Equalização da disputa ou reprodução de desigualdades? Uso do Facebook por candidatas à Câmara Federal por São Paulo em 2018

Autores

Palavras-chave:

Campanhas eleitorais, Facebook, internet, Mulheres na política, Desigualdades

Resumo

Neste artigo, analisamos o uso de ferramentas do Facebook em campanhas eleitorais de candidatas ao cargo de deputado federal por São Paulo com o objetivo de avaliar se esse uso mitiga ou reproduz desigualdades socioeconômicas estruturais que elas vivenciam em sociedade. Acompanhamos o uso do Facebook durante a campanha eleitoral de 2018 visando entender especificamente se e como essa rede social foi utilizada por essas candidatas. A partir de uma base de dados com mais de 55 mil postagens de 465 candidatas, incorporamos um olhar interseccional sobre as múltiplas identidades dessas mulheres e correlacionamos seus marcadores sociais (estrato sócio-ocupacional, grau de instrução, idade e raça/cor) com o uso do Facebook durante a campanha eleitoral. Os resultados das análises quantitativas apontam que, em vez de mitigar as desigualdades socioeconômicas preexistentes, essa rede social acabou por reproduzi-las ao longo da campanha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catarina Helena Cortada Barbieri, Fundação Getúlio Vargas

PhD em Direito pela Universidade de São Paulo. Professora pela Fundação Getúlio Vargas.

Luciana de Oliveira Ramos, Função Getúlio Vargas

PhD em Lei constitucional pela Universidade de São Paulo. Professora da Função Getúlio Vargas.

Ivan Osmo Mardegan, Fundação Getúlio Vargas

Doutorado em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas.

Juliana Fabbron Marin Marin, Fundação Getúlio Vargas

Doutorado em andamento em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas.

Lais Menegon Youssef, Fundação Getúlio Vargas

Graduação em Direito pela Fundação Getúlio Vargas.

Referências

AGGIO, C.; REIS, L. “Campanha eleitoral no Facebook: usos, configurações e o papel atribuído a esse site por três candidatos eleitos nas eleições municipais de 2012”. Compolítica, Rio de Janeiro, vol. 2, nº 3, p. 155-188, jul.-dez. 2013.

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Polén, 2019.

ALBUQUERQUE, A., et al. “Redes de campanha de pré-candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro”. Em Debate, Belo Horizonte, vol. 8, nº 6, p. 8-23, ago. 2016.

ANSTEAD, N.; CHADWICK, A. Parties, election campaigning, and the Internet: toward a comparative institutional approach. In: CHADWICK, A.; HOWARD, P. N. (Eds.). The Routledge Handbook of Internet Politics. Londres: Routledge, p. 56-71, 2009.

ARAÚJO, C. “Potencialidades e limites da política de cotas no Brasil”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 9, nº 1, p. 231-252, 2001.

ARAÚJO, C.. “Partidos políticos e gênero: mediações nas rotas de ingresso das mulheres na representação política”. Revista de Sociologia e Política, vol. 24, p. 193-215, 2005.

BALLINGTON, J. Gender equality in political party funding. In: AUSTIN, R.; TJERNSTRÖM, M. (Eds.).

Funding of political parties and election campaigns. Stockholm: Idea, 2003.

BILGE, S. “Théorisations féministes de l’intersectionnalité”. Diogène, vol. 225, nº 1, p. 70-88, 2009.

BORBA, F. “Medindo a propaganda negativa na TV, rádio, debates, imprensa e Facebook: o caso das eleições presidenciais de 2014”. Intercom – RBCC, São Paulo, vol. 42, nº 1, p. 37-56, jan.-abr.

BOULIANNE, S. “Does internet use affect engagement? A meta-analysis of research”. Political Communication, vol. 26, nº 2, p. 193-211, 2009.

BRAGA, S; CARLOMAGNO, M. “Eleições como de costume? Uma análise longitudinal das mudanças provocadas nas campanhas eleitorais brasileiras pelas tecnologias digitais (1998-2016)”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, nº 26, p. 7-62, maio-ago. 2018.

CAMPOS, L. A.; MACHADO, C. “A cor dos eleitos: determinantes da sub-representação política dos não brancos no Brasil”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, nº 16, p. 121-151, jan.-abr. 2015.

CARNEIRO, A. S. “Mulheres negras e poder: um ensaio sobre a ausência”. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. Brasília, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2009. Disponível em: https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/handle/192/643. Acesso em: 8 jul. 2021.

CARNEIRO, A. S. “Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero” (online). Portal Geledés, 2011. Disponível em:

https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina- partir-de-uma-perspectiva-de-genero/. Acesso em: 8 jul. 2021.

CODATO, A.; LOBATO, T.; CASTRO, O. “‘Vamos lutar, parentes!’ As candidaturas indígenas nas eleições de 2014 no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 32, nº 93, 2017.

CRENSHAW, K. W. “Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics”. University of Chicago Legal Forum, vol. 1.989, nº 1, 1989.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DIMAGGIO, P.; HARGITTAI, E. “From the ‘digital divide’ to ‘digital inequality’: studying internet use as penetration increases”. Princeton University Center for Arts and Cultural Policy Studies, Working Paper Series nº 15, 2001. Disponível em:

https://culturalpolicy.princeton.edu/sites/culturalpolicy/files/wp15_dimaggio_hargittai.pdf. Acesso em: 17 dez. 2019.

DIMAGGIO, P, et al. “Digital inequality: from unequal access to differentiated use: a literature review and agenda for research on the digital inequality”, 2004. Disponível em:

http://www.webuse.org/pdf/DiMaggioEtAl-DigitalInequality2004.pdf. Acesso em: 20 dez. 2019.

EUFRAUZINO, L. F. “Marketing político e mídias sociais: as estratégias utilizadas no Facebook e Twitter de Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), nas eleições de 2014”. Dissertação de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, 2015.

GOMES, R. C. A. “De ‘tia-do-café’ a parlamentar: a sub-representação das mulheres negras e a reforma política”. Revista Sociais & Humanas, vol. 31, nº 1, p. 49-80, 2018.

GONÇALVES, L.; FERREIRA, A. R. “Facebook: a nova ferramenta de Campanha Eleitoral Digital”.

Panorama, vol. 3, nº 1, jan.-dez. 2013.

GONZALES, L. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo, Anpocs, p. 223-244, 1984.

GONZALES, L. “Por um feminismo afro-latino-americano”. Isis Internacional, Santiago, vol. 9, p. 133- 141, 1988.

GUILLÉN, M. F.; SUÁREZ, S. L. “Explaining the global digital divide: economic, political and sociological drivers of cross-national internet use”. Social Forces, vol. 84, nº 2, p. 681-708, 2005.

GULATI, G. J.; WILLIAMS, C. B. “Social media and campaign 2012: developments and trends for Facebook adoption”. Social Science Computer Review, vol. 5, nº 31, p. 577-588, 2013.

HARGITTAI, E. “Second-level digital divide: differences in people's online skills”. First Monday, vol. 7, nº 2, abr. 2002. Disponível em:

https://firstmonday.org/ojs/index.php/fm/article/view/942/864. Acesso em: 28 nov. 2019.

HARGITTAI, E.; HSIEH, Y. Digital inequality. In: DUTTON W. H. (Ed.). The Oxford Handbook of Internet Studies. Oxford: Oxford University Press, mar. 2013.

HERRNSON, P. S.; STOKES-BROWN, A. K.; HINDMAN, M. “Campaign politics and the digital divide: constituency characteristics, strategic considerations, and candidate internet use in state legislative elections”. Political Research Quarterly, vol. 60, nº 1, p. 31-42, mar. 2007.

HILL COLLINS, P. Intersectionality as critical social theory. Durham: Duke University Press, 2019. HILL COLLINS, P.; BILGE, S. Intersectionality. Cambridge (UK): Polity, 2016.

HIRATA, H. “Gênero, classe e raça interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais”.

Tempo Social, São Paulo, nº 26, vol. 1, p. 61-73, 2014.

HOOKS, B. “Mulheres negras: moldando a teoria feminista”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, nº 16, p. 193-210, 2015.

HTUN, M. “A política de cotas na América Latina”. Estudos Feministas, vol. 9, nº 1, p. 225-230, 2001.

HTUN, M.; JONES, M. Engendering the right to participate in decision-making: electoral quotas and women’s leadership in Latin America. In: CRASKE, N.; MOLYNEUX, M. (Eds.). Gender and the politics of rights and democracy in Latin America. Basingstoke: Palgrave, 2002.

ITUASSU, A., et al. “Internet, eleições e democracia: o uso das redes sociais digitais por Marcelo Freixo na campanha de 2012 para a prefeitura do Rio de Janeiro”. Compolítica, Rio de Janeiro, vol. 2, nº 4, ago.-dez. 2014.

JANNUZZI, P. M. “Estratificação sócio-ocupacional para estudos de mercado e pesquisa social no Brasil”. São Paulo em Perspectiva, vol. 3-4, nº 17, p. 247-254, 2003.

KITTILSON, M. C.; SCHWINDT-BAYER, L. A. The gendered effects of electoral institutions: political engagement and participation. Oxford: Oxford University Press, 2012.

KROOK, M. L. “Gender quotas as a global phenomenon: actors and strategies in quota adoption”. European Political Science, vol. 3, p. 59-65, 2004.

KROOK, M. L. Quotas for women in politics: gender and candidate selection reform worldwide. Oxford: Oxford University Press, 2009.

KROOK, M. L.; NORRIS, P. “Beyond quotas: strategies to promote gender equality in elected office”. Political Studies, vol. 62, p. 2-20, 2014.

MAIA, L. R. H. “A política dos eleitores no Facebook dos candidatos: processos interacionais nas eleições presidenciais de 2014”. Compolítica, Rio de Janeiro, vol. 9, nº 1, 2019.

MARQUES, F. P. J. A; AQUINO, J. A.; MIOLA, E. “Parlamentares, representação política e redes sociais digitais: perfis de uso do Twitter na Câmara dos Deputados”. Opinião Pública, Campinas, vol. 20, nº 2, p. 178-203, ago. 2014.

MASSUCHIN, M. G.; TAVARES, C. Q. “Campanha eleitoral nas redes sociais: estratégias empregadas pelos candidatos à presidência em 2014 no Facebook”. Compolítica, Rio de Janeiro, vol. 5, nº 2, p. 75-112, 2015.

MATLAND, R. Enhancing women political participation: legislative recruitment and electoral systems. In: KARAN, A. M. (Org.). Women in Parliament: Beyond Numbers. Estocolmo: International Idea (Institute for Democracy and Electoral Assistance), 1998.

MENEGUELLO, R., et al. Mulheres e negros na política: estudo exploratório sobre o desempenho eleitoral em quatro estados brasileiros. Campinas (SP): Unicamp/Cesop, 2012.

MIOLA, E.; CARVALHO, F. C. “Recursos persuasivos nas campanhas no Facebook: uma proposta metodológica a partir das eleições de 2016 em Curitiba”. Revista de Discentes de Ciência Política da UFSCar, vol. 5, nº 2, 2017.

MURTA, F., et al. “Eleições e mídias sociais: interação e participação no Facebook durante a campanha para a Câmara dos Deputados em 2014”. Compolítica, Rio de Janeiro, vol. 7, nº 1, 2017.

NORRIS, P. “Recrutamento político”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, nº 46, p. 11-32, 2013.

NORRIS, P.; LOVENDUSKI, J. Political recruitment: gender, race and class in the British Parliament. London: Cambridge University Press, 1995.

PACHECO, S. “Mulheres indígenas e participação política: emergência étnica feminina em um contexto de expropriação territorial”. Religación. Revista de Ciencias Sociales y Humanidades, vol. 2, nº 8, p. 101-114, 2017.

PANKE, L.; THAUNY, J. Características do discurso eleitoral no Facebook. In: CASTILHO, A.; ROCHA, D.; MACEDO, R. G. (Orgs.). Comunicação política na esfera pública: democracia, eleições e cidadania no Brasil. Capivari, SP: Nova Consciência, 2013.

PENTEADO, C. L. C.; PEREIRA, N. B.; FIACADORI, G. O Planalto em disputa no Facebook: um estudo dos perfis de Dilma Rousseff e Aécio Neves nas eleições de 2014. In: CERVI, E. U; MASSUCHIN, M. G; CARVALHO, F. C. (Orgs.). Internet e eleições no Brasil. Curitiba: CPOP (grupo de pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública), 2016.

PINTO, A. “Reinventando o feminismo: as mulheres indígenas e suas demandas de gênero”.

Fazendo Gênero, vol. 9, 2010.

RIBEIRO, E. A.; BORBA, J.; HANSEN, J. R. “Internet e ativismo político na América Latina e Caribe: recursos individuais e oportunidades de acesso”. Civitas, Porto Alegre, vol. 19, nº 1, p. 261-280, jan.-abr. 2019.

ROBINSON, L., et al. “Digital inequalities and why they matter”. Information, Communication & Society, vol. 18, nº 5, p. 569-582, 2015.

ROSS, K.; FOUNTAINE, S.; COMRIE, M. “Facing up to Facebook: politicians, publics and the social media(ted) turn in New Zealand”. Media, Culture & Society, vol. 37, nº 2, p. 251-269, 2014.

ROSSINI, P. G. C., et al. “O uso do Facebook nas eleições presidenciais brasileiras de 2014: a influência das pesquisas eleitorais nas estratégias das campanhas digitais”. Fronteiras – Estudos Midiáticos, vol. 18, nº 2, p. 145-157, 2016.

RULE, W.; ZIMERMMAN, J. Electoral systems in comparative perspectives: their impact on women and minorities. London: Greenwood Press, 1994.

SACCHET, T. “Capital social, gênero e representação política no Brasil”. Opinião Pública, Campinas, vol. 15, nº 2, p. 306-332, 2009.

SACCHET, T.; SPECK, B. Dinheiro e sexo na política brasileira: financiamento de campanha e desempenho eleitoral em cargos legislativos. In: ALVES, J. E. D.; PINTO, C. R. J.; JORDÃO, F. (Orgs.). Mulheres nas eleições de 2010. São Paulo: ABCP, p. 417-452, 2012a.

SACCHET, T.; SPECK, B. “Financiamento eleitoral, representação política e gênero: uma análise das eleições de 2006”. Opinião Pública, Campinas, vol. 18, nº 1, p. 177-197, 2012b.

SANTOS, C. A participação das mulheres negras nos espaços de poder (online). Brasília (DF): Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - Seppir, 2010. Disponível em:

https://www.gov.br/mdh/pt-br/centrais-de-conteudo/igualdade-racial/a-participacao-das- mulheres-negras-nos-espacos-de-poder. Acesso em: 12 jul. 2020.

SANTOS, R. C. D. “Comunicação política no Facebook: a presença social dos deputados federais do Grande ABC na campanha eleitoral de 2014”. Dissertação de mestrado no Programa de Pós- Graduação em Comunicação. Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul, 2017.

SEGATO, R. L. “Uma agenda de ações afirmativas para as mulheres indígenas do Brasil”. Série Antropologia, nº 326, Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, 2003. Disponível em: http://www.dan.unb.br/images/doc/Serie326empdf.pdf. Acesso em: 12 jul. 2020.

SHVEDOVA, N. Obstacles to women’s participation in parliament. In: BALLINGTON, J.; KARAM, A. (Eds.). Women in Parliament: Beyond Numbers. Stockholm: International Institute for Democracy and Electoral Assistance, p. 33-50, 2005.

SILVA, E. F.; SILVA, A. A. F. S. “Marketing político no Facebook: a campanha eleitoral do prefeito eleito de Taubaté em 2012”. ECCOM, vol. 6, nº 11, p. 23-44, jan.-jun. 2015.

SOUZA, C. C. C. R. M. “Internet e comunicação política: uma análise da campanha online dos principais candidatos ao executivo de Macaé-RJ nas eleições de 2012”. Programa de Pós-graduação em Sociologia Política: Dissertação de mestrado. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, 2014.

SOUZA, I. J.; MARQUES, F. P. J. Campanha negativa nas eleições de 2014: uma abordagem empírica sobre como os candidatos à presidência utilizaram o Facebook. In: CERVI, E. U.; MASSUCHIN, M. G.; CARVALHO, F. C (Orgs.). Internet e eleições no Brasil. Curitiba: CPOP (grupo de pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública), 2016.

SOUZA, P.; CEMIN, B. Mulheres indígenas em Porto Velho-RO: gênero, migração e participação política. In: SACCHI, A.; GRAMKOW, M. M. (orgs.). Gênero e povos indígenas: coletânea de textos produzidos para o “Fazendo Gênero 9” e para a “27ª Reunião Brasileira de Antropologia”. Rio de Janeiro, Brasília: Museu do Índio/GIZ/Funai, p. 172-183, 2012.

SPECK, B. W.; MANCUSO, W. P. “A study on the impact of campaign finance, political capital and gender on electoral performance”. Brazilian Political Science Review, vol. 8, nº1, p. 34-57, 2014.

STIAKAKIS, E.; KARIOTELLIS, P.; VLACHOPOULOU, M. From the digital divide to digital inequality: a secondary research in the European Union. In: SIDERIDIS, A. B.; PATRIKAKIS, C. Z. (Eds.). Next generation society: technological and legal issues. e-Democracy 2009. Lecture notes of the Institute for Computer Sciences, Social Informatics and Telecommunications Engineering, vol. 26. Springer, Berlin, Heidelberg, p. 43-54, 2009.

VÁRALLYAI, L.; HERDON, M.; BOTOS, S. “Statistical analyses of digital divide factors”. Procedia Economics and Finance, vol. 19, p. 364-372, 2015.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. 4ª ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

ZILLIEN, N.; HARGITTAI, E. “Digital Distinction: Status-Specific Types of Internet Usage”. Social Science Quarterly, vol. 90, nº 2, p. 274-91, 2009.

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

BARBIERI, C. H. C. .; RAMOS, L. de O. .; MARDEGAN, I. O. .; MARIN, J. F. M. .; YOUSSEF, L. M. . Equalização da disputa ou reprodução de desigualdades? Uso do Facebook por candidatas à Câmara Federal por São Paulo em 2018 . Opinião Pública, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 650–680, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8666927. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos