Non causa pro causa

o voto de direita e esquerda no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Eleições, Ideologia, Sofisticação política, Comportamento eleitoral, Análise de survey

Resumo

A maioria dos estudos sobre o voto no Brasil converge no diagnóstico de que a escala direita-esquerda não está associada à escolha do eleitorado. Todavia, parte da literatura frequentemente ignora ou desafia tal consenso. Para resolver essa questão, este artigo replica e reanalisa dados de opinião pública utilizados por estudos como evidência de que o eleitorado votaria sim com base na escala direita-esquerda (1989- 2014). Os resultados indicam que tais estudos incorrem em equívocos metodológicos que invalidam suas conclusões. A associação estatística entre ideologia e voto é baixa de modo geral e apenas alta em um grupo reduzido de pessoas politicamente mais sofisticadas. Por fim, a análise de dados de painel não encontra evidência de que a associação indique uma relação causal mesmo entre os(as) mais sofisticado(as). Em suma, é preciso buscar novos horizontes na explicação do voto no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frederico Batista Pereira, Universidade da Carolina do Norte em Charlotte

Doutorado em Political Science pela Vanderbilt University. Professor Adjunto de Ciência Política e Administração Pública na Universidade da Carolina do Norte em Charlotte.

Referências

ACHEN, C.; BARTELS, L. Democracy for realists: why elections do not produce responsive government. Princeton: Princeton University Press, 2017.

ALDRICH, J.; MCKELVEY, R. “A method of scaling with applications to the 1968 and 1972 presidential elections”. The American Political Science Review, vol. 71, nº 1, p. 111-130, 1977.

ALMEIDA, A. “À esquerda dos números, à direita dos fatos”. Insight Inteligência, vol. 15, p. 113-128, 2001.

AMARAL, O.; RIBEIRO, P. “Por que Dilma de novo? Uma análise exploratória do Estudo Eleitoral Brasileiro de 2014”. Revista de Sociologia e Política, vol. 23, nº 56, p. 107-123, 2015.

AMES, B.; SMITH, E. “Knowing left from right: ideological identification in Brazil, 2002-2006”. Journal of Politics in Latin America, vol. 2, nº 3, p. 3-38, 2010.

AMES, B.; GARCÍA-SÁNCHEZ, M.; SMITH, A. E. “Keeping up with the Souzas: social influence and electoral change in a weak party system, Brazil 2002-2006”. Latin American Politics and Society, vol. 54, nº 2, p. 51-78, 2012.

AMES, B., et al. “The Brazilian Electoral Panel Studies (Beps): Brazilian public opinion in the 2010 presidential elections”. IDB Working Paper nº IDB-TN-508, 2013. Disponível em: https://publications.iadb.org/en/publication/12807/brazilian-electoral-panel-studies-beps. Acesso em: 4 jun. 2019.

BATISTA PEREIRA, F. ”Sofisticação política e opinião pública no Brasil: revisitando hipóteses clássicas”. Opinião Pública, vol. 19, nº 2, p. 291-319, 2013.

________. "Voto econômico retrospectivo e sofisticação política na eleição presidencial de 2002". Revista de Sociologia e Política, vol. 22, nº 50, p. 149-174, 2014.

BATISTA PEREIRA, F.; FUKS, M.; CASALECCHI, G. Sofisticação política e voto para presidente no Brasil. In: BONIFÁCIO, R.; CASALECCHI, G.; DEUS, C. (Org.). O voto para presidente no Brasil: 1989 a 2010, condicionantes e fatores explicativos. Curitiba: Íthala, 2014.

BONIFÁCIO, R.; CASALECCHI, G; SANDES-FREITAS, V. E. V. Ideologia e voto nas eleições presidenciais brasileiras. In: BONIFÁCIO, R.; CASALECCHI, G.; DEUS, C. (Org.). O voto para presidente no Brasil: 1989 a 2010, condicionantes e fatores explicativos. Curitiba: Íthala, 2014.

CARREIRÃO, Y. A decisão do voto nas eleições presidenciais brasileiras. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2002a.

________. “Identificação ideológica e voto para presidente”. Opinião Pública, vol. 8, nº 1, p. 54-79, 2002b.

________. “A eleição presidencial de 2002: uma análise preliminar do processo e dos resultados eleitorais”. Revista de Sociologia e Política, vol. 22, p. 179-194, 2004.

CARREIRÃO, Y. “Relevant factors for the voting decision in the 2002 presidential election: an analysis of the Eseb (Brazilian Electoral Study) data”. Brazilian Political Science Review, vol. 1, nº 1, p. 70-101, 2007.

CASTRO, M. “Determinantes do comportamento eleitoral – A centralidade da sofisticação política”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Iuperj, Rio de Janeiro, 1994.

CONVERSE. P. The nature of belief systems in mass publics. In: APTER, D. Ideology and discontent. New York: Free Press, 1964.

CULTURA POLÍTICA I. CESOP-DATAFOLHA/CEDEC/BRASL89. SET-00186 In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública, Unicamp, Campinas, 1989. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/421 . Acesso em: out. 2019.

CULTURA POLÍTICA III. CESOP-DATAFOLHA/CEDEC/BRASL90. MAR-00219. In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública, Unicamp, Campinas, 1990. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/458. Acesso em: out. 2019.

DOWNS, A. An economic theory of democracy. New York: Harper and Row, 1957. DRUCKMAN, J.; KAM, C. Students as experimental participants. In: DRUCKMAN, F., et al. (Org.). Cambridge handbook of experimental political science. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.

ESEB 2002. CESOP-FGV/BRASIL- 2002/NOV-01838. In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública, Unicamp, Campinas, 2002. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/1762. Acesso em: out. 2019.

ESEB 2006. CESOP-IPSOS/BRASIL–2006/NOV-02489. In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública, Unicamp, Campinas, 2006. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/1583. Acesso em: out. 2019.

ESEB 2010. CESOP-VOXPOPULI/BRASIL-2010/NOV-02639. In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública, Unicamp, Campinas, 2010. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/1583. Acesso em: out. 2019.

ESEB 2014. CESOP-IBOPE/BRASIL-2014/NOV-03928. In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública, Unicamp, Campinas, 2014. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/3716. Acesso em: out. 2019.

FUKS, M.; BATISTA PEREIRA, F. “Informação e conceituação: a dimensão cognitiva da desigualdade política entre jovens de Belo Horizonte”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 26, nº 76, p. 123- 143, 2011.

GRANGER, C. “Investigating causal relationships by econometric models and cross-spectral methods”. Econometrica, vol. 37, nº 3, p. 424-438, 1969.

HOLZHACKER, D.; BALBACHEVSKY, E. “Classe, ideologia e política: uma interpretação dos resultados das eleições de 2002 e 2006”. Opinião Pública, vol. 13, nº 2, p. 283-306, 2007.

HOWELL, S. “Candidates and attitudes: revisiting the question of causality”. The Journal of Politics, vol. 48, nº 2, p. 450-464, 1986.

IZUMI, M. “Ideologia, sofisticação política e voto no Brasil”. Opinião Pública, vol. 25, nº 1, p. 29-62, 2019.

KING, G. “Replication, replication”. PS: Political Science and Politics, vol. 28, nº 3, p. 444-452, 1995.

KING, G., et al. Designing social inquiry: scientific inference in qualitative research. New Jersey: Princeton University Press, 1994.

KROSNICK, J.; MILBURN, M. “Psychological determinants of political opinionation”. Social Cognition, vol. 8, nº 1, p. 49-72, 1990.

KROSNICK, J. A.; RAHN, W. "Attitude strength". Encyclopedia of Human Behavior 1.1, p. 279-289, 1994.

KUKLINSKI, J.; QUIRK, P. Reconsidering the rational public: cognition, heuristics, and mass opinion. In: LUPIA, A., et al. (Org.). Elements of reason: cognition, choice, and the bounds of rationality, 2000.

LAVINE, H., et al. “The moderating influence of attitude strength on the susceptibility to context effects in attitude surveys”. Journal of Personality and Social Psychology, vol. 72, nº 2, p. 359-373, 1998.

LENZ, G. “Learning and opinion change, not priming: reconsidering the priming hypothesis”. American Journal of Political Science, vol. 53, nº 4, p. 821-837, 2009.

LUSKIN, R. From denial to extenuation (and finally beyond): political sophistication and citizen performance. In: KUKLINSKI, J. (Org.). Thinking about political psychology. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

NICOLAU, J. “Determinantes do voto no primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras de 2010: uma análise exploratória”. Opinião Pública, vol. 20, nº 3, p. 311-325, 2014.

OLIVEIRA, C.; TURGEON, M. “Ideologia e comportamento político no eleitorado brasileiro”. Opinião Pública, vol. 21, nº 3, p. 574-600, 2015.

PIMENTEL, J.; RUSSO, G.; AVELINO, G. “Bolsonaro se diz de direita. E você?”. Jota, 31 out. 2019. Disponível em: https://www.jota.info/paywall?redirect_to=//www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/cepesp/bolsonaro-se-diz-de-direita-e-voce-31102019 . Acesso em: 1 out. 2019.

REIS, F. “Identidade, política e teoria da escolha racional”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 3, nº 6, p. 26-38, 1988.

________. “A razão do eleitor”. Folha de S. Paulo, Caderno de Resenhas, p. 3, 9 set. 2000a.

________. Política e racionalidade: problemas de teoria e método de uma sociologia crítica da política. UFMG, Belo Horizonte, 2000b.

REIS, F. W.; CASTRO, M. M. M. “Regiões, classe e ideologia no processo eleitoral brasileiro”. Lua Nova, vol. 26, p. 81-131, 1992.

REIS, F.; CASTRO, M. “Democracia, civismo e cinismo: um estudo empírico sobre normas e racionalidade”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 16, nº 45, p. 25-46, 2000.

RENNÓ, L. “Information and voting: microfoundations of accountability in complex electoral environments”. Tese de Doutorado em Ciência Política. University of Pittsburgh, Pittsburgh, 2004.

________. “Os militantes são mais informados? Desigualdade e informação política nas eleições de 2002”. Opinião Pública, vol. 12, nº 2, p. 329-347, 2006.

SCHLEGEL, R. “Educação e comportamento político: os retornos políticos decrescentes da escolarização brasileira recente”. Tese de Doutorado em Ciência Política. USP, São Paulo, 2010.

SILVA, T. “Para além de esquerda e direita: a multidimensionalidade das crenças no Brasil contemporâneo (1989-2014)”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

SINGER, A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro. São Paulo: Edusp, 1999.

SNIDERMAN, P.; BRODY, R.; TETLOCK, P. Reasoning and choice: explorations in political psychology. New York: Cambridge University Press, 1991.

SPINELLI, J. “A (im)pertinência da velha dicotomia: direita x esquerda”. Cronos, vol. 1, nº 2, p. 156- 158, 2000.

TELLES, H.; STORNI, T. “Ideologia e valores: o voto dos eleitores de direita e esquerda”. Revista Latinoamericana de Opinión Pública, vol. 1, nº 1, p. 87-146, 2011.

ZECHMEISTER. E. Left-right identifications and the Latin American voter. In: CARLIN, R., et al. (Org.), The Latin American voter: pursuing representation and accountability in challenging contexts. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2015.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

PEREIRA, F. B. . Non causa pro causa: o voto de direita e esquerda no Brasil. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 154–179, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8661047. Acesso em: 30 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos