Medo da violência e adesão ao autoritarismo no Brasil

proposta metodológica e resultados em 2017

Autores

Palavras-chave:

Autoritarismo, Brasil, Medo, Democracia

Resumo

O presente artigo examina o apoio da população brasileira a posições autoritárias e, de forma ampla, dialoga com as preocupações com os recentes rompimentos democráticos e o fortalecimento de posições antidemocráticas após 30 anos da Constituição Federal. Para tanto, foi realizado um levantamento com uma amostra representativa da população adulta a partir dos 16 anos. Foram entrevistadas 2.087 pessoas que responderam a uma versão de 17 itens da escala de autoritarismo de Adorno (Escala F). Os resultados indicam uma forte adesão às posições autoritárias em todos os estratos sociais, mas ainda mais intensas para segmentos sociais historicamente marginalizados. O medo da violência, que tem sido eficazmente explorado pelos porta-vozes da extrema direita política para o reforço do pânico moral, pode ter sido o propulsor das tendências autoritárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Sérgio de Lima, Fundação Getúlio Vargas

Fundação Getúlio Vargas, Departamento de Gestão Pública Eaesp. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Pesquisador do CNPq com Bolsa PQ. São Paulo (SP).

Paulo de Martino Jannuzzi, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ence/IBGE). Escola Nacional de Administração Pública. Pesquisador PQ/CNPq. Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

James F. Moura Junior, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). Redenção. Universidade Federal do Ceará (UFC). Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Fortaleza (CE), Brasil.

Damião S. de Almeida Segundo, Universidade Federal do Ceará

Universidade Federal do Ceará (UFC). Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Fortaleza (CE), Brasil.

Referências

ADORNO, S.; DIAS, C. N. Monopólio estatal da violência. In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. (orgs.). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, vol. 1, p. 187-197, 2014.

ADORNO, T. W., et al. The authoritarian personality. New York: Harper and Row, 1950.

BARROS, T. S.; TORRES, A. R. R.; PEREIRA, C. "Autoritarismo e adesão a sistemas de valores psicossociais". Psico-USF, vol. 1, nº 14, p. 47-57, jan.-abr. 2009.

BASTOS, R. M. B. "O papel dos testes padronizados na política educacional para ensino básico nos Estados Unidos". Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, vol. 26, nº 99, p. 418-444, 2018.

BERNAL, A. O. "El autoritarismo: enfoque psicológico". El Basilico, nº 13, p. 40-44, jun. 1982.

CÁRDENAS, M.; PARRA, L. "Adaptación y validación de la versión abreviada de la escala de autoritarismo de derechas (RWA) en una muestra chilena". Revista de Psicologia, vol. 1, nº 19, p. 61-79, 2010.

CROCHÍK, J. L. "Preconceito: relações com a ideologia e com a personalidade". Estudos de Psicologia, Campinas, vol. 22, nº 3, p. 307-319, 2005.

CROCHÍK, J. L. "Personalidade autoritária e pesquisa empírica com a escala F: alguns estudos brasileiros". Impulso, Piracicaba, vol. 27, nº 69, p. 49-64, 2017.

CODO, W. Relações de trabalho e transformação social. In: LANE, S. T. M.; CODO, W. (orgs.). Psicologia social: o homem em movimento. 13º ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

COSTA, A. B., et al. "Prejudice toward gender and sexual diversity in a Brazilian public university: prevalence, awareness, and the effects of education". Sexuality Research and Social Policy, vol. 12, nº 4, p. 261-272, 2015.

DIAS, D., et al. "O que se 'ensina' no ensino superior: avaliando conhecimentos, competências, valores e atitudes". Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, vol. 10, nº 29, p. 318-337, maio-ago. 2018.

ETCHEZAHAR, E. "Las dimensiones del autoritarismo: análisis de la escala de autoritarismo del ala de derechas (RWA) en una muestra de estudiantes universitarios de la ciudad de Buenos Aires". Psicologia Política, vol. 12, nº 25, p. 591-603, set.-dez. 2012.

FOA, R. S.; MOUNK, Y. "The democratic disconnect". Journal of Democracy, vol. 27, nº 3, jul. 2016.

FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública. “Medo da violência e apoio ao autoritarismo no Brasil”, Texto para discussão, nº 1, São Paulo, 2017.

FRENKEL-BRUNSWIK, E.; SANFORD, R. N. "Some personality factors in anti-semitism". The Journal of Psychology, vol. 20, nº 2, p. 271-291, 1945.

FROMM, E. O medo à liberdade. 14ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1983.

GROSFOGUEL, R. "A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI". Sociedade e Estado, vol. 31, nº 1, p. 25-49, 2016.

HORTA NETO, J. L.; JUNQUEIRA, R. D.; OLIVEIRA, A. S. "Do Saeb ao Sinaeb: prolongamentos críticos da avaliação da educação básica". Em Aberto, vol. 29, nº 96, p. 21-37, 2016.

JANNUZZI, P. M. "Eficiência econômica, eficácia procedural ou efetividade social: três valores em disputa na avaliação de políticas e programas sociais". Desenvolvimento em Debate, vol. 4, nº 1, p. 117-142, 2016.

LIMA, R. S. "Violence and public safety as a democratic simulacrum in Brazil". International Journal of Criminology and Sociology, vol. 7, p. 159-172, 2018.

MBEMBE, A. Políticas da inimizade. Lisboa: Antígona Editores Refractários, 2017.

MOURA JR., J. F.; XIMENES, V. M.; SARRIERA, J. C. "A construção opressora da pobreza no Brasil e suas consequências no psiquismo". Quaderns de Psicologia, vol. 16, nº 2, p. 85-93, 2014.

NARAYAN, D. Voices of the poor: can anyone hear us? World Bank Publication, 2000.

NOGUEIRA, O. "Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil". Tempo Social, vol. 19, nº 1, p. 287-308, 2007.

PALUCK, E. L.; GREEN, D. P. "Prejudice reduction: what works? A review and assessment of research and practice". Annual Review of Psychology, vol. 60, p. 339-367, 2009.

PINHEIRO, P. S. "Autoritarismo e transição". Revista USP, nº 45, 1991.

SALLES, M. M.; BARROS, S. "Inclusão social de pessoas com transtornos mentais: a construção de redes sociais na vida cotidiana". Ciência & Saúde Coletiva, vol. 18, nº 7, p. 2.129-2.138, 2013.

SCHWARTZMAN, S. Bases do autoritarismo brasileiro. Rio de Janeiro: Publit Soluções Editoriais, 2007.

SPRANDEL, M. A. A pobreza no paraíso tropical: interpretações e discursos sobre o Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

TAVARES, M. R., et al. "Construção e validação de uma escala de valores sociomorais". Cadernos de Pesquisa, vol. 46, nº 59, p. 186-210, jan.-mar. 2016.

TEIXEIRA, J. B.; POLO, A. "A personalidade autoritária: componentes e gênese psicológica". Arquivo Brasileiro de Psicologia Aplicada. Rio de Janeiro, vol. 27, nº 4, out.-dez. 1975.

Downloads

Publicado

2020-05-09

Como Citar

Lima, R. S. de ., Jannuzzi, P. de M. ., Moura Junior, J. F. ., & Segundo, D. S. de A. . (2020). Medo da violência e adesão ao autoritarismo no Brasil: proposta metodológica e resultados em 2017. Opinião Pública, 26(1), 34–65. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8659523

Edição

Seção

Artigos