É a política… A efetividade das conferências e seus mecanismos causais

Autores

Palavras-chave:

Conferências nacionais, Educação, Financiamento, Efetividade, Instituições participativas

Resumo

O artigo apresenta estudo de caso em profundidade da Conferência Nacional de Educação (Conae), realizada em 2010, e sua incidência sobre o modelo de financiamento do Plano Nacional de Educação 2014/2024 (Lei nº 13.005). A Conae pode ser considerada caso de sucesso na incidência sobre a política setorial, porquanto o modelo de financiamento das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) e seu instrumento – Custo Aluno-Qualidade inicial – ganharam o status de lei contra as preferências de Poder Executivo federal, com base de sustentação majoritária no Congresso, ampliando as responsabilidades financeiras supletivas da União e viabilizando sua exigibilidade. O propósito do artigo é identificar e descrever o funcionamento dos mecanismos causais que operaram traduzindo as diretrizes da conferência em produção legislativa. Argumenta-se que é a política, ou melhor, os mecanismos causais ativados regularmente por atores políticos – e não as propriedades do desenho institucional das conferências e da participação que nelas acontece –, o que explica a incorporação das diretrizes em projetos de lei e, eventualmente, na produção legislativa. Na literatura, as Conferências ganharam centralidade porque foram identificadas como caso de notável efetividade da participação além dos canais eleitorais em escala macro devido a sua capacidade de informar a produção legislativa. Tal conexão restou estabelecida, mas não adequadamente esclarecida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Vick, Centro de Análise e Planejamento, Núcleo Democracia e Ação Coletiva

Membro do Centro de Análise e Planejamento, Núcleo Democracia e Ação Coletiva. São Paulo (SP), Brasil. 

Adrian Gurza Lavalle, Universidade de São Paulo

Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Professor Associado em Ciência Política da Universidade de São Paulo.

Referências

ALMEIDA, D. C. R. “Representação política e conferências: os desafios da inclusão da pluralidade”. Texto para Discussão, nº 1750. Brasília: Ipea, 2012.

_________. Representação política e conferências: estabelecendo uma agenda de pesquisa. In: AVRITZER, L.; SOUZA, C. H. L. Conferências nacionais: atores, dinâmicas participativas e efetividade. Brasília: Ipea, 2013.

_________. “Pluralização da representação política e legitimidade democrática: lições das instituições participativas no Brasil”. Opinião Pública, vol. 20, nº 1, p. 96-117, 2014.

_________. Representação além das eleições: repensando as fronteiras entre o Estado e a sociedade. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

_________. “Os desafios da efetividade e o estatuto jurídico da participação: a política nacional de participação social”. Sociedade e Estado, vol. 32, nº 3, p. 649-680, 2017.

ARAÚJO, L.; CARA, D. Por que 7% do PIB para educação é pouco? (online). Campanha Nacional pelo Direito à Educação, 17 ago. 2011. Disponível em: https://campanha.org.br/acervo/nota-tecnica-por-que-7-do-pib-para-a-educacao-e-pouco-calculo-dos-investimentos-adicionais-necessarios-para-o-novo-pne-garantir-um-padrao-minimo-de-qualidade/. Acesso em: 15 dez. 2020.

AVRITZER, L. “New public spheres in Brazil: local democracy and deliberative politics”. International Journal of Urban and Regional Research, vol. 30, p. 623-637, 2006.

_________. “Conferências nacionais: ampliando e redefinindo os padrões de participação social no Brasil”. Texto para Discussão nº 1739. Rio de Janeiro: Ipea, 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 8, 5 de maio de 2010. Estabelece normas para aplicação do inciso IX do artigo 4º da Lei nº 9.394/96 (LDB), que trata dos padrões mínimos de qualidade de ensino para a Educação Básica pública. Brasília, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=5063- parecercne-seb8-2010&Itemid=30192. Acesso em: em: 12 abr. 2017.

_________. Câmara dos Deputados. Requerimento de informação nº 287, 14 de março de 2011. Ao Ministro de Estado da Educação. Brasília, 2011a. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=848238&filename=RIC+287/2011. Acesso em: 15 dez. 2020.

_________. Ministério da Educação. O PNE 2010-2020: metas e estratégias. Nota técnica. Brasília, 2011b. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/pdf/notas_tecnicas_pne_2011_2020.pdf. Acesso em: em: 15 dez. 2020.

_________. Câmara dos Deputados. Ata da 5ª Reunião da Comissão Especial do PL 8035, de 2010. 2011c. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-temporarias/especiais/54a-legislatura/pl-8035-10-plano-nacional-de-educacao/arquivos?b_start:int=90. Acesso em:15 dez. 2020.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Sugestões de emendas das entidades ao PL 8.035/2010. Brasília, s.d. 2011d. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-temporarias/especiais/54a-legislatura/pl-8035-10-plano-nacional-de-educacao/documentos/outros-documentos/sugestoes. Acesso em: 15 dez. 2020.

_________. Recurso contra apreciação conclusiva de comissão (art. 58, §1º, c/c 132. §2º do RICD). Brasília, 23 de junho de 2012a. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1018116&filena me=REC+162/2012+%3D%3E+PL+8035/2010. Acesso em: 2 abr. 2017

_________. Requerimento nº 6070, de 2012. Requer a retirada de tramitação do Recurso nº 162, de 2012, apresentado contra a apreciação conclusiva, pelas Comissões, do PL n° 8.035, de 2010. Apresentação: 4 set. 2012. Brasília. 2012b. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=554476>. Acesso em: em: 23 abr. 2017

_________. Lei nº 13.005, de 5 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 2 abr. 2017.

CARREIRA, D.; PINTO, J. M. R. Custo aluno-qualidade inicial: rumo à educação pública de qualidade no Brasil. São Paulo: Global: Campanha Nacional pelo Direito à Educação, 2007.

CORTES, S. M. V.; SILVA, M. K. “Sociedade civil, instituições e atores estatais: interdependências e condicionantes da atuação de atores sociais em fóruns participativos”. Estudos de Sociologia, São Paulo, vol. 29, p. 425-445, 2010.

DEREK, B.; PEDERSEN, R. B. Process-tracing methods: foundations and guidelines. Michigan: University of Michigan Press, 2016.

ELSTER, J. “A note on hysteresis in the social sciences”. Synthese, vol. 33, nº 2/4, p. 371-391, 1976.

_________. A plea of mechanisms. In: HEDSTRÖM, P.; SWEDBER, R. (Eds.). Social mechanisms: an analytical approach to social theory (Studies in Rationality and Social Change). Cambridge University Press, p. 45-75, 1998.

FARIA, C. F.; LINS, I. L. Participação e deliberação nas conferências de saúde: do local ao nacional. In: AVRITZER, L.; SOUZA, C. H. L. (orgs.). Conferências nacionais: atores, dinâmicas participativas e efetividades. Brasília: Ipea, p. 73-94, 2013.

FÓRUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Portaria do Ministério da Educação nº 1407, de 14 de dezembro de 2010. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/pdf/legislacao/portaria_1407_14122010.pdf. Acesso em: 17 abr. 2017.

_________. 1ª Nota à Sociedade Brasileira e ao Congresso Nacional. Brasília, 29 de março de 2011. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/notas/Formatadas/1%20Nota%20Pblica.pdf. Acesso em: 17 abr. 2017.

FUNG, A.; WRIGHT, E. O. Deepening democracy: institutional innovation in empowered participatory governance. In: FUNG, A.; WRIGHT, E. O. (Eds.). Deepening democracy: institutional innovation in empowered participatory governance. London: Verso, p. 3-43, 2003.

GAVENTA, J. “Triumph, deficit or contestation: deepening the ‘Deepening Democracy’ debate”. Institute of Development Studies, Brighton, nº 264, 2006.

GERRING, J. “Causal mechanisms: yes, but…”. Comparative Political Studies, vol. 43, nº 11, p. 1.499-1.526, 2010.

GOERTZ, G.; MAHONEY, J. A tale of two cultures: qualitative and quantitative research in the social sciences. New Jersey: Princeton University Press, 2012.

GURZA LAVALLE, A. Participação: valor, utilidade, efeitos e causa. In: PIRES, R. (Org.). Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, vol. 7, p. 33-42, 2011.

GURZA LAVALLE, A.; ROMÃO, W; ZAREMBERG, G. “Partidos políticos e innovación democrática: más allá de purezas y perversiones”. Revista Mexicana de Ciencias Políticas y Sociales, vol. 1, p. 21-54, 2014.

GURZA LAVALLE, A.; SZWAKO, J. “Origens da política nacional de participação social: entrevista com Pedro Pontual”. Novos Estudos, Cebrap, vol. 99, p. 91-104, 2014.

_________. “Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate”. Opinião Pública, vol. 21, p. 157-187, 2015.

GURZA LAVALLE, A., et al. Movimentos sociais, institucionalização e domínios de agência. In: GURZA LAVALLE, A., et al. (orgs.). Movimentos sociais e institucionalização: políticas sociais, raça e gênero no Brasil pós-transição. Rio de Janeiro: Iesp/Eduerj/CEM, p. 21-87, 2019.

HABERMAS, J. “Soberania popular como procedimento: um conceito normativo de espaço público”. Novos Estudos, Cebrap, vol. 26, p. 100-113, 1990.

_________. Between facts and norms: contributions to a discourse theory of law and democracy. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1992.

HASS, P. M. “Introduction: epistemic communities and international policy coordination”. International Organization, vol. 46, nº 1, p. 1-35, 1992.

HEDSTRÖM, P; SWEDBER, R. Social mechanisms: an introductory essay. In: HEDSTRÖM, P.; SWEDBER, R. (Eds.). Social mechanisms: an analytical approach to social theory (Studies in rationality and social change). Cambridge: Cambridge University Press, p. 1-32, 1998.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. “Financiamento da educação: necessidades e possibilidades”. Comunicado Ipea nº 124, de dezembro de 2011. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/111214_comunicadoipea1 24.pdf. Acesso em: 22 mar. 2017.

MAHONEY, J. “Beyond correlational analysis: recent innovations in theory and method”. Sociological Forum, vol. 16, nº 3, p. 575-593, 2001.

MANSBRIDGE, J., et al. A systemic approach to deliberative democracy. In: PARKINSON, J.; MANSBRIDGE, J. (Eds.). Deliberative systems. Cambridge: Cambridge University Press, p. 1-26, 2012.

MARQUES, E. C. “Os mecanismos relacionais”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 22, p. 1-18, 2007.

MAYNTZ, R. “Mechanisms in the analysis of social macro-phenomena”. Philosophy of the Social Sciences, vol. 34, nº 2, p. 237-259, 2004.

MCADAM, D. Conceptual origins, current problems, future directions. In: MCADAM, D.; MCCARTHY, J. D.; ZALD, M. N. (Eds.). Comparative perspectives on social movements: political opportunities, mobilizing structures, and cultural framings. Cambridge: Cambridge University Press, p. 23-40, 1996.

NOBRE, M. Participação e deliberação na teoria democrática: uma introdução. In: VERA SCHATTAN, P. C.; NOBRE, M. (orgs.). Participação e deliberação: teoria democrática e experiências institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: Editora 34, p. 21-40, 2004.

PETINELLI E SILVA, V. “Atores e sua capacidade de influência nas políticas setoriais a partir de conferências nacionais”. Revista de Sociologia e Política, vol. 26, nº 68, 2018.

PIRES, R. R. C. “Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação”. Brasília: Ipea, 2011.

PIRES, R. R. C.; VAZ, A. C. N. Participação faz diferença? Uma avaliação das características e efeitos da institucionalização da participação nos municípios brasileiros. In: AVRITZER, L. A dinâmica da participação local no Brasil. São Paulo: Ipea/Cortez, p. 253-304, 2010.

POGREBINSCHI, T. “Participação como representação: o impacto das conferências e dos conselhos nacionais na formulação e execução de políticas públicas”. Iesp/Ministério da Justiça, Relatório de pesquisa, 2010.

_________. “The squared circle of participatory democracy: scaling up deliberation to the national level”. Critical Policy Studies, vol. 7, nº 3, p. 219-241, 2013.

POGREBINSCHI, T.; RYAN, M. “Moving beyond input legitimacy: when do democratic innovations affect policy making?”. European Journal of Political Research, vol. 57, nº 1, p. 135-152, 2018.

POGREBINSCHI, T.; SAMUELS, D. “The impact of participatory democracy: evidence from Brazil’s national public policy conferences”. Comparative Politics, vol. 46, nº 3, p. 313-332, 2014.

POGREBINSCHI, T.; SANTOS, F. “Participação como representação: o impacto das conferências nacionais de políticas públicas no Congresso Nacional”. Dados, vol. 54, nº 3, p. 259-305, 2011.

PORTO DE OLIVEIRA, O. “Mecanismos da difusão global do Orçamento Participativo: indução internacional, construção social e circulação de indivíduos”. Opinião Pública, vol. 22, p. 1-31, 2016.

ROMÃO, W. M. “O eclipse da ‘sociedade política’ nos estudos sobre o orçamento participativo”. BIB: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, vol. 70, p. 121-144, 2010.

_________. “Conselheiros do Orçamento Participativo nas franjas da sociedade política”. Lua Nova, vol. 84, p. 219-244, 2011.

_________. “Busca do sentido político de processos participativos: uma tipologia das conferências nacionais de políticas públicas no Brasil”. In: Latin American Studies Association Congress, Political Institutions and Processes, San Juan, Puerto Rico, 27-30 maio 2015.

ROMÃO, W. M.; GURZA LAVALLE, A.; ZAREMBERG, G. Political intermediation and public policy in Brazil: councils and conferences in the policy spheres of health and women’s rights. In: ZAREMBERG, G.; GUARNEROS-MEZA, V.; GURZA LAVALLE, A. (orgs.). Intermediation and representation in Latin America: actors and roles beyond elections. London: Palgrave Macmillan, p. 31-51, 2017.

SANTOS, B. S.; AVRITZER, L. Para ampliar o cânone democrático. In: SANTOS, B. S. (Eds.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p. 39-80, 2002.

SINTOMER, Y.; HERZBERG, C.; RÖCKE, A. Les budgets participatifs en Europe: des services publics au service du public. Recherches: Paris, 2008.

SKOCPOL, T. Protecting soldiers and mothers: the political origins of social policy in the United States. Cambridge, MA: Harvard University Press, p. 1-62, 1992.

SMITH, H. L. “Effects of causes and causes of effects: some remarks from the sociological side”. Sociological Methods & Research, vol. 43, nº 3, p. 406-415, 2014.

SORENSEN, B. A. Theoretical mechanisms and empirical study of social processes. In: HEDSTRÖM, P.; SWEDBER, R. (Eds.). Social mechanisms: an analytical approach to social theory (Studies in rationality and social change). Cambridge: Cambridge University Press, p. 238-265, 1998.

SOUZA, C. “Governos locais e gestão de políticas sociais universais”. São Paulo em Perspectiva, vol. 18, nº 2, p. 27-41, 2004.

SOUZA, C. H. L. “Partilha de poder decisório em processos participativos nacionais”. Brasília, 2008. Dissertação de mestrado em ciência política. Universidade de Brasília, 2008.

_________. “A que vieram as conferencias nacionais? Uma análise dos objetivos dos processos realizados entre 2003 e 2010”. Texto para discussão nº 1718. Rio de Janeiro, 2012.

SOUZA, C. H. L., et al. Conferências típicas e atípicas: um esforço de caracterização do fenômeno político. In: AVRITZER, L.; SOUZA, C. H. L. (Orgs.). Conferências nacionais: atores, dinâmicas participativas e efetividades. Brasília: Ipea, p. 25-52, 2013.

SOUZA, L. A. M. “Orçamento Participativo e as novas dinâmicas políticas locais”. Lua Nova, nº 84, p. 245-285, 2011.

TARROW, S. Power in movement: social movements and contentious politics. Cambridge Studies in Comparative Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

TEIXEIRA, A. C. C.; SOUZA, C. H. L.; LIMA, P. P. F. “Arquitetura da participação no Brasil: uma leitura das representações políticas em espaços participativos nacionais”. Texto para discussão nº 1735. Rio de Janeiro, 2012.

VAZ, A.; PIRES, R. “Participação social como método de governo? Um mapeamento das ‘interfaces socioestatais’ nos programas desenvolvidos pelo governo federal”. Texto para discussão nº 1707. Brasília: Ipea, 2011.

VICK SENA, F. “Conferências nacionais de educação e as dinâmicas participativas na Lei nº 13.005/2014”. Dissertação de mestrado em direito do Estado. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

ZAREMBERG, G.; GURZA LAVALLE, A.; GUARNEROS-MESA, V. Introduction: beyond elections: representation circuits and political intermediation. In: ZAREMBERG, G.; GUARNEROS-MESA, V.; GURZA LAVALLE, A. (orgs.). Intermediation and representation in Latin America: actors and roles beyond elections. London: Palgrave, 2017.

ZAREMBERG, G.; MUÑOZ, M. A. Participación, representación y conflicto local en América Latina. México: Flacso, 2013.

ZITTEL, T. Participatory democracy and political participation. In: ZITTEL, T.; FUCHS, D. (Eds.). Participatory democracy and political participation: can participatory engineering bring citizens back in? Abingdon: Routledge, 2007.

Downloads

Publicado

2021-01-08

Como Citar

VICK, F. .; LAVALLE, A. G. . É a política… A efetividade das conferências e seus mecanismos causais. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 26, n. 3, p. 556–586, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8663884. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos