Divisão sexual do trabalho e o tempo cotidiano das mulheres de baixa renda

  • Fernanda Sucupira Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Usos do tempo. Divisão sexual do trabalho. Relações sociais de sexo. Trabalho doméstico. Dupla presença

Resumo

Este artigo analisa as consequências da articulação entre trabalho remunerado e trabalho doméstico e familiar sobre os usos do tempo das mulheres de baixa renda. A partir de entrevistas qualitativas com trabalhadoras que vivem com seus companheiros e filhos na comunidade de Paraisópolis, foram analisadas as repercussões da divisão sexual do trabalho na vida cotidiana delas. Identificaram-se também as estratégias de resistência desenvolvidas para lidar com a dupla presença feminina. Os depoimentos mostram que o dia a dia está tomado por essa dupla carga de trabalho, sobrando pouco espaço para outras temporalidades sociais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Sucupira, Universidade Estadual de Campinas
Mestra em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e especialista em Gênero e Igualdade nas Políticas Públicas pela Universidad Autónoma de Barcelona (UAB).

Referências

ÁVILA, M. B. O tempo de trabalho das empregadas domésticas: tensões entre dominação/exploração e resistência. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

BALBO, L. “La doble presencia”, in BORDERÍAS, C.; CARRASCO, C.; ALEMANY, C. Las mujeres y el trabajo: rupturas conceptuales. Barcelona-Madrid: Fuhem-Icaria, 1994, pp. 505-513.

BRUSCHINI, C. Mulher, casa e família: cotidiano nas camadas médias paulistanas. São Paulo: FCC e Vértice, 1990.

BRUSCHINI, C.; RICOLDI, A. Articulação trabalho e família: famílias urbanas de baixa renda e políticas de apoio às trabalhadoras. São Paulo: FCC/DPE, 2008.

BRUSCHINI, C. Revendo estereótipos: o papel dos homens no trabalho doméstico. São Paulo: FCC/DPE, 2010.

CARRASCO, C. “¿Conciliación? No, gracias. Hacia una nueva organización social”, in AMOROSO, M. I. et al. Malabaristas de la vida: Mujeres, tiempos y trabajos. Barcelona: Icaria, 2003, p. 27-51.

CARRASQUER, Pilar. P. La doble presencia. El trabajo y el empleo femenino en las sociedades contemporáneas. Barcelona: Tese de doutorado da Universidad Autónoma de Barcelona, 2009.

CHABAUD-RYCHTER, D.; FOUGEYROLLAS-SCHWEBEL, D.; SONTHONNAX, F. Espace et temps du travail domestique. Paris: Librairie des Méridiens, 1985.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. “Relações sociais de sexo e psicopatologia do trabalho”, in HIRATA, H. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002, pp. 233-255.

HIRATA, H. “A divisão sexual do trabalho revisitada”, in MARUANI, M.; HIRATA, H. (orgs.). As novas fronteiras da desigualdade: homens e mulheres no mercado de trabalho. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003.

IBGE. “IBGE divulga indicadores sociais sobre a mulher”. Comunicação Social, 07/03/2002. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/07032002mulher. shtm.

IBGE. Censo Demográfico 2010 – Aglomerados subnormais: Primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

IPEA. “Trabalho para o mercado e trabalho para casa: persistentes desigualdades de gênero”. Comunicados IPEA, n. 149, 23 de maio de 2012.

KERGOAT, D. “Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo”, in HIRATA, H. et al (orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009, pp. 67-75.

KERGOAT, D. “Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais”, Novos estudos CEBRAP, n. 86, São Paulo, março de 2010.

MACHADO, M. “Trabalho remunerado e trabalho doméstico: conciliação?”, in ÁVILA, M. B.; FERREIRA, V. (orgs.). Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres. Recife: SOS Corpo, 2014.

MÉDA, D. El Tiempo de las mujeres: conciliación entre vida familiar y profesional de hombres y mujeres. Madrid: Instituto de la Mujer, 2002.

Publicado
2016-10-04
Como Citar
Sucupira, F. (2016). Divisão sexual do trabalho e o tempo cotidiano das mulheres de baixa renda. Ideias, 7(1), 15-40. https://doi.org/10.20396/ideias.v7i1.8649509
Seção
Dossiê: Relações Brasil-China