Banner Portal
“Aventureiras” nas ciências: Refletindo sobre gênero e história das ciências naturais no Brasil
PDF

Palavras-chave

Estudos feministas. Ciências naturais. Literatura americana. Ciências no Brasil

Como Citar

LOPES, M. M. “Aventureiras” nas ciências: Refletindo sobre gênero e história das ciências naturais no Brasil. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 10, p. 345–368, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/4689345. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Resumo

 

Apoiado na literatura norte-americana, este artigo introduz uma visão geral dos estudos feministas da ciência, no que se refere à crítica das ciências naturais. Questiona por que até hoje a questão das mulheres e/ou gênero nas ciências tem merecido muito pouca atenção dos estudos sociais das ciências. E, para concluir, apresenta algumas perspectivas para as abordagens sobre mulheres e/ou gênero e ciências naturais no contexto da História das Ciências no Brasil.

 

Abstract

 

Based upon North American literature, this article presents an overview of the feminist science studies criticism of natural sciences. It questions why, until recently, the subject of women and/or gender in science has been scarcely addressed in the social studies of science. It concludes by presenting some suggestions on how to approach women and gender in the natural sciences in the context of the history of sciences in Brazil.

PDF

Referências

A Feeling for the organism. The Life and Work of Barbara McClintock. New York, W.H. Freeman and Company, 1983.

BLOOR, David. Knowledge and Social Imagery. (1976). Chicago, Univ., Chicago Press (2nd ed.), 1991.

COELHO PRADO, Maria Ligia. Em busca da participação das mulheres nas lutas pela independência política da América Latina. Revista Brasileira de História 12 (23/24), set 1991/ago1992, pp.77-90.

CORRÊA, Mariza. A doutora Emília e a tradição naturalista. Horizontes Antropológicos. Gênero I, 1995, pp.37-46.

CORRÊA, Mariza. Sobre a invenção da mulata. Cadernos Pagu (6-7), 1996, pp.35-50.

COSTA, Vera Rita. Perfil: Carmem Portinho. Ciência Hoje, março de 1996.

FAUSTO-STERLING, Anne. Myths of Gender: Biological Theories about Women and Men. New York, Basic Books, 1985.

FOX KELLER, Evelyn and LONGINO, Helen. (eds.) Feminism and Science. Oxford, New York, Oxford Univ. Press. (Oxford Readings in Feminism), 1996

FOX KELLER, Evelyn. Gender and Science: Origin, History, and Politics. OSIRIS 10, 1995, pp.27-38

FOX KELLER, Evelyn. Reflections on Gender and Science. New Haven and London, Yale Univ. Press, 1985.

HARAWAY, Donna. Primate Visions: Gender, Race, and Nature in the World of Modern Science. New York, Routtledge & Kegan Paul, 1989.

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5) 1995, pp.7-41.

HARDING, Sandra. Rethinking Standpoint Epistemology: What is “Strong Objectivity”? In: FOX KELLER, Evelyn and LONGINO, Helen. (eds.) Feminism and Science. Op.cit., pp. 235-248.

KOHLSTEDT, Sally Gregory. Women in the History of Science: An Ambiguous Place. OSIRIS 10, 1995, pp.39-58.

LAFUENTE, A. et alii (orgs.) Mundialización de la ciencia y cultura nacional. Madrid, Doce Calles, 1993.

LASLETT, Barbara et alii. Gender and Scientific Authority. Chicago, The University of Chicago Press. 1996

LATOUR, Bruno. Os objetos têm história? Encontro de Pasteur com Whitehead num banho de ácido lático. MANGUINHOS, vol. II (1), Mar-jun 1995, pp.9.

LLOYD, Elisabeth, A. Reason, Science and the Domination of Matter. In: FOX KELLER, Evelyn and LONGINO, Helen. (eds.) Feminism and Science. Op.cit., pp. 41-53.

LONGINO, Helen. Science as Social Knowledge. Values and Objectivity in Scientific Inquiry. Princeton, Princeton University Press, 1990.

LOPES, Maria Margaret. A Ciência não é uma jovem de costumes fáceis: aspectos das relações de gênero na História da Ciência no Brasil. Cadernos IG/UNICAMP, vol. 2, nº 1, 1992, pp.90-107.

LOPES, Maria Margaret. Mulheres e Ciências no Brasil: uma história a ser escrita. Revista do IEB (no prelo)

MERCHANT, Carolyn. The Death of Nature: Women, Ecology, and the Scientific Revolution. New York, Harper &Row, 1980.

MOREIRA ALVES, Branca. Em busca da nossa história: o movimento pelo voto feminino no Brasil – 1919/1932, fatos e ideologia. Dissertação de Mestrado. IUPERJ. 1977.

ORESKES, Naomi. Objectivity or Heroism? On the Invisibility of Women in Science. OSIRIS: Science in the Field 11, 1996, pp.87-113.

PETITJEAN, Patrick et alii. Ciências & Impérios. Dordrecht, Kluwer Academic Publishers, 1992

ROSSITER, Margaret. Women Scientists in America. Before Affirmative Action, 1940- 1972. Baltimore, The John Hopkins University Press, 1995.

ROSSITER, Margaret. Women Scientists in America. Struggles and Strategies to 1940. Baltimore and London, The Johns Hopkins University Press, 1982.

SAID, Edward W. Cultura e Imperialismo. São Paulo, Cia. das Letras. 1995, pp.66 e 89.

SCHIEBINGER, Londa. Nature’s Body. Gender in the Making of Modern Science. Boston, Beacon Press, 1993. capítulo 2: Why Mammals are called Mammals.

SHAPIN, Steven. Here and Everywhere: Sociology of Scientific Knowledge. Annual Review of Sociology 21, 1995, pp.289-321

SOHIET, Rachel. Bertha Lutz e a ascenção social da mulher, 1919-1937. Dissertação de Mestrado. Inst.Ciências Humanas Univ. Federal Fluminense.

STEPAN, Nancy Leys. Gênese e Evolução da Ciência Brasileira. Oswaldo Cruz e a política de investigação científica e médica. Rio de Janeiro, Arte Nova, 1976

STEPAN, Nancy Leys. Race and Gender: The Role of Analogy in Science. ISIS 77, 1986, pp.261-277.

VESSURI, Hebe Maria Cristina. Perspectivas recientes en el estudio social de la ciencia. INTERCIÊNCIA 16(2), 1991, pp.60-68

Downloads

Não há dados estatísticos.