Mudanças intraministeriais e gestão da coalizão

Brasil, de 1990 a 2014

Autores

Palavras-chave:

Presidencialismo, Coalizão, Poder executivo, Mudanças estruturais, Ministérios.

Resumo

Este artigo analisa as mudanças na estrutura interna dos ministérios no Poder Executivo brasileiro entre os anos de 1990 e 2014. O argumento geral é de que, no presidencialismo de coalizão, o presidente se posiciona em uma complexa rede de delegação em que enfrenta diversos custos de agência e, para lidar com isso, dispõe de uma caixa de ferramentas a serem usadas. A literatura aponta para algumas dessas ferramentas, porém, pouco explora o poder administrativo, relacionado à dimensão estrutural dos ministérios. Nesse sentido, o artigo visa contribuir com esse debate ao endereçar a seguinte questão: quais fatores influenciaram as mudanças estruturais nos ministérios do Executivo brasileiro nos anos de 1990 a 2014? Em outras palavras, o poder administrativo é um recurso empregado pelo presidente para lidar com os custos de agência decorrentes de sua relação com os partidos da coalizão? Caso contrário, quais outros fatores podem influenciar a decisão do presidente para utilizar tal poder? O estudo longitudinal é de caráter explicativo e adota uma abordagem quantitativa de pesquisa. Os resultados mostraram que o presidente utiliza com cautela seu poder administrativo de redesenho ministerial, fortalecendo as estruturas dos ministérios mais salientes para a sua agenda e dos ministérios mais institucionalizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosiene Guerra, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduada em Gestão Pública e mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais.

                     

Referências

ABRANCHES, S. "Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro". Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 31, nº 1, p. 5-34, 1988.

ALSTON, L. J.; MUELLER, B. "Pork for policy: Executive and Legislative exchange in Brazil". Journal of Law, Economics and Organization, vol. 22, nº 1, p. 87-114, abr. 2005.

AMORIM NETO, O. Presidencialismo e governabilidade nas Américas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

AMORIM NETO, O.; SAMUELS, D. "Democratic regimes and cabinet politics: a global perspective". Revista Ibero-Americana de Estudos Legislativos, Belo Horizonte, vol. 1, nº 1, p. 10-23, dez. 2010.

ARNOLD, C.; DOYLE, D.; WIESEHOMEIER, N. "Presidents, policy compromise, and legislative success". The Journal of Politics, vol. 79, nº 2, p. 380-395, 2017.

BATISTA, M. "O mistério dos ministérios: a governança da coalizão no presidencialismo brasileiro". 202 f. Tese de Doutorado em Ciência Política, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

BATISTA, M. "Taking portfolios difference seriously: a composite measure based on policy, office, and budget in Brazil". Brazilian Political Science Review, São Paulo, vol. 11, nº 1, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198138212017000100501&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 mar. 2019.

BERRY, C. R.; GERSEN, J. E. "Agency design and political control". Yale Law Journal, vol. 126, nº 4, p. 1.002-1.049, fev. 2017.

BERTHOLINI, F.; PEREIRA, C. "Pagando o preço de governar: custos de gerência de coalizão no presidencialismo brasileiro". Revista de Administração Pública, vol. 51, nº 4, p. 528-550, ago. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, Centro de Estudos Jurídicos, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 17 out. 2017.

BRASIL. Biblioteca da presidência da República. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br. Acesso em: 17 out. 2017.

CAMERLO, M.; MARTÍNEZ-GALLARDO, C. (eds.). Government formation and minister turnover in presidential cabinets: comparative analysis in the Americas. New York: Routledge, 2017.

CAREY, J. Presidential versus parliamentary government. In: MENARD, C.; SHIRLEY, M. M. (eds.). Handbook of new institutional economics. Dordrecht: Springer, p. 91-93, 2005.

CEBRAP. “Bancos públicos”. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Coordenação: professora Argelina Figueiredo da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Iesp/Uerj).

CPDOC. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Disponível em: http://cpdoc.fgv.br. Acesso em: maio 2015.

CHAISTY, P.; CHEESEMAN, N.; POWER, T. "Rethinking the ‘presidentialism debate’: conceptualizing coalitional politics in cross-regional perspective". Democratization, vol. 21, nº 1, p. 72-94, ago. 2012.

COELHO, H.; LAMOUNIER, B.; GUERRA, R. “Nota de pesquisa: Mensurando saliência ministerial do presidente brasileiro (1990-2016)”. No prelo.

FLEURY, S. J. F. "Redes de proteção: incentivos, escolhas e comportamentos na política brasileira". 219 f. Tese de Doutorado em Ciência Política, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

FREITAS, A. M. "O presidencialismo da coalizão". 2013, 168 f. Tese de Doutorado em Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

GAMSON, W. "A theory of coalition formation". American Sociological Review, vol. 26, nº 3, p. 373382, jun. 1961.

GUJARATI, D. N. Econometrics by example. New York: Palgrave Macmillan, 2011.

HOWELL, W. G.; LEWIS, D. E. "Agencies by presidential design". Journal of Politics, vol. 64, nº 4, p. 1.095-1.114, 2002.

INÁCIO, M. Entre presidir e coordenar: presidência e gabinetes multipartidários no Brasil. Anais do III Congresso Latino-Americano de Ciência Política, p. 1-29, Campinas, 2006.

INÁCIO, M. "Coalition governments and the institutional development of the presidency in Brazil". Paper presented at special seminars, University of Oxford, Latin American Centre, 2012.

INÁCIO, M. Base de dados do projeto de pesquisa “Presidente e seus agentes: o Executivo por dentro”, coordenação: professora Magna Inácio do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

INÁCIO, M. Presidentially led coalitions. Portfolio allocation in Brazil. In: CAMERLO, M.; MARTÍNEZGALLARDO, C. (eds.). Government formation and minister turnover in presidential cabinets: comparative analysis in the Americas. Routledge Research on Social and Political Elites, p. 111-138, 2017.

INÁCIO, M.; LLANOS, M. "The institutional presidency in Latin America: a comparative analysis". Presidential Studies Quarterly, vol. 46, nº 3, p. 531-549, jul. 2016.

INÁCIO, M.; REZENDE, D. "Partidos legislativos e governo de coalizão: controle horizontal das políticas públicas". Opinião Pública, Campinas, vol. 21, nº 2, p. 296-335, 2015.

KIEWIET, D. R.; MCCUBBINS, M. D. The logic of delegation. Chicago: University of Chicago Press, 1991.

LAVER, M.; SHEPSLE, K. Making and breaking governments: government formation in parliamentary democracies. New York: Cambridge University Press, 1996.

LEWIS, D. E. The politics of presidential appointments: political control and bureaucratic performance. Princeton: Princeton University Press, 2008.

LEWIS, D. E.; MOE, T. M. The presidency and the bureaucracy: the levers of presidential control. In: NELSON, M. (ed.). The presidency and the political system. 10ª ed. Memphis: Rhodes College, 2014.

LEWIS, D. E.; SELIN, J. L. "Political control and the forms of agency independence". The George Washington Law Review, vol. 83, nº 4-5, p. 1.487-1.516, set. 2015.

LIMONGI, F.; FIGUEIREDO, A. "Bases institucionais do presidencialismo de coalizão". Lua Nova, nº 44, p. 81-106, 1998.

LINZ, J. J. Presidential or parliamentary democracy: does it make a difference? In: LINZ, J. J.; VENEZUELA, A. (eds.). The failure of presidential democracy: the case of Latin America. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1994.

LOUREIRO, M. R.; ABRUCIO, F. "Política e burocracia no presidencialismo brasileiro: o papel do Ministério da Fazenda no primeiro governo Fernando Henrique Cardoso". Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 14, nº 41, p. 69-89, 1999.

MAINWARING, S. "Presidentialism, multipartism, and democracy: the difficult combination". Comparative Political Studies, vol. 26, nº 2, p. 198-228, jul. 1993.

MARTÍNEZ-GALLARDO, C. "Designing cabinets: presidential politics and cabinet instability in Latin America". Working Paper of the Helen Kellogg Institute for International Studies, nº 375, p. 1-41, jan. 2011.

MARTÍNEZ-GALLARDO, C.; SCHLEITER, P. "Choosing whom to trust: agency risks and cabinet partisanship in presidential democracies". Comparative Political Studies, p. 231-264, vol. 48, nº 2, set. 2014.

MCCUBBINS, M. D.; NOLL, R. G.; WEINGAST, B. R. "Administrative procedures as instruments of political control". Journal of Law, Economics and Organization, vol. 3, nº 2, p. 243-277, 1987.

MILLER, G. J. "The political evolution of principal-agent models". Annual Review of Political Science, vol. 8, p. 203-225, jun. 2005.

MOE, T. The politicized press. In: CHUBB, J. E.; PETERSON, P. E. (eds.). The new directions in American politics. Washington: The Bookings Institution, 1985.

MULLER, W.; STROM, K. Coalition governments in Western Europe. Oxford: Oxford University Press, 2000.

PEREIRA, C., et al. "Watchdogs in our midst: how presidents monitor coalitions in Brazil’s multiparty presidential regime". Latin American Politics and Society, University of Miami, vol. 59, nº 3, p. 2747, 2017.

PRZEWORSKI, A. Sobre o desenho do Estado: uma perspectiva agente x principal. In: PEREIRA, L. C. B. G.; SPINK, P. K. Reforma do Estado e administração pública gerencial. 7ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

RAGSDALE, L.; THEIS III, J. J. "The institutionalization of the American presidency, 1924-92". American Journal of Political Science, vol. 41, nº 4, p. 1.280-1.318, 1997.

RAILE, E.; PEREIRA, C.; POWER, T. "Executive toolbox: building legislative support in a multiparty presidential regime". Textos para discussão, nº 235, Escola de Economia de São Paulo, 2010.

RUDALEVIGE, A.; LEWIS, D. E. "Parsing the politicized presidency: centralization, politicization, and presidential strategies for bureaucratic control". In: Annual Meeting and Exhibition of the American Political Science Association, Washington, DC. Annual Meeting Papers, Washington, D.C., 2005.

SCHMIDHEINY, K. Panel data: fixed and random effects. Short guides to microeconometrics. Unversität Basel, 2012.

SHAPIRO, S. P. "Agency theory". Annual Review Sociology, vol. 31, p. 263-284, 2005.

SHUGART, M. S.; CAREY, J. M. Presidents and Assemblies: constitutional design and electoral dynamics. New York: Cambridge University Press, ago. 1992.

THIES, M. F. "Keeping tabs on partners: the logic of delegation in coalition governments". American Journal of Political Science, vol. 45, nº 3, p. 580-598, jul. 2001.

VIEIRA, M. "Como o conflito de políticas do gabinete afeta a criação de burocracias públicas centralizadas na presidência?". Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Brasília, 2014.

VIEIRA, M. "Composição do gabinete e a criação de burocracias públicas centralizadas na presidência da República no Brasil". Dados – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, vol. 60, nº 1, p. 111144, mar. 2017. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/2053168019832089 e http://dx.doi.org/10.1590/001152582017116. Acesso em: 23 abr. 2019.

ZUCCO, C.; BATISTA, M.; POWER, T. J. “Measuring portfolio salience using the Bradley-Terry model: an illustration with data from Brazil”. Research & Politics, jan. 2019. Disponível em: doi:10.1177/2053168019832089. Acesso em: set. 2019.

ZUCCO, C.; POWER, T. “Brazilian Legislative surveys”. No prelo.

Downloads

Publicado

2019-10-07

Como Citar

GUERRA, R. Mudanças intraministeriais e gestão da coalizão: Brasil, de 1990 a 2014. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 25, n. 3, p. 630–659, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8658121. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos