Mediação feminina e identidades pentecostais

Autores

  • Patricia Birman Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Identidade religiosa. Igrejas pentecostais. Cultos afrobrasileiros

Resumo

Resumo

Neste texto pretendo discutir o sentido de ser crente hoje para um segmento popular no Rio de Janeiro, enfatizando o contexto social em que esta identidade emerge e se torne particularmente valorizada e atraente entre as alternativas religiosas disponíveis. Parti do princípio que, no campo pentecostal, há formas diferenciadas de pertencer a esse universo religioso que ultrapassam em muito o espírito protestante que, supostamente, daria sentido a essa identidade. Pretendo me deter nos meios através dos quais as mulheres, pertencentes à Igreja Universal do Reino de Deus, criam um campo de continuidades entre crentes e não crentes, buscando desfazer o que seriam os contrastes e as rupturas entre eles. Esses mecanismos de compatibilização se fazem através da apropriação, bastante seletiva, aliás, da cultura "afro-católica" e que hoje também é exibida como um polo antagônico.

 

Abstract

Here I discuss what to be a "believer" means for a low strata group of Rio de Janeiro. I highlight the social context in which this identity emerges and turns into a particularly valued and appealing religious alternative. I consider that there are differentiated ways to belong to that religious universe - those surpassed the protestant spirit that would supposedly give sense to that identity. Instead of looking at contrasts and discontinuities among women belonging to the "Igreja Universal do Reino de Deus". I rather intend to look to the ways through which they create continuities among "believers" and "non believers" selective appropriation of African-Catholic culture is the way through which women create those continuities.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Birman, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1976), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1980) e doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988). Realizou um pós-doutorado (1995/1996) na École des Hautes Études en Sciences Sociales,Paris.É professora titular de Antropologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Como antropóloga especializou-se no domínio dos estudos sobre religião, realizou pesquisas sobre cultos afro-brasileiros,pentecostalismo no Brasil e religiões no espaço público. Atualmente desenvolve trabalhos sobre conexões entre discursos e práticas religiosas e conflitos na cidade bem como pesquisa sobre territórios, identidades e formas de segregação no espaço urbano.

Referências

BIRMAN, Patricia. Fazer Estilo Criando Gêneros. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1995.

BIRMAN, Patricia “Cultos de possessão e pentecostalismo no Brasil: passagens”. Religião e Sociedade 17(1): 2, 1996.

BOYER, Veronique. “Macumbeiras e crentes, as mulheres vêm os homens”. Mimeo, 1994.

Burdick, J. Looking for God in Brazil. The progressive Catholic Church in Brazil religious arena. Berkeley, University of California Press, 1993.

CORTEN, A. Le pentecôtisme au Brésil. Emotion Du pauvre ET romantisme théologique. S.l.p., Ed. Karthala, 1995.

MARIZ, C. e MACHADO, M. “Pentecostalismo e a redefinição do feminismo”. Religião e sociedade 17 (1/2), 1996

MACHADO, M.D. “Adesão religiosa e seus efeitos na esfera privada: um estudo comparativo dos carismáticos e pentecostais do Rio de Janeiro”. Tese de doutorado, 1994. David Lehman, 1996.

Mary, A. "Le travail symbolique des prophètes d'Eboga: logiques syncrétiques et entredeux culturel". Cahiers d'Etudes Africaines 132 (XXXIII-4), 1993.

Sanchis, P. "O repto pentecostal à cultura católico-brasileira". In: Nem anjos nem demônios.

Downloads

Publicado

2010-01-01

Como Citar

BIRMAN, P. Mediação feminina e identidades pentecostais. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 6/7, p. 201-226, 2010. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1868. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos