Gênero e raça: a nação construída pelo futebol brasileiro

Autores

  • Marcos Alves de Souza Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Palavras-chave:

Identidade nacional. Futebol. Nação. Cidadania

Resumo

Resumo

 

Procuro analisar a essencialização da construção da imagem da Nação brasileira, via futebol, tanto no senso comum, como entre autores que dedicaram-se ao assunto, que serão lidos como produtores de representações da construção da imagem da nação. Os potenciais classificadores do gênero e da raça otimizam as narrativas do nacionalismo no futebol brasileiro, e amplificam a carga essencialista da identidade nacional por ele transmitida. Tentando ressaltar pretensas substâncias do povo brasileiro, as ideologias nacionalistas demarcam o pertencimento a uma nação ideal e vitoriosa baseando o estilo brasileiro de futebol, conhecido como "futebol-arte", em supostas características herdadas geneticamente pelos negros do país. Por outro lado, estabelecendo o tipo de cidadania que é pensada para cada sexo, o futebol brasileiro também constrói e comunica as diferenças impostas pela construção da nação a partir das relações entre os gêneros.

 

Abstract

In this work I analyse the ‘essentialization’ trend in the building of the image of Brazilian Nation through soccer, both in common-sense and among the authors who have dealt with the theme, who will be analysed as producing representations of the building of Nation’s image. Potential classifiers of gender and race optimize narratives of nationalism in Brazilian soccer and amplify the essentialist content of National identity transmited by it. Trying to highlight pretense ‘substances’ of Brazilian people, Nationalist ideologies demarcate the sense of ‘being part of’ an ideal and mastering Nation, making the Brazilian style of soccer, known as futebol-arte’ (artistic soccer) a derivation of supposed characters genetically inherited by Brazilians of African origin. Also, in stablishing sex-differentiated kinds of citizenship, Brazilian soccer devise and transmit differences imposed by the building of Nation from gender relations.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Alves de Souza, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Graduação (bacharelado e licenciatura - 1996), mestrado (2000) e doutorado (2006) em História, titulações obtidas junto à Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus de Franca. Atualmente é Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UNESP, Campus de Franca, atuando em RDIDP. Tem experiência de pesquisa na área de História, com ênfase em História Latino-Americana e História do Pensamento Latino-Americano. Na atividade docente superior, tem experiência com as disciplinas de História da América (América Latina, Estados Unidos e Canadá), História do Brasil (Colônia, Império e República), História Moderna, História Contemporânea, História da Relações Internacionais, Metodologia da História e da Geografia, Teoria da História, Historiografia, Filosofia e Economia. Desde 2013 é líder do Grupo de Pesquisa Intelectuais e Política nas Américas (IPA), juntamente com o Prof. Dr. Marcos Sorrilha Pinheiro, grupo de pesquisa certificado pelo CNPq e que atua na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - UNESP/Campus de Franca.

Referências

“Bocage no Futebol”. In: RODRIGUES, Nelson. À Sombra das Chuteiras Imortais. São Paulo, Cia das Letras, 1993

“História com dois enes”. In: NOGUEIRA, Armando. Bola na Rede. Rio de Janeiro, Livraria José Olímpio Editores, 1974, p.120

“Hungria 54: Um time vertiginoso”. In: NOGUEIRA, Armando, SOARES, Jô e MUYLAERT, Roberto. A Copa que ninguém viu... Op.cit., p.46

“No peito, na raça e no futebol”. In: RODRIGUES Filho, Mário. O Sapo de Arubinha. Op.cit., p.240.

“O ideal de 16 de julho”. In: RODRIGUES Filho, Mário. O Sapo de Arubinha. São Paulo, Cia das Letras, 1994, p.202

“O nosso Obdulinho”. In: RODRIGUES, Nelson. O Sapo de Arubinha. São Paulo, Cia das Letras, 1994, p.43

“Por Que Xingam os Torcedores de Futebol?”. Cadernos de Campo (3), São Paulo, IBICT, 1993

“Transgressão e Violência entre Torcedores de Futebol”. Revista USP (22), São Paulo, USP, 1994.

ANDERSON, Benedict. Nação e Consciência Nacional. São Paulo, Ática, 1989, pp.156- 162

ARAGÃO, Luiz Tarlei de. “ ‘Mãe Preta, Tristeza Branca’: Processo de Socialização e Distância Social no Brasil”. Série Antropológica (90), Brasília, DAN/UnB, pp.4-5.

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. “Os Gênios da Pelota. Um Estudo do Futebol como Profissão”. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, PPGAS/ Museu Nacional. 1980, p.20

Artur Bernardes em entrevista ao Jornal do Brasil, 26/4/92, transcrito de GIL, Gilson. “O drama do ‘FutebolArte’: o debate sobre a seleção nos anos 70”. Revista Brasileira de Ciências Sociais (25), São Paulo, ANPOCS, 1994, p.104.

BRUNI, José Carlos. “Apresentação”. Revista USP (22), São Paulo, USP, 1994, p.8.

CORRÊA, Lúcia Helena. “Racismo no Futebol Brasileiro”. In: DIEGUEZ, Gilda Korff (org.). Esporte e Poder. Petrópolis, Vozes, 1985, pp.32-33.

DA MATTA, Roberto. “Antropologia do Óbvio”. Revista USP (22), São Paulo, USP, 1994

DA MATTA, Roberto. “Brasil: Futebol Tetracampeão do Mundo (Entrevista)”. In: Brasil: Futebol Tetracampeão do Mundo (Pesquisa de Campo) (1), Rio de Janeiro, Departamento Cultural/ UERJ, 1995, p.7

DA MATTA, Roberto. “Esporte na Sociedade: Um Ensaio sobre o Futebol Brasileiro”. In: DA MATTA, Roberto et alii. Universo do Futebol: esporte e sociedade Brasileira. Rio de Janeiro, Pinakotheke, 1982, p.29.

DUMONT, Louis. Homo Hierarchicus: O Sistema de Castas e suas Implicações. São Paulo, Edusp, 1992, p.357.

DUMONT, Louis. O Individualismo: Uma Perspectiva Antropológica da Ideologia Moderna. Rio de Janeiro, Rocco, 1985, p.138.

DUNNING, Eric. “O desporto como uma área masculina reservada: notas sobre os fundamentos sociais da identidade masculina e as suas transformações”. In: ELIAS, N. e DUNNING, E (orgs.). A Busca da Excitação. Op.cit., pp.399 e ss.

ECO, Umberto. Viagem na Irrealidade Cotidiana. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984, p.231.

ELIAS, Norbert. “Introdução”. In: ELIAS, N. e DUNNING, E (orgs.). A Busca da Excitação. Lisboa, Difel, 1992, pp.94-95.

FLORES, Luiz Felipe B.N. “Futebol, os Jogos – 1 o Turno”. In: Brasil: Futebol Tetracampeão do Mundo (Pesquisa de Campo) (1), Rio de Janeiro, Departamento Cultural/UERJ, 1995, pp.16-17.

FREYRE, Gilberto. Novo Mundo nos Trópicos. São Paulo, Cia. Editora Nacional/Edusp, 1971, p.97.

GORDON Jr., Cesar C. “História Social dos Negros no Futebol Brasileiro”. In: Futebol e Cultura Brasileira (Pesquisa de Campo) (2), Rio de Janeiro, Departamento Cultural/UERJ, 1995, p.73.

GUEDES, Simoni Lahud. “O Futebol Brasileiro – Instituição Zero”. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, PPGAS/Museu Nacional, 1977, p.86.

GUEDES, Simoni Lahud. “O Salvador da Pátria – Considerações em Torno da Imagem do Jogador Romário na Copa do Mundo de 1994”. In: Brasil: Futebol Tetracampeão do Mundo (Pesquisa de Campo) (1), Rio de Janeiro, Departamento Cultural/UERJ, 1995, p.24.

HELAL, Ronaldo. “Estádios Vazios, Ausência de Ídolos: Notas para uma Reflexão sobre a Crise do Futebol Brasileiro”. In: Futebol: 100 Anos de Paixão Brasileira (Pesquisa de Campo) (0), Rio de Janeiro, Departamento Cultural/UERJ, 1994, p.61.

HOBSBAWM, Eric. “A Produção em Massa de Tradições: Europa, 1879 a 1914”. In: HOBSBAWM, E. e RANGER, T. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1984, pp.309-311.

HOBSBAWM, Eric. Nações e Nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990, p.87.

KLEIN, Melanie. “Contribuições à psicanálise”, citado em CARVALHO, Sandra Salomão. “Aspectos Psicossociais do Esporte”. In: DIEGUEZ, Gilda Korff (org.). Esporte e Poder Op.cit., p.84.

KLINTOWITZ, Jacob. “A Implantação de um modelo alienígena exótico e outras questões pertinentes: a Seleção Brasileira de Futebol – 1978”. Encontros com a Civilização Brasileira (5), Rio de Janeiro, 1978, p117.

LEVINE, Robert M. “Esporte e Sociedade: o caso do futebol brasileiro”. In: MEIHY, J.C.S.B. e BERTOLLI Filho, C. (Orgs.) Futebol e Cultura: Coletânea de Estudos. São Paulo, Imprensa Oficial/Arquivo do Estado, 1982, pp.42-43.

LOPES, José Sérgio L. “A Vitória do Futebol que Incorporou a Pelada”. Revista USP (22), São Paulo, USP,1994, p.75.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. “Para que serve o Futebol?”. In: Futebol e Cultura: Coletânea de Estudos. São Paulo, Imprensa Oficial/Arquivo do Estado, p.15.

MURAD, Maurício. “Corpo, Magia e Alienação – O Negro no Futebol Brasileiro: Por uma interpretação Sociológica do Corpo como Representação Social”. In: Futebol: 100 Anos de Paixão Brasileira (Pesquisa de Campo). (0). Op.cit., p.75.

MURAD, Maurício. “O Lugar Teórico da Sociologia do Futebol”. In: Futebol e Cultura Brasileira... (Pesquisa de Campo) (2). Rio de Janeiro, Departamento Cultural/UERJ, 1995, p.113.

O Estado de S.Paulo, 6/7/54, reproduzido em NOGUEIRA, Armando, SOARES, Jô e MUYLAERT, Roberto. A Copa que ninguém viu e a que não queremos lembrar. São Paulo, Cia. Das Letras, 1994

PARKER, Andrew et alii. “Introduction”. In: Nationalism and Sexualities. New York, Routledge, 1992.

PEFFERKORN, Maurice. "Les écoles de football", citado em LOPES, José Sérgio L. “A Morte da Alegria do Povo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais (20), São Paulo, ANPOCS, 1992, p.124.

PRADO, Decio de Almeida. “Dois Textos”. Revista USP (22), São Paulo, USP, 1994, p.24.

RODRIGUES, Nelson. O Sapo de Arubinha. São Paulo, Cia das Letras, 1994, p.43); "o que nos doeu mais foi o contraste entre a garra uruguaia e a quase passividade brasileira" (“O ideal de 16 de julho”. In: RODRIGUES Filho, Mário. O Sapo de Arubinha. São Paulo, Cia das Letras, 1994, p.202)

ROSENFELD, Anatol. Negro, Macumba e Futebol. São Paulo, Edusp, 1993, pp.95-96.

SAMPAIO, Nadja. “O Esporte na Televisão”. In: DIEGUEZ, Gilda Korff (org.). Esporte e Poder. Op.cit., p.66.

SEVCENKO, Nicolau. “Futebol, Metrópoles e Desatinos”. Revista Usp (22), São Paulo, USP, 1994

SEVCENKO, Nicolau. “Utopia fatal”. In: RODRIGUES, Nelson. A Pátria em Chuteiras. São Paulo, Cia das Letras, 1994, p.130).

SOUZA, Marcos Alves. “A Nação em Chuteiras: Raça e Masculinidade no Futebol Brasileiro”. Dissertação de Mestrado, Brasília, PPGAS-DAN/UNB, 1996.

SUÁREZ, Mireya. “Desconstrução das Categorias Mulher e Negro”. Série Antropologia (133), Brasília, DAN/UnB, 1992.

TOLEDO, Luis Henrique de. Torcidas Organizadas de Futebol. Campinas, Autores Associados/ANPOCS, 1996.

VIDAL E SOUZA, Candice. “Brasileiros e Brasileiras: O Gênero na Construção da Nacionalidade em Cassiano Ricardo e Alfredo Ellis Jr.”. Brasília, PPGAS/Universidade de Brasília, 1993, p.10.

VINNAI, Gerhard. El fútbol como ideología. Buenos Aires, Siglo Veintiuno, 1974, pp.129

Downloads

Publicado

2010-01-01

Como Citar

SOUZA, M. A. de. Gênero e raça: a nação construída pelo futebol brasileiro. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 6/7, p. 109-152, 2010. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1864. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos