Consentimento e vulnerabilidade: alguns cruzamentos entre o abuso sexual infantil e o tráfico de pessoas para fim de exploração sexual

  • Laura Lowenkron UNICAMP
Palavras-chave: Consentimento. Vulnerabilidade. Autonomia. Violência. Vitimização

Resumo

A partir da aproximação entre alguns aspectos da definição e da gestão dos problemas do “abuso sexual infantil” e do “tráfico de pessoas para fim de exploração sexual” enquanto problemas sociais, o artigo argumenta que consentimento e vulnerabilidade são conceitos chaves e complementares para a compreensão dos regimes contemporâneos de regulação jurídica das sexualidades e das sensibilidades sociais e políticas em relação à violência. Ao analisar os pressupostos do conceito de consentimento e suas articulações com a ideia de autonomia individual, bem como as ambiguidades e a potência da noção de vulnerabilidade, enquanto categoria capaz descontruir o valor central do consentimento na nova ordem sexual orientada por ideias e ideologias liberais, busco iluminar alguns dilemas éticos e políticos que estão em jogo na definição da violência e na construção/desconstrução da ideia de vitimização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Lowenkron, UNICAMP
Pesquisadora de pós-doutorado do Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, Campinas, SP, Brasil, com bolsa FAPESP (nº 2012/11629-4)

Referências

ABRAMOVAY, Miriam et al. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para as políticas públicas. Brasília, UNESCO, BID, 2002.

AHEARN, Laura M. Language and agency. Annual Review of Anthropology, vol. 30, 2001, pp.109-137.

ALDERSON, Priscilla. In the genes or in the stars? Children’s competence to consent. Journal of medical ethics, vol. 18, nº 3, pp.119-124 ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1981 [Tradução de Flasckman, D.].

AUSSERER, Caroline. Controle em nome da proteção: análise crítica dos discursos sobre tráfico internacional de pessoas. Dissertação de Mestrado – Instituto de Relações Internacionais, PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2007. AYRES, José Ricardo; PAIVA, Vera; BUCHALLA, Cassia Maria. Direitos Humanos e Vulnerabilidade na Prevenção e Promoção da Saúde: uma Introdução. In: PAIVA, Vera; AYRES, José Ricardo; BUCHALLA, Cassia Maria (orgs.). Vulnerabilidade e Direitos Humanos: Prevenção e Promoção da Saúde. Livro 1: Da doença à cidadania. Curitiba, Juruá Editora, 2012, pp.9-22.

BIROLI, Flávia. Democracia e tolerância à subordinação: livre-escolha e consentimento na teoria política feminista. Revista de Sociologia e Política, vol. 21, nº 48, dez. 2013, pp.127-142.

BORRILLO, Daniel. Le Droit des sexualités. Paris, PUF, 2009. Colletion Les vois du droit.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal (CP). 1940.

______. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 1990.

______.Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil.

BUTLER, Judith. Deshacer el género. Barcelona, Buenos Aires e México, Paidós, 2006.

______. Marcos de Guerra: las vidas lloradas. Barcelona, Buenos Aires e México, Paidós, 2010.

CARRARA, Sérgio. Sexualidade e Moralidades: a emergência dos direitos sexuais. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, Campinas, 17 de maio de 2012.

CASTILHO. Ela Wiecko V. de. A criminalização do tráfico de mulheres: proteção das mulheres ou reforço da violência de gênero? Cadernos Pagu (31), Campinas, Núcleo de Estudos e Gênero-Pagu/Unicamp, jul.-dez. 2008, pp.101-23.

______. Problematizando o conceito de vulnerabilidade para o tráfico internacional de pessoas. In: Brasil. Secretaria Nacional de Justiça. Tráfico de pessoas: uma abordagem para os direitos humanos. Secretaria Nacional de Justiça, Brasília, Ministério da Justiça, 2013, pp.133-153 CONSELHO Nacional de Imigração. Resolução Normativa nº 93, de 21 de dezembro de 2010. Dispõe sobre a concessão de visto permanente ou permanência no Brasil a estrangeiro considerado vítima do tráfico de pessoas.

DEBERT, Guita Grin. A antropologia e o estudo dos grupos e das categorias de idade. In: BARROS, M. M. L. D. (ed.). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.pp.49-69.

______ e GREGORI, Maria Filomena. Violência e gênero: novas propostas, velhos dilemas. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol. 23, nº66, 2008, pp.165-211.

DÍAZ-BENÍTEZ, María Elvira. Sexo com animais como prática extrema no pornô bizarro. Cadernos Pagu (38), Campinas, Núcleo de Estudos e Gênero-Pagu/Unicamp 2012, pp.241-281 [http://www.scielo.br/pdf/cpa/n38/n38a09.pdf. – acesso em: 21 set 2015].

DOEZEMA, Jo. Foced to choose: Beyond the voluntary v. forced prostitution dichotomy. In: KEMPADOO, Kamala and DOEZEMA, Jo. Global sex workers: rights, resistance and redefinition. Routledge, New York and London, 1998, pp.34-50.

FACCHINI, Regina e MACHADO, Sarah Rosseti. “Praticamos SM, repudiamos agressão”: classificações, redes e organização comunitária em torno do BDSM no contexto brasileiro. Sexualidad, Salud y Sociedad: revista latino-americana, nº 14, ago. 2013, pp.195- 228.

FALK Moore, Sally. Law as process: an anthropological approach. London, Routledge & Kegan Paul, 1978.

FASSIN, Didier. Humanitarian Reason: a moral history of the present. Berkeley, Los Angeles and London, University of California Press, 2012.

FERREIRA, Luisa Teresa Hedler. Lolita e a Corte: o debate sobre a autonomia sexual da vítima de estupro com presunção de violência no Supremo Tribunal Federal. Trabalho de conclusão de curso (TCC), bacharelado em Direito, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2015.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 15ªed. Petrópolis, Vozes, 1997 [Tradução de Ramalhete, R.]. FRAISSE, Geneviève. Del consentimiento. Santiago de Chile, Palinodia, 2011.

GREGORI, Maria Filomena. Prazer e Perigo: notas sobre feminismo, sexshops e s/m. Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. In: PISCITELLI, A. et al. (Ed.). Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro, Garamond, 2004, pp.235-255.

______. Práticas eróticas e limites da sexualidade: contribuições de estudos recentes. Cadernos Pagu (42), jan-jun de 2014, pp.47-74 [http://www.scielo.br/pdf/cpa/n42/0104-8333-cpa-42-00047.pdf. – acesso em: 21 set. 2015].

HACKING, Ian. World-making by kind-making: child abuse for example. In: HULL, M. D. D. (ed.). How classification works (Essays in honour of Nelson Goodman). Edinburgh, Edinburgh University Press, 1992.

HARTMAN, Saidiya V. Scenes of Subjection: terror, slavery and selfmaking in nineteenth-century America. New York, Oxford, Oxford University Press, 1997.

JENKINS, Philip. Moral Panics: changing concepts of the child molester in modern America. New Haven e London, Yale University Press, 1998.

KEMPADOO, Kamala. Introduction: From moral panic to global justice: changing perspectives on traffiking. In: KEMPADOO, K e PATTANAIK, J. (eds.). Traffifing and Prostitution reconsidered. New perspectives on migration, sex work and human rights. London, Paradigm Publishers, 2005, pp.vii-xxxiv.

LOWENKRON, Laura. O Monstro Contemporâneo: a construção social da pedofilia em múltiplos planos. Rio de Janeiro, Eduerj/CLAM, 2015.

______. All against pedophilia: Ethnographic notes about a contemporary moral crusade. Vibrant, vol.10, Florianópolis 2013, pp.39-72 [http://www.scielo.br/pdf/vb/v10n2/a02v10n2.pdf – acesso em: 21 set. 2015].

______. (Menor)idade e consentimento sexual em uma decisão do STF. Revista de Antropologia (USP), vol. 50, nº 2, São Paulo, 2007, pp.713-745.

______. O tráfico de pessoas a partir do olhar policial: construção de uma categoria criminal e desconstrução de um problema social. In: PISCITELLI, Adriana e LOWENKRON, Laura (orgs.). Trânsitos, crime e fronteiras: gênero, tráfico de pessoas e mercados do sexo no Brasil, no prelo.

MAHMOOD, Saba. Teoria Feminista, Agência e Sujeito Liberatório: algumas reflexões sobre o revivalismo islâmico no Egipto. Etnográfica, vol. X (1), Lisboa, 2006, pp.121-158.

NEVARES, Ana Luiza Maia. O erro, o dolo, a lesão e o estado de perigo no novo Código Civil. In: TEPEDINO, Gustavo. (Coord.) A Parte Geral do Novo Código Civil: estudos na perspectiva civil-constitucional 2ª ed. Rio de Janeiro, Renovar, 2003, pp.255-298.

PATEMAN, Carole. Women and Consent. Political Theory, vol. 8, n. 2, May, 1980, pp.149-168.

PEREIRA, Cristiana Schettini. Lavar, passar e receber visitas: debates sobre a regulamentação da prostituição e experiências de trabalho sexual em Buenos Aires e no Rio de Janeiro, fim do século XIX. Cadernos Pagu (25), Campinas, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2005, pp.25-54.

PISCITELLI, Adriana. Trânsitos: brasileiras nos mercados transnacionais do sexo. Rio de Janeiro, Eduerj, 2013.

______. Emigração e tráfico: um debate. In: PACELLI, Ademir et al. A experiência migrante: entre deslocamentos e reconstruções. Rio de Janeiro, Garamond, 2010.

______. Entre as “máfias” e a “ajuda”: a construção de conhecimento sobre tráfico de pessoas. Cadernos Pagu (31), Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2008, pp.29-63.

RENAULT, Alain. L’ère de l’individu: contribuitionà une histoire de lasubjectivité. Paris, Gallimard, 1989.

TAYLOR, Charles. As fontes do self: a construção da identidade moderna. São Paulo, Edições Loyola, 2005.

TOGNI, Paula Christofoletti. A Europa é o Cacém: mobilidades, gênero e sexualidade nos deslocamentos de jovens brasileiros para Portugal. Tese de doutorado em Antropologia Social, Instituto Universitário de Lisboa, 2014.

UNODC. Issue Paper: Abuse of a position of vulnerability and other “means” within the definition of trafficking in persons. United Nations Office on Drugs and Crime. New York, United Nations, 2013.[http://www.unodc.org/unodc/en/humantrafficking/publications.html?ref=menuside#Issue_Paper_Abuse – acesso em: 01 jun. 2013].

______. Nota orientativa sobre el concepto de “abuso de una situación de vulnerabilidad” como medio para cometer el delito de trata de personas, expresado em el artículo 3 del Protocolo para prevenir, reprimir y sancionar la trata de personas, especialmente mujeres y niños, que complementa la Convención de las Naciones Unidas contra la Delincuencia Organizada Transnacional. Oficina de las Naciones Unidas contra la droga y el delito, 2012. [http://www.unodc.org/unodc/en/humantrafficking/publications.html?r ef=menuside#Issue_Paper_Abuse – acesso em: 01 jun. 2013].

VARELA, Cecilia Inés. De la “letra de la ley” a la labor interpretante: la vulnerabilidad” femenina en los procesos de judicialización de la ley de trata de personas. Cadernos Pagu (41), Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, julho-dezembro de 2013, pp.265- 302 [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 83332013000200015 – acesso em: 21 set. 2015].

VIANNA, Adriana de Resende Barreto. Limites da menoridade: tutela, família e autoridade em julgamento. Tese de Doutorado - PPGAS - MN, UFRJ, Rio de Janeiro, 2002 VIGARELO, Georges. História do Estupro: violência sexual nos séculos XVI-XX. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1998. [Tradução de Magalhães, L.] WAITES, Matthew. The age of consent: Young people, sexuality and citizenship. New York, Palgrave Macmillan, 2005.

ZILLI, Bruno DallaCort. BDSM de A a Z: a despatologização através do consentimento nos “manuais” da Internet. In: DÍAZ-BENITEZ;, M. E.; FÍGARI, C. E. (Ed.). Prazeres Dissidentes. Rio de Janeiro: Garamond, 2009, pp.481-508.

Publicado
2016-04-27
Como Citar
Lowenkron, L. (2016). Consentimento e vulnerabilidade: alguns cruzamentos entre o abuso sexual infantil e o tráfico de pessoas para fim de exploração sexual. Cadernos Pagu, (45), 225-258. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645215