O jogo das nominatas nas eleições municipais do Rio de Janeiro

Autores

Palavras-chave:

Recrutamento partidário, Lista partidária, Eleições, Organização partidária

Resumo

O presente artigo investiga os processos informais de recrutamento e seleção de candidatos a vereador na cidade do Rio de Janeiro com base em entrevistas com lideranças partidárias e por meio da análise complementar de dados sobre coligações, votos e financiamento de campanha. A partir do exame prévio dos incentivos do sistema eleitoral e das dinâmicas intrapartidárias locais, exploramos as estratégias utilizadas pelas lideranças para compor e hierarquizar as chapas eleitorais, partindo do pressuposto de que ideologia e presença de diretórios permanentes (ou de comissões provisórias) têm impactos no grau de inclusividade dos selectorates e nas estratégias de recrutamento. Em termos alegóricos, o jogo das nominatas representaria o processo informal de competição e cooperação entre os agentes políticos durante o interregno pré-eleitoral com vista a obter representação parlamentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Grijó Vilarouca, Fundação Getulio Vargas

Professor pesquisador pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Escola de Ciências Sociais. Rio de Janeiro (RJ), Brasil. 

Américo Oscar Guichard Freire, Fundação Getulio Vargas

Doutorado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisador do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV). Professor Titular da Escola de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais da Fundação Getulio Vargas.

 

 

Fundação Getulio Vargas (FGV), Escola de Ciências Sociais. Rio de Janeiro (RJ), Brasil. E-mail:
<americo.freire@fgv.br>.

Philippe Chaves Guedon, Prefeitura Municipal de Teresópolis

Doutor em História, Política e Bens Culturais na Escola de Ciências Sociais pela Fundação Getulio Vargas. Professor da Secretaria Municipal de Educação pela Prefeitura Municipal de Teresópolis.

Referências

ALTMANN, C. “Política local e seleção de candidatos a vereador: contribuições a partir do caso de Pelotas em 2010”. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Sociologia e Política, Pelotas, 2010.

AMES, B. “Electoral rules, constituency pressures and pork barrel: bases of voting in the Brazilian Congress”. The Journal of Politics, vol. 7, n° 2, 1995.

AMES, B. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

BABIRESKI, F.; ROEDER, K. “A ideologia partidária e a seleção de candidatos nas eleições municipais de 2016 em Curitiba”. Revista de Ciências Humanas e Sociais, vol. 4, n° 3, p. 63-79, 2018.

BERGMAN, T.; SHUGART, M.; WATT, K. “Patterns of intraparty competition in open-list & SNTV systems”. Electoral Studies, n° 32, p. 321-333, 2013.

BOLOGNESI, B. “Candidatos e eleitos: o recrutamento político nos partidos paranaenses nas eleições de 2006”. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, 2009.

BOLOGNESI, B. “A seleção de candidaturas no DEM, PMDB, PSDB e PT nas eleições legislativas federais brasileiras de 2010: percepções dos candidatos sobre a formação das listas”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n° 46, p. 46-68, 2013.

BRAGA, M. “Organizações partidárias e seleção de candidatos no estado de São Paulo”. Opinião Pública, Campinas, vol. 14, n° 2, p. 454-485, 2008.

BRAGA, M. “Consequences of candidate selection under open-list electoral system: the case of Brazil”. Brazilian Studies Programme, Oxford, Occasional Paper Number BSP 5-10, p. 1-32, 2010.

BRAGA, M.; AMARAL, O. “Implicações do processo de seleção de candidatos na competição partidária: o caso brasileiro”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n° 46, p. 33-43, 2013.

BRAGA, M.; BOLOGNESI, B. Dimensões do processo de seleção da classe política brasileira: autopercepções dos candidatos à Câmara dos Deputados nas eleições de 2010. In: MARENCO, A. (Org.). Os eleitos: representação e carreiras políticas em democracias [online]. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 75-106, 2013.

BRAGA, M; COSTA, V.; FERNANDES, J. “Dinâmicas de funcionamento e controle do poder nos partidos políticos: os casos do PT e PSDB no estado de São Paulo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 33, n° 96, 2018.

BRAGA, M.; PRAÇA, S. “Quem elege os candidatos paulistanos: partidos centralizados ou descentralizados?”. In: Anais do 28° Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, 26 a 30 out. 2004.

BRAGA, M.; VEIGA, L. “Eleições 2008: por quem e como são selecionadas as listas partidárias às Câmaras de Vereadores de três capitais brasileiras”. In: Anais do 33° Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, 26 a 30 out. 2009.

BRAGA, M.; VEIGA, L.; MIRÍADE, A. “Recrutamento e perfil dos candidatos e dos eleitos à Câmara dos Deputados nas eleições de 2006”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 24, n° 70, p. 123-186, 2009.

CAREY, J.; SHUGART, M. S. “Incentives to cultivate a personal vote: a rank ordering of electoral formulas”. Electoral Studies, vol. 14, n° 4, p. 417-439, 1995.

CERVI, E.; BORBA, F. “Os diretórios partidários municipais e o perfil sociodemográfico dos seus membros”. Revista Brasileira de Ciência Política. Brasília, n° 28, p. 65-92, 2019.

CHEIBUB, J.; SIN, G. “Preference vote and intra-party competition in open list PR systems”. Journal of Theoretical Politics, vol. 32, n° 1, p. 70-95, 2020.

CODATO, A.; BERLATTO, F.; BOLOGNESI, B. “Tipologia dos políticos de direita no Brasil: uma classificação empírica”. Análise Social, Lisboa, n° 229, p. 870-897, dez. 2018.

FREIDENBERG, F.; LÓPEZ, F. “Como se escolhe um candidato a presidente? Regras e práticas nos partidos políticos da América Latina”. Opinião Pública, Campinas, vol. 8, nº 2, p. 158-188, 2002.

GALLAGHER, M.; MARSH, M. Candidate selection in comparative perspective: the secret garden of politics. London: Sage Publications, 1988.

GUARNIERI, F. “A força dos partidos fracos: um estudo sobre a organização dos partidos brasileiros e seu impacto na coordenação eleitoral”. Tese de Doutorado em Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

GUARNIERI, F. “A força dos partidos 'fracos'”. Dados, vol. 54, n° 1, p. 235-258, 2011.

GUEDON, P. “Os degraus do recrutamento partidário: o caso da filiação na cidade do Rio de Janeiro”. Dissertação de Mestrado em História, Política e Bens Culturais, CPDOC-Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, 2019.

HAZAN, R.; RAHAT, G. Democracy within parties. Candidate selection methods and their political consequences. Oxford: Oxford University Press, 2010.

KATZ, R.; MAIR, P. “The evolution of party organizations in Europe: the three faces of party organization”. The American Review of Politics, vol. 14, Winter, p. 593-617, 1993.

KIRCHHEIMER, O. “A transformação dos sistemas partidários da Europa Ocidental”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n° 7, p. 349-385, jan.-abr. 2012.

KLEIN, C. O desafio da reforma política. Consequências dos sistemas eleitorais de listas aberta e fechada. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2007.

KROUWEL, A. Party models. In: KATZ, R.; CROTTY, W. (eds.). Handbook of Party Politics. London: Sage Publications, 2006.

LAMOUNIER, B. Prefácio. In: LAVAREDA, A. A democracia nas urnas. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

LIMA JR., O. B. Democracia e instituições políticas no Brasil dos anos 80. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

MAINWARING, S. “Políticos, partidos e sistemas eleitorais: o Brasil numa perspectiva comparada”. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n° 29, mar. 1991.

MAINWARING, S. Sistemas partidários em novas democracias – O caso do Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

MARENCO, A.; SERNA, M. “Por que carreiras políticas na esquerda e direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 22, nº 64, p. 93-113, 2007.

MULLER, W.; STROM, K. (Orgs.). Policy, office, or votes? How political parties in Western Europe make hard decisions. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

NICOLAU, J. “O sistema eleitoral de lista aberta no Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 49, n° 4, p. 689-720, 2006.

NICOLAU, J. Representantes de quem? Os (des)caminhos do seu voto da urna à Câmara dos Deputados. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

NORRIS, P. “Recrutamento político”. Revista de Sociologia Política, Curitiba, vol. 21, n° 46, p. 11-32, 2013.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido. Organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2005.

PASSARELLI, G. Preferential voting systems: influence on intra-party competition and voting behavior. Switzerland: Palgrave Macmillan, 2020.

PERES, P.; MACHADO, A. “Uma tipologia do recrutamento partidário”. Opinião Pública, Campinas, vol. 23, n° 1, jan.-abr. 2017.

RAHAT, G.; HAZAN, R. “Candidate selection methods: an analytical framework”. Party Politics, vol. 7, n° 3, p. 297-322, 2001.

ROEDER, K. “Existe uma nova direita no Brasil? Uma proposta de classificação e análise de seu perfil social”. In: Anais do 10º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Belo Horizonte, 2016.

ROEDER, K.; BOLOGNESI, B.; CRUZ, G. “Seleção de candidatos e poder local: estrutura e personalismo nas eleições de 2016 em Curitiba”. In: 9° Congresso da Associação Latino-Americana de Ciência Política (Alacip), 26 a 28 jul. 2017.

SAMUELS, D. “Determinantes do voto partidário em sistemas eleitorais centrados no candidato: evidências sobre o Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 40, n° 3, 1997.

SANTOS, F. O Poder Legislativo no presidencialismo de coalizão. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2003.

SCHMITT, R.; CARNEIRO, L.; KUSCHNIR, K. “Estratégias de campanha no horário gratuito de propaganda eleitoral em eleições proporcionais”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 42, n° 2, 1999.

SHUGART, M.; CAREY, J. Presidents and assemblies. Constitutional design and electoral dynamics. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

SIAVELIS, P.; MORGENSTERN, S. Pathways to power: political recruitment and candidate selection in Latin America. Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press, 2008.

SILOTTO, G. “A relevância regional nas estratégias partidárias: evidências das listas de candidatos de São Paulo”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 27, n° 69, 2019.

SOUZA, C.; GRAÇA, L. “Competição intrapartidária nas eleições para deputado federal: um estudo exploratório sobre São Paulo em 2014”. Política & Sociedade, Florianópolis, vol. 18, n° 42, 2019.

SPECK, B. “Nem ideológica, nem oportunista: a filiação partidária no contexto pré-eleitoral no Brasil”. Cadernos Adenauer, vol. 2, p. 107-124, 2013.

STROM, K. “A behavioral theory of competitive political parties”. American Journal of Political Science, vol. 34, n° 2, p. 565-598, 1990.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. “Partidos, programas e o debate sobre esquerda e direita no Brasil”. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n° 45, p. 149-165, 2013.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. “Os partidos brasileiros segundo seus estudiosos: análise de um expert survey”. Civitas, Porto Alegre, vol. 15, n° 1, 2015.

Downloads

Publicado

2022-05-10

Como Citar

Vilarouca, M. G. ., Freire, A. O. G. ., & Guedon, P. C. . (2022). O jogo das nominatas nas eleições municipais do Rio de Janeiro. Opinião Pública, 28(1), 126–168. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8669215

Edição

Seção

Artigos