Disputa eleitoral e representação política na Região Metropolitana de São Paulo

Autores

Palavras-chave:

Disputa eleitoral, Representação política, Governança metropolitana, Número de candidatos efetivos, Índice T

Resumo

Este artigo analisa como a dinâmica política de representação pode se traduzir em obstáculos para a mobilização de atores políticos do Legislativo em torno de uma agenda metropolitana. Seu objetivo é verificar a representatividade dos deputados de base metropolitana na Assembleia Legislativa de São Paulo e caracterizar a disputa eleitoral nos municípios paulistas a partir de dois indicadores: um de concentração (número efetivo de candidatos) e um de competitividade (índice T). Os resultados apontam que os deputados metropolitanos paulistas não são subrepresentados na Assembleia e a disputa eleitoral nos municípios metropolitanos tende a ser menos concentrada, com um “efeito metrópole” sobre a concentração da disputa, mas não necessariamente mais competitiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frederica Valle de Queiroz Padilha, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorado em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

AMES, B. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2003.

ATLAS DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DO BRASIL DE 2010. “PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento”. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/ . Acesso em: maio 2016.

AVELINO, G.; BIDERMAN, C.; SILVA, G. “A concentração eleitoral nas eleições paulistas: medidas e aplicações”. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 54, nº 2, p. 319-347, 2011.

AYDOS, E. D. O voto distrital e o aperfeiçoamento da democracia representativa no Brasil. Mimeo, Porto Alegre, 1979.

CARVALHO, N. R. E no início eram as bases: geografia política do voto e comportamento legislativo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2003.

_______. “Geografia política das eleições congressuais: a dinâmica de representação das áreas urbanas e metropolitanas no Brasil”. Cadernos Metrópole, São Paulo, vol. 11, nº 22, p. 367-384, jul.-dez. 2009.

_______. Geografia política das eleições congressuais: a dinâmica da representação das áreas urbanas e metropolitanas do Brasil. In: AZEVEDO, S.; RIBEIRO, L. C. Q.; SANTOS JUNIOR, O. A. (Org.). Cultura política, cidadania e voto: desafios para governança metropolitana. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012.

CARVALHO, N. R.; CORRÊA, F. S. É possível o paroquialismo metropolitano? Organização socioespacial metropolitana e a competitividade por votos nas eleições proporcionais na RMRJ. In: AZEVEDO, S.; RIBEIRO, L. C. Q.; SANTOS JUNIOR, O. A. (Orgs.). Cultura política, cidadania e voto: desafios para governança metropolitana. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012.

CARVALHO, N. R.; RIBEIRO, L. C. Q. “Représentation et atrophie politiques des métropoles: le cas du Brésil”. Sociologie et Sociétés, vol. 45, n° 2, p. 293-319, 2013.

DAHL, R. Polyarchy: participation and opposition. Yale University Press: New Haven, 1971.

DIAS, J. L. M. Legislação eleitoral e padrões de competição político-partidária. In: LIMA JR., O. (Org.). Sistema eleitoral brasileiro: teoria e prática. Rio de Janeiro: Iuperj/Rio Fundo Editora, p. 65-98, 1991.

DUVERGER, M. Les partis politiques. Paris: Armand Colin, 1951. FERNANDES, E. Apresentação. In: Gouvêa, R. A questão metropolitana no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Política orçamentária no presidencialismo de coalizão. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2008.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

LAAKSO, M.; TAAGEPERA, R. “Effective number of parties: a measure with application to West Europe”. Comparative Political Studies, vol. 12, p. 3-27, Apr. 1979.

LAMOUNIER, B. “A representação proporcional no Brasil: mapeamento de um debate”. Revista de Cultura e Política, São Paulo, nº 7, 1982. LIPSET, S. M. O homem político. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

NICOLAU, J. M.; SCHMITT, R. A. “Sistema eleitoral e sistema partidário”. Lua Nova, Rio de Janeiro, nº 36, p. 129-147, 1995.

NUNES, E.; CHAIA, V.; SANCHES, F. Cultura política e valores de cidadania na Região Metropolitana da São Paulo. In: AZEVEDO, S.; RIBEIRO, L. C. Q.; SANTOS JUNIOR, O. A. (Org.). Cultura política, cidadania e voto: desafios para governança metropolitana. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012.

OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES. “Geografia do voto para deputados estaduais nas áreas intraurbanas da Região Metropolitana de São Paulo”. Relatório do projeto de pesquisa Localismos, Geografia Social do Voto e Governança Metropolitana. Rio de Janeiro, 2011 (não publicado).

_______. “Arranjos Institucionais para a gestão metropolitana”. Relatório de Pesquisa, 2009. Disponível em: http://www.observatoriodasmetropoles.ufrj.br/relatorio_arranjos_gestao_metropolitana.pdf . Acesso em: 13 maio 2016.

PADILHA, F. V. Q.; RIBEIRO, L. C. Q.; CARVALHO, N. “Representação política e governança na Região Metropolitana de São Paulo”. Anais Congresso Observatório das Metrópoles 20 Anos. Rio de Janeiro: IPPUR – UFRJ, 2019.

RIBEIRO, L. C. Q. As metrópoles e a sociedade brasileira: futuro comprometido? In: RIBEIRO, L. C. (Org). Metrópoles: entre a coesão e a fragmentação, a cooperação e o conflito. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2004.

SAMUELS, D. Ambition, federalism, and legislative politics in Brazil. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

SILVA, G. P. “Uma avaliação empírica da competição eleitoral para a Câmara Federal no Brasil”. Opinião Pública, Campinas, vol. 19, nº 2, nov. 2013.

SOARES, G. A. D. “Desigualdades eleitorais no Brasil”. Revista de Ciência Política, vol. 7, nº 1, p. 25-48, 1973.

_______. A democracia interrompida. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001. TAAGEPERA, R. “Inequality, concentration, imbalance”. Political Methodology, p. 275-291, 1979.

Downloads

Publicado

2020-05-13

Como Citar

PADILHA, F. V. de Q. . Disputa eleitoral e representação política na Região Metropolitana de São Paulo. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 217–245, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8661070. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos