Efeitos de competição, gastos de campanha e fragmentação eleitoral sobre comparecimento e votos válidos nas eleições municipais brasileiras em 2012

Palavras-chave: Comparecimento eleitoral, Competição eleitoral, Gastos de campanha, Fragmentação eleitoral, Brasil.

Resumo

Este artigo investiga fatores associados aos níveis de comparecimento eleitoral, em especial, variáveis políticas contextuais. O argumento é de que, com o enfraquecimento de condicionantes duradouros, como os sociodemográficos e os sociopsicológicos, devemos atentar ao efeito de curto prazo da conjuntura sobre a participação eleitoral. O estudo desse efeito ainda é incipiente no Brasil e na América Latina. A expectativa inicial era de que competição, gastos de campanha e fragmentação estivessem associados positivamente com a participação eleitoral agregada. Essa hipótese foi testada por meio de modelos lineares multivariados nas eleições para prefeito de 2012. Os resultados confirmam essa hipótese em relação à competição e aos gastos de campanha, com mais força ainda sobre os votos válidos se comparados ao comparecimento em si. Porém, os resultados apontam um efeito negativo da fragmentação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cíntia Pinheiro Ribeiro de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Ciência Política pelo Iesp/Uerj. Realiza estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC.

Referências

ANSOLABEHERE, S., et al. Does attack advertising demobilize the electorate?. The American Political Science Review, vol. 88, nº 4, p. 829-838, 1994.

BARRETO, A. A. B. Reeleição para o Executivo municipal no Brasil (2000-2008). Revista Debates, vol. 3, nº 2, p. 97-115, 2009.

BLAIS, A. Political participation. In LEDUC, L.; NIEMI, R. G.; NORRIS, P. (eds.). Comparing democracies 3: elections and voting in the 21st: Century. London: Sage, p. 165-183, 2010.

BORBA, F.; CERVI, E. Relação entre propaganda, dinheiro e avaliação de governo no desempenho de candidatos em eleições majoritárias no Brasil. Opinião Pública, vol. 23, nº 3, p. 754-785, 2017.

BRAGA, M. S. S.; PIMENTEL JR., J. Estrutura e organização partidária municipal nas eleições de 2012. Cadernos Adenauer XIV, nº 2, p. 13-36, 2013.

BRAMBOR, T.; CENEVIVA, R. Reeleição e continuísmo nos municípios brasileiros. Novos Estudos, vol. 93, p. 9-21, 2012.

CALDEIRA, G.; PATTERSON, S.; MARKKO, G. The mobilization of voters in congressional elections. The Journal of Politics, vol. 47, nº 2, p. 490-509, 1985.

CAMPBELL, A., et al. The American voter. Chicago: The University of Chicago Press, 1960.

CAMPELLO DE SOUZA, M. C. Estado e partidos políticos no Brasil. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1976.

CODATO, A.; CERVI, E.; PERISSINOTO, R. Quem se elege prefeito no Brasil? Condicionantes do sucesso eleitoral em 2012. Cadernos Adenauer XIV, nº 2, p. 61-84, 2013.

COX, G.; MUNGER, M. Closeness, expenditures, and turnout in the 1982 US House elections. The American Political Science Review, vol. 83, nº 1, p. 217-231, 1989.

DAWSON, P.; ZINSER, J. Political finance and participation in congressional elections. The Annals of the American Academy, nº 425, p. 59-73, 1976.

DOWNS, A. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp, 2013.

FIGUEIREDO, M. A decisão do voto: democracia e racionalidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

FISHER, J. Persuasion and mobilization efforts by parties and candidates. In: FISHER, J., et al. (eds.)., The routledge handbook of elections, voting behavior and public opinion. New York: Routledge, p. 280-292, 2018.

FRANCIA, P.; HERRNSON, P. The synergistic effect of campaign effort and election reform on voter turnout in state legislative elections. State Politics and Policy Quarterly, vol. 4, nº 1, p. 74-93, 2004.

GALLEGO, A. Unequal political participation worldwide. New York: Cambridge University Press, 2015.

GEYS, B. Explaining voter turnout: a review of aggregate-level research. Electoral Studies, vol. 25, p. 637-663, 2006.

HOGAN, R. Campaign and contextual influences on voter participation in state legislative elections. American Politics Quarterly, vol. 27, nº 4, p. 403-433, 1999.

HOLBROOK, T.; MCCLURG, S. The mobilization of core supporters: campaigns, turnout, and electoral composition in United States, presidential elections. American Journal of Political Science, vol. 49, nº 4, p. 689-703, 2005.

IBGE - Banco de Dados do Sistema IBGE de Recuperação Automática (Sidra) para o Censo Demográfico 2010. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censodemografico/demografico-2010/. Acesso em: 27 fev. 2018.

INGLEHART, R.; WELZEL, C. Modernização, mudança cultural e democracia. São Paulo: Francis, p. 1731, 2009.

JACKSON, R. The mobilization of congressional electorates. Legislative Studies Quarterly, vol. 21, nº 3, p. 425-445, 1996.

LIMA JÚNIOR, O. B. Democracia e instituições políticas no Brasil dos anos 80. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

LIMONGI, F.; MESQUITA, L. Estratégia partidária e preferência dos eleitores: as eleições municipais em São Paulo entre 1985 e 2004. Novos Estudos Cebrap, vol. 81, p. 49-67, 2008.

MATSUKAKA, J.; PALDA, F. Voter turnout: how much can we explain?. Public Choice, vol. 98 p. 431– 446, 1999.

NICOLAU, J. A participação eleitoral no Brasil. Working Paper CBS-26-2002. University of Oxford Centre for Brazilian Studies, 51f, 2002. Disponível em: https://www.academia.edu/3589297/_A_participa%C3%A7%C3%A3o_eleitoral_no_Brasil_Univeristy_of_Oxford_Centre_for_Brazilian_Studies_working_paper_series_n._26_2002. Acesso em: 17 dez. 2017.

NICOLAU, J. História do voto no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2004.

PATTIE, C.; JOHNSTON, R. Voter turnout at the British general election of 1992: rational choice, social standing or political efficacy?. European Journal of Political Research, vol. 33, p. 263–283, 1998.

PEIXOTO, V.; GOULART, N. Evolução da competição eleitoral municipal (1996 a 2012). Teoria & Pesquisa, vol. 23, nº 2, p. 41-63, 2014.

PNUD – Banco de Dados do Atlas de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 2013. Disponível em: http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/download/. Acesso em: 31 jul. 2019.

RENNÓ, L. O dilema do rico: número de candidatos, identificação partidária e accountability nas eleições de 2002 para a Câmara dos Deputados. In: SOARES, G. A. D.; RENNÓ, L. (Orgs.). Reforma política: lições da história recente. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 47-70, 2006.

RENNÓ, L. Desigualdade e informação política: as eleições brasileiras de 2002. Dados, vol. 50, n° 4, p. 721-755, 2007.

RIBEIRO, E.; BORBA, J.; SILVA R. Comparecimento eleitoral na América Latina: uma análise multinível comparada. Revista de Sociologia e Política, vol. 23, nº 54, p. 91-108, 2015.

SANTOS, W. G. Crise e castigo: partidos e generais na política brasileira. São Paulo: Vértice, 1987.

SANTOS, W. G. O cálculo do conflito. Estabilidade e crise na política brasileira. Rio de Janeiro: Iuperj, 2003.

SCHWARTZMAN, S. São Paulo e o Estado nacional. São Paulo: Difel, 1975.

SETTLE, R.; ABRAMS, B. The determinants of voter participation: a more general model. Public Choice, vol. 27, p. 81-89, 1976.

SILOTTO, G. Mapeando a competição: padrões de votação em São Paulo entre 2008 e 2016. Revista Parlamento e Sociedade, vol. 5, nº 8, p. 97-123, 2017.

SILVA, R. Comportamento eleitoral na América Latina e no Brasil: em busca dos determinantes das abstenções, votos brancos e votos nulos. Tese de Doutorado em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

SPECK, B.; CERVI, E. Dinheiro, tempo e memória eleitoral: os mecanismos que levam ao voto nas eleições para prefeito em 2012. Dados, vol. 59, nº 1, p. 53-90, 2016.

US CENSUS BUREAU. Disponível em: https://www.census.gov/prod/cen2010/briefs/c2010br08.pdf. Acesso em: 12 fev. 2018.

TSE – Repositório de dados eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleitor-e-eleicoes/estatisticas/repositorio-de-dados-eleitorais-1/repositoriode-dados-eleitorais. Acesso em: 10 dez. 2017.

WATTENBERG, M. The decline of party mobilization. In: DALTON, R. J.; WATTENBERG, M. P. (eds.). Parties without partisans. Oxford: Oxford Press, p. 64-76, 2000.

ZUCCO, C.; NICOLAU, J. Trading old errors for new errors? The impact of electronic voting technology on party label votes in Brazil. Electoral Studies, vol. 43, p. 10-20, 2016.
Publicado
2019-09-12
Como Citar
Souza, C. P. R. de. (2019). Efeitos de competição, gastos de campanha e fragmentação eleitoral sobre comparecimento e votos válidos nas eleições municipais brasileiras em 2012. Opinião Pública, 25(2), 312-342. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8656617
Seção
Artigos