A construção de vínculos político-territoriais na cidade

evidências de São Paulo

Autores

Palavras-chave:

Brokers, Vereadores, Vínculo territorial, Indicações parlamentares, Legislativo municipal

Resumo

Os legislativos municipais têm sido interpretados por meio de uma transposição teórico-argumentativa do cenário federal, tendo projetos de lei e o padrão de distribuição de votos como focos empíricos privilegiados para testar a hipótese distributivista. Porém, essas são proxies imperfeitas para testar a existência da atuação territorial de vereadores. Para investigar o tema, introduzimos de forma inédita a análise das indicações parlamentares em São Paulo, bem como seu estudo a partir de uma abordagem multimétodos, incluindo entrevistas em profundidade, observação participante e teste de hipótese de autocorrelação espacial local. Argumentamos que a atuação territorial de vereadores ocorre por meio de uma estrutura capilarizada de brokers, que alimenta e constrói vínculos ao longo de todo o mandato. Nada disso é capturável pelos métodos tradicionais que tratam do tema. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Telma Hoyle, Universidade de São Paulo

Professosa no Departamento de Ciências Políticas da Universidade de São Paulo.

Lucas Gelape, Universidade de São Paulo

Doutorando em Ciências Políticas pela Universidade de São Paulo.

Graziele Silotto, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Ciência Política pela Universidade de São Paulo.

Referências

AMES, B. “Electoral strategy under open-list proportional representation”. American Journal of Political Science, vol. 39, nº 2, p. 406-433, 1995.

AMES, B. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

AMORIM NETO, O.; SANTOS, F. “O segredo ineficiente revisto: o que propõem e o que aprovam os deputados brasileiros”. Dados, vol. 46, nº 4, p. 449-479, 2003.

ANSELIN, L. “Local indicators of spatial association”. Geographical Analysis, vol. 27, nº 2, p. 93-115, abr. 1995.

ARBIA, G.; ESPA, G.; GIULIANI, D. Analysis of spatial concentration and dispersion. In: KARLSSON, C.; ANDERSSON, M.; NORMAN, T. (Orgs.). Handbook of research methods and applications in economic geography. Cheltenham, Reino Unido; Northampton, EUA: Edward Elgar Publishing, p. 135-157, 2015.

AVELINO, G.; BIDERMAN, C.; SILVA, G. P. “A concentração eleitoral no Brasil (1994-2014)”. Dados, vol. 59, nº 4, p. 1.091-1.125, 2016.

AYUERO, J. “Performing Evita: a tale of two peronist women". Journal of Contemporary Ethnography vol. 27, nº 4, p. 461-493, 1999.

AYUERO, J. “The logic of clientelism in Argentina: an ethnographic account”. Latin American Research Review, vol. 35, nº 3, p. 55-81, 2000.

BARONE, L. S. “Eleições, partidos e política orçamentária no Brasil: explorando os efeitos das eleições locais na política nacional”. Tese de Doutorado em Administração Pública e Governo. Fundação Getúlio Vargas, Eaesp, São Paulo, 2014.

BASTOS, G. “O clientelismo político e o joio e o trigo da política municipal”. Dissertação de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017.

BIVAND, R. S.; WONG, D. W. S. “Comparing implementations of global and local indicators of spatial association”. Test, vol. 27, nº 3, p. 716-748, 2018.

BIVAND, R. S.; PEBESMA, E.; GÓMEZ-RUBIO, V. Applied spatial data analysis with R. New York: Springer, 2013.

BRUSCO, V.; NAZARENO, M.; STOKES, S. “Vote buying in Argentina”. Latin American Research Review, vol. 39, nº 2, p. 66-88, 2004.

CAETANO, B. “Executivo e Legislativo na esfera local: agenda e construção de maiorias na Câmara Municipal de São Paulo”. Novos Estudos – Cebrap, vol. 71, p. 101-125, 2005.

CALVO, E.; MURILLO, M. “Who delivers? Partisan clients in the Argentine electoral market”. American Journal of Political Science, vol. 48, nº 4, p. 742-757, 2004.

CHARRAD, M.; et al. “NbClust: an R Package for determining the relevant number of clusters in a data set”. Journal of Statistical Software, vol. 61, nº 6, 2014.

CORRÊA, F. “O que fazer para sobreviver politicamente? Padrões de carreira dos deputados estaduais no Brasil”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

DARMOFAL, D. Spatial analysis for the social sciences. New York, NY: Cambridge University Press, 2015.

D’ÁVILA, P. M. F.; CERQUEIRA LIMA, P. C. G.; JORGE, V. “Indicação e intermediação de interesses: uma análise da conexão eleitoral na cidade do Rio de Janeiro, 2001-2004”. Revista de Sociologia e Política, vol. 22, nº 49, p. 39-60, 2014.

DIXIT, A.; LONDREGAN, J. “The determinants of success of special interests in redistributive politics”. The Journal of Politics, vol. 58, nº 4, p. 1.132-1.155, 1996.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. São Paulo: Fundação Getulio Vargas Editora, 1999.

FINAN, F.; SCHECHTER, L. “Vote-buying and reciprocity”. Econometrica, vol. 80, nº 2, p. 863-881, 2012.

FIRPO, S.; PONCZEK, V.; SANFELICE, V. “The relationship between federal budget amendments and local electoral power”. Journal of Development Economics, vol. 116, p. 186-198, 2015.

FREY, A. “Cash transfers, clientelism, and political enfranchisement: evidence from Brazil”. Journal of Public Economics, vol. 176, p. 1-17, 2019.

GALLEGO, J.; LI, C.; WANTCHEKON, L. “The political economy of patrons, brokers, and voters”.

Documentos de Trabajo 016547, Universidad del Rosario, 2018. Disponível em:

https://ideas.repec.org/p/col/000092/016547.html. Acesso em: 5 jan. 2020.

GELAPE, L. O. “A geografia do voto em eleições municipais no sistema eleitoral de lista aberta: um estudo a partir de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2017.

GONÇALVES, R. D. “Onde agrego os votos? Contribuições à geografia eleitoral aplicada a problemas político-eleitorais brasileiros”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

GRIN, E. “Construção e desconstrução das subprefeituras na cidade de São Paulo no governo Marta Suplicy”. Revista de Sociologia e Política, vol. 23, nº 55, p. 119-145, 2015.

GUN, L. “Why is implementation so difficult?”. Management Services in Government, vol. 33, p. 169179, 1978.

GUN, L.; HOGWOOD, B. Models of policy-making. Centre for the Study of Public Policy. Glasgow: University of Strathclyde, 1982.

HAGOPIAN, F. Parties and voters in emerging democracies. In: BOIX, C.; STOKES, S. The Oxford handbook of comparative politics. Oxford; New York: Oxford University Press, p. 582-603, 2009.

KINZO, M. D.; BORIN, I.; MARTINS JR., B. “Padrões de competição eleitoral na disputa para a Câmara paulistana: 1992-2000”. Novos Estudos – Cebrap, vol. 65, p. 45-56, 2003.

KITSCHELT, H. “Linkages between citizens and politicians in democratic polities”. Comparative Political Studies, vol. 33, nº 6-7, p. 845-879, 2000.

KITSCHELT, H.; WILKINSON, S. Citizen-politician linkages: an introduction. In: KITSCHELT, H.; WILKINSON, S. (Eds.). Patrons, clients, and policies: patterns of democratic accountability and political competition. Cambridge: Cambridge University Press, p. 1-49, 2007.

KUSCHNIR, K. O cotidiano da política. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2000.

LIMA, F. “Committed brokers: a união entre prefeitos e deputados no Brasil”. Tese de Doutorado em Ciência Política. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2016.

LIMONGI, F.; FIGUEIREDO, A. “Processo orçamentário e comportamento legislativo: emendas individuais, apoio ao Executivo e programas de governo”. Dados, vol. 48, nº 4, p. 737-776, 2005.

MAINWARING, S. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Porto Alegre; Rio de Janeiro: Mercado Aberto; Editora FGV, 2001.

MARQUES, E. C. L. (Org.). A metrópole de São Paulo no século XXI: espaços, heterogeneidades e desigualdades. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

MARQUES, E. C. L. (Org.). “Em busca de um objeto esquecido: a política e as políticas do urbano no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 32, nº 95, 2017.

MESQUITA, L. “Emendas ao orçamento e conexão eleitoral na Câmara dos Deputados brasileira”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

MESQUITA, L., et al. “Emendas individuais e concentração de votos: uma análise exploratória”. Teoria e Pesquisa, vol. 23, nº 2, p. 82-106, 2014.

NETO, J. O Legislativo e o poder local. In: BENEVIDES, M. V.; KERCHE, F.; VANUCCHI, P. (Orgs.). Reforma política e cidadania. São Paulo: Perseu Abramo, 2003.

NICHTER, S. “Vote buying or turnout buying? Machine politics and the secret ballot”. The American Political Science Review, vol. 102, nº 1, p. 19-31, 2018.

NOVAES, L. M. “Disloyal brokers and weak parties”. American Journal of Political Science, vol. 62, nº 1, p. 84-98, 2018.

OLIVEROS, V. “Making it personal: clientelism, favors, and the personalization of public administration in Argentina”. Comparative Politics, vol. 48, nº 3, p. 373-391, 2016.

PEREIRA, C.; MUELLER, B. “Partidos fracos na arena eleitoral e partidos fortes na arena legislativa: a conexão eleitoral no Brasil”. Dados, vol. 46, nº 4, p. 735-771, 2003.

PRESSMAN, J.; WILDAVSKY, A. Implementation. Berkeley: University of California Press, 1973.

RANGEL, A. “Produção parlamentar municipal: os projetos de indicação”. Caderno Eletrônico de Ciências Sociais, Vitória, vol. 2, nº 1, p. 113-132, 2014.

RICCI, P. “De onde vêm nossas leis? Origem e conteúdo da legislação em perspectiva comparada”. Tese de Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

ROCHA, M.; SILVA, B. “O poder de indicar: preferências legislativas de vereadores mineiros”. Cadernos Adenauer, vol. XVIII, nº 2, p. 185-208, 2017.

SCHAFFER, J.; BAKER, A. “Clientelism as persuasion-buying: evidence from Latin America”. Comparative Political Studies, vol. 48, nº 9, p. 1.093-1.126, 2015.

SCHWARTZ-SHEA, P.; MAJIC, S. “Ethnography and participant observation: political science research in this ‘late methodological moment’”. PS: Political Science & Politics, vol. 50, nº 1, p. 97-102, 2017.

SILVA, P. “O poder legislativo municipal, estrutura, composição e produção”. Dissertação de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

STOKES, S. “Perverse accountability: a formal model of machine politics with evidence from Argentina”. American Political Science Review, vol. 9, nº 3, p. 315-325, 2005.

STOKES, S. C., et al. Brokers, voters, and clientelism. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

TAN, P., et al. Introduction to data mining. 2o ed. New York: Pearson, 2019.

VASSELAI, F.; MIGNOZZETTI, U. G. “O efeito das emendas ao orçamento no comportamento parlamentar e a dimensão temporal: velhas teses, novos testes”. Dados, vol. 57, nº 3, p. 817-853, 2014.

WILDAVSKY, A. Speaking truth to power: the art and craft of policy analysis. Little Brown: Boston, 1979.

ZARAZAGA, S. J. R. “Brokers beyond clientelism: a new perspective through the Argentine case”. Latin American Politics and Society, vol. 56, nº 3, p. 23-45, 2014.

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

HOYLE, T.; GELAPE, L. .; SILOTTO, G. . A construção de vínculos político-territoriais na cidade: evidências de São Paulo . Opinião Pública, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 549–584, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8666920. Acesso em: 30 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos