Dispersão decisória, centralidade política e entropia burocrática: mitigando custos transacionais na gestão pública

Autores

Palavras-chave:

Capacidades estatais. Capacidades burocráticas. Capacidades políticas. Interfaces socioestatais. Desenvolvimento socioeconômico.

Resumo

O artigo investiga os impactos de capacidades burocráticas e sociopolíticas nos processos de formulação e implementação de políticas públicas. Realiza-se estudo comparativo de quatro instituições do poder Executivo federal brasileiro, buscando, através de seus respectivos percursos históricos de formação, elementos explicativos para sua situação atual em termos dessas capacidades. Em adição, realiza-se estudo de programas desenvolvidos por essas instituições, entrevendo em que sentido seu status corrente de capacidades tende a influenciar o desenvolvimento de cada um deles. A análise evidencia que a área temática de atuação dos órgãos/programas tem importante influência no potencial de desenvolvimento das capacidades estudadas. Ademais, o desenvolvimento conjunto dessas últimas parece levar à obtenção de resultados satisfatórios no desenvolvimento de políticas de uma forma geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexander Cambraia Nascimento Vaz, Universidade Federal de Minas Gerais

Instituto Brasiliense de Direito Público, Escola de Administração Pública, Brasília (DF), Brasil. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte (MG), Brasil.

Referências

ABERS, R.; SERAFIM, L.; TATAGIBA, L. “Repertórios de interação Estado-sociedade em um Estado heterogêneo: a experiência na era Lula”. Dados, vol. 57, nº 2, p. 325-357, 2014.

ALBUQUERQUE, E. M. Agenda Rosdolsky. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

ALMEIDA, D. R.; CUNHA, E. S. “Brazilian social assistance policy: an empirical test of the concept of deliberative systems”. Critical Policy Studies, vol. 10, p. 1-21, 2016.

AVRITZER, L. Participatory institution in democratic Brazil. Baltimore: John Hopkins University Press, 2009.

AVRITZER, L. “Entre o conflito de interesses e a nova institucionalidade política”. Novos Estudos Cebrap, vol. 103, p. 211-217, 2015.

BARRIOS, R. S. L. “Entropía institucional en los programas mexicanos de estímulos académicos: un análises por intersticios”. Revista Gestión y Estratégia, n° 34, 2008.

BESLEY, T.; PERSSON, T. “Repression on civil war?”. American Economic Review, vol. 99, n° 2, p. 292297, 2009.

BOSCHI, R. R.; GAITÁN, F. “Intervencionismo estatal e políticas de desenvolvimento na América Latina”. Caderno CRH, vol. 21, n° 53, p. 303-319, 2009.

BRADY, D. “Rethinking the sociological measurement of poverty”. Social Forces, vol. 81, nº 3, 715751, 2003.

BRASIL, F. P. D., et al. “Participação, desenho institucional e alcances democráticos: uma análise do Conselho das Cidades (ConCidades)”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n° 48, p. 5-18, 2013.

BRESSER-PEREIRA, L. C. “From the national-bourgeoisie to the dependency interpretation of Latin America (LAP)”. Latin American Perspectives, vol. 38, n° 3, 2011.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; THEUER, D. “Um Estado novo-desenvolvimentista na América Latina?”. Economia e Sociedade, vol. 21, número especial, 2012.

CAMPOS, R. “A geleia filantrópica”. Folha de S. Paulo, 23 abr. 1995. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/4/23/brasil/5.html. Acesso em: 12 jan. 2018.

CARDOSO JR., J. C. “Planejamento governamental e gestão pública no Brasil: elementos para ressignificar o debate e capacitar o Estado”. Texto para Discussão nº 1584, Ipea, 2012.

CARDOSO JR., J. C. Planejamento, democracia e desenvolvimento no Brasil: perspectivas à luz das capacidades estatais e instrumentos governamentais. In: CALIXTRE, A. B.; BIANCARELLI, A. M.; CINTRA M. A. M. (orgs.). Planejamento, democracia e desenvolvimento no Brasil: perspectivas à luz das capacidades estatais e instrumentos governamentais. Brasília: Ipea, vol. 1, p. 79-114, 2014.

CGU – Controladoria-Geral da União. Banco de dados dos servidores da administração pública federal. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2014.

CHANG, H. J. The political economy of industrial policy. New York: Palgrave Macmillan, 1995.

CHANG, H. J. Globalization, economic development and the role of the State. London: Zed Books, 2003.

COELHO, V. S. R. P.; NOBRE, M. (orgs.). Participação e deliberação: teoria democrática e experiências institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: Editora 34, 2004.

COLES, J. W.; HESTERLY, W. S. “Transaction costs, quality, and economies of scale: examining contracting choices in the hospital industry”. Journal of Corporate Finance, vol. 4, n° 4, p. 321-345, 1998.

CUNHA, E. S. M. Inclusão social e política: o desafio deliberativo dos Conselhos Municipais de Assistência Social. In: AVRITZER, L. (org.). A dinâmica da participação local no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

EDIGHEJI, O. (ed.) Constructing a democratic developmental State in South Africa. Constructing the 21st century developmental State. Cape Town: HSRC Press, 2010.

EVANS, P. Embedded autonomy – States and industrial transformation. New Jersey: Princeton Press, 1995.

EVANS, P. “Building bridges across a double divide: aliances between US and Latin American labor and NGOS”. Development in Practice, vol. 14, n° 1-2, p. 34-47, 2004.

EVANS, P. “The capability enhancing developmental State: concepts and national trajectories”. Texto para Discussão, n° 63, Cede, Niterói, 2011.

EVANS, P.; HELLER, P. Human development, State transformation and the politics of the developmental State. Oxford: Oxford University Press, 2013. Disponível em: <http://goo.gl/J8mx2W>. Acesso em: 7 nov. 2018.

EVANS, P.; RAUCH, J. “Bureaucracy and growth: a cross-national analysis of the effects of ‘weberian’ State”. American Sociological Review, vol. 64, n° 5, 2000.

EVANS, P.; RUESCHEMEYER, D.; SKOCPOL, T. Bringing the State back in. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

FARIA, C. F. “Sistema deliberativo, formas de conexão e inclusão política: alcance teórico e prático”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 32, p. 1, 2017.

FERES, J. C.; VILLATORO, P. “La viabilidade de erradicar la pobreza: un examen conceptual y metodológico”. Santiago de Chile, Cepal, out. 2013.

FIANI, R. Cooperação e conflito: instituições e desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

FIANI, R. “Arranjos institucionais e desenvolvimento: o papel da coordenação em estruturas híbridas”. Texto para discussão, nº 1815, Ipea, 2013.

FONSECA, I. F., et al. “Audiências públicas: fatores que influenciam seu potencial de efetividade no âmbito do poder Executivo federal”. Revista do Serviço Público, vol. 64, n° 1, p. 7-29, 2013.

GOMIDE, A. A.; PEREIRA, A. K.; MACHADO, R. “O conceito de capacidade estatal e a pesquisa científica”. Sociedade e Cultura, vol. 20, p. 3-12, 2017.

HAIR, J. F., et al. Multivariate data analysis. Upper Saddle River: Prentice Hall, 2009.

HENDRIX, C. S. “Measuring State capacity: theoretical and empirical implications for the study of civil conflict”. Journal of Peace Research, vol. 47, nº 3, 2010.

HERSCOVICI, A. “Historicidade, entropia e não linearidade: algumas aplicações possíveis na ciência econômica”. Revista de Economia Política, vol. 25, n° 3, p. 277-294, 2005.

HOWLETT, M.; RAMESH, M. Studying public policy: policy cycles and policy subsystems. Oxford: Oxford University Press, 2003.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Indicadores IBGE: Sistema Nacional de Índice de Preços ao Consumidor - IPCA e INPC. Nota Técnica IBGE. Rio de Janeiro, julho de 2018. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Precos_Indices_de_Precos_ao_Consumidor/IPCA/Fasciculo_Indicadores_IBGE /ipca-inpc_201807caderno.pdf. Acesso em: 6 ago. 2018.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Munic, Pesquisa de Informações Básicas Municipais - Perfil dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/perfilmunic/default.shtm. Acesso em: 5 abr. 2013.

IRELAND, T. D. “Educação de Jovens e Adultos como política pública no Brasil (2004-2010): os desafios da desigualdade e da diversidade”. Rizoma freireano/Rhizome freirean, nº 13, 2012. Instituto Paulo Freire de España. Disponível em: http://www.rizomafreireano.org/educacao-dejovens. Acesso em: 5 mar. 2017.

JACCOUD, L. Proteção social no Brasil: debates e desafios. In: Concepção e gestão da proteção social não contributiva no Brasil. Brasília: MDS/Unesco, p. 57-86, 2009.

JANN, W.; WEGRICH, K. Theories of the policy cycle. In: FISCHER, F., et al. Handbook of public policy analysis: theory, politics and methods. Boca Raton: CRC Press, 2007.

JANNUZZI, P. M. “Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais”. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, vol. 36, n° 1, p. 51-72, 2002.

JANNUZZI, P. M. “Eficiência econômica, eficácia procedural ou efetividade social: três valores em disputa na avaliação de políticas e programas sociais”. Desenvolvimento em Debate (INCT/PPED), vol. 4, p. 117-142, 2016.

JOHNSON, C. A. The industrial policy debate. Califórnia: ICS Press, 1985.

JOHNSON, C. A. The developmental State: odyssey of a concept. In: WOO-CUMINGS, M. The developmental State. Ithaca: Cornell University Press, 1995.

KOCHER, M. A. “State capacity as a conceptual variable”. Yale Journal of International Affairs, Spring/ Summer, p. 137-145, 2010. Disponível em: http://yalejournal.org/wpcontent/uploads/2010/09/105212kocher.pdf. Acesso em: 12 ago. 2017.

LAVALLE, A. G.; SZWAKO, J. “Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate”. Opinião Pública, vol. 21, nº 1, p. 157-187, 2015.

LAVALLE, A. G.; VOIGT, J.; SERAFIM, L. “O que fazem os conselhos e quando o fazem? Padrões decisórios e o debate dos efeitos das instituições participativas”. Dados, vol. 59, n° 3, p. 609-650, 2016.

LEFTWICH, A. “Bringing politics back in: towards a model of developmental State”. The Journal of Development Studies, vol. 31, n° 3, p. 400-427, 1995.

LEFTWICH, A. Forms of democratic developmental States. Democratic practices and development capacity. In: ROBINSON, M.; WHITE, G. (eds.). The democratic developmental State. Political and institutional design. Oxford: Oxford University Press, 1998.

LI, B. Q. H.; FONG, A.; LU, M. “Assessing record linkage between health care and vital statistics databases using deterministic methods”. BMC, vol. 6, n° 48. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1472-6963/6/48, 2007. Acesso em: 9 jul. 2014.

LIST, G. F. Sistema nacional de economia política. Trad. Luiz João Baraúna. São Paulo: Nova Cultural, 1986.

ME (Ministério do Esporte). Sistema de Monitoramento e Avaliação do Programa Segundo Tempo. Relatório Técnico. Ministério do Esporte. Brasília, 2010. Disponível em: http://portal.esporte.gov.br/arquivos/snee/segundoTempo/sistemaMonitoramentoAvaliacaoProgra masEsporte.pdf. Acesso em: 9 abr. 2013.

MEC (Ministério da Educação). Relatório de Gestão: Exercício 2009. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. MEC, Brasília, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=14942&Itemid=1166. Acesso em: jan. 2013.

MEIRELLES, D. S. “Teorias de mercado e regulação: por que os mercados e o governo falham?”. Cadernos Ebape, vol. 8, n° 4, p. 644-660. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1679- 39512010000400006&script=sci_arttext, 2010. Acesso em: 10 maio 2016.

MINA (Ministério da Integração Nacional). Relatório de Gestão do exercício de 2012 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas anual a que esta unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da IN TCU nº 63/2010, da DN TCU nº 119/2012 e da Portaria TCU nº 150/2012. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.integracao.gov.br/documents/10157/4298769/Relat%C3%B3rio+de+Gest%C3%A3oSECEX-2012.pdf/d97c5b4b-a449-4e67-b448-235020bc255d. Acesso em: 18 abr. 2015.

MIGUEL, L. F. “Impasses da accountability: dilemas e alternativas da representação política”. Revista de Sociologia e Política, vol. 25, p. 25-38, 2005.

MONTEIRO, L. “Reforma da administração pública e carreiras de Estado: o caso dos especialistas em políticas públicas e gestão governamental no Poder Executivo federal”. Revista de Administração Pública, vol. 47, nº 5, 2013.

MPOG. SIGPlan – Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento. Módulo de avaliação dos PPAs de 2002 a 2010. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG).

NORTH, D. “The role of institutions in economic development”. United Nations Economic Comission for Europe. Geneva, Switzerlandm, 2003.

NUNES, E. A gramática política do Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

OLIVEIRA, V. E.; ABRUCIO, F. L. “Entre a política e a burocracia: a importância dos burocratas de nível médio para a produção de políticas públicas em saúde e educação”. Artigo apresentado no 35º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, MG, 2011.

OLLAIK, L.; MEDEIROS, J. J. “Instrumentos governamentais: reflexões para uma agenda de pesquisas sobre implementação de políticas públicas no Brasil”. In: Anais do Encontro de Administração Pública e Governança da Anpad, 4. Anpad, Vitória, 2010.

PAINTER, M.; PIERRE, J. Unpacking policy capacity: issues and themes. In: PAINTER, M.; PIERRE, J. (eds.). Challenges to State policy capacity. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2005.

PERES, U. D. “Custos de transação e estrutura de governança no setor público”. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, vol. 9, n° 24, p. 15-30, 2007.

PERUZZOTTI, E. Media scandals and social accountability: assessing the role of the Senate scandal in Argentina. In: PERUZZOTTI, E.; SMULOVITZ, C. Enforcing the rule of law: social accountability in the new Latin American democracies. Pittsburgh: Pittsburgh Press, 2007.

QUINTÃO, T. T.; CUNHA, E. S. M. “Fala que eu te escuto: ouvidorias parlamentares e o seu potencial democrático”. Revista de Sociologia e Política, vol. 26, nº 66, p. 125-143, 2018.

PIRES, R. Burocracias, gerentes e suas “histórias de implementação”: narrativas do sucesso e fracasso de programas federais. In: FARIA, C. A. P. (org.). Implementação de políticas públicas: teoria e prática. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, p. 182-220, 2012.

PIRES, R.; GOMIDE, A. A. “Governança e capacidades estatais: uma análise comparativa de programas federais”. Revista de Sociologia e Política, vol. 24, p. 121-143, 2016.

PIRES, R. R. C.; VAZ, A. C. N. “Para além da participação: interfaces socioestatais no governo federal”. Lua Nova, nº 93, p. 61-91, 2014.

POGREBINSCHI, T. “Democracia pragmática”. Dados, Revista de Ciências Sociais, vol. 53, nº 3, 2010.

PRZEWORSKI, A.; STOKES, S.; MANIN, B. (eds.). Accountability, and representation. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

RAMESH, M.; HOWLETT, M. “Achille's heels of governance: critical capacity deficits and their role in governance failures”. Regulation and Governance, vol. 10, nº 4, 2016.

RAUCH, J.; EVANS, P. “Bureaucratic structure and bureaucratic performance in less developed countries”. Journal of Public Economics, vol. 75, nº 1, 2011.

RIBEIRO, L. C., et al. “Science in the developing world: running twice as fast?”. Computing in Science and Engineering, vol. 8, 2006.

RIBEIRO, U. C., et al. “Experiências de monitoramento dos resultados de conferências nacionais: elementos para a discussão sobre efetividade da participação na gestão pública”. Revista do Serviço Público, vol. 66, p. 55-74, 2015.

SANTOS, B. S.; AVRITZER, L. Para ampliar o cânone democrático. In: SANTOS, B. S. (org.). Democratizar a democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SANTOS, L. A. S.; MARQUES, D. B. “Burocracia e economia dos custos de transação: uma análise da relação entre a Universidade Federal de Pernambuco e a Refinaria Abreu e Lima”. Revista Administração Pública e Gestão Social, vol. 7, nº 1, 2015.

SATYRO, N. D.; CUNHA, E. S. M. “The path of Brazilian social assistance policy post-1988: the significance of institutions and ideas”. Brazilian Political Science Review, vol. 8, p. 80-109, 2014.

SCHUMPETER, J. A. Capitalism, socialism and democracy. Londres: Alien&Unwin, 1976.

SINTOMER, I. O poder ao povo: júris de cidadãos, sorteio e democracia participativa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

SKOCPOL, T. States and social revolutions: a comparative analysis of France, Russia, and China. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.

SKOCPOL, T.; AMENTA, E. “States and social policies”. Annual Review of Sociology, vol. 12, p. 131157, 1986.

TENÓRIO, F. G. “(Neo)tecnocratas ou (neo)bobos? Eis a questão”. O&S. Organizações & Sociedade, Salvador, vol. 10, nº 26, p. 107-117, 2003.

THIES, C. G. “Of rulers, rebels, and revenue: State capacity, civil war onset, and primary commodities”. Journal of Peace Research, vol. 47, nº 3, 2010.

TCU (Tribunal de Contas da União). Monitoramento - Natureza Operacional - Programa Brasil Alfabetizado. Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo 006.555/2006-2, junho de 2006. Disponível em: https://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?inline=1&fileId=8A8182A14D92792C01 4D9283E8B1148E. Acesso em: 9 mar. 2015.

VAZ, A. C. N. Ação estatal, desenvolvimento e democracia: elementos para uma discussão na contemporaneidade. In: CARDOSO JR., J. C. (org.). Planejamento Brasil século XXI. Brasília: Ipea, 2015.

VAZ, A. C. N. “Capacidades burocráticas e políticas no âmbito da gestão pública: inferindo limites e possibilidades para a gestão pública operacional”. Revista Brasileira de Planejamento e Orçamento, vol. 6, nº 2, 2016.

VAZ, A. C. N., et al. “Estudos avaliativos com base na integração de registros administrativos: a experiência de integração do Cadastro Único para Programas Sociais, Programa Bolsa Família e Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional”. Cadernos de Estudos - Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação, vol. 17, p. 38-49, 2014.

VIDAL, D. G.; FARIA FILHO, L. M. “História da educação no Brasil: a constituição histórica do campo (1880-1970)”. Revista Brasileira de História, São Paulo, vol. 23, nº 45, p. 37-70, jul. 2003.

WAMPLER, B. “When does participatory democracy deepen the quality of democracy?”. Comparative Politics, vol. 41, nº 1, 2008.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Belo Horizonte: Editora LTC, 2002.

WHITE, G. Constructing a democratic developmental State. In: ROBINSON, M.; WHITE, G. (eds.). The democratic political State. Oxford: Oxford University Press, 1998.

WISE, L. R. “Bureaucratic posture: on the need for a composite theory of bureaucratic behavior". Public Administration Review, vol. 64, nº 6, p. 669-680, November-December 2004.

WOOLDRIDGE, J. M. Econometric analysis of cross section and panel data. 2ª ed. Cambridge, MA: MIT Press, 2010.

YIN, R. K. Estudo de caso – planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

VAZ, A. C. N. Dispersão decisória, centralidade política e entropia burocrática: mitigando custos transacionais na gestão pública. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 24, n. 3, p. 622–669, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8654299. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos