018.

MARQUES, J. R.; FLEISCHER, D. De facção a partido: PSDB. Brasília: Instituto Teotônio Vilela/Editora Positiva, 1999.

MASSUCHIN, M. G., et al. “A construção da campanha eleitoral majoritária no HGPE: uma análise comparada das estratégias usadas pelos presidenciáveis de 2014”. Política & Sociedade, vol. 15, nº 32, p. 171-203, 2016.

MENDES, G. “Da Frente Brasil Popular à aliança capital e trabalho: as campanhas de Lula a presidente de 1989 a 2002”. Dissertação de mestrado em Ciência Política, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Iuperj, Rio de Janeiro, 2004.

MENDES, A. M. T.; VENTURI, G. “Eleição presidencial: o Plano Real na sucessão de Itamar Franco”. Opinião Pública, vol. 2, nº 2, p. 59-72, 1994.

MENDONÇA, D. “A noção de antagonismo na ciência política contemporânea: uma análise a partir da perspectiva da teoria do discurso”. Revista Sociologia e Política, vol. 20, nº 1, p. 135-145, 2003a.

MENDONÇA, D. “A teoria do discurso de Laclau e Mouffe: em direção à noção de significante vazio”. Revista Barbarói, vol. 18, nº 1, p. 55-71, 2003b.

MENDONÇA, D. “A teoria da hegemonia de Ernesto Laclau e a análise política brasileira”. Red de Revistas Cientificas da América Latina y el Caribe, vol. 43, nº 3, p. 249-258, 2007.

MENDONÇA, D. “Teorizando o agonismo: crítica a um modelo incompleto”. Revista Sociedade e Estado, vol. 25, nº 3, p. 479-497, 2010.

MENDONÇA, D. “Antagonismo como identificação política”. Revista Brasileira de Ciência Política, vol. 9, nº 3, p. 205-228, 2012.

MENEGUELLO, R. PT: a formação de um partido (1979-1982). São Paulo: Paz e Terra, 1989.

MIGUEL, L. F. “Mídia e discurso político nas eleições presidenciais de 1994”. Comunicação & Política, vol. 4, nº 1, p. 80-96, 1997.

MIGUEL, L. F. “Mídia e manipulação política no Brasil: a Rede Globo e as eleições presidenciais de 1989 a 1998”. Comunicação & Política, vol. 6, nº 2-3, p. 119-38, 1999.

MIGUEL, L. F. Mito e discurso político: uma análise a partir da campanha eleitoral brasileira de 1994. Campinas: Editora da Unicamp/Imprensa Oficial, 2000.

MIGUEL, L. F. “Os meios de comunicação e a prática política”. Lua Nova, vol. 2, nº 55-56, p. 155-184, 2002.

MIGUEL, L. F. “Eleições, opinião pública e mídia: reflexões a partir das eleições brasileiras de 2002”. Política & Sociedade, vol. 2, nº 2, p. 41-66, 2003.

MIGUEL, L. F. “Discursos cruzados: telenoticiário, HGPE e a construção da agenda eleitoral”. Sociologias, vol. 6, nº 11, p. 238-258, 2004a.

MIGUEL, L. F. “Mídia e vínculo eleitoral: a literatura internacional e o caso brasileiro”. Opinião Pública, vol. 10, nº 1, p. 91-111, 2004b.

MOTTA, R. P. S. A reforma partidária de 1979-1980 e o quadro atual. Introdução à história dos partidos políticos brasileiros. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

NOVAES, C. A. M. “Dinâmica institucional de representação”. Novos Estudos Cebrap, nº 38, p. 99-147, 1994.

OLIVEIRA, L. A. “A disputa política na televisão: uma análise das estratégias discursivas dos candidatos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Iuperj, Rio de Janeiro, 2005.

PINTO, C. R. J. “Elementos para uma análise de discurso político”. Revista Barbarói, vol. 1, nº 24, p. 78-109, 2006.

PORTO, M.; GUAZINA, L. "A política na TV: o horário eleitoral da eleição presidencial de 1994". Revista Contracampo, vol. 3, n° 3, p. 5-33, 1999.

PROGRAMA do PSDB. Introdução e diretrizes básicas do Partido da Social Democracia Brasileira [online], 1988. Disponível em: http://www.psdb.org.br. Acesso em: 2 dez. 2014.

PROGRAMA do PT. Programa de governo 1989 [on-line], 1989. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2015.

PROGRAMA do PT. Programa de governo 1994 [on-line], 1994. Disponível em: www.pt.org.br. Acesso em: 5 jan. 2015.

PROGRAMA do PT. Programa de governo 1998 [on-line], 1998. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2015.

REIS, F. W. “Identidade política, desigualdade e partidos brasileiros”. Novos Estudos Cebrap, vol. 87, nº 2, p. 61-75, 2010.

RENNÓ, L.; CABELLO, A. “As bases do lulismo: a volta do personalismo, realinhamento ideológico ou não alinhamento?”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 25, nº 74, p. 39-60, 2010.

RODRIGUES, L. M. Quem é quem na Constituinte: uma análise sociopolítica dos partidos e deputados. São Paulo: Oesp-Maltese, 1987.

RODRIGUES, L. M. “Partidos, ideologia e composição social”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, nº 48, p. 31-47, 2002.

ROMA, C. “A institucionalização do PSDB entre 1988 e 1999”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, n° 49, p. 71-92, 2002.

RUBIM, A. A. C. “Comunicação, espaço público e eleições presidenciais”. Comunicação & Política, vol. 9, nº 2, p. 2-21, 1989.

RUBIM, A. A. C. Política em tempos de mídia: impressões de crises. In: PEREIRA, C.; FAUSTO NETO, A. (orgs.). Comunicação e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Notrya, p. 149-168, 1993.

RUBIM, A. A. C. Visibilidade e estratégias nas eleições presidenciais de 2002: política, mídia e cultura. In: RUBIM, A. A. C. (org.). Eleições presidenciais em 2002 no Brasil. São Paulo: Ed. Cult e Hacker Editores, p. 54-71, 2004.

RUBIM, A. A. C.; AZEVEDO, F. A. “Mídia e política no Brasil: textos e agenda de pesquisa”. Lua Nova, vol. 1, nº 43, p. 189-216, 1998.

SAMUELS, D. “As bases do petismo”. Opinião Pública, vol. 10, nº 2, p. 221-241, 2004.

SAMUELS, D. “A evolução do petismo (2002-2008)”. Opinião Pública, vol. 14, nº 2, p. 302-318, 2008.

SILVA, P. S. “As estratégias dos candidatos na propaganda eleitoral presidencial de 1998”. Revista Diálogos Possíveis, vol. 3, nº 1, p. 61-77, 2004.

SINGER, A. “Raízes sociais e ideologia do lulismo”. Novos Estudos Cebrap, vol. 85, nº 2, p, 83-103, 2009.

SINGER, A. “A segunda alma do Partido dos Trabalhadores”. Novos Estudos Cebrap, vol. 88, nº 2, p. 83-102, 2010.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SOARES, G. S. “Os partidos políticos de esquerda e a consolidação da democracia brasileira”. Interfaces, vol. 6, nº 2, p. 1-30, 2006.

SOUZA, F. S. “Plano Real: a construção de um sentido hegemônico”. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais UFPEL, Pelotas, 2012.

TERRON, S. L.; SOARES, G. A. D. “As bases eleitorais do PT: do distanciamento ao divórcio”. Opinião Pública, vol. 16, nº 2, p. 310-337, 2010.

VIEIRA JÚNIOR, R. Ambientalistas e desenvolvimentistas: aplicando a teoria do discurso. Pelotas: Gráfica Universitária/UFPEL, 2010.

VOGEL, L. H. Negociar direitos? Legislação trabalhista e reforma neoliberal no governo FHC (19952002). Rio de Janeiro: Eduerj, 2013.

ZIZEK, S. (org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996 [1994].

WEBER, M. H. A cara pintada da política. In: PEREIRA, C. A. M; FAUSTO NETO, A. (orgs.). Comunicação e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Notrya, p. 47-94, 1993.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

FREITAS, F. C. de. O primeiro grande antagonismo entre PSDB e PT. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 24, n. 3, p. 547–595, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8654294. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos