O comportamento ideológico do PMDB na Câmara dos Deputados em 2013

Autores

Palavras-chave:

Ideologia, Esquerda, Direita, PMDB, Partidos políticos

Resumo

O artigo analisa o comportamento ideológico dos deputados federais do PMDB em 2013. Partimos do princípio de que a fixação do partido em apenas um ponto no continuum ideológico é incapaz de captar a sua heterogeneidade. Para alcançar o objetivo proposto, apresentamos uma metodologia diferenciada. Projetos de lei foram classificados a partir da análise de seu conteúdo com base em um quadro de sentidos construído a partir de pronunciamentos dos próprios parlamentares. De modo geral, os resultados confirmam tendência já esboçada pela literatura, ou seja, que o PMDB ocupa posição de centro. Contudo, neste artigo, demonstramos importantes variações à esquerda e à direita no espectro. Nesse sentido, o principal achado do artigo é que, ainda que a sigla possa ser classificada em um ponto específico no espectro ideológico, esse ponto não pode ser visto de forma essencialista, pois apresenta variações importantes que precisam ser consideradas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca de Freitas Linhares, Universidade Federal de Pelotas

Doutorado em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É Professora Adjunta do Departamento de Sociologia e Política e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal de Pelotas.

Daniel de Mendonça, Universidade Federal de Pelotas

Doutorado em Política (Ciência Política) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor Associado em Sociologia e Política da Universidade Federal de Pelotas.

Carolina Costa dos Santos, Universidade Federal de Pelotas

Doutorado em andamento em Ciência Política Universidade Federal de Pelotas.

Lucas Garcia da Silva, Universidade Federal de Pelotas

Mestrado em andamento em Ciência Política pela Universidade Federal de Pelotas.

Simone Muniz Puyo, Universidade Federal de Pelota

Graduação em andamento em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas.

Referências

ALVES, M. H. M. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Bauru: Edusc, 2005.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. 2ª ed. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. “Discursos e Debates - Banco de Discursos (online)”. Brasil, 2017. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/discursos-e-notas-taquigraficas . Acesso em: 4 abr. 2018.

________. “Bancada na Eleição (online)”. Brasil, 2018a. Disponível em: https://www.camara.leg.br/deputados/bancada-na-eleicao. Acesso em: 19 abr. 2018.

________. “Glossário (online)”. Brasil, 2018b. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/glossário. Acesso em: 11 nov. 2018.

________. “Pesquisa Avançada (online)”. Brasil, 2018c. Disponível em: https://www.camara.leg.br/buscaProposicoesWeb/pesquisaAvancada. Acesso em: 11 nov. 2018.

CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. “Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo”. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, vol. 15, nº 4, p. 679-684, 2006.

DAMIN JR., C. “Migração partidária na Câmara dos Deputados em 2013”. Em Debate, Belo Horizonte, vol. 7, nº 1, p. 33-49, 2015.

DUVERGER, M. Os partidos políticos. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

________. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

KINZO, M. D. Partidos, deputados estaduais e a dimensão ideológica. In: KINZO, M. D.; BRAGA, M. S. (Org.). Eleitores e representação partidária no Brasil. São Paulo: Humanitas, p. 139-158, 2007.

KUBRUSLY, L. S. “Um procedimento para calcular índices a partir de uma base de dados multivariados”. Pesquisa Operacional, Rio de Janeiro, vol. 21, nº 1, p. 107-117, 2001.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemony and socialist strategy: towards a radical democratic politics. London: Verso, 1985.

________. Post-marxism without apologies. In: LACLAU, E. New reflections on the revolution of our time. London: Verso, p. 97-132, 2000.

LAMEIRA, R. F.; PERES, P. “O lugar do PMDB na política brasileira: o limite das tipologias partidárias”. Anais do I Seminário Internacional de Ciência Política, Porto Alegre, 2015.

LEONI, E. “Ideologia, democracia e comportamento parlamentar: a Câmara dos Deputados (1991- 1998)”. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 45, nº 3, p. 361-386, 2002.

LIMONGI, F.; FIGUEIREDO, A. “Partidos políticos na Câmara dos Deputados: 1989-1994”. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 38, nº 3, p. 497-525, 1995.

MAINWARING, S.; MENEGUELLO, R.; POWER, T. Partidos conservadores no Brasil contemporâneo: quais são, o que defendem, quais são suas bases. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

MARTINS, S. A. “A migração partidária na Câmara dos Deputados entre 1995 e 2015”. Revista Política, Estratégia e Gestão, Brasília, vol. 1, nº 1, p. 1-9, 2015.

MELO, P. “O PMDB e a sua manutenção no centro do jogo político: de catch all a cartel”. Belo Horizonte. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

MICHELS, R. Sociologia dos partidos políticos. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1982.

MOREIRA, D. C. “Com a palavra os nobres deputados: frequência e ênfase temática dos discursos dos parlamentares brasileiros”. São Paulo. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

O GLOBO. “PMDB aprova mudança de nome e passa a ser chamado MDB” (online), 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/pmdb-aprova-mudanca-de-nome-e-passa-a-ser-chamado-mdb.ghtml. Acesso em: 27 nov. 2018.

OLIVEIRA, A. N. C. “Organização e ideologia nos partidos da América Latina: uma aproximação da hipótese de Michels”. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 62, nº 1, e20160258, 2019.

PINTO, C. R. J. “Elementos para uma análise de discurso político”. Barbarói, Santa Cruz do Sul, nº 24, p. 78-109, 2006.

PMDB. Programa Partidário (online), 2012. Disponível em: http://mdbsp.org.br/programa-partidario/ . Acesso em: 8 jan. 2018.

POWER, T.; ZUCCO JR., C. “Estimating ideology of Brazilian legislative parties, 1990-2005: a research communication”. Latin American Research Review, Baltimore, vol. 44, nº 1, p. 219-246, 2009.

RODRIGUES, L. M. Partidos, ideologia e composição social: um estudo das bancadas partidárias na Câmara dos Deputados. São Paulo: Edusp, 2002a.

________. “Partidos, ideologia e composição social”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 17, nº 48, p. 31-47, 2002b.

SARTORI, G. Partidos e sistemas partidários. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1982. TAROUCO, G. S. “Esquerda e direita no sistema partidário brasileiro: notas de pesquisa”. Anais do I Seminário Nacional de Ciência Política da UFRGS, Porto Alegre, 2008.

TAROUCO, G. S.; MADEIRA, R. M. “Partidos, programas e o debate sobre esquerda e direita no Brasil”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 21, nº 45, p. 149-165, 2013.

TSE. “Eleições anteriores (online)”. Brasil, 2018. Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleitor-e-eleicoes/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-anteriores . Acesso em: 4 abr. 2018.

ZUCCO JR., C. “Ideology or what? Legislative behavior in multiparty presidential settings”. The Journal of Politics, Chicago, vol. 71, nº 3, p. 1.076-1.092, 2009a.

ZUCCO JR., C. “Esquerda, direita e governo: a ideologia dos partidos políticos brasileiros”. Anais do Seminário Legislators Views, New Brunswick, 2009b

Downloads

Publicado

2020-06-26

Como Citar

LINHARES, B. de F.; MENDONÇA, D. de .; SANTOS, C. C. dos .; SILVA, L. G. da; PUYO, S. M. . O comportamento ideológico do PMDB na Câmara dos Deputados em 2013. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 180–216, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8661049. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos