Banner Portal
Tecnologias reprodutivas: novas escolhas, antigos conflitos
PDF

Palavras-chave

Tecnologias Reprodutivas. Políticas de Saúde. Condições de Consumo

Como Citar

SCAVONE, Lucila. Tecnologias reprodutivas: novas escolhas, antigos conflitos. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 10, p. 83–112, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/2189. Acesso em: 19 maio. 2024.

Resumo

Resumo

 

Este artigo é uma reflexão sobre o consumo crescente das tecnologias reprodutivas, isto é, do conjunto de técnicas contraceptivas e conceptivas utilizadas para impedir ou realizar a reprodução humana. Busca dar visibilidade às condições deste consumo na sociedade brasileira. Evidencia a entrada das mulheres brasileiras no ciclo das tecnologias reprodutivas: contracepção medicalizada, parto cirúrgico, esterilização e reprodução assistida, mostrando que o uso de uma tecnologia pode gerar a necessidade do uso de outra.

 

Abstract

 

This article reflects on the increasing consumption of reproduction technologies, ie, the group of techniques used to prevent and to provide human reproduction. It discusses the conditions of consumption of such technologies in Brazil, looking at how Brazilian women have been making use of the whole cycle of reproduction technologies: medicalized contraception, surgical delivery, sterilization and assisted reproduction. The article shows that the use of one technology often generates the need for the use of another.

PDF

Referências

ARILHA, M. Desejo da Maternidade, Tecnologias Conceptivas e o Estado: rápidas considerações. In: SCAVONE, Lucila. (org.) Tecnologias Reprodutivas, gênero e ciência. Op.Cit., PP. 199-204.

BARBOSA, Regina e ARILHA, Margareth. A Experiência Brasileira com o CYTOTEC. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, vol.1, nº 2, 1993, pp.408-417

BEMFAM/IRD. Pesquisa Nacional Sobre Saúde Materno-Infantil e Planejamento Familiar. Rio de Janeiro, 1986.

BERLINGUER, Giovanni. Ética da Saúde. São Paulo, 1996, p.14.

BERQUÓ, E., ARAÚJO, M. J. e SORRENTINO, S. A transição da fecundidade e o Custo em Saúde por parte das mulheres: o caso do Brasil. São Paulo, CEBRAP, 1994

BERQUÓ, Elza. Brasil, um caso exemplar – anticoncepção e partos cirúrgicos – à espera de uma ação exemplar. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, vol.1, nº 2, 1993, pp.366-381.

Boletim Informativo Cidadania e Reprodução, Comissão Cidadania e Reprodução. São Paulo, 10, ano III, 1997, p.2.

BRETIN, H. Contraception: quel choix pour quelle vie? Récits de femmes, paroles de médecins. Paris, INSERM, 1992, pp.229.

Bulletin Médical de l’IPPF. Numero sur les contraceptifs injectables, vol. 26, nº 6, dez 1996, p.1.

CORRÊA, S. e PETECHESKY R. Direitos Sexuais e Reprodutivos: uma Perspectiva Feminista. Physis, Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, UERJ/IMS, vol.6, nº 1/2, 1996, pp.147-179.

CORRÊA, Sonia. O Norplant nos anos 90. Peças que faltam. Revista Estudos Feministas. Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, II Semestre de 1994, Número Especial, pp.86-98.

DACACH, Solange e ISRAEL, Giselle. Norplant – ciência ou (in)consciência. In: SCAVONE L. (org.) Tecnologias Reprodutivas, gênero e ciência. São Paulo, Ed. UNESP, 1996, pp.87-97.

DE KONINCK, Maria. La gestion Biomédicale du corps des femmes: un progrès? In: BAUCHARD, L. e COHEN, D. Médicalisation et controle social. Le Cahiers Scientifiques, ALFAS, Montréal, 84, 1995, PP. 33-42.

DOROSZ. Guide Pratique des Médicaments. Paris, Ed. Maloine, 1992.

FARIA, Marinete de Souza. NORPLANT um caso exemplar sobre a ausência da ética num experimento em seres humanos. Simpósio Bioética e Procriação Humana, Diálogos com o Feminismo.

GIDDENS, Anthony. Admirável mundo novo: o novo contexto da política. Caderno CRH 21, Salvador, jul/dez 1994, pp.9-27.

HERITIER, Françoise. Masculin/Feminin la pensée de la différence. Paris, Editions Odile Jacob, 1996, pp.332

IARC-WHO. Oestrogens, Progestind and Combinations. Monographs Spplement 7, IARC, Lyon, Scientific publications, 1987.

ILLICH, Ivan. Némésis Médicale. L’expropriation de la santé. Paris, Seuil, 1975.

ISRAEL, Giselle e DACACH, Solange. As rotas do Norplant, desvios da contracepção. Rio de Janeiro, REDEH, 1993.

LABORIE, F. Rapports Sociaux des Sexe dans les Nouvelles Tecnhologies de la Reproduction. Cahiers Du Gedisst. Paris, IRESCO/CNRS, nº 3, 1992, pp.29-36.

LABORIE, Françoise. Procréation artificielle: santé des femmes et des enfants. In: MASUY-STROOBANT, G. et alii. Santé et Mortalité des Enfants en Europe: Inégalités Sociales D’Hier et D’aujourd’hui. Paris, L’Harmattan, 1996, pp.477-500.

LABORIE, Francoise. Rapports Sociaux des Sexe dans le Nouvelles Technologies de la Reproduction. Cahiers du Gedisst. Paris, IRESCO/CNRS, nº 3, 1992, p.29.

LALANDE, André. Vocabulário – técnico e crítico – da Filosofia. Lisboa, Rés, s/d., pp.596-598.

LERIDON H. e TOULEMON L. La régulation des naissances se géneralise. Les Dossiers du CEPED, Paris, nº 41, juin 1996, p.13.

MARCUSE, Herbert. Apud. HABERMAS, Jürgen. La Technique et la Science comme “ideologie”. Paris, Gallimard, 1973, p.5. Tradução livre.

MAUSS, Marcel. Sociologie et Anthropologie. Paris, PUF, 1980, p.371.

MOLINA, Aurélio. O paradigma ético-científico e a saúde da mulher. Simpósio Bioética e Procriação Humana, diálogos com o feminismo. Rio de Janeiro, COPPE/UFRJ, 1996, p.156.

MUNYAKAZI, Alphonse. Un contraceptif Implantable: Le Norplant (R). Famille, Santé, Développement, Rwanda, nº 15, août 1989, p.25.

NOVAES, Simone e BIÉLGEMANN-MASSARI, Michèle. Panorama of fertility control in the world. In: ROSE, J. (ed.) Human Population Problems. Gordon and Breach Science Publishers, 1997. (forthcoming).

NOVAES, Simone. e SALEM, Tânia. Recontextualizando o embrião. Revista Estudos Feministas. Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, nº 1, 1995, pp.65-89.

NOVAES, Simone. Ética e Debate Público. Revista Sociedade e Estado, Brasília, volume X, nº 1, jan/jun 1995, p.71.

OLIVEIRA, F. Expectativas, Falências e Poderes da Medicina de Procriação: Gênero, Racismo e Bioética. In: SCAVONE, L. (org.) Tecnologias Reprodutivas, gênero e ciência. Op.cit., pp. 185-198.

PALMUND, I. Risk evaluation and estrogens. International Journal of Risk and Safety in Medicine, vol.2, pp.321-342 apud LABORIE, F. Op.cit., p. 487.

Pesquisa Nacional Demografia e Saúde/BEMFAM/1996. Jornal Folha de S.Paulo, 8/10/96.

Relatório Sobre o Desenvolvimento Humano No Brasil 1996 (Brasília, PNUD/IPEA, 1996, 185 pp.)

ROTANIA, A. O projeto Genoma Humano: desafios éticos da biologia moderna. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, nº 1, jan/jun 1993, pp.3-16.

SCAVONE, L. Relatório Final da Pesquisa Saúde Reprodutiva das Mulheres: Maternidade e Contracepção. Araraquara, FCL/UNESP, 1997.

SCAVONE, L., BRETIN, H. e THÉBAUD-MONY, A. Contracepção, Controle Demográfico e Desigualdades Sociais: análise comparativa francobrasileira. Revista Estudos Feministas. Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, 1994, vol.2, nº 2, pp.357-372.

SCAVONE, Lucila. Impactos das Tecnologias Médicas na Família. Revista Saúde em Debate, Londrina, CEBES, nº 40, setembro de 1993, pp.48-53.

SILVESTRE, L. et ULMANN, A. Intérêt du RU486 en gynécologieobstétrique. Abstract Gyneco Bimensuel, nº 63, 1990, pp.14-17.

SITRUK-WARE, R. La contraception du Futur. La Presse Médicale. Paris, 16, nº 11, 1987, p.511.

STEMERDINGKAREN, B. Falácia da Escolha. Jornal da Redesaúde, São Paulo, nº 13, 1997, p.13.

TESTART, J. Le Magasin des Enfants. Paris, François Bourin, 1990.

THONNEAU, Patrick et alii. Analysis of 369 abortions conducted by mifepristone (RU486) associated with sulprostone in a French family planning center. Fertility and Sterility 13, jan 1994, pp.1-5.

VIANNA, Lucila Amaral C. Epidemiologia do Aborto. In: SCAVONE, L. (org.) Tecnologias Reprodutivas, gênero e ciência. Op.cit., p.132.

WORLD BANK. Brazil: Women’s Reproductive Health, 1990.

Downloads

Não há dados estatísticos.