Informática: domínio masculino?

Autores

  • Clevi Elena Rapkiewicz Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Informática. Segregação de Gênero. Feminilização de Ocupações

Resumo

Resumo

 

Neste texto procura-se, a partir de dados do mercado de trabalho formal brasileiro de 1986 a 1997, verificar como a divisão do trabalho entre os gêneros tem variado nas diferentes profissões e ocupações da área de informática. Constata-se que, apesar da permanência de certos aspectos “clássicos” de tal divisão como a concentração feminina nas ocupações que demandam menor nível de qualificação, novas oportunidades têm sido abertas, podendo-se, em certa medida, considerar a área de informática como menos masculina do que outras áreas tecnológicas.

 

Abstract

 

This article analyses data to assess how the gender division of labour appears in various different jobs in informatics in the period between 1986 and 1997. The findings show that despite the permanence of some “classic” aspects of segregation, such as women's concentration in jobs that require fewer skills, new opportunities have been created that allow us to consider informatics as a less masculine technological area, diverging from general trends.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clevi Elena Rapkiewicz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado (1998) e Mestrado (1990) em Engenharia de Sistemas e Computação pela COPPE/UFRJ. Licenciada em Pedagogia pela UERJ (2009, modalidade a distância), graduada em Processamento de Dados pela UFRGS (1985). Especialista em Informática na Educação pela UFRGS, 2006. Professora da UFRGS desde final de 2008. Na modalidade EAD atuou na graduação em Pedagogia e no curso de especialização em Mídias na Educação. Atua desde 2008 no curso de formação de professores em Tecnologias de Informação Acessíveis, ambos na modalidade a distância. Foi professora da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (RJ) de 2000 a 2008, onde ministrou disciplinas de informática básica e programação para curso de Engenharia de Produção. No mestrado acadêmico em Engenharia de Produção ministrou disciplinas na área de informática e Inovação Tecnológica. Integra o corpo de avaliadores de cursos de graduação na área de informática do INEP desde 2002, e da Secretaria de Ensino Tecnológico desde 2004. Foi representante do Centro de Ciência e Tecnologia na Câmara de Extensão no biênio 2001-2003 na Comissão de Iniciação Científica no biênio 2006-2007 (UENF). Orientação de 14 dissertações de mestrado, no período de 2002 a 2009, sendo 3 na UFRJ (co-orientação) e 11 na UENF, com temáticas voltadas para inclusão digital, inovação tecnológica, desenvolvimento e avaliação de objetos de aprendizagem e outras tecnologias de informação para educação, incluindo EAD. Coordenou a equipe Rived da UENF de 2004 a 2008, sendo responsável pela organização do processo produtivo dos objetos de aprendizagem e estabelecimento de padronização de metadados. Coordenou (UENF) projetos de extensão para formação de professores e licenciandos no uso crítico de tecnologia de informação na educação, presenciais e a distância, de 2002 a 2008. Na UFRGS, coordenou em 2011 projeto de inclusão digital de professores e alunos de Farroupilha (RS), com financiamento CNPq. Foi vice-coordenadora do GT-3, Grupo de Trabalho da Licenciatura em Computação da SBC (Sociedade Brasileira de Computação) no biênio 2002-2003. Desde 2013 é coordenadora de Informática e Gerente de Redes do Colégio de Aplicação da UFRGS. Temas de interesse: inclusão digital, formação de professores para uso de TICs, EAD, gênero e tecnologia, objetos de aprendizagem

Referências

ALPER, J. Science education: the pipeline is leaking women all the way long. Science, vol. 260, 1993. p.409-411.

BRUSCHINI, C. Trabalho feminino no Brasil: avaliação dos anos 80 e perspectivas para o futuro. Atibaia, 1995.

CÉREQ: Mutations de la formation et de la professionnnalité des ingénieurs, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, novembro de 1996.

CHABAUDRYCHTER, D. La division des techniques comme rapport de sexes. In: Division sexuelle des techniques et qualification. CNRS, PIRTTEM, 1987, p.5-33.

CRESPO MERLO, A. R. Technologie de l’information, maladies du travail et contre-pouvoir ouvrier: une application au traitement de masse de données dans l’informatique brésilienne. Université Paris VII, Thèse de Doctorat en Sociologie, 1996, 418p.

DECHTERING, V. e BEHNKE, R. Situations and advancement measures in Germany. Communications of the ACM, vol. 38, nº 1, january 1995, p.75-82. Special Issue Women in Computing.

DURU-BELLAT, M. Garçons et filles à l’école des différences. Politique, la revue. nº 1, juillet-août-septembre 1996, pg.75-78.

FOX KELLER, E. Gender and Science. In.: HARDING, S. & HINTIKKA, M. (eds.) Discovering reality: feminist perspectives on epistemology, metaphysics, methodology and philosophy of science. Dordrecht, Reidel, 1978.

FRIEDMAN, A. Computer systems development: history, organisation and implementation. Chichester, Wiley, 1989.

GAIO, F. Women in software programming: the case of Brazil. In: MITTER, S. e ROWBOTHAM, S. Women encounter technology: changing patterns of employment in the Third World. London, Routledge and UNU Press, 1995, p.205-232

GLOVER, J. The slow feminization of scientific professions: some sociological explanations. Comunicação no seminário “Women in science, technology and industry: the rising tide”. Paris, British Council, julho 1996.

HADDON, L. The roots and early history of the British home computer market: origins of the masculine micro. PhD Thesis, School of Social Sciences, University of Sussex, 1987.

HIRATA, H. Nouvelles technologies, qualification et division sexuelle du travail: une perspective comparative. Cahiers du GEDISST, nº 1, 1991, pg.23-38

HIRATA, Helena. Travail et division sexuelle du travail, comparaisons internationales du travail industriel, (Universidade de Versailles SaintQuentin-en-Yvelines, 1997).

INSEE. Les femmes. Contours et caractères. Paris, Service des Droits des Femmes, 1995.

Jornal do Brasil, 02 de junho de 1997.

Jornal do Brasil, Caderno de Economia, de 22 de junho de 1997 e intitulada “O sucesso da informalidade”

LAVINAS, L. & MELO, H. P. Cartilha para mulheres candidatas a vereadoras, 1996. Rio de Janeiro, IPEA, 1996, 68p.

MARIANO, S. e SEGRE, L. Analistas de sistemas: novos perfis profissionais face às mudanças nas políticas de desenvolvimento de software. Anais da 1ª Jornada USP/SUCESU de Informática e Telecomunicações, São Paulo, 1993, p.473-479.

MARRY, C. Les ingénieurs: une profession encore plus masculine en Allemagne qu’en France? L’orientation scolaire et professionnelle, vol. 21, nº 3, 1992, p.245-267.

RAPKIEWICZ, C. e DJANI, N. La maitenance des micro-ordinateurs au féminin. Recherches feministes, v. 10, nº 1, 1997, p.77-95.

RAPKIEWICZ, C. e GAIO, F. Terceirização das atividades de análise e programação no setor financeiro: impactos sobre a mão-de-obra. Rio de Janeiro, COPPE/UFRJ, 1995, p.55-62.

RAPKIEWICZ, C. Femmes dans les métiers de l’informatique. Cahiers du GEDISST, nº 19, nouvelle série, à paraître 1997.

RAPKIEWICZ, C. Situação da mão-de-obra feminina nas atividades de informática terceirizadas no setor financeiro, UFRJ/COPPE/Sistemas, 1995, 45p.

SEGRE, L. e GOMES, M. H. T. Le recours aux tiers (“outsourcing”) dans le secteur bancaire au Brésil comme stratégie de modernisation: ses impacts. La Productivité dans un Monde sans Frontières: Congrès International de Génie Industriel de Montréal, Canadá, 1995.

Seminário “A mulher no mundo do trabalho”, ILDELFES/Instituto Latinoamericano de Desenvolvimento Econômico e Social.

TURKLE, S. The second self: computers and human spirit. New York, Simon and Schuster, 1984.

VERDIER, E. La bureautique. Paris, La Découverte, 1985, 128p.

WAJCMAN, J. Feminism Confronts Technology. Cambridge, Polity Press, 1991.

WIDNALL, S. AAAS presidential lecture: voices from the pipeline. Science, vol. 241, 1988, p.1740-1745.

Workshop “Reengenharia, Terceirização e Tecnologia da Informação: Impactos e Mudanças Organizacionais”

ZAMBALDE, A. Terceirização, inovação e software: estudo de casos na área de alimentos. Rio de Janeiro, COPPE/UFRJ, 1995, p.49-54.

Downloads

Publicado

2012-01-01

Como Citar

Rapkiewicz, C. E. (2012). Informática: domínio masculino?. Cadernos Pagu, (10), 169–200. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/4172931