Rememoração e retrotopia

Folha de S. Paulo e O Globo na cobertura dos 55 anos do golpe de 1964

Autores

Palavras-chave:

Nostalgia, Golpe de 1964, Jornalismo, O Globo, Folha de S. Paulo

Resumo

Este artigo analisa como dois dos principais veículos da grande imprensa brasileira, O Globo e Folha de S. Paulo, abordaram o aniversário de 55 anos do golpe civilmilitar de 1964. Parte-se de referencial teórico sobre memória e nostalgia e da análise de conteúdo aplicada às narrativas jornalísticas publicadas entre 26 de março e 2 de abril de 2019 para responder às seguintes questões: Houve nostalgia nas narrativas de atores políticos em relação à ditadura? Como as narrativas jornalísticas abordaram esse sentimento e se posicionaram sobre isso? Os resultados indicam a existência de memórias em disputa referentes à ditadura, o que se evidencia na fala de diversos atores. Muito embora os veículos não se alinhem com o sentimento nostálgico, a retrotopia foi identificada em 45% das declarações das fontes e o presidente Jair Bolsonaro foi o principal personagem dos textos jornalísticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Nalon Sanglard, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutorado em Comunicações pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Lucia Santa Cruz, Universidade Federal Fluminense

Doutorado em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. Professor da Universidade Federal Fluminense.

Juliana Gagliardi, Universidade Federal Fluminense

Doutorado em Comunicaão pela Universidade Federal Fluminense. Professora da Universidade Federal Fluminense.

Referências

APPADURAI, A. Modernity at large: cultural dimensions of globalization. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2008.

BAUMAN, Z. Retrotopia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, e-book (kindle), 2017.

BOYM, S. The future of nostalgia. New York: Basic Books, 2001.

COELHO, P. “Fui torturado pela ditadura. É isso que Bolsonaro quer celebrar?”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 1º de abril de 2019. Poder, p. A.6.

DIAS, A. B. O presente da memória: usos do passado e as (re)construções de identidade da Folha de S. Paulo, entre o “golpe de 1964” e a “ditabranda”. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

ÉBOLI, E. “Após ordem de silêncio, general fica à vontade entre comando do exército”. O Globo, p. 9, 2 abr. 2011.

FERNANDES, T.; URIBE, G. “Bolsonaro determinou 'comemorações devidas' do golpe de 1964, diz porta-voz” (online). Folha de S. Paulo, 25 mar. 2019. Disponível em:

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/03/bolsonaro-determinou-comemoracoes-devidas-dogolpe-de-1964-diz-porta-voz.shtml. Acesso em: 15 jan. 2020.

FICO, C. O golpe de 1964: momentos decisivos. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014.

FOLHA DE S. PAULO. “Empresário diz que bancou vídeo sobre golpe de 64 divulgado pelo Planalto”, 2 abr. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/04/empresario-diz-quebancou-video-sobre-golpe-de-64-divulgado-pelo-planalto.shtml. Acesso em: 8 jun. 2021.

G1. “Presidente Bolsonaro manda quartéis celebrarem o 31 de março” (online), 25 mar. 2019a. Disponível em: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/03/25/presidente-bolsonaromanda-quarteis-celebrarem-o-31-de-marco.ghtml. Acesso em: 19 fev. 2020.

G1. “Vídeo que nega o golpe de 1964 é distribuído em canal de comunicação do Planalto” (online), 31 mar. 2019b. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/03/31/videoque-nega-o-golpe-de-1964-e-distribuido-em-canal-de-comunicacao-do-planalto.ghtml. Acesso em: 15 jan. 2020.

GAGLIARDI, J. “Mediando a ‘revolução’: a narrativa de O Globo sobre os aniversários do golpe durante o regime militar (1965-1984)”. Lumina, vol. 8, nº 2, p. 1-35, 2014.

GAGLIARDI, J. “Um projeto de poder por vias não democráticas: O Globo e a narrativa do lulopetismo”. Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Instituto de Artes e Comunicação Social: Tese de Doutorado. Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

GAGLIARDI, J.; SANGLARD, F. “Traumatic past: O Globo newspaper coverage on the Brazilian military dictatorship”. In: Global Fusion, Texas A&M University, College Station, Texas, 23-25 out. 2015.

GALTUNG, J.; RUGE, M. A estrutura do noticiário estrangeiro – A apresentação das crises do Congo, Cuba e Chipre em jornais estrangeiros. In: TRAQUINA, N. (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular, 2016.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

JELIN, E. Los trabajos de la memoria. Madri: Siglo XXI de España Editores, 2002.

JELIN, E. La lucha por el pasado: cómo construimos la memoria social. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2017.

KRIPPENDORFF, K. Metodologia de análisis de contenido. Barcelona: Paidós, 1990.

MACEDO, C. S. “Tudo sobre a Ditadura Militar e, sobretudo, a ditadura militar: memória e esquecimento no jornal Folha de S. Paulo”. Programa de Pós-Graduação em Comunicação: Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

MALTCHIK, R. “Exército manda que general se cale sobre 64”. O Globo, p. 10, 1 abr. 2011.

MAZUI, G; BARBIERI, L. F. “Bolsonaro diz que texto a ser lido nos quartéis não tem objetivo de 'comemorar' golpe de 1964” (online). G1, 28 mar. 2019. Disponível em:

https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/03/28/bolsonaro-diz-que-ordem-do-dia-nos-quarteisnao-tem-objetivo-de-comemorar-golpe-de-1964.ghtml. Acesso em: 15 jan. 2019.

MELO, J. M.; ASSIS, F. “Gêneros e formatos jornalísticos: um modelo classificatório”. Intercom – RBCC, São Paulo, vol. 39, nº 1, p 39-56, jan.-abr. 2016.

NIEMEYER, K. O poder da nostalgia. In: SANTA CRUZ; L.; FERRAZ, T. (Orgs.). Nostalgias e mídia: no caleidoscópio do tempo. Rio de Janeiro: E-papers, 2018.

OLIVEIRA, V. V. “Mídia, memória pública e Comissão Nacional da Verdade no Brasil”. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social: Tese de Doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, 2017.

O GLOBO. “Cinco anos fecundos para o Brasil”, 1 abr., p. 1, 1969.

POLLAK, M. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, nº 3, p. 325, 1989.

POLLAK, M. “Memória e identidade social”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, nº 10, p. 200212, 1992.

RICŒUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

SANGLARD, F. N. “Verdades possíveis: o jornalismo brasileiro e as narrativas sobre a ditadura durante o funcionamento da Comissão Nacional da Verdade”. Programa de Pós-Graduação em Comunicação:

Tese de Doutorado, Faculdade de Comunicação Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017a.

SANGLARD, F. N. “Jornalismo e ditadura: análise da cobertura midiática durante os trabalhos da Comissão Nacional da Verdade”. Anais do VII Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política (VII Compolítica), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS),

-12 maio 2017b. Disponível em: http://www.compolitica.org/home/wpcontent/uploads/2017/06/SANGLARD_JORNALISMO-E-DITADURA.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

SANTA CRUZ; L.; FERRAZ, T. A propósito da nostalgia. In: SANTA CRUZ; L.; FERRAZ, T. (Orgs). Nostalgias e mídia: no caleidoscópio do tempo. Rio de Janeiro: E-papers, 2018.

SCHUDSON, M. A política da forma narrativa: a emergência das convenções noticiosas na imprensa e na televisão. In: TRAQUINA, N. (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Editora Vega, p. 279-293, 1993.

SCHWARCZ, L. M. Sobre o autoritarismo brasileiro. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2019.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo: por que as notícias são como são. Vol. 12. Florianópolis: Insular, 2005.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo: a tribo jornalística, uma comunidade interpretativa transnacional. Vol. 2. 2º ed. Florianópolis: Insular, 2008.

TUCHMAN, G. A objectividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objectividade dos jornalistas. In: TRAQUINA, N. (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Editora Vega, 1993.

WOLF, M. Teorias da comunicação. 5. ed. Editorial Presença: Lisboa, 1999.

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

SANGLARD, F. N. .; CRUZ, L. S. .; GAGLIARDI, J. . Rememoração e retrotopia: Folha de S. Paulo e O Globo na cobertura dos 55 anos do golpe de 1964. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 360–384, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8666888. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos