Banner Portal
O jogo das nominatas nas eleições municipais do Rio de Janeiro
PDF

Palavras-chave

Recrutamento partidário
Lista partidária
Eleições
Organização partidária

Como Citar

VILAROUCA, Marcio Grijó; FREIRE, Américo Oscar Guichard; GUEDON, Philippe Chaves. O jogo das nominatas nas eleições municipais do Rio de Janeiro. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 126–168, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8669215. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

O presente artigo investiga os processos informais de recrutamento e seleção de candidatos a vereador na cidade do Rio de Janeiro com base em entrevistas com lideranças partidárias e por meio da análise complementar de dados sobre coligações, votos e financiamento de campanha. A partir do exame prévio dos incentivos do sistema eleitoral e das dinâmicas intrapartidárias locais, exploramos as estratégias utilizadas pelas lideranças para compor e hierarquizar as chapas eleitorais, partindo do pressuposto de que ideologia e presença de diretórios permanentes (ou de comissões provisórias) têm impactos no grau de inclusividade dos selectorates e nas estratégias de recrutamento. Em termos alegóricos, o jogo das nominatas representaria o processo informal de competição e cooperação entre os agentes políticos durante o interregno pré-eleitoral com vista a obter representação parlamentar.

PDF

Referências

ALTMANN, C. “Política local e seleção de candidatos a vereador: contribuições a partir do caso de Pelotas em 2010”. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Sociologia e Política, Pelotas, 2010.

AMES, B. “Electoral rules, constituency pressures and pork barrel: bases of voting in the Brazilian Congress”. The Journal of Politics, vol. 7, n° 2, 1995.

AMES, B. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

BABIRESKI, F.; ROEDER, K. “A ideologia partidária e a seleção de candidatos nas eleições municipais de 2016 em Curitiba”. Revista de Ciências Humanas e Sociais, vol. 4, n° 3, p. 63-79, 2018.

BERGMAN, T.; SHUGART, M.; WATT, K. “Patterns of intraparty competition in open-list & SNTV systems”. Electoral Studies, n° 32, p. 321-333, 2013.

BOLOGNESI, B. “Candidatos e eleitos: o recrutamento político nos partidos paranaenses nas eleições de 2006”. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, 2009.

BOLOGNESI, B. “A seleção de candidaturas no DEM, PMDB, PSDB e PT nas eleições legislativas federais brasileiras de 2010: percepções dos candidatos sobre a formação das listas”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n° 46, p. 46-68, 2013.

BRAGA, M. “Organizações partidárias e seleção de candidatos no estado de São Paulo”. Opinião Pública, Campinas, vol. 14, n° 2, p. 454-485, 2008.

BRAGA, M. “Consequences of candidate selection under open-list electoral system: the case of Brazil”. Brazilian Studies Programme, Oxford, Occasional Paper Number BSP 5-10, p. 1-32, 2010.

BRAGA, M.; AMARAL, O. “Implicações do processo de seleção de candidatos na competição partidária: o caso brasileiro”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n° 46, p. 33-43, 2013.

BRAGA, M.; BOLOGNESI, B. Dimensões do processo de seleção da classe política brasileira: autopercepções dos candidatos à Câmara dos Deputados nas eleições de 2010. In: MARENCO, A. (Org.). Os eleitos: representação e carreiras políticas em democracias [online]. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 75-106, 2013.

BRAGA, M; COSTA, V.; FERNANDES, J. “Dinâmicas de funcionamento e controle do poder nos partidos políticos: os casos do PT e PSDB no estado de São Paulo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 33, n° 96, 2018.

BRAGA, M.; PRAÇA, S. “Quem elege os candidatos paulistanos: partidos centralizados ou descentralizados?”. In: Anais do 28° Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, 26 a 30 out. 2004.

BRAGA, M.; VEIGA, L. “Eleições 2008: por quem e como são selecionadas as listas partidárias às Câmaras de Vereadores de três capitais brasileiras”. In: Anais do 33° Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, 26 a 30 out. 2009.

BRAGA, M.; VEIGA, L.; MIRÍADE, A. “Recrutamento e perfil dos candidatos e dos eleitos à Câmara dos Deputados nas eleições de 2006”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 24, n° 70, p. 123-186, 2009.

CAREY, J.; SHUGART, M. S. “Incentives to cultivate a personal vote: a rank ordering of electoral formulas”. Electoral Studies, vol. 14, n° 4, p. 417-439, 1995.

CERVI, E.; BORBA, F. “Os diretórios partidários municipais e o perfil sociodemográfico dos seus membros”. Revista Brasileira de Ciência Política. Brasília, n° 28, p. 65-92, 2019.

CHEIBUB, J.; SIN, G. “Preference vote and intra-party competition in open list PR systems”. Journal of Theoretical Politics, vol. 32, n° 1, p. 70-95, 2020.

CODATO, A.; BERLATTO, F.; BOLOGNESI, B. “Tipologia dos políticos de direita no Brasil: uma classificação empírica”. Análise Social, Lisboa, n° 229, p. 870-897, dez. 2018.

FREIDENBERG, F.; LÓPEZ, F. “Como se escolhe um candidato a presidente? Regras e práticas nos partidos políticos da América Latina”. Opinião Pública, Campinas, vol. 8, nº 2, p. 158-188, 2002.

GALLAGHER, M.; MARSH, M. Candidate selection in comparative perspective: the secret garden of politics. London: Sage Publications, 1988.

GUARNIERI, F. “A força dos partidos fracos: um estudo sobre a organização dos partidos brasileiros e seu impacto na coordenação eleitoral”. Tese de Doutorado em Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

GUARNIERI, F. “A força dos partidos 'fracos'”. Dados, vol. 54, n° 1, p. 235-258, 2011.

GUEDON, P. “Os degraus do recrutamento partidário: o caso da filiação na cidade do Rio de Janeiro”. Dissertação de Mestrado em História, Política e Bens Culturais, CPDOC-Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, 2019.

HAZAN, R.; RAHAT, G. Democracy within parties. Candidate selection methods and their political consequences. Oxford: Oxford University Press, 2010.

KATZ, R.; MAIR, P. “The evolution of party organizations in Europe: the three faces of party organization”. The American Review of Politics, vol. 14, Winter, p. 593-617, 1993.

KIRCHHEIMER, O. “A transformação dos sistemas partidários da Europa Ocidental”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n° 7, p. 349-385, jan.-abr. 2012.

KLEIN, C. O desafio da reforma política. Consequências dos sistemas eleitorais de listas aberta e fechada. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2007.

KROUWEL, A. Party models. In: KATZ, R.; CROTTY, W. (eds.). Handbook of Party Politics. London: Sage Publications, 2006.

LAMOUNIER, B. Prefácio. In: LAVAREDA, A. A democracia nas urnas. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

LIMA JR., O. B. Democracia e instituições políticas no Brasil dos anos 80. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

MAINWARING, S. “Políticos, partidos e sistemas eleitorais: o Brasil numa perspectiva comparada”. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n° 29, mar. 1991.

MAINWARING, S. Sistemas partidários em novas democracias – O caso do Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

MARENCO, A.; SERNA, M. “Por que carreiras políticas na esquerda e direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 22, nº 64, p. 93-113, 2007.

MULLER, W.; STROM, K. (Orgs.). Policy, office, or votes? How political parties in Western Europe make hard decisions. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

NICOLAU, J. “O sistema eleitoral de lista aberta no Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 49, n° 4, p. 689-720, 2006.

NICOLAU, J. Representantes de quem? Os (des)caminhos do seu voto da urna à Câmara dos Deputados. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

NORRIS, P. “Recrutamento político”. Revista de Sociologia Política, Curitiba, vol. 21, n° 46, p. 11-32, 2013.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido. Organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2005.

PASSARELLI, G. Preferential voting systems: influence on intra-party competition and voting behavior. Switzerland: Palgrave Macmillan, 2020.

PERES, P.; MACHADO, A. “Uma tipologia do recrutamento partidário”. Opinião Pública, Campinas, vol. 23, n° 1, jan.-abr. 2017.

RAHAT, G.; HAZAN, R. “Candidate selection methods: an analytical framework”. Party Politics, vol. 7, n° 3, p. 297-322, 2001.

ROEDER, K. “Existe uma nova direita no Brasil? Uma proposta de classificação e análise de seu perfil social”. In: Anais do 10º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Belo Horizonte, 2016.

ROEDER, K.; BOLOGNESI, B.; CRUZ, G. “Seleção de candidatos e poder local: estrutura e personalismo nas eleições de 2016 em Curitiba”. In: 9° Congresso da Associação Latino-Americana de Ciência Política (Alacip), 26 a 28 jul. 2017.

SAMUELS, D. “Determinantes do voto partidário em sistemas eleitorais centrados no candidato: evidências sobre o Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 40, n° 3, 1997.

SANTOS, F. O Poder Legislativo no presidencialismo de coalizão. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2003.

SCHMITT, R.; CARNEIRO, L.; KUSCHNIR, K. “Estratégias de campanha no horário gratuito de propaganda eleitoral em eleições proporcionais”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 42, n° 2, 1999.

SHUGART, M.; CAREY, J. Presidents and assemblies. Constitutional design and electoral dynamics. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

SIAVELIS, P.; MORGENSTERN, S. Pathways to power: political recruitment and candidate selection in Latin America. Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press, 2008.

SILOTTO, G. “A relevância regional nas estratégias partidárias: evidências das listas de candidatos de São Paulo”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 27, n° 69, 2019.

SOUZA, C.; GRAÇA, L. “Competição intrapartidária nas eleições para deputado federal: um estudo exploratório sobre São Paulo em 2014”. Política & Sociedade, Florianópolis, vol. 18, n° 42, 2019.

SPECK, B. “Nem ideológica, nem oportunista: a filiação partidária no contexto pré-eleitoral no Brasil”. Cadernos Adenauer, vol. 2, p. 107-124, 2013.

STROM, K. “A behavioral theory of competitive political parties”. American Journal of Political Science, vol. 34, n° 2, p. 565-598, 1990.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. “Partidos, programas e o debate sobre esquerda e direita no Brasil”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n° 45, p. 149-165, 2013.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. “Os partidos brasileiros segundo seus estudiosos: análise de um expert survey”. Civitas, Porto Alegre, vol. 15, n° 1, 2015.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Opinião Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.